Notícia

Rei neo-hitita Suppiluliuma

Rei neo-hitita Suppiluliuma


Hititas

o Hititas eram um povo antigo da Anatólia que falava uma língua indo-europeia. Eles estabeleceram um reino centralizado em Hattusha, no centro-norte da Anatólia, a partir do século 18 aC.

Em seu auge, o Império Hitita cobriu a maior parte da Turquia e da Síria modernas. Isso foi sob o reinado de Suppiluliuma I (

1321–1295 AC). Eles tinham relações de altos e baixos com o Egito Antigo ao sul e com o Império Assírio na Mesopotâmia. Eles eram parte do primeiro tratado de paz conhecido, que foi feito com Ramsés II do Egito por Hattusili III em 1258 aC.

Depois de 1180 aC, o império se desintegrou em várias cidades-estado "neo-hititas" independentes, algumas sobrevivendo até o século 8 aC.


Rei Suppiluliuma

Em 2012, as escavações continuaram no Campo 7, em um esforço para entender o contexto da estátua do leão descoberta na temporada anterior, outra descoberta inesperada foi feita.

Em vez de descobrir mais evidências de um sistema de portões, mais do pavimento de paralelepípedos, semelhante ao que é encontrado em torno do Templo XVI, foi descoberto. Depositadas em uma fossa escavada neste pavimento estavam mais duas obras de arte monumentais. Uma base de coluna elaboradamente desejada que descreve a imagem de um touro alado e uma esfinge, e a parte superior de uma estátua monumental de um homem com uma inscrição luwiana hieroglífica nas costas.

Planta da estrutura do Field 7 & # 8220Gateway & # 8221 e os pontos de encontro das várias peças escultóricas (acima). (À direita) Imagens das escavações da estátua e base da coluna, com detalhe do rosto do rei.

A inscrição revela o homem a ser nomeado Šuppiluliuma Rei de Wallasatin, e provavelmente era o Sapalulme identificado nos registros assírios que lutou contra o rei assírio Salmaneser III em 858. Uma inscrição Hieroglífica de Luwian esculpida em suas costas fornece uma autobiografia de suas maiores realizações.

1. §1 e # 8230 mas ele se tornou meu oponente 1. §2 e dele tirei 8? land2. §3 e eu coloco a borda para ele no x-TAMI? 2. §4 e I, Suppiluliuma3. [para o meu]? pai uma estela er [ected?] 3. §5 .. [para o?] pai [com?] & # 8220virtue & # 8221 ?, plenitude ?, na frente de & # 8230 3. (§6?) 100 cidades, a cidade de xx, & # 8230. & # 8221

Após a sua extração, a estátua foi levada ao Museu Arqueológico de Hatay durante a temporada de 2012, onde agora se encontra em uma posição de destaque na entrada da exposição Tayinat.

A imagem do rei é dominada pelos olhos visualmente impressionantes que foram notavelmente bem preservados, compostos por um calcário branco macio e pupilas pretas de dolomita. Ele tem cachos estilizados típicos em sua cabeça e barba, vistos também em outras estátuas neo-hititas. Em torno de seu peito está uma placa peitoral e em cada pulso são torcs com cabeça de leão. Em sua mão direita ele segura uma lança, e na esquerda, o que parece ser um feixe de trigo.

Um modelo 3D da estátua, que pode ser explorado abaixo) foi criado usando o AgiSoft Photoscan fornecido, e um programa está sendo desenvolvido para tentar usar modelos 3D dos vários fragmentos encontrados em associação com a estátua para reconstruir virtualmente a estátua , antes que a reconstrução física final seja tentada.


Sinopse: No final do século 14 aC, o Grande Rei Hitita Suppiluliuma arrebatou a Síria das garras do reino hurrita de Mitanni. Dois de seus filhos iriam sucedê-lo ao trono, enquanto outros dois fundaram novas dinastias nas cidades de Aleppo e [& hellip]

“Sobre o que você me escreveu antes:‘ Navios inimigos foram observados no mar! ’Se é verdade que navios foram observados, reforce-se. Onde estão suas tropas e carruagens? Eles não estão com você? Se não, quem o livrará do inimigo? Cerque suas cidades [& hellip]


Rei neo-hitita Suppiluliuma - História

c. 500 aC - Os sabá estão fundando colônias na costa da Etiópia. Estes se tornarão o núcleo do reino posterior de Axum.

498 a.C. - Atenas em guerra com Aegina. Também neste ano, Hipócrates e Theron apreendem
controle em Siracusa e tentativa de expulsar os fenícios da parte ocidental do
ilha. Eles não tiveram sucesso, mais uma vez.

494 a.C.-- A Primeira Secessão dos Plebeus em Roma ocorre. Criação do
tribunos da plebe, dois dos quais são eleitos anualmente. Criação do cargo de edil
para os plebeus de Roma, realizada por dois homens.

489 a.C.-- Morte do Rei Cleomenes de Esparta.

487 aC - Morte do rei Abiud dos hebreus. Ele é sucedido por seu filho, que reina como
Rei Eliakim II.

485 aC - Morte do Rei Darayavahush (Dario) I da Pérsia. Ele é sucedido por seu filho,
Xshayarsha (grego - Xerxes) I. Xshayarsha, que deseja se concentrar em continuar a
conquista do subcontinente indiano, logo depois conclui um tratado com o rei
Suppiluliuma IV de Hatti, encerrando a guerra de décadas entre os dois impérios.

481 aC - Atenas, Esparta e outras cidades gregas formam a Liga Helênica contra Hatti.

480 aC - Uma força cartaginesa sob o comando de Amílcar, o Magonida, é derrotada pelo siciliano
Gregos em Himera cortando o acesso cartaginês ao Oriente. Hamilcar comete suicídio
no campo de batalha. Na esteira dessa derrota, uma revolução derruba o Magonid
dinastia e estabelece o Tribunal de 104 magistrados. Começo do cartaginês
República. Também neste ano, o rei Suppiluliuma IV de Hatti morre e é sucedido por
Telepinu III.

480 AC em diante - Rei Xshayarsha (Xerxes) I da Pérsia e seu sucessor, Artaxshassa
(Grego - Artazerxes) I, luto contra os estados Tamil no sul da Índia. Os persas
encontrar grandes dificuldades no terreno montanhoso e congestionado pela selva. Mas no final de
No século, todo o subcontinente indiano estará sob o controle persa. Comércio persa
navios começam a viajar para as cidades-estados do arquipélago indonésio e, eventualmente, para
as cidades costeiras da China, trazendo especiarias, seda, cerâmica chinesa fina e bronze
trabalho, e a Pérsia é grandemente enriquecida por esses contatos.

