Notícia

Território da Cultura Longshan, China

Território da Cultura Longshan, China


Toogle Nav Toogle Nav Resumo da História Chinesa

Vários locais de habitação dos primeiros hominídeos (habitados pelo Homo erectus, o predecessor dos humanos modernos) foram descobertos na China até agora, alguns dos quais alcançaram certa fama.

O mais antigo sítio paleolítico no território chinês conhecido hoje foi descoberto no sítio Xihoudu (perto da vila de Xihoudu no condado de Ruicheng, província de Shanxi) e tem cerca de 1,8 milhão de anos. É também o local onde foram encontradas evidências do uso mais antigo de fogo registrado pelo Homo erectus (datado de 1,27 milhão de anos atrás). Os restos mortais do homem de Yuanmou, encontrados perto da vila de Danawu, no condado de Yuanmou (província de Yunnan), tinham a data de 1,7 milhão de anos. As ferramentas de pedra que foram descobertas no local de Xiaochangliang (na Bacia de Nihewan, no condado de Yangyuan, província de Hebei) foram datadas como de 1,36 milhão de anos. Outros vestígios de hominídeos (530.000 a 1 milhão de anos) do Homem de Lantian foram encontrados nos sítios Chenjiawo e Gongwangling no condado de Lantian (província de Shaanxi, aproximadamente 50 km a sudeste da cidade de Xi'an).

réplica do crânio do homem de Pequim

Os restos mortais do Homem de Pequim (680.000 - 780.000 anos de idade) que foram encontrados em uma caverna perto de Zhoukoudian (perto de Pequim) são, no entanto, de longe os restos de hominídeo mais famosos já encontrados na China. Esses ancestrais hominídeos, que se distinguiam fisicamente por uma sobrancelha pesada e dentes grandes, já usavam ferramentas de fogo e pedra e mantinham uma postura ereta. Muitas outras perguntas (seriam eles canibais?) Permanecem sem resposta até hoje, também devido ao fato de que os restos originais foram misteriosamente perdidos em 1941 durante a Segunda Guerra Mundial e podem nunca ser redescobertos. Destinados à custódia dos Estados Unidos, os fósseis supostamente desapareceram a caminho da cidade portuária de Qinhuangdao.

Site do Homem de Pequim

O sítio do Homem de Pequim e o Museu do Homem de Pequim estão localizados em Zhoukoudian, cerca de 42 km a sudoeste de Pequim. Humanóides antigos chamados 'Homem de Pequim' viveram neste local cerca de 500.000 anos atrás.

Com base em descobertas bastante recentes, o Homo sapiens apareceu no cenário do que hoje é a China há cerca de 100.000 anos. Uma série de civilizações primitivas de caça e coleta apareceu em toda esta parte da Ásia, que começaram a usar ferramentas de pedra cada vez mais sofisticadas.


História de Shandong

Uma cultura neolítica - conhecida como Longshan por causa dos vestígios arqueológicos descobertos perto do município com esse nome - existia na Península de Shandong no terceiro milênio aC. Ele desempenhou um papel fundamental no estabelecimento de um agrupamento cultural comum baseado no arroz que aparentemente se espalhou ao longo da costa do Pacífico, da península a Taiwan e à área que agora é a província oriental de Guangdong.

Shandong Ocidental fazia parte do território da dinastia Shang (c. 1600–1046 aC). No período de primavera e outono (Chunqiu) (770-476 aC), ela se tornou o centro da atividade política e militar resultante da expansão para o leste da dinastia Zhou, após a conquista dos Shang. Um pequeno estado no sudoeste de Shandong era Lu, o local de nascimento de Confúcio e Mêncio. Também no "Território Oriental" - um nome antigo para Shandong - ficava Qi, estendendo-se pela maior parte da península e se tornando um importante centro econômico, exportando roupas de cânhamo, seda, peixe, sal e uma variedade única de tecido roxo para todas as partes da China. Começando no período das Seis Dinastias (220-589 dC), Shandong se tornou o principal centro marítimo do norte da China, recebendo commodities da área costeira do sul da China (agora províncias de Fujian e Guangdong) para transbordo para destinos ao norte e ao sul de Huang He. Assim, Shandong tem sido parte integrante da China desde o seu início como um estado organizado.

Em 1293, o Grande Canal, que se estende geralmente de norte a sul, foi concluído, tornando o oeste de Shandong uma importante rota comercial para o interior. No entanto, mesmo após a conclusão do canal, o comércio marítimo permaneceu importante para Shandong, e a península manteve sua posição econômica dominante. Nas grandes áreas agrícolas da província, no entanto, o desmatamento precoce e a prática consagrada de limpar terras para cultivo sem prever medidas de prevenção e controle de enchentes levaram a uma erosão séria e desastrosa e ao desperdício de valiosas terras agrícolas.

No século 19, esses problemas foram agravados por mudanças no curso do Huang He. De 1194 até o início da década de 1850, o Huang He seguiu o leito original do rio Huai ao longo da fronteira Shandong-Jiangsu antes de desaguar no Mar Amarelo. Depois de 1855, quando uma série de inundações devastadoras foi seguida pela construção de um dique extenso, o rio mudou para seu curso atual cerca de 250 milhas (400 km) ao norte. As dificuldades e a escassez de alimentos por causa das enchentes e outras calamidades naturais aumentaram de intensidade ao longo dos séculos XIX e XX. Isso resultou em uma emigração substancial de camponeses de Shandong para o Nordeste (Manchúria) e para a Mongólia Interior e a Coréia, com mais de quatro milhões de pessoas emigrando entre 1923 e 1930.

Na última década do século 19, Shandong ficou sob a influência de interesses alemães, britânicos e japoneses. Foi ocupada brevemente por tropas japonesas após a Guerra Sino-Japonesa de 1894-95. Em 1897, a Alemanha desembarcou tropas e, em 1898, foi assinado um tratado pelo qual a China cedeu à Alemanha, por 99 anos, duas entradas na baía de Jiaozhou e nas ilhas da baía e concedeu o direito de construir uma base naval e porto, Qingdao. A Alemanha usou Qingdao como base para estender sua influência comercial por toda a península, desenvolveu minas de carvão e construiu uma ferrovia (1905) de Qingdao a Jinan. Da mesma forma, em 1898, a Grã-Bretanha obteve um arrendamento para Weihaiwei (atual Weihai), outro porto estratégico próximo ao extremo norte da península. Isso foi em resposta à ocupação russa de Port Arthur (agora o distrito de Lüshunkou da cidade de Dalian). Com o advento da Primeira Guerra Mundial, o Japão assumiu os interesses alemães na península e, em 1915, como uma de suas infames Vinte e Uma Demandas, obrigou os chineses a darem reconhecimento oficial à renovação da ocupação. Retomando a questão de Shandong, as potências imperialistas decidiram em 1919 conceder a ocupação japonesa, que o Japão manteve até 1922.

Na Guerra Sino-Japonesa de 1937-45, embora os japoneses tivessem ganhado o controle da maior parte de Shandong no final de 1937, eles calcularam mal a força chinesa e sofreram uma séria derrota - a primeira da guerra - em Tai'erzhuang, em sul de Shandong, em 1938. Na luta pós-guerra entre os comunistas chineses e os nacionalistas, Shandong ficou sob controle comunista no final de 1948.