480-477 aC - Campanha hitita contra a Grécia. Com o fim da guerra com a Pérsia em
485 aC, o Grande Rei de Hatti pode agora voltar sua atenção para os incômodos gregos para
o oeste de seu reino. Desde a revolta jônica de duas décadas atrás, Hatti tem sido
envolvido em uma guerra de baixa intensidade com as cidades-estado gregas do continente grego,
especialmente Atenas. A maior parte deste conflito tem sido na forma de encontros navais no
Egeu, sem nenhum dos lados ganhando muita vantagem. Em 480 AC, o novo Rei de Hatti,
Telepinu III, decide tomar uma posição mais ativa contra a Pirataria Grega no Egeu,
e começa a se preparar para uma invasão. Telepinu envia enviados para os vários
Cidades-estados gregas, bem como para os reis das tribos trácias e da Macedônia,
exigindo submissão. Os chefes trácios e o rei Alexandre I da Macedônia, como
bem como muitas cidades gregas, envie, mas as mais poderosas (cidades como Atenas, Esparta,
e Corinto) não. Essas cidades, junto com muitas outras, formam a Liga Helênica para
resistir a Hatti. Em 478 aC, os hititas desembarcaram uma grande força na Trácia e marcharam através
Trácia e Macedônia no norte da Grécia. Os aliados gregos tentam uma defesa no
Passagem das Termópilas, onde a vantagem hitita na cavalaria será neutralizada.
No entanto, a infantaria pesada hitita é tão boa quanto qualquer coisa que os gregos têm, há um
MUITOS mais deles, e eles são apoiados por uma grande força de arqueiros, que os gregos
falta. Os gregos são forçados a abandonar a passagem. Os hititas perseguem e conseguem
traga os gregos para a batalha novamente em uma planície aberta perto da cidade de Plataea. Os hititas
derrotar as forças gregas, matando o rei Leônidas de Esparta (que estava no comando do
Forças gregas) e o general ateniense Miltíades (que era o segundo no comando do
força combinada). Os hititas então avançam para a Ática e sitiam Atenas.
No entanto, os hititas sofrem dois grandes desastres. Primeiro, a frota grega derrota aquele
dos hititas perto da ilha de Salamina, fazendo o reabastecimento do exército hitita muito
problemático ao abrir a rota de abastecimento para os defensores de Atenas. E então em
No início de 477 aC, uma praga irrompe e dizima a força hitita. Um dos
vítimas desta praga não é outro senão o rei Telepinu III de Hatti. Seu sucessor,
O rei Muwatalli IV decide abandonar o cerco e retirar seu exército da Grécia.
Ele consegue fazer isso, embora seu exército seja assediado pelos gregos durante a retirada
ao norte pela Macedônia e Trácia, antes do final de 477 aC.

479-450 aC - Re-polido na Sicília, Cartago se concentra na África, conquistando a maior parte do que é
agora Tunísia. Colônias no Norte da África são fundadas ou fortalecidas. Expedição de mago
atravessa o Saara.

477 AC - Representantes das cidades-estado gregas da Ásia Menor e das ilhas
espalhados por todo o Mar Egeu, encontram-se na ilha sagrada de Delos a
associado ao culto de Apolo para discutir uma aliança com os atenienses. Eles juram
juramentos de aliança entre si e com Atenas, assim nasce a Liga de Delos. Esta nova
liga tem vários propósitos além da defesa, um deles é travar uma campanha militar
contra os hititas para libertar as cidades gregas que ainda estão sob o controle de Hatti.
Embora Atenas seja a líder da Liga, cada cidade-estado tem um voto - a Liga é
essencialmente uma aliança democrática entre iguais. Também neste ano, o Rei Telepinu III de
Hatti morre e é sucedido por seu filho, que reina como Muwatalli IV.

477-450 aC - Guerras da Liga de Delos contra Hatti. Embora os Reis de Hatti vão
não tentar outra invasão da própria Grécia, eles são capazes de defender com sucesso seu
possessões na Ásia Menor contra as forças da Liga de Delos. Mas a guerra é
prejudicial e caro para ambos os lados. Finalmente, em 450 aC, o Grande Rei de Hatti oferece a
conceder autogoverno limitado às cidades gregas da costa da Anatólia, em troca de
o fim da guerra. Péricles de Atenas, líder da Liga de Delos, vê que os gregos
não conseguirá um negócio melhor sem custos inaceitáveis ​​e concorda. Um tratado é assinado que
termina a guerra entre os hititas e os gregos.

475 AC - Morte do Rei Eliakim II dos Hebreus. Ele é sucedido por seu filho, que
reina como Rei Azor.

c. 475 AC - Início do Período dos Reinos Combatentes na China. Desde 1122 AC, o
Os imperadores da Dinastia Chou (Zhou) mantiveram uma hegemonia frouxa sobre a
várias cidades-estado que compõem a China. Mas isso vem enfraquecendo há algum tempo,
e vários estados grandes e poderosos surgiram, incluindo Chin (Qin), Chi (Qi), Chu,
Yan, Han, Chao (Zhao) e Wei (Wu). Todos estes reconheceram a hegemonia legal
do Imperador Chou, enquanto fazem o que bem entendem. Por volta de 475 AC, no entanto, o
última pretensão é jogada fora, e a autoridade do Imperador Chou é confinada à sua
pequeno e insignificante reino na China central. Ao longo dos próximos dois séculos, o
novos estados irão guerrear uns contra os outros, e os mais poderosos irão gradualmente absorver o
fraco. No final, pode haver apenas um.

472 aC - Carystus, uma cidade na ilha de Eubeia, é forçada à Liga de Delos. Esse
é a primeira vez que um estado grego é forçado a entrar na Liga contra sua vontade, estabelecendo
um precedente perigoso.

469 aC - A ilha de Naxos tenta se separar da Liga de Delos. É invadido e
capturado pelas forças da Liga, que o forçam de volta à aliança. Portanto, outro perigoso
precedente é estabelecido que levará, eventualmente, à transformação da Liga
para o Império Ateniense.

465 AC - Morte do Rei Xshayarsha (Xerxes) I da Pérsia. Ele é sucedido por Artaxshassa
(Grego - Artaxerxes) I. Artaxshassa dá continuidade à política de seu pai, concentrando-se em suas forças armadas
esforços no sul da Índia, mantendo a paz com os estados do oeste.

461-451 aC - Primeira Guerra do Peloponeso entre Atenas e Esparta. Esparta tem ciúmes de
o poder que Atenas acumulou como líder da Liga de Delos e declara guerra. A guerra
dura uma década, é indecisa, e uma paz é acertada em 451 AC.

461 AC - Péricles chega ao poder em Atenas. Seu governo se tornará conhecido como Atenas '
Era de ouro. Também neste ano, morre o Rei Azor dos Hebreus, sendo sucedido pelo seu
filho, que reina como Rei Zadok. Rei Zadok provará ser um governante desastroso para o
Hebreus, pois ele tem pretensões de restaurar a independência completa dos hebreus
e restabelecendo os hebreus como uma grande potência. Na promoção desses objetivos, ele começa
intrigante com o Faraó do Egito contra seu suserano, o Grande Rei de Hatti.

458 aC - O rei Muwatalli IV morre e é sucedido por seu filho Ini Tesub. Ini Tesub morre
mais tarde naquele mesmo ano, em um surto de peste que está devastando a capital hitita, e está
sucedido por seu filho, que reina como Talmi Tesub II. Poucas semanas depois de subir o
trono, no entanto, o próprio Talmi Tesub é vítima da praga, e é sucedido por seu
filho, que reina como o rei Ura Tarhundas III. No entanto, uma vez que o novo rei ainda é um
menor, seu tio realmente governa como regente durante os primeiros anos de seu reinado.

458-450 aC - Período de relativa instabilidade e fraqueza no Império Hitita. o
regente, um certo Labarnash, é um governante pobre, e revoltas estouram em várias regiões do
império que leva vários anos para ser derrubado.

458 AC - Morte do Faraó Neco III. Ele é sucedido por Psamtik IV. Contudo,
Psamtik IV também morre no final deste ano e é sucedido por Ahmosi III.

457-455 aC - Em 457 aC, o rei Zadoque dos hebreus faz uma aliança com o Faraó
Ahmosi III do Egito, e declara o tratado entre seu reino e o Grande Rei do
Hatti (que foi, por algum tempo, mais um suserano do que um aliado, exigindo
tributo dos hebreus) ser nula e sem efeito. Os hititas, sendo apanhados em problemas
por conta própria, não responda. Mas Zadok logo descobre que fez uma escolha ruim de
aliados. Em 456 aC, o Faraó Ahmosi trai seu novo aliado e o exército egípcio
invade o Reino Hebraico. O exército hebreu é derrotado perto de Gaza, e o rei Zadoque
é morto na luta. Os egípcios cercam Jerusalém, que cai no ano seguinte.
Os egípcios queimam e saqueiam o Templo de Salomão, e carregam grande parte do hebraico
população de classe alta, incluindo a família real, para o exílio no Egito. O hebraico
O reino deixa de existir e o território é absorvido pelo Egito.

454 aC - O Tesouro da Liga de Delos, que até então havia sido mantido no
ilha sagrada de Delos, é transferida para Atenas, significando a transição da Liga de um
associação voluntária de Estados gregos liderados por Atenas, a um império governado por Atenas.

450 AC - A Lei das Doze Tábuas é estabelecida em Roma. Também neste ano, King
Ura Tarhundas III de Hatti atinge a maioridade e assume os reinos do governo.
Felizmente para Hatti, Ura Tarhundas é tudo que seu tio, o regente Labarnash, não era. uma
líder forte e carismático e um comandante militar talentoso. Ele rapidamente define o
Casa hitita em ordem, sufocando as revoltas latentes que têm infeccionado
em todo o império nos últimos cinco anos.

c. 450 aC - Por volta dessa época, Heródoto escreveu a primeira história não teológica,
e Hipócrates estabelece as bases da medicina moderna. Também nessa época,
Tribos celtas chegam à Espanha.

448-442 aC - Guerra entre Hatti e Egito. Faraó Ahmosi III do Egito segue seu
conquista dos hebreus com a invasão da Síria, determinada a restaurar o Egito por completo
limites de seu antigo império. No entanto, o rei Ura Tarhundas III de Hatti derrota o
Egípcios perto de Damasco, e segue com uma invasão do próprio Egito a seguir
ano. Por volta de 442 aC, os hititas estabeleceram controle sobre o Baixo Egito (o Delta
região). Faraó Ahmosi III é capturado e executado, mas seu filho, o príncipe herdeiro
Psamtik, foge para Tebas, onde usa a Coroa Branca do Alto Egito como Faraó
Psamtik V, e continua a guerra contra Hatti. Rei Ura Tarhundas de Hatti permite o
Os hebreus exilados para retornar à sua terra natal e reconstruir seu templo. mas não faz
restaurar a terra ao seu antigo status de independência. A terra de Israel se torna uma província
do Império Hitita. O rei Ura Tarhundas também anexa formalmente a cidade fenícia
estados neste momento.

c. 440 AC em diante - Os hebreus estão reconstruindo seu templo, mas mudanças importantes ocorreram
ocorrido na religião hebraica durante os quinze anos do Cativeiro egípcio.
A perda do Templo, e a adoração centralizada que ele representava, levou a uma
forma de adoração na sinagoga rabínica se tornando a norma entre os hebreus (ambos
entre os exilados e os que permaneceram na Terra de Israel). A restauração do
Temple não vai mudar isso. Os dois vão operar lado a lado e em competição com
uns aos outros, pelos séculos que virão. Gradualmente, uma divisão se desenvolverá entre os hebreus
entre aqueles que favorecem os sacerdotes do templo e aqueles que favorecem os rabinos. Isso vai
têm efeitos profundos mais tarde.

441 AC - Morte do Rei Ura Tarhundas III de Hatti em batalha contra as forças do Faraó
Psamtik V do Alto Egito. Ele é sucedido por seu filho, que reina como Rei Urhi Tesub I.
Urhi Tesub, ao contrário de seu pai, não é um grande líder, e o império sofre durante sua
reinado. Mas, felizmente para Hatti, ele reinará por apenas seis anos.

440-432 aC - Faraó Psamtik V do Alto Egito, aproveitando a fraqueza do
o novo rei hitita consegue expulsar as guarnições hititas do Baixo Egito. Ele vai
reinar, sem ser molestado, como Faraó de um Egito unido por vários anos. Mas a situação vai
não último.