Agricultura

A cultura mais importante foi o milheto rabo de raposa, mas também foram encontrados vestígios de milheto, arroz e trigo. Grãos de arroz foram encontrados em Shandong e no sul de Henan, e um pequeno campo de arroz foi encontrado na península de Liaodong. Ferramentas especializadas para cavar, colher e moer grãos foram recuperadas. [13] [14]

A fonte mais comum de carne era o porco. [15] Ovelhas e cabras foram aparentemente domesticadas na área do planalto de Loess no 4º milênio aC, encontradas no oeste de Henan por volta de 2.800 aC, e então se espalharam pela área média e baixa do rio Amarelo. [16] Os cães também eram comidos, principalmente em Shandong, embora o gado fosse menos importante. [15] [16]

Também era conhecida a produção em pequena escala de seda pela criação e domesticação do bicho-da-seda no início da sericultura. [17]


Cultura Longshan

Exemplos da cultura Longshan que foram produzidos no final do período Neolítico (2900 aC a 2100 aC) podem ser encontrados na cidade velha de Longshan, na cidade de Zhangqiu, localizada na província de Shangdong. Sua influência pode ser encontrada nas áreas intermediárias e inferiores do Vale do Rio Amarelo, fluindo pelas províncias de Shandong, Henan, Shaanxi e Shanxi. Os artefatos do Longshan são caracterizados pelas aplicações de cobre e pedra.

Em comparação com a cultura Yangshao, as técnicas agrícolas na agricultura e a criação de gado melhoraram muito na cultura Longshan. Os fazendeiros da Cultura Longshan plantavam milho como principal safra e criavam porcos, cachorros, ovelhas e gado. Eles também fizeram grandes avanços na área de fabricação de ferramentas e foram capazes de criar muitas ferramentas feitas de pedra que incluiriam facas de pedra usadas para fazer furos, bem como ganchos para ceifar pedras e pás de pedra, para citar apenas alguns de seus ferramentas comuns.

Ferramentas de pedra lascada rudimentar

A cultura Longshan também fez grandes avanços na área da cerâmica, sendo a cerâmica negra um dos exemplos mais marcantes dessa cultura notável. A cerâmica foi feita usando técnicas que permitiram aos artesãos da cultura Langshan produzir um grande número de peças, mantendo ao mesmo tempo um senso de qualidade. Algumas das paredes da cerâmica eram finas como cascas de ovo, com superfícies bastante brilhantes. Algumas das peças mais comuns produzidas foram tigelas, bacias, potes, urnas e uma variedade de utensílios de cozinha. Hoje em dia, a cerâmica negra que foi e continua a ser produzida é considerada uma obra de arte, apreciada e procurada por muitas pessoas.

Na arquitetura, os edifícios de padrão de plataforma de terra retangulares foram montados naquela época, os quais podem ser vistos nos restos da cultura Longshan encontrados na província de Shangdong. As plataformas de terra foram construídas por uma técnica conhecida como & # 39terra ramada & # 39, que surgiu durante a dinastia Shang (16 a.C.-11 a.C.). Nos últimos anos, pelo menos dez desses tipos de plataformas foram encontrados, com sete deles situados em um grupo na província de Shandong.

Jarro de três pernas

A cultura Longshan também tinha alguns costumes bastante interessantes quando se tratava de enterrar seus familiares mortos em um cemitério que geralmente era separado da área onde eles realmente moravam. Era comum uma pessoa ser enterrada em uma cova retangular, enquanto ocasionalmente alguns eram enterrados juntas em uma única cova. Crianças, como as do período da Cultura Bampo, eram colocadas em urnas antes de serem enterradas. Ossos usados ​​para prever a fortuna de alguém e feitos de ossos de ovelhas, porcos, veados e vacas foram encontrados nas sepulturas daquele período. Com isso em mente, acredita-se que o costume de augúrio ou adivinhação pode ter sido popular e praticado.

Com o desenvolvimento da produtividade social, as mulheres ocuparam um lugar de destaque na cultura Longshan. A cultura começou a dar lugar aos homens à medida que eles desempenhavam papéis mais importantes na agricultura e no desenvolvimento da indústria do artesanato. A vida familiar baseada no princípio da monogamia foi estabelecida e, ao mesmo tempo, a polarização entre ricos e pobres também começou a aparecer gradualmente. Com os avanços sendo feitos em tantas áreas da sociedade, a Cultura Longshan, como tantas outras culturas, foi submetida a mudanças que precisaram ser feitas a fim de continuar seu notável desenvolvimento.


Cultura Dapenkeng 大 坌 坑 (5000-2500 AC)

Bem no sul, incluindo locais em Taiwan, ficava a região da Cultura Dapenkeng 大 坌 坑 (5000-2500 aC), cujos representantes viviam da pesca, caça e agricultura. Sua cerâmica é caracterizada por padrões feitos para impressionar diferentes materiais naturais, como bordas de conchas ou acordes (yinwen 印紋). Os habitantes desta área eram provavelmente falantes do austronésico e ancestrais dos aborígenes de Taiwan e de outros povos não chineses do sul da China que se fundiram com os chineses.


Arte neolítica na China (7500-2000 a.C.)

Para mais informações sobre o artesanato neolítico na Ásia, consulte: Arte asiática (de 38.000 aC).

CRONOLOGIA DA ARTE MUNDIAL
Para datas importantes, consulte:
História da Linha do Tempo da Arte.
Para estilos e gêneros, consulte:
História da arte.

Arte chinesa durante o Neolítico - o estágio final na história da arte pré-histórica - surgiu durante o período de 7500 aC a 2000 aC. A cultura neolítica foi caracterizada por um estilo de vida mais estável, baseado na agricultura e na criação de animais domésticos, seu uso de ferramentas mais sofisticadas levou diretamente ao crescimento de artesanatos como a olaria e a tecelagem. Embora a maior parte da arte antiga na China, como em outros lugares, permanecesse amplamente funcional na natureza, os artistas também foram capazes de se concentrar na ornamentação e na decoração, bem como nas formas primitivas de joalheria envolvendo entalhes em jade e metais preciosos. Outros tipos de arte introduzidos durante o Neolítico incluem entalhes em madeira e esculturas em relevo, bem como entalhes em marfim e esculturas em pedra autônomo. Mas o meio-chave da arte neolítica na China (como em outros lugares) foi Cerâmica chinesa, um estilo de cerâmica antiga caracterizado por uma ampla variedade de vasos delicados, polidos e coloridos para fins funcionais e cerimoniais. A arte chinesa da Idade da Pedra durante o período Neolítico foi classificada pelos arqueólogos em um mosaico de cerca de 22 culturas regionais, cuja influência e importância ainda estão sendo determinadas. Essas culturas sobrepostas cresceram principalmente ao longo dos vales dos rios Amarelo e Yangtze (veja abaixo). Veja também: Arte Tradicional Chinesa: Características.

Características e história da arte neolítica na China

Neolítico inicial (c.7500-5000)
A arte em cerâmica foi a atividade criativa definidora da sociedade neolítica na China. Os primeiros potes a aparecerem eram quase exclusivamente de cerâmica utilitária, feitos à mão (por enrolamento), principalmente na cor vermelha e queimados em fogueiras. Desenhos decorativos foram aplicados por estampagem, impressão e outras técnicas simples. As faixas pintadas vistas nesta cerâmica podem representar exemplos de protótipos do Cultura de cerâmica pintada, que floresceu durante o período de 4.000 a 2.000 AEC. Para ver como os vasos neolíticos chineses se encaixam na evolução da cerâmica, consulte: Linha do tempo da cerâmica (26.000 aC - 1900). A fabricação de seda, o processo têxtil chinês característico, também começou durante o 6º milênio. Os primeiros artistas chineses do Neolítico também são conhecidos por seus famosos Esculturas de Jiahu - esculturas em turquesa e flautas de osso - descobertas na Bacia do Rio Amarelo na Província de Henan, China Central, por volta de 7000-5700 aC.

Neolítico médio (c.5000-4000 AC)
A arte do Neolítico Médio Chinês é representada por jarros de corpo profundo, porcelana vermelha ou marrom-avermelhada, notavelmente com fundo pontiagudo ânforas. No leste do país, a cerâmica era caracterizada por vasos de argila fina ou temperada com areia, ornamentados com marcações em pente, marcações incisas e faixas estreitas com apliques. Na região do baixo rio Yangtze, era produzida cerâmica preta porosa temperada com carvão, com caldeirões, além de xícaras e tigelas. Além disso, entalhes e outras formas de escultura começaram a aparecer - incluindo uma série de desenhos de pássaros notáveis ​​esculpidos em osso e marfim -, bem como os primeiros exemplos de loiças chinesas. Veja também: Arte da Mesopotâmia (4500-539 aC).

Neolítico tardio (c.4000-2000 AC)
A cerâmica chinesa do Neolítico Tardio inclui uma variedade de vasos cerimoniais delicados, coloridos e polidos, exemplificando a cultura da cerâmica pintada da época. Estes apresentavam tigelas polidas e bacias de cerâmica vermelha fina, uma parte das quais eram pintadas, geralmente de preto, com espirais, pontos e linhas fluidas. No nordeste, a cultura Hongshan era caracterizada por pequenas tigelas, cerâmica pintada de forma fina, bem como amuletos de jade em forma de pássaros, tartarugas e dragões. As culturas do vale do rio Yangtze médio e inferior eram conhecidas por seus vasos de pés em forma de anel, espirais de cerâmica, taças finas como cascas de ovo e tigelas decoradas com desenhos pretos ou laranja e tigelas de cintura dupla. Para uma comparação, consulte também: Antiga Arte Persa (de 3500 aC).

Por volta de 3000 aC, os ceramistas chineses haviam alcançado uma habilidade e elegância bastante excepcionais. Os projetos incluíram painéis em forma de cabaça, linhas dente de serra, espirais radiais e figuras zoomórficas. A cultura Longshan predominante (3000-2000 aC) foi caracterizada por sua cerâmica preta lustrosa e fina como uma casca de ovo e sua proficiência na construção componencial - na qual bicos, pernas e cabos foram adicionados à forma básica.

Além da cerâmica fina, o Neolítico tardio na China testemunhou o desenvolvimento da escultura em jade, laqueação e outros artesanatos de joalheria, confirmado pelo número crescente de artefatos preciosos descobertos nos túmulos de indivíduos ricos. Foi também durante o terceiro milênio que a metalurgia do bronze evoluiu. Os primeiros objetos de bronze conhecidos na China foram encontrados no local da cultura Majiayao, datando de entre 3100 e 2700 aC.

Para a história e o desenvolvimento das culturas da Idade da Pedra no Leste Asiático, consulte: Linha do tempo da arte chinesa (c.18.000 aC - presente). Para os primeiros
pintura / escultura, consulte: Arte mais antiga da Idade da Pedra: 100 melhores obras de arte.

Culturas neolíticas na China (7500-2000 a.C.)

Cultura Pengtoushan (7500-6100)
Com base na região central do rio Yangtze, no noroeste de Hunan, entre os artefatos encontrados nos túmulos de Pengtoushan estava a cerâmica marcada com um cordão. Compare a cerâmica Pengtoushan com a cerâmica Jomon, a forma mais antiga de arte japonesa, que era tipicamente sustentada em cestos que eram destruídos pelo processo de cozimento e cuja tecelagem deixava seu rastro na barriga.

Cultura Peiligang (7000-5000)
Centrado no vale da bacia do rio Yi-Luo em Henan. Os artefatos típicos de Peiligang incluem uma grande variedade de itens de cerâmica, principalmente para fins funcionais, como armazenamento e cozimento.

Cultura Houli (6500-5500)
Centrado em Shandong.

Cultura Xinglongwa (6200-5400)
Localizado ao longo da fronteira da Mongólia Interior-Liaoning. A cultura Xinglongwa é conhecida por sua cerâmica cilíndrica, bem como por uma quantidade limitada de objetos de jade.

Cultura Cishan (6000-5500)
Localizada ao redor do Rio Amarelo, no sul de Hebei, conhecida por sua cerâmica tripé.

Cultura Dadiwan (5800-5400)
Localizada em Gansu e no oeste de Shaanxi, ela compartilhava várias características em comum com as culturas Cishan e Peiligang.

Cultura Xinle (5500-4800)
Centrado na parte inferior do rio Liao, na Península de Liaodong. Escavações arqueológicas produziram inúmeros artefatos Xinle, incluindo cerâmica, objetos de jade e algumas das esculturas em madeira mais antigas do mundo.

Cultura Zhaobaogou (5400-4500)
Centrado no vale do rio Luan na Mongólia Interior e no norte de Hebei, é conhecido por seus vasos de cerâmica decorados com desenhos geométricos e zoomórficos e suas estatuetas de pedra e terracota.

Cultura de Beixin (5300-4100)
Isso foi centrado em Shandong.

Cultura Hemudu (5000-4500)
Com base em Yuyao e Zhoushan, Zhejiang, bem como nas ilhas de Zhoushan. É conhecida por sua cerâmica porosa, de cor preta e robusta, muitas vezes embelezada com plantas e desenhos geométricos. Os artistas de Hemudu também produziram objetos esculpidos em jade, ornamentos esculpidos em marfim e pequenas esculturas de argila.

Cultura Daxi (5000-3000)
Centrada em torno da região das Três Gargantas do meio do rio Yangtze, a cultura é conhecida por seu dou (garrafas cilíndricas), panela branca (pratos), cerâmica vermelha e ornamentos de jade.

Cultura Majiabang (5000-3000)
Localizada na área do Lago Taihu e ao norte da Baía de Hangzhou, ela se espalhava pelo sul de Jiangsu e pelo norte de Zhejiang. É conhecida por seus ornamentos de jade e marfins.