438 aC - Com recursos retirados do tesouro da Liga de Delos, Péricles começa
construção do Partenon em Atenas.

437-426 aC - A Guerra Fidenaeana entre Roma e a cidade de Fidenae. Roma é
vitorioso. Isso marca o início da expansão romana na Itália.

435 AC - Morte do Rei Urhi Tesub I de Hatti. Ele morre sem filhos e é sucedido por seu
irmão, que reina como Rei Warpalawa I. Warpalawa é uma cópia virtual de seu
grande pai, o rei Ura Tarhundas III, e Hatti é abençoado por outro rei forte.
Warpalawa terá um reinado muito longo e bem-sucedido.

432 AC - Morte do Faraó Psamtik V do Egito. Ele é sucedido por seu filho, que reina
como Faraó Psamtik VI.

431-404 aC - Segunda Guerra do Peloponeso entre a Liga do Peloponeso (Esparta e
aliados) e a Liga de Delian (Atenas e estados súditos). Esparta é fortemente financiado por
Hatti, cujos reis mantiveram sua inimizade por Atenas, embora a guerra
entre eles terminou há duas décadas.

430-415 aC - Conquista hitita do Egito. Em 430 aC, o rei Warpalawa I de Hatti invade
Egito, com a intenção de restabelecer o controle hitita lá e acabar, de uma vez por todas, o
Ameaça egípcia à sua fronteira sul. Em uma campanha de quinze anos, as forças hititas
estabelecer controle sobre a terra do Egito. Faraó Psamtik VI é capturado e executado em
415 aC, e seu filho, o príncipe herdeiro Necho, foge para a corte do rei Amanineteyerike de
Kush. Com a morte do Faraó, os últimos vestígios da resistência egípcia entram em colapso, e
O Egito é incorporado como uma província do Império Hitita.

429 aC - Péricles morre em um surto de peste em Atenas. Nenhum líder de seu calibre vai
surgir para substituí-lo, e este é um fator importante na derrota final de Atenas na guerra com
Esparta.

424 AC - Morte do Rei Artaxshassa (Artaxerxes) I. Ele é sucedido por Xshayarsha
(Xerxes) II. Xshayarsha será um governante um tanto fraco e se concentrará em questões internas
ao invés de expansão estrangeira durante seu reinado.

415 aC - Atenas tenta capturar Siracusa na Sicília, mas falha. Este é o começo de
o longo caminho para a derrota final nas Guerras do Peloponeso.

410 AC - Fenícios na Hispânia juntam-se aos Celtiberos para se separarem de Cartago, negando
as receitas importantes da prata e do cobre do estado. O comércio de estanho por terra é interrompido. Também neste
tempo, as expedições de Himilco no Atlântico e as expedições de Hanno para Marrocos e
Senegal ocorre.

409 aC - Cartago inicia tentativas de conquistar a Sicília. Hannibal, neto de Amílcar,
toma as cidades fortificadas de Selinus e Himera pelo uso de torres de cerco.

406-396 aC - Roma conquista a cidade etrusca de Veii.

405 aC - Hannibal Mago e centenas de soldados morrem na epidemia fora do fortificado
cidade de Acragas. Himilco, seu parente, assume o comando, mas é derrotado por uma força
fora de Siracusa, e sua rota de abastecimento foi interrompida em uma ação naval. Forças de Siracusa
fortalecer a guarnição. Um esquadrão cartaginês rompe o bloqueio grego - o
fuga sitiada sob o manto da noite, as forças púnicas coletam despojos. Mais tarde naquele ano, Himilco
toma a cidade de Gela, derrotando uma força de Siracusa, e depois toma a cidade de Camarina.
Finalmente, Himilco marcha sobre a própria Siracusa, mas seu exército é derrubado pela epidemia, e
Himilco busca paz. Pelos termos do tratado, Siracusa concede o controle da maior parte da Sicília
e deve prestar homenagem a Cartago. O tratado confirma Dionísio I como ditador (tirano) de
Syracuse. Concluída a Primeira Guerra da Sicília.

404 AC - Morte do Rei Xshayarsha (Xerxes) II da Pérsia. Ele é sucedido por seu filho,
Darayavahush (Darius) II. Seu irmão, Artaxshassa (Artaxerxes), se revolta contra ele,
no entanto, e Darayavahush é derrubado mais tarde naquele mesmo ano. Seu irmão leva o
trono como Artaxshassa II. Também neste ano, Esparta e seus aliados forçam a rendição de
Atenas, terminando a Segunda Guerra do Peloponeso. Após a derrota ateniense, o ateniense
a democracia é substituída por uma oligarquia chamada The Thirty Tyrants.

403 aC - Os trinta tiranos são derrotados em Atenas. Restauração do
democracia. Também neste ano, o Rei Warpalawa I Egypt Smiter de Hatti morre, e é
sucedido por seu filho, que reina como Rei Arnuwanda V.

401 aC - Kurush (Ciro), irmão mais novo do rei Artaxshassa II da Pérsia, revolta-se e
tenta usurpar o trono, mas é derrotado. No entanto, em contraste com OTL, Xenofonte
e os 10.000 mercenários gregos predominantemente atenienses não estão com ele. Eles têm,
em vez disso, encontrou emprego nos exércitos de Hatti.

c. 400 aC - Aristófanes está escrevendo as primeiras peças de comédia do mundo. Também sobre isso
época, as tribos celtas cruzam os Alpes e se estabelecem no norte da Itália. Eles deslocam os etruscos
do vale do rio Pó, doravante conhecido como Gallia Cisalpina.

Copyright 2004 de Robert Perkins. Todos os direitos reservados. Última atualização em 15 de setembro de 2004.