Cultura Yangshao (5000-3000)
Uma das mais importantes culturas de cerâmica pintada do período neolítico chinês, floresceu em Henan, Shaanxi e Shanxi. Descoberto pelo arqueólogo sueco Johan Gunnar Andersson e batizado com o nome de seu sítio-tipo, Yangshao, em Henan, evoluiu em vários estágios, classificados de acordo com os estilos de cerâmica, a saber: (1) estágio Banpo (4800-4200). (2) Estágio Miaodigou (4000-3000). (3) Estágio Majiayao (3300-2000). (4) Estágio Banshan (2700-2300). (5) Estágio Machang (2400-2000). Os pintores chineses da cultura Yangshao eram conhecidos por sua excelente cerâmica pintada de branco, vermelho e preto decorada com desenhos humanos, animais e geométricos. Certas marcações incisas na cerâmica Yangshao foram especulativamente interpretadas como uma das primeiras formas de escrita chinesa. A cultura Yangshao também é conhecida por sua produção inicial de seda.

Cultura Hongshan (4700-2900)
Descoberta pelo arqueólogo japonês Torii Ryuzo em 1908 e escavada na década de 1930 por Kosaku Hamada e Mizuno Seiichi, essa cultura evoluiu na Mongólia Interior, Liaoning e Hebei, no nordeste da China. Os artistas de Hongshan são conhecidos por seus entalhes em jade (especialmente seus dragões porcos), anéis de cobre e estatuetas de argila, incluindo estatuetas de mulheres grávidas. Em Niuheliang, os arqueólogos descobriram um complexo religioso subterrâneo contendo uma quantidade de vasos de cerâmica pintados e decorados com pinturas murais - veja também: Pintura chinesa. Tumbas escavadas nas proximidades continham objetos de jade, bem como esculturas de dragões e tartarugas. O povo Hongshan atribuiu especial importância ao jade. Vários tipos de jade eram usados ​​na escultura - incluindo verde-claro, creme ou mesmo verde-escuro - e as formas populares incluíam uma criatura com a cabeça de um porco (ou urso) e o corpo enrolado de um dragão. Exemplos podem ser vistos no Instituto Provincial de Arqueologia de Liaoning, Shenyang.

Cultura Dawenkou (4100-2600)
Centrado em Shandong, Anhui, Henan e Jiangsu, e mais conhecido por seus entalhes de turquesa, jade e marfim, bem como suas taças de cerâmica de cabo longo, ele é dividido em três estágios principais, de acordo com objetos descobertos em túmulos: (1 ) Fase inicial: c.4100-3500. (2) Fase intermediária: c.3500-3000. (3) Fase tardia: c.3000-2600.

Cultura Liangzhu (3400-2250)
Esta foi a última cultura de jade neolítica do delta do rio Yangtze e é famosa por seus artefatos de tumba, com objetos de jade finamente trabalhados - feitos de tremolita, actinolita e jades serpentinas - incluindo pingentes gravados com desenhos decorativos de pássaros, tartarugas e peixes. Os artistas de Liangzhu também eram conhecidos por seus objetos de seda, marfim e laca, bem como por sua cerâmica fina. A arte Liangzhu é exemplificada por seu misterioso jade congs - tubos cilíndricos envoltos em blocos retangulares - que foram associados ao xamanismo neolítico, e que anteciparam o taotie desenho dos bronzes das dinastias Shang e Zhou. Exemplos podem ser vistos no Instituto Provincial de Arqueologia de Zhejiang, Hangzhou. Compare a cultura Liangzhu com a arte egípcia (3100 em diante).

Cultura Majiayao (3100-2700)
Localizada na região superior do Rio Amarelo em Gansu e Qinghai, ela é conhecida por seus objetos pioneiros de cobre e bronze, bem como por sua cerâmica pintada.

Cultura Qujialing (3100-2700)
Centrado ao redor da região do meio do rio Yangtze em Hubei e Hunan, é famoso por suas bolas de cerâmica, espirais de fuso pintadas e cerâmica de casca de ovo.

Cultura Longshan (3000-2000)
Localizados na região central e inferior do Rio Amarelo, e batizados em homenagem à cidade de Longshan, lar do sítio arqueológico original de Chengziya, os artistas de Longshan eram famosos por seus trabalhos em cerâmica - especialmente sua casca de ovo altamente polida, de cor preta e paredes finas cerâmica. Trabalhando com argila refinada, uma roda de oleiro rápida e um forno muito quente, os ceramistas Longshan produziram alguns itens excepcionais, incluindo "xícaras" cerimoniais altas e finas, com laterais normalmente não mais do que 0,5 milímetros de espessura. Esses objetos finos inspiraram as taças de vinho esguias e de boca larga, conhecidas como gu, feito durante a era posterior da arte da Dinastia Shang (c.1600-1000 AC). A cultura Longshan também é conhecida por sua sericultura (produção de seda).

Cultura Baodun (2800-2000)
Centrado na planície de Chengdu, é conhecido por sua cerâmica, bem como por sua arquitetura inicial de seixos.

Cultura Shijiahe (2500-2000)
Localizada ao redor da região do meio do rio Yangtze em Hubei, é conhecida por seus espirais de fuso pintados, herdados da cultura Qujialing anterior, suas estatuetas de cerâmica e esculturas de jade distintas.

Arte da Idade do Bronze na China

Embora a arte chinesa da Idade do Bronze tenha se originado na região superior do Rio Amarelo por volta do final do 4º milênio aC (c.3100), a metalurgia do bronze está mais intimamente associada aos desenvolvimentos culturais Erlitou (2100-1500) sob a Dinastia Xia (c.2100- 1700 AC) e o início da Dinastia Shang entre 1700 e 1500 AC - veja, por exemplo, os famosos Bronzes Sanxingdui (1200 AC). Enquanto isso, a Galeria Nacional de Arte dos EUA, Washington DC., Define a Idade do Bronze na China como abrangendo o período c.2000-770 aC.

Observação: para uma comparação, consulte: Arte coreana (c.3.000 aC em diante.)

Descrita em antigas crônicas históricas, a Dinastia Xia foi a primeira dinastia da China. Para mais informações, consulte: Cultura da Dinastia Xia (2100-1700).


Território da Cultura Longshan, China - História

Culturas Neolíticas e da Idade do Bronze

(teste) Nome dado por arqueólogos a um grupo de comunidades neolíticas que viveram principalmente em Shandong, mas também apareceram nas províncias de Anhui, Henan e Jiangsu. A cultura existiu de 4100 aC a 2600 aC, coexistindo com a cultura Yangshao. As primeiras descobertas de tambores de crocodilo aparecem nos locais de Dawenkou.

Termo usado por arqueólogos para se referir a uma cultura arqueológica da Idade do Bronze na China. O local principal foi descoberto em Erligang, nos arredores da moderna cidade de Zhengzhou, Henan, em 1951.
Muitos arqueólogos chineses acreditam que Zhengzhou foi o local de uma capital Shang no início, equiparando a cultura Erligang com um estágio inicial da Dinastia Shang. A cidade foi cercada por uma grande muralha com uma circunferência de quase 7 km. Grandes oficinas estavam localizadas fora das muralhas da cidade, incluindo uma oficina de ossos, uma oficina de cerâmica e duas oficinas de vasos de bronze. A cidade moderna fica nas ruínas da cidade de Erligang, tornando as escavações arqueológicas impossíveis. Portanto, a maior parte das informações sobre a cultura Erligang vem do estudo de outros locais Erligang.
A cultura Erligang estava centrada no vale do Rio Amarelo. Erligang foi a primeira cultura arqueológica na China a mostrar o uso generalizado de fundições de vasos de bronze. Em seus primeiros anos, a cultura de repente se expandiu rapidamente, alcançando o rio Yangtze, como evidenciado pelo largesito em Panlongcheng em Hubei. Como Zhengzhou não tinha acesso aos metais de bronze locais, locais como Panlongcheng provavelmente foram usados ​​para proteger recursos metálicos distantes. A cultura então encolheu gradualmente desde seu pico inicial.
A cultura Erligang foi influenciada pela cultura Erlitou, pois seus bronzes se desenvolveram a partir do estilo e das técnicas da cultura Erlitou. Durante a cultura Erligang, o estilo dos vasos de bronze tornou-se muito mais uniforme do que sob a cultura Erlitou, o uso de vasos de bronze também se tornou muito mais difundido.

Cultura neolítica no nordeste da China. Sítios de Hongshan foram encontrados em uma área que se estende da Mongólia Interior a Liaoning e Hebei, e datam de c. 4700 - c. 2900 AC. A cultura recebeu o nome de Hongshanhou (& # 32418 & # 23665 & # 24460), um local no distrito de Hongshan, Chifeng. Hongshanhou foi descoberta por Torii Ryuzo em 1908 e extensivamente escavada em 1935 por Hamada Kosaku e Mizuno Seiichi.
Os bens do túmulo de Hongshan incluem alguns dos primeiros exemplos conhecidos de jade chinês trabalhando a cultura de Hongshan é conhecida por seus dragões de porco de jade. Estatuetas de barro, incluindo estatuetas de mulheres grávidas, também são encontradas em todos os locais de Hongshan. O sítio arqueológico em Niuheliang é um complexo ritual único associado à cultura Hongshan.
A cultura Hongshan teve contatos culturais com a cultura Yangshao, com transmissões culturais bidirecionais.

A cultura do Neolítico tardio centrava-se no rio Amarelo central e inferior, na China. A cultura de Longshan deve o seu nome a Longshan, na província de Shandong, o primeiro sítio escavado desta cultura. É datado de cerca de 3000 aC a 2000 aC.

A característica distintiva da cultura Longshan era o alto nível de habilidade na fabricação de cerâmica, incluindo o uso de rodas de cerâmica. A cultura Longshan era conhecida por sua cerâmica preta altamente polida (ou cerâmica com casca de ovo) e é frequentemente chamada de & # 39Cultura da Cerâmica Negra & # 39 por esse motivo.

Galeria: A cerâmica / blackware da casca de ovo é feita de argila arenosa, o que resulta em uma cerâmica com paredes extremamente finas. As peças são polidas e então revestidas com uma pasta preta, resultando em um acabamento extremamente liso. Cultura de Longshan do período neolítico.

Altura 17 cm, diâmetro da boca 11,9 cm.
Do site de Yaoguanzhuang, cidade de Weifang, província de Shandong, 1960.
Recipiente de vinho ou artefato ritual com alça em forma de bambu.

Altura 18,3 cm, diâmetro da boca 28 cm.
Do site de Yaoguanzhuang, cidade de Weifang, província de Shandong, 1960.
Recipiente para alimentos com haste em forma de bambu.

Altura 18,5cm, Diâmetro da boca 26cm.
Do site de Yaoguanzhuang, cidade de Weifang, província de Shandong, 1960.
Tigela com três pés em forma de bico.

Altura 16cm, Diâmetro da boca 23,9cm, Diâmetro inferior 17,9cm.
De Tongyu, Condado de Anqiu, Província de Shandong, 1957.
Quatro figuras de bambu na barriga, boca virada para cima, base plana.

Altura 12,5cm, Diâmetro da boca 7,8cm, Diâmetro inferior 4,5cm.
Do site de Yaoguanzhuang, cidade de Weifang, província de Shandong, 1960.
Copo com boca reta, pescoço longo e fundo plano. Duas orelhas unem-se à barriga e o corpo é decorado com vários desenhos de linhas rebatidas.

A vida durante a cultura Longshan marcou uma transição para o estabelecimento de cidades, à medida que paredes de taipa e fossos começaram a aparecer, sendo o local em Taosi seu maior assentamento murado. O cultivo do arroz estava claramente estabelecido naquela época.
A população neolítica na China atingiu seu pico durante a cultura Longshan. No final da cultura Longshan, a população diminuiu drasticamente, o que foi acompanhado pelo desaparecimento de cerâmica negra de alta qualidade encontrada em sepulturas rituais.
Os primeiros estudos indicaram que as culturas Longshan e Yangshao eram a mesma. Hoje é amplamente aceito que a cultura Longshan é, na verdade, um desenvolvimento posterior da cultura Yangshao.

Nome dado por arqueólogos a um grupo de comunidades neolíticas que viviam principalmente na região superior do rio Amarelo nas províncias de Gansu e Qinghai. A cultura existiu de 3100 aC a 2700 aC. As primeiras descobertas de objetos de cobre e bronze na China ocorrem em locais de Majiayao.

Nome dado por arqueólogos a um grupo de comunidades neolíticas que viviam no vale do rio Yiluo, na província de Henan, China. A cultura existiu de 7.000 aC a 5.000 aC. Mais de 70 locais foram identificados com a cultura Peiligang. A cultura recebeu o nome do local descoberto em 1977 em Peiligang. Os arqueólogos acreditam que a cultura Peiligang era igualitária, com pouca organização política.
A cultura praticava a agricultura na forma de cultivo de milheto e a pecuária na forma de suinocultura. A cultura também é uma das mais antigas na China antiga a fazer cerâmica.
O site em Jiahu é um dos primeiros sites associados a esta cultura.

A cultura do início da Idade do Bronze (2.400 aC - 1900 aC) distribuída ao redor da região do alto rio Amarelo, no oeste de Gansu e no leste de Qinghai, China. Johan Gunnar Andersson descobriu o local inicial em Qijiaping (& # 40778 & # 23478 & # 22378) em 1923. Durante os estágios finais da cultura, a cultura Qijia se retirou do oeste e sofreu uma redução no tamanho da população. A cultura Qijia produziu alguns dos primeiros espelhos de bronze e cobre encontrados na China. Domesticação extensiva de cavalos é encontrada em muitos locais de Qijia.
O sítio arqueológico de Lajia está associado à cultura Qijia.

Cultura da Idade do Bronze na província de Jiangxi. The initial site at Wucheng, located on the Gan River, was first excavated in 1973. The Wucheng culture probably developed in response to cultural contacts with the expanding Erligang culture, melding Erligang influences with local traditions. The Wucheng culture was a distinct contemporary of Sanxingdui and Yinxu and is known for its distinct geometric pottery and bronze bells, the clapperless nao. The Wucheng site at Xin'gan contains a rich cache of localized bronze vessels. Wucheng pottery contained inscriptions which may be an undeciphered script.