Rei neo-hitita Suppiluliuma - História

Karkam (Carquemis) foi um povoado importante mesmo antes do segundo milênio AEC. Karkam permaneceu sob o governo de Mitanni (Hurri) durante os séculos 15 e 14 e depois passou ao controle hitita durante Suppiluliuma I (c. 1330 AEC). Suppiluliuma transformou Karkam em um reino vassalo governado por seu filho Piyasili, que também é conhecido pelo nome hurrita arri-Ku uh. Localizada na margem oeste da Euprates (hoje na fronteira da Turquia e da Síria), Karkam se tornou a capital administrativa dos territórios sírios dos hititas durante a Idade do Bronze Final. Após o colapso do Império Hitita por volta de 1180 AEC, Karkam sobreviveu como um dos vários reinos neo-hititas menores estabelecidos no sudeste da Anatólia e no norte da Síria. Foi um importante centro comercial e atingiu seu apogeu por volta do século 9 aC. A divindade padroeira de Karkam era Kubaba, uma deusa de origem hurrita. Em suas representações, ela era apresentada como uma mulher vestindo uma túnica longa, de pé ou sentada, e segurando um espelho. No século 9 AEC, a cidade estava sob pressão dos assírios e sabe-se que o tributo foi pago pelo menos em duas ocasiões aos reis assírios Assurnasirpal II e Salmaneser III. A cidade foi finalmente conquistada pelo rei assírio Sargão II em 717 AEC, durante o reinado do rei Pisiri.

A localização das ruínas da cidade foi identificada em 1876 por George Smith. O local foi escavado inicialmente pelo Museu Britânico, principalmente entre 1911 e 1914, sob o comando de D. G. Hogarth, R. C. Thompson, C. L. Woolley e T. E. Lawrence. Essas expedições descobriram vestígios substanciais dos períodos neo-hitita e assírio, incluindo estruturas defensivas, templos, palácios e várias estátuas de basalto, relevos e inscrições. O local está localizado no lado turco da fronteira entre a Turquia e a Síria e permaneceu sob um campo minado desde a década de 1950. Em 2011, o governo turco limpou as minas e novas escavações em Karkam começaram no mesmo ano sob a supervisão do Prof. N. Marchetti da Universidade de Bolonha.

Todos os achados monumentais datam do período neo-hitita. No primeiro milênio AEC, Karkam consistia em um monte alto de cidadela perto do Eufrates, com uma cidade interna murada e uma cidade externa. As escavações revelaram um caminho processional que conduzia ao templo do Deus da Tempestade e a uma escada monumental para a cidadela. Todo o complexo foi decorado com esculturas de basalto e calcário. A maioria dos ortostatos e estátuas das primeiras escavações estão atualmente no Museu das Civilizações da Anatólia, em Ancara. Vários outros artefatos estão no Museu Britânico. Os achados das escavações recentes são mantidos no local ou transferidos para o Museu de Arqueologia de Gaziantep.


Excertos do Tratado de Suppiluliuma (hitita) -Shattiwaza (Mitanni)

KBo 1 1
A Obv. 1-16: Quando Minha Majestade, Suppiluliuma, Grande Rei, Herói, Rei de Hatti, Amado do Deus Tempestade, e Artatama, rei da terra de Hurri, fizeram um tratado um com o outro, naquela época, Tushratta, rei de a terra de Mitanni, chamou a atenção do Grande Rei, Rei de Hatti, Herói. E eu, Grande Rei, Rei de Hatti, Herói, voltei minha atenção para Tushratta, rei da terra de Mitanni: saquei as terras da margem oeste do rio [Eufrates] e anexei o Monte Líbano. Uma segunda vez, o rei Tushratta foi presunçoso comigo e falou o seguinte: & # 8220 Por que você está pilhando na margem oeste do Eufrates? & # 8221 & # 8211, portanto, o rei Tushratta & # 8211 & # 8220Se você pilhar as terras do oeste margem do Eufrates, então eu também saquearei as terras da margem oeste do Eufrates. & # 8221 O rei Tushratta desejava controlá-la (?): & # 8220Se você saquear, o que farei com eles? Se for um cordeiro ou se um cabrito da minha terra for & # 8230, cruzarei a margem leste do Eufrates & # 8221. Eu, Grande Rei, Rei de Hatti, mantive meu orgulho diante dele. No tempo do pai do Rei de Hatti, a terra de Isuwa tornou-se hostil, de modo que as tropas de Hatti entraram na terra de Isuwa. No tempo de meu pai, as tropas da cidade de Kirtalissa, as tropas da cidade de Arawanna, a terra de Zazia, a terra de Kalasma, a terra de Timana, Monte Haliwa, Monte Karna, as tropas da cidade de Turmitta, a terra de Alha, a terra de Hurma, o Monte Harana, metade da terra de Tegarama, as tropas da cidade de Tepurziya, as tropas da cidade de Hazka e as tropas da cidade de Armatana tornaram-se hostis. Mas minha majestade. Suppiluliuma, Grande Rei, Rei de Hatti, Herói, Amado do Deus Tempestade, os derrotou. Agora as tropas, que haviam escapado de mim, entraram na terra de Isuwa e todas essas tropas e essas terras, que se tornaram hostis na época de meu pai, estavam habitando além da terra de Isuwa entre o inimigo.

A Obv. 17-24: E, eu, Minha Majestade, Suppiluliuma, Grande Rei, Rei de Hatti, Herói, Amado do Deus Tempestade, parti contra a presunção do Rei Tushratta. Cruzei o Eufrates e fui para a terra de Isuwa. Pela segunda vez, eu dominei a terra de Isuwa e pela segunda vez, eu os tornei meus súditos. As tropas e terras que no tempo de meu pai entraram na terra de Isuwa: as tropas da cidade de Kirtalissa, as tropas da cidade de Arawanna, a terra de Zazisa, a terra de Kalasma, a terra de Timana, o Monte Haliwa , Monte Karna, as tropas da cidade de Turmitta, a terra de Alha, a terra de Hurma, Monte Harana, metade da terra de Tegarama, as tropas da cidade de Tepurziya, as tropas da cidade de Hazka, e o tropas da cidade de Armatana - essas tropas e aquelas terras que eu dominei e voltei para Hatti. Liberei as terras que capturei e eles habitavam em seus lugares. Todas as pessoas que eu liberei se reuniram a seus povos e Hatti incorporou seus territórios.

A Obv. 25-29: E, eu, Minha Majestade, Suppiluliuma, Grande Rei, Rei de Hatti, Herói, Amado do Deus Tempestade, alcancei a terra de Al & # 353i e o distrito de Kutmar e eu os dominamos. Eu o dei como um presente para Antaratli da terra de Al & # 353i. Eu penetrei no distrito de & # 352uta e saqueiei o distrito de & # 352uta. Cheguei à cidade de Wa & # 353 & # 353ukanni em busca de pilhagem. Eu trouxe para Hatti o gado, ovelhas e cavalos do distrito de & # 352uta, junto com suas posses e seus cativos civis. Mas o rei Tushratta fugiu. Ele não veio contra mim para a batalha.