Funerary urn.
Pottery decorated with red and black slip.
Excavated at Panshan, Kansu.
Fig 3

Neolithic culture that existed extensively along the central Yellow River in China. The Yangshao culture is dated from around 5000 BC to 3000 BC. The culture is named after Yangshao, the first excavated representative village of this culture, which was discovered in 1921 in Henan Province. The culture flourished mainly in the provinces of Henan, Shaanxi and Shanxi.
The Yangshao people cultivated millet extensively some villages also cultivated wheat or rice. They kept such animals as pigs and dogs, as well as sheep, goats, and cattle, but much of their meat came from hunting and fishing. Their stone tools were polished and highly specialized. The Yangshao people may also have practiced an early form of silkworm cultivation.
The Yangshao culture is well-known for its painted pottery. Yangshao artisans created fine white, red, and black painted pottery with human facial, animal, and geometric designs. Unlike the later Longshan culture, the Yangshao culture did not use pottery wheels in pottery-making. Excavations found that children were buried in painted pottery jars.
The archaeological site of Banpo village, near Xi'an, is one of the best-known sites related to Yangshao culture.


Longshan Culture Territory, China - History

Let us look at another Neolithic culture that seemed to emerge in coastal China with the end of the Yangshao culture. Remember that the Yangshao were located on the upper Yellow River. This culture is called the Longshan Black Pottery Culture, after a principle site and their black pottery. It seems to have originated in the lower Yellow River towards the coast, in the present day province of Shantung. It then spread north, south, and eventually westward, perhaps dooming the Yangshao culture to subjugation. Its dates are roughly set at 2500-1000 BCE. 1

“Around the middle of the third millennium, the traditions among these people began to change. … Villages grew larger, more prosperous, and more socially organized. … Differences between rich and poor increased sharply. In the community livestock pens, other animals now joined the pigs goats, sheep, cattle and chickens brought a pleasant variety to the diet of pork and millet. Longshan pottery took on a new and somewhat austere elegance.” 2

Introduction of herding animals, cattle, sheep and goats

It was the Longshan culture that introduced herding animals into northern China. More specifically, cattle were rare before the Longshan arrived, while the herding animals, i.e. cattle, sheep and goats, were typical after their arrival.

These herding animals came ultimately from the west and were not indigenous to China. This indicates the foreign origin of the Longshan culture, although the Longshan people were indigenous. Like waves, culture sometimes travels independent of people.

“Most of the domesticated animals appear to have been brought ultimately from the West, although chickens, pigs, and dogs could have been local domesticates in China.” 3

Before the Longshan culture, we find mainly farm implements. After they appeared, we find weaponry, warfare and huge earth works for defense. One such wall was 23 feet tall, 33 feet wide at the base, tapering to 16 feet at the top and surrounded by a large moat. Reinforcing the warlike nature of the time, archeologists have discovered mass gravesites where the individuals died violent deaths. Before the Longshan, the graves indicate very little stratification of society. After their arrival, we find a clan set up with male leadership - most likely a type of warrior-king.

Warlike culture

The relatively peaceful life of the Yangshao culture goes through fundamental changes with the emergence, or arrival, of the Longshan culture. No longer is the pottery painted. It is just black now. No longer are the villages undefended. No longer is agriculture a primary pastime now it is warfare.

“The Longshan people seem to have adopted a more defensive posture than their predecessors. Besides the usual farm implements of flaked and polished stone, their artisans produced larger numbers of spear points and arrowheads. Around each settlement, the Longshan erected a massive barricade of stamped earth, which was probably intended as a line of defense against attack. Armed conflict seems to have been an integral part of their culture.… The Longshan methods of burial suggest that another custom followed by these people was ancestor worship. … Clan leaders emerged, men successful in battle and dominant in village affairs. Degree of influence and wealth began to separate the Longshan people into social classes, with an aristocracy holding sway over the rest. Some men fought and plundered others raised the animals and harvested the millet.” 4

Social stratification

It seems evident that a peaceful agricultural society based upon crafts was transformed into a classic military aristocracy based on war and domination. There were even two classes of men: one who fought and the other who farmed. Even the methods and locations of burial changed. The Yangshao buried their dead outside the village, while the Longshan buried them underneath and within the house, indicating possible ancestor worship.

Longshan culture, an indigenous emergence?

Did the Longshan emerge from the Yangshao or were they an alien culture that came to dominate from the outside? In the past, a typical history of China treated the whole prehistoric development as an indigenous affair. According to this viewpoint, the Yangshao culture evolved from the indigenous Chinese who lived there. The Longshan culture was merely the next social evolutionary step, a result of population pressures. They were the same Yangshao people dealing with growth. The stratification of society and emergence of warlike behavior was a natural progression based upon man’s natural greed and lust for power combined with shrinking resources.

Yangshao and Longshan overlap in middle

Because of geographical separation, overlap, and distinct cultural differences, most scholars have abandoned the idea that the Longshan derived from the Yangshao.

“The Longshan is now known to have been concentrated along the Pacific coast of China, from Shandong to Taiwan. In several locations, Longshan artifacts have been dated as early as those of the Yangshao. Thus, the derivation of the Longshan from the Yangshao, as some had proposed, is now a subject of some debate. ” 5

It is now thought that the Yangshao and Longshan are separate cultures emerging in separate geographic areas. Black pottery and painted pottery of the same date have been found at the boundary area of the two cultures. This evidence provides further support for the existence of two separate cultures.

“Specimens of the Painted Pottery of the west and the Black Pottery of the east overlapped in the vicinity of Anyang.” 6

Another fact that supports this hypothesis is that the Longshan culture purportedly began in the lower Yellow River Valley and moved northwest to supplant the Yangshao culture. It also spread up and down the coast of China to Manchuria in the north and Vietnam in the south. 7

It seems that this new culture emerged from the coast of China not from the upper Yellow River.

Longshan: nomadic invaders or local development?

Language and geography local

The next question that arises is: Did the Longshan culture come from outside the area or did it emerge locally. We have already mentioned that the culture seems to have originated on the lower Yellow River and spread outwards. Another fact that supports the theory of indigenous emergence is the fact that the Chinese language shows almost no influence from the languages of the nomadic cultures, the Altaic language group.

Longshan bring in herding animals

On the other side of the argument, i.e. that the Longshan were nomadic invaders from the outside, we find that prior to the Longshan herding was non-existent.

[Speaking of the dawn of Chinese civilization] “There were no herds of cattle, but domesticated dogs and pigs provided a supply of meat, which was augmented by wild game from the surrounding countryside.” 8

After the Longshan, we have all the herding animals included in the pen. Cows, sheep, and goats were not indigenous to North China, and had not been in evidence for thousands of years, since the dawn of Chinese civilization. Suddenly we have the classic herding animals along with the classic warlike nomadic culture.

Longshan pottery similarities to Iranian pottery

Another piece of evidence for exterior influence is that the Longshan black pottery has precedents in Iran at an earlier time.

“As in the case of the Yangshao red ware, there are close parallels with a similar black ware made in Iran at an earlier date, around 2000 BC in this case.” 9

Additionally the Longshan pottery shapes, which extended from northeast China to northern Malaya, resemble pottery shapes made 2000 years before in Western Asia.