Obv. 30-37: Cruzei o Eufrates novamente e dominei a terra de Halab e a terra de Mukish. Takuwa, rei de Niya, veio antes de mim para termos de paz na terra de Mukish. Mas nas costas de Takuwa, seu irmão, Aki-Teshup, trouxe a terra de Niya e a cidade de Niya à hostilidade & # 8230I, Grande Rei, Rei de Hatti, dominou a cidade de Arahati. Eu capturei Akiya, rei de Arahati Aki-Teshup, irmão de Takuwa e todos os guerreiros de carruagem, junto com suas posses, e os trouxe para Hatti. Eu também trouxe a cidade de Qatna, junto com seus pertences e posses, para Hatti, & # 8230.

Obv. 38-47: Quando fui para a terra de Nuha & # 353 & # 353e, capturei todo o seu território. Seu rei & # 352arrup & # 353i escapou sozinho, mas eu capturei sua mãe. Eu instalei o Takip & # 353arri, sujeito do & # 352arrup & # 353i, no reinado da cidade de Ukulzat. Fui para a terra Apina, mas não procurei atacar a terra de Kinza. Mas seu rei & # 352utatarra, junto com seu filho Aitakama e sua carruagem, veio contra mim para a batalha. Eu o afastei e eles entraram na cidade de Abzuya. Eu investi Abzuya e capturei & # 352utatarra, junto com. e os trouxe para Hatti. Eu fui para a terra de Apina e Ariwana, rei da terra de Apina, e seus nobres. veio contra mim para a batalha. Trouxe tudo isso, junto com suas terras e suas posses, para Hatti. Por causa da presunção do rei Tushratta, saqueei todas essas terras em um ano e as trouxe para Hatti. Do Monte Líbano e da outra margem do Eufrates, fiz deles meu território.

Obv 48-58: Quando seu filho conspirou com seus súditos, ele matou seu pai, o rei Tushratta. E com a morte do rei Tushratta, o deus da tempestade decidiu o caso legal de Artatama. Seu filho trouxe o falecido Artatama de volta à vida. Toda a terra de Mitanni foi à ruína e a terra da Assíria e a terra de Al & # 353i dividiram-na entre eles. Até agora, eu, grande Rei, Herói, Rei de Hatti, não cruzei para a margem est e não peguei nem mesmo uma lâmina de palha ou uma lasca de madeira da terra de Mitanni. & # 8230

A Rev 14-21: Eu, Grande Rei, Rei de Hatti, capturei a terra de Mitanni. Eu não os capturei na época do Príncipe [Shattiwaza]. Eu os capturei na época de Tushratta. O Eufrates [é a minha fronteira (?)]. Na minha retaguarda, estabeleci o Monte Líbano como minha fronteira. And all of the cities [of the land of Carchemish – the cities of Carchemish], Murmurik, Shipri, Mazuwati and Šurun – these fortified cities [of the land of Carchemish] – I gave [to Piyassili], my son. All the cities which are situated in the land of Ashtata, on the west bank [of the Euphrates] of the land of Mitanni – Ekalte, … , Ahuna and Terqa – these cities belong to the land of Ashtata. Since Prince Piyassili crossed the Euphrates with [Prince] Shattiwaza and penetrated to the city of Irrite, all the cities on the west bank which Piyassili, [my son] holds – these belong to Piyassili. & # 8230

A Rev 35-53: the Storm-god, Lord of Heaven and Earth, the Moon-god and the Sun-god, the Moon-god of Harran, heaven and earth, the Storm-god, Lord of the kurinnu of Kahat, the Deity of Herds of Kurta, the Storm-god, Lord of Uhušuman, Ea-šarri, Lord of Wisdom, Anu, Antu, Enlil, Ninlil, the Mitra-gods, the Varuna-gods, Indra, a Nasatya-gods, Lord of Waššukanni, the Storm-god, Lord of the Temple Platform (?) of Irrite, Partahi of Šuta, Nabarbi, Šuruhi, Ištar, Evening Star, Šala, Belet-ekalli, Damkina, Išhara, the mountains and rivers, the deities of heaven and the deities of earth.

Beckman 6B Version
Obv 31-40: . From the city of Carchemish where we arrived, we sent a messenger to the people of the city of Irrite, but Shuttarna had influenced the Hurrians with the riches of Tushratta and had united them. We sent to them in Irrite and these Hurrians sent back to Piyassili: “Why are you coming? If you are coming for battle, come, but you shall not return to the land of the Great King!” When we had heard the words of the people of Irrite, we – Prince Piyassili and PrinceShattiwaza – crossed the Euphrates and arrived at Irrite ready for battle.

Obv 41-47: And the gods of the Great King, King of Hatti, protected us, and the Hurrians whom Shuttarna had sent as protection to Irrite, as well as the chariotry and the troops of the district of Irrite, gathered in wait for us. We reached Irrite and the troops and chariotry which had sat within the city came out before us. We captured and destroyed all the …. When the people of Irrite…. Them … they assembled. In Irrite and all the districts of Irrite, they came before us for peace. … The people of the city of Harran and the [districts of ] Harran assembled and came to us […. In] Harran we will establish them.

Akk Obv 48-65 Hitt 1-20: [The Assyrian …] sent him to besiege [Washukanni] and gave them a single chariot warrior as leader. [But] when he [came] to the city [of Washukanni, the people of ] Washukanni refused to make peace. But when the infantry and chariotry of [Assyria] besieged Washukanni, Prince Piyassili and I, Prince Shattiwaza, [were] in Irrite. A messenger came to us from Washukanni [and] spoke [as follows]: “The infantry and chariotry of Assyria are coming for battle [against the infantry and chariotry] of Hatti.” Then we marched out [and] their … came to meet [us], saying “ [ …and] in the [presence] of the scribe [of] the gate of the city of […] And the infantry and chariotry of Assyria …. He took away. But when to us …., we went up to [Washukanni. But] the city of Pakarripa … turned. And when [the people of Pakarripa] heard that [Prince] Piyassili and [Prince] Shattiwaza and both the infantry and chariotry of Hatti were going up to Washukanni.

Hitt. 21-29: the people of Pakarippa deserted and became allies [of Hatti]. And we [went] out from Washukanni and went up to Pakarippa. Word was brought to us: “The Assyrian is coming against you in battle.” The environs of Pakarripa were desolate and hunger caught up with the troops. The Assyrians however were not to be seen again. They did not come against us in battle and we went after the Assyrians to the city of Nilapšini. But the Assyrians did not come against us in battle there either.