“Several of the Longshan shapes, notably the wide dish, beaker and dish on a tall stem, resemble vessels in use from one thousand to two thousand years earlier in western Asian sites such as Tepe Hissar, Anau, and Susa, while in East Asia this type of pottery has been found in a huge arc stretching from north-east China down to Thailand and northern Malaya.” 10

Again the presence of these ceramics indicates a close connection with Southeast Asia. This relationship continues throughout Chinese history, acting to enrich both cultures.

The Manchurian Soybean for balance

Furthermore, the Chinese diet went through a big change at this time, probably introduced from Manchuria. The Banpo people of the Yangshao culture were small boned. This was possibly from vitamin deficiencies due to a diet primarily based upon millet and swine. This changed with the introduction of soybeans from Manchuria in the north around the 2nd millennium. 11 The soybean provided a balance nutritionally and agriculturally. The soybean was the perfect crop to alternate with millet, as the alternation maintained the fertility of the soil.

Possible Manchurian infiltration

The introduction of soybeans into the diet indicates that the people who eventually became the Longshan could have migrated down from Manchuria, across the much less imposing lowlands of the coast. However, if the people originated in Manchuria, why does the evidence indicate that the Longshan culture spread northwards into Manchuria from China?

Nomadic or agrarian cultures by themselves do not tend to produce a stratified society such as the Longshan. Civilization, as we know it, emerges most often when a nomadic culture conquers and enslaves an agrarian culture. The militarization of society has the effect of concentrating the populace into cities for defense. Plus, it produces a ruling warrior class to provide protection and a farmer class to produce the food.

Under this line of reasoning, Manchurian nomads could have come raiding from the north into the lower Yellow River Plain. Perhaps after a few raiding trips, they may have gradually decided to stay as a military aristocracy with their warlike customs. Over time, they intermixed with local cultures. The physically smaller indigenous people became the peasants who tended the land. The larger bodied invaders became the warrior-kings. The resultant culture became known as the Longshan.

China and outside influence

China regularly transformed from outside

A nomadic invasion from the north followed by cultural assimilation is a common theme throughout Chinese history. As we shall see, the Chou dynasty circa 1000 BCE, the Ch’in dynasty circa 200 BCE, and the Ch’ing Dynasty circa 1700 CE, all emerged from the outskirts of China to rule the country. Each of these invaders eventually considered themselves to be Chinese. Even the Mongol Yuan Dynasty circa 1200 CE, adopted Chinese culture, while elsewhere they obliterated the indigenous cultures including the great Persian Empire.

Our Answers

Instead of the nomads becoming rulers, could it be that the northeastern coastal Chinese, on the lower Yellow River Plain, were required to defend themselves from the Manchurian raiders from the north? In so doing, their egalitarian agricultural society could have been transformed into a stratified military culture. For defense, they began building earth walls for defense and protection. The small farming villages joined together in larger communities to become defensive compounds.

Furthermore in the centuries that transpired 12 they acquired Mongolian soybeans, herding animals, i.e. cattle, goats and sheep, and a new hierarchical structure. In order to provide effective defense, the warriors became more important, providing both military prowess and necessary leadership in battles. Unfortunately, inevitably, as always, evermore, they then used these effective defensive and offensive techniques against their Chinese neighbors to the south and west, who in turn became militarized in defense. In such a way, the military culture spread outward to the perimeters of the agricultural settlements.

Few Raiders assimilated

If these nomadic raiders stayed and became rulers of Chinese communities, they used these walled cities to defend themselves from the next wave of invaders. With each new invading wave these perimeter cultures became more and more militarized for practical reasons. The nomadic raiders being few and the agricultural Chinese being many, eventually the nomadic raiders became assimilated as they frequently do 13 .

They probably left their nomadic heritage behind, becoming ‘civilized’ by the indigenous cultures. These early transitional communities still maintained their agricultural basis, but now became a stratified society for defense.

Universal: military pressure leads to social stratification with warrior at the top

A constant throughout history seems to be that whenever there is military pressure, stratification occurs. Whenever stratification occurs men’s status rises and women’s status falls go down. The converse is also true. Whenever military pressure lessens, the social standing of men and women tends to equalize. 14

To reiterate, the Chinese inhabitants on the frontier probably came into contact with Manchurian nomadic cultures, mixing cultures but not languages. While the more numerous Chinese eventually won out linguistically 15 , they were forever tainted culturally. The warrior culture of the Longshan spread up and down the coast of China, while the Yangshao culture continued on the upper Yellow River.

The following Shang culture, a continuation of Longshan

Pounded earth for dwellings and walls

The Longshan pounded earth for dwellings and defense. The historical Shang dynasty that followed also utilized piled up earth as a defensive measure. It is not certain what threat would warrant these formidable fortifications, but probably military aggression either from nomads on the perimeter or local armies. These rings of earth became even more enormous during the Shang dynasty. These massive earthworks ultimately culminated in the Great Wall, which was definitely constructed to keep the nomadic ‘barbarians’ to the north out of China proper.

Ancestor worship

Another important link between the Longshan and the Shang is ancestor worship 16 . Perhaps this trend indicated collective gratitude that a male leader, eventually to become an ancestor, had enabled the family culture to survive, presumably because of his martial abilities. As such, ancestor worship tends to be associated with military aristocracies. With no need for defense, it seems that the preceding Yangshao did not venerate warriors. There is also no evidence of ancestor worship.

Divination by a crack pattern on a bone

“A third [similarity between the Longshan and the Shang] is the practice of divination by means of a crack pattern produced by the application of a hot point to scraped bone.” 17

Both Longshan and Shang cultures practiced this unique style of divination. Furthermore, this type of divination presumably led to the development of Chinese ideograms, the basis of Chinese writing. This was a very important link between the Longshan and Shang cultures.

Same location of the capital

As we shall see, the Shang dynasty that followed the Longshan culture was, in some ways, more a continuation and evolution of Longshan culture rather than a shift. Even the capital of the first legendary dynasty, the Xia, was located at a Longshan cultural center.

“Apparently the Xia’s imperial capital, at Erlitou in southern Shaanxi belonged to the final stages of Longshan culture and shared most of its perils and advantages.” 18

It seems that the Longshan culture initiated many features of traditional Chinese culture: defensive earthworks, Chinese calligraphy, ancestor worship, and a stratified military society. Due to the many similarities, many scholars consider the Longshan culture to be the seed of Chinese civilization. Chinese myth and legend also seem to reflect this perspective, as we shall see in the next chapter.

1 Grolier Multimedia Encyclopedia, 1997: China, history of

2 TimeFrame 3000-1500 BC, p147

3 1997 Grolier Interactive Inc.: Neolithic Period, China

4 TimeFrame 3000-1500 BC, p. 149

5 ©1997 Grolier Interactive Inc. Chinese archaeology: Neolithic in China

6 ©1997 Grolier Interactive Inc. Chinese archaeology: Neolithic in China

7 TimeFrame 3000-1500 BC, p.147 & Grolier Multimedia Encyclopedia, 1997: China, history of

8 The Human Dawn, p. 115

10 The Arts of China, Michael Sullivan, University of California Press, 1973, pp. 19-20

11 The Human Dawn, p. 115

12 We must always remember that a century is a long time. From the beginning of the Yangshao, approx. 5000 BCE, until the peak of the Longshan, approx. 2000 BCE, is 3000 years. Three thousand years ago, 1000 BCE, England was still in prehistoric times the Celts had not even arrived yet. A lot of transformation can occur in that much time.

13 In more modern times, we see a similar phenomenon in the British Isles. The French speaking Normans conquered the English in 1066 CE. By 1450, less than four centuries later, the Norman rulers could no longer speak French. In approximately 400 BCE, the Celts came over from Europe to establish themselves as the overlords of the indigenous population. While they brought their warlike attitude they adopted the local structure. They did not come as an invading culture. They came just as invaders. Possibly they came as a raiding party, leaving their women behind and breeded with local girls. There is certainly plenty of precedent for that. Marc Antony and Cleopatra provide a famous example.

14 To moderate this statement, we are talking about men and women in the same family. Wives of the powerful ruling culture usually have more status than poor men from the dominated culture, while simultaneously having less status than their powerful husbands. Dominated, they dominate in turn.

15 Again looking at the British Isles for an example. Due to Roman pressure, the diverse Celtic and Pictish tribes coalesced into bigger and bigger defensive units, eventually called kingdoms. The local Celtic kings who came in contact with the Romans began adopting Roman customs and airs. In modern day Scotland, the Scots and Picts amalgamated into one country, not through conquering as is sometimes suggested, especially by the Celtic Scots, but through intermarriage. Over only about four centuries the customs of the Scottish Celts and Picts were so intermixed as to call themselves Scots to differentiate themselves from the English down south. In the attempt to sort things out, historians cannot find a homogeneity that they can safely call Pict or Scot in the later centuries of the first millennium. However, there were major differences when the Irish raiders first arrived in Dalraida about 400 CE. The eastern Picts had already adopted a defensive posture against Scandinavian attack centuries before the Picts of the West. The Picts of the West maintained a peaceful agri-culture much later, but were then submerged by their aggressive neighbors to the south and east. The point being made here is that these aggressive cultures mixed customs and cultures gradually, each adopting much of the other, while simultaneously submerging the existing peaceful cultures. Additionally the languages of the Picts and Celts stayed separate. While many place names still have Pictish roots, Pictish has completely died out replaced by the Gaelic of the Celts. In agood compassionate side. The demon knows Tripitaka’s nickname, his substantiality, and is calling him.

“A spirit like that can even possess knowledge of a person’s nickname. If he should call out, hiding in the bushes or in the fold of the mountain, a person may get by if he does not answer him, but if he does answer, the spirit can snatch away his primal soul, or he can follow that person and take his life that night.” [11]

The demon has Tripitaka’s number he is able to push his buttons. Tripitaka’s unbalanced fire upsets the five-phase carts, creating a tremendous blaze that threatens the entire journey.

In order to control the blazing fire, Monkey is reminded by the cool-headed Sha Monk to balance it with water. Trying all types of regular water unsuccessfully, finally Monkey gets Kuan Yin to use the sweet dew in her vase to subdue the demon. She says to Monkey,

“The sweet dew in my vase is not like that unauthorized rain of the Dragon Kings it can extinguish the samadhi fire of the monster-spirit.” [12]

We remember the sweet dew as the sweet saliva that is generated when the sexual energy


Archaeological cultures similar to or like Longshan culture

Late Neolithic culture in the middle and lower Yellow River valley areas of northern China from about 3000 to 1900 BC. The first archaeological find of this culture took place at the Chengziya Archaeological Site in 1928, with the first excavations in 1930 and 1931. Wikipedia

Designation created by the State Administration of Cultural Heritage in 2009 to preserve and present large-scale archaeological sites. National archaeological parks must have previously been designated as Major Historical and Cultural Sites Protected at the National Level, and are considered to have high historical, cultural, and academic value. Wikipedia

Archaeological culture in the Shandong region of eastern China, dated from 1900 to 1500 BC. It spanned the period from the Late Neolithic to the early Bronze Age. In the Shandong area, it followed the Longshan culture period (c. Wikipedia

List of Neolithic cultures of China that have been unearthed by archaeologists. They are sorted in chronological order from earliest to latest and are followed by a schematic visualization of these cultures. Wikipedia

Chinese archaeological site and the location of the first discovery of the neolithic Longshan culture in 1928. Significant step towards understanding the origins of Chinese civilization. Wikipedia

Early Bronze Age urban society and archaeological culture that existed in the Yellow River valley from approximately 1900 to 1500 BC. A 2007 study of radiocarbon dating proposed a narrower date range of 1750 to 1530 BC. The culture was named after the site discovered at Erlitou in Yanshi, Henan. Widely spread throughout Henan and Shanxi and later appeared in Shaanxi and Hubei. Wikipedia

Neolithic culture that existed extensively along the Yellow River in China. Dated from around 5000 BC to 3000 BC. The culture is named after Yangshao, the first excavated site of this culture, which was discovered in 1921 in Mianchi County, Henan Province by the Swedish geologist Johan Gunnar Andersson . Wikipedia

Ancient Chinese civilization that prospered in the middle and lower basin of the Yellow River. Started in the flood plain of the Yellow River, and before long, through flood control and the irrigation of the Yellow River, cities were developed and political power found reinforcement. Wikipedia

Bronze Age urban civilization and archaeological culture in China that existed from approximately 1510 to 1460 BC. The primary site, Zhengzhou Shang City, was discovered at Erligang, within the modern city of Zhengzhou, Henan, in 1951. Centered in the Yellow River valley. Wikipedia

The last Neolithic jade culture in the Yangtze River Delta of China. Highly stratified, as jade, silk, ivory and lacquer artifacts were found exclusively in elite burials, while pottery was more commonly found in the burial plots of poorer individuals. Wikipedia

Archaeological site discovered in 1953 and located in the Yellow River Valley just east of Xiɺn, China. It contains the remains of several well organized Neolithic settlements, like Jiangzhai, carbon dated to 6700&ndash5600 years ago. Wikipedia

Late Neolithic and early Bronze Age culture centered in the Ordos Plateau of Inner Mongolia, China. Discovered in Ejin Horo Banner, Inner Mongolia, and excavated from 1977 to 1984. Wikipedia

Ancient Chinese urban planning encompasses the diverse set of cultural beliefs, social and economic structures, and technological capacities that historically influenced urban design in the early period of Chinese civilization. Round and the Earth is square, the concept of qi political power shared between a ruling house and educated advisers the holy place bo a three-tiered economic system under state control early writing and the walled capital city as a diagram of political power. Wikipedia

Chinese dynasty that ruled in the middle and lower Yellow River valley in the second millennium BC, succeeding the Xia dynasty and followed by the Zhou dynasty. The classic account of the Shang comes from texts such as the Book of Documents, Bamboo Annals and Records of the Grand Historian. Wikipedia

Archaeological culture in Northeast China, found mainly in southeastern Inner Mongolia, northern Hebei and western Liaoning, China. Based on millet farming supplemented with animal husbandry and hunting. Wikipedia

Neolithic culture in Shandong, China. The successor of the Houli culture and precursor of the Dawenkou culture (4100–2600 BC). Wikipedia


Assista o vídeo: Cultura Longshan China Juliana Villamizar. (Janeiro 2022).