––––•(-•× . wiLl's . ו-)•––––

- Agriculture was dominant during the Zhou era, and most cases are controlled by the government. The Western Zhou is often described as feudal, for its feudalism-like system. All agricultural lands were owned by the nobles, who lend lands to the peasants. All farm lands were divided into eight squares (as the symbol of the letter: water). One part of the crop productions (of the eight squares) were to be given to the government, for store of surplus food and distribution in times such as famine and bad harvest. -

- During the Eastern Zhou era, there was a significant economic growth, despite the constant warfare between territories. Iron-tipped ox-drawn plows and improved irrigation techniques increased the agricultural rate. As a result there was a great amount of increased population, due to the greater wealth.

Bronze of the Western Zhou

- In the era of Bronze inscriptions, most of the industries were directed by nobles. Manufacture sectors such as bronze smelting was made into weapons and farming tools were intense during the period of the Zhou.

- Iron was dominantly used during the Eastern Zhou era, as it brought significant developments to the kingdom. This period of time was known as the Iron Age.

- Communication improved rapidly during the Eastern Zhou era, due to greater wealth which results more trades. As a result to the horseback communication system that was introduced, the ruler was able to govern a larger empire while still keeping up with urgent situation that arise.

- There were not many changes during the Western Zhou era, where the kingdom was ruled conservatively. Contrastingly, there were a significant amount of social and economic advances during the Eastern Zhou period. The first uses of iron-tipped, ow-drawn plows were seen in China during the Zhou dynasty. Additionally, irrigation techniques are improved, as it produced higher agricultural range. Not only thatm important economic developments, such as the circulation of coins for money, the beinning of private ownership of land (end of feudalism during the Western Zhou Era), and growth of cities, all played a momentous role in advancing the empire. Other than technology, agriculture, and economy, military was also advanced during the Zhou dynasty. Developments such as the crossbow, methods of siege warfare, and cavalry warfare from nomads were applied. As a result, these improvements led to a steady population increase, therefore greater wealth prosperity and power, and eventually a larger and stronger empire as a result.

Terracotta Army of the Eastern Zhou

- During the Zhou Dynasty (Western Zhou), the land was too massive than the Zhou leaders could handle. Hence, leaders decided to appoint people to supervise each of the territories. In the territories there were lords, next the fighting men, then the peasants and domestic slaves (authority from greatest to least). During the downfall of the Zhou dynasty, each of the territories gained more independence and eventually breaks away from the King.

- In 771-772 BC- King You joint force with the queen’s father, Marquess of Shen. The nobles of the Zeng, Lu, Qin, and Marquess of Shen states then proclaimed the new king to be the queen’s son Ji-Yijiu. The king lost control of the lords, which rebelledand defeated the initial capital, Cheng Zhou. The new king then moved the capital to Louyang (presently Henan Province ). Causing the division of the Zhou era, into the ending Western Zhou (1122-771 BC), and the beginning Easten Zhou (770-256 BC).

Shih-yu kuei (the commander to people)

- The Eastern Zhou was governed by political and military control over all of their territories. Thus, the territories then became larger and more powerful than the original Zhou kingdom (Western Zhou), even though there were constant wars between territories.

- Religion was practiced reflecting the hierarchical way that the Zhou leaders believed (Mandate of Heaven). The kings prayed to their ancestors (according to Confucianism) and Shang Ti (presently called T’ien) , the lord on high. The lord in each territory prayed their ancestors, in addition to the local nature gods and the god of agriculture. It is believed that if a prayer misses their sacrifice, then they will receive great illness in their territory or kingdom.

Confucius, founder of Confucianism

- confucionismo is an ethical idea, developed by Confucius the teacher and government official of the Zhou dynasty. Confucianism underlines finding truth by self-perfection through persistent study. In order to achieve harmony, Confucius stated the Five Relationships which outlined the duties of the Ruler to the People and People to the Ruler. For this, the Ruler or leader of the family is to be exemplary, responsible, honest, insuring welfare, and strict with affection. In return, the people must respect and obey the Ruler or leader.

- Taoism, founded by the ancient Chinese philosopher Laozi who wrote the book ‘Tao Te Ching”. To this, Laozi stated that the way (‘Tao’) is to be found within nature and self. The key to truth and freedom, according to Taoism, is simply, simplicity. Laozi emphasized the idea of Action without Action. Taoism believed that power should be wield with love, and understanding nature would solve all problems.

King Wei (1131-1115 B.C.), first King of Zhou Dynasty

China : - King Zhou Wen Wang (who established the Zhou dynasty –Western Zhou- with Cheng-Zhou as the capital)

- King Ji-Yijiu (who moved the capital to Louyang, and established the Eastern Zhou)

Neo-Hittite Kingdom : King Suppiluliuma 1207-1178 BC

King Suppiluliuma is the last king of the New Empire of the Neo-Hittite Kingdom , which existed since before 1680 BC. The Kingdom covered from central Anatolia, north-western Syria to far until Ugarit , and upper Mesopotamia . King Suppiluliuma (Hieroglyphic Luwian) led wars against Tarhuntassa and Alasiya. The destruction of his kingdom was from the invading of the Sea Peoples during 1178 BC. His after life, however, was left unknown.

Nubia : Candance of Meroe

The queen’s reign was not known, however there was a record that states that she met Alexander the Great during 332 BC. At that time, Alexander was in attempt to conquer Nubia . It was the queen’s wit that arranged elephant armies to meet Alexander. Due to the strength of the armies that Alexander saw, he instead of conquering Nubia , withdrew and head for Egypt instead.

Other Facts/Timeline:

- Longest Chinese dynasty that ever lasted.

- Started the Mandate of Heaven concept, the notion that the ruler is the “son of heaven” and governed by divine right, granted by God.

1122 BC – Zhou dynasty rises

1100-1050 BC – Reign of King Wen, the first King of the Zhou Dynasty.

771 BC – Fall of the Western Zhou capital (Cheng-Zhou)

453 BC - The division of Jin into three states (Zhao, Han, Wei). End point of Spring-Autumn of Eastern Zhou Era.

475-221 BC – Enters Era of Warring States (armored infantry controlled the battle field.

256 BC – Fall of the Zhou dynasty (Qin extinguishes the Zhou royal house)

- The Zhou era was wealthy with fair technologies and economy, but it wasn’t until the Eastern Zhou era that many new technologies such as communication have been invented and economic advances have been developed, leading to great prosperity and power.

- Social changes have advanced a major step in the way of living of the people of the Eastern Zhou after the new capital was moved, due to the improved in agricultural technologies, military techniques, and most importantly communication.

- The Zhou dynasty started with the capital of Cheng-Yu (Western Zhou), during the falling period of the Shang dynasty, and the capital was later on moved to Louyang (Eastern Zhou), where new polical and social concepts was laid.

- The Zhou leaders believed in the ‘Mandate of Heaven’ concept, where rulers ruled in the name of God, other than that famous philosophers such as Confucius and Laozi have a significant influence in the beliefs during the Zhou period.

Yin-Yang, symbolism of Balance (according to Taoism)

The two most important leaders in China during that period of time was King Wen, who started the Zhou dynasty, and King Ji-Yijiu, who established the second period of the Zhou dynasty during that time there were many other great leaders, such as King Suppiluliuma of the Neo-Hittite Kingdom and Queen Candance of Meroe of Nubia.

"Candace of Meroe ." Wikipedia Foundation, Inc.. 02 Feb. 2007. . 02 Feb. 2007 .

" China ," Microsoft® Encarta® Online Encyclopedia 2006
© 1997-2006 Microsoft Corporation. All Rights Reserved.

"History of the Hittites." Wikipedia Foundation, Inc.. 02 Feb. 2007. . 02 Feb. 2007 .

Martin W, Robert. "Timeline: Ancient Chinese Military History (1600 BC-220 BC)." 01 Feb. 2007 .

Pittman, Will. "Zhou Dynasty." 02 Feb. 2007

"Suppiluliuma II." Wikipedia Foundation, Inc.. 02 Feb. 2007. . 02 Feb. 2007 .

"Zhou Dynasty." Wikipedia Foundation, Inc.. 01 Feb. 2007. . 01 Feb. 2007 .


História [editar | editar fonte]

Biblical History [ edit | editar fonte]

The Hittites, also spelled Hethites, were a group of people mentioned in the Hebrew Bible. Under the names בני-חת (bny-ḥt "children of Heth") and חתי (ḥty "native of Heth") they are mentioned several times as living in or near Canaan since the time of Abraham (estimated to be between 2000 BC and 1500 BC) to the time of Ezra after the return from the Babylonian exile (around 450 BC). Their ancestor Heth (Hebrew: חֵת‬, Modern H̱et, Tiberian Ḥēṯ, ḥt in the consonant-only Hebrew script) is said in Genesis to be a son of Canaan, who was a son of Ham, thereby making Sidon a great grandson of Noah. (Genesis 10:6,15-20)

In the late 19th century, the biblical Hittites were identified with a newly discovered Indo-European-speaking empire of Anatolia, a major regional power through most of the 2nd millennium BC, who therefore came to be known as the Hittites. This nomenclature is used today as a matter of convention, regardless of debates about possible identities between the Anatolian Hittite Empire and the biblical Hittites.

According to Genesis, in Abraham's days, the Hittite Ephron sold him the cave in Hebron. Later, Esau married wives from the Hittites. In the Book of Joshua 1:4, when the Lord tells Joshua "From the wilderness and this Lebanon even unto the great river, the river Euphrates, all the land of the Hittites, and unto the great sea toward the going down of the sun, shall be your border", this "land of the Hittites" on Canaan's border is seen to stretch between Lebanon and the Euphrates, and from there toward the setting Sun (i.e., to the west).

According to the Book of Judges 1:26, when the Israelites captured Bethel, they allowed one man to escape, and he went to the "land of the Hittites" where he founded the settlement of Luz. In King Solomon's era moreover the Hittites are depicted in the Old Testament along with Syria as among his powerful neighbors.

From around 1900, archaeologists were aware of a country established in Anatolia and known to Assyrians as "Hatti". Because it was initially assumed that the people of Hatti were identical to the Hetti of the Hebrew Bible, the term Hittite Empire is still today used to describe the Anatolian state. Their language is known to have been a member of the Indo-European family. Because its speakers were originally based in Kanesh, they called their language "Neshili". The former inhabitants of Hatti and Hattusas are now called Hattites and their Hattic language was not Indo-European, but is of unknown linguistic relationship.

After the fall of the Hittite Empire around 1178 BC, a remnant of them, still using the name "people of Hatti", established some city-states in the region of northern Syria. Therefore these are usually assumed to be the Hittites mentioned in Solomon's time.


History: The Hittites

The early origins of the Hittites are not entirely certain, but it is likely the people we call Hittites arrived in Anatolia about 2000BC and came from Europe as part of a broader migration from the Black Sea region and Pontic steppe. In diplomatic correspondence of the Late Bronze Age the realm is the land of Hatti (Khatta in Egyptian).

The Hittites adopted the cuneiform script from the Assyrians, shortly afterwards, and they fought amongst themselves and with their neighbours during the first half of the second millennium down to about 1400BC. In 1531BC a Hittite king even led an army into Mesopotamia and sacked Babylon together with his Kassite allies. From about 1400BC King Tudhaliya established the Hittite Empire, which endured until the infamous Late Bronze Age Collapse from about 1180BC. During these few hundred years the Hittites rose to become one the great powers of the ancient Near East, the rivals and equals of Egypt and masters of the ancient cities of Syria and the upper Mesopotamian region.

A map of the Hittite Empire during the reigns of Suppiluliuma I and Musili II circa 1350-1295 BC at the time of its greatest extent. Hittite tributary lands also encompassed Luwian states in western Anatolia at various times, including Arzawa and Ahhiyawa – which have been given provisional, though likely, locations on this map.

The King of the Hittites was not just a hereditary ruler he was also the chief priest of the Hittite gods and their representative amongst his people. Every year he would tour the various holy sites throughout the kingdom to perform the rituals that would bring prosperity and success. These Kings began to be referred to as ‘My Sun’ – a sort of Hittite equivalent of ‘Your majesty’. King Tudhaliya allied with or absorbed his immediate neighbours, including the great city-state of Aleppo and much of Mitanni to the east, and the various Luwian states including Arzawa to the west. It was the beginnings of Empire!

This picture shows a Hittite chariot as portrayed on an Egyptian relief showing the Battle of Kadesh. These chariots are depicted differently from Egyptian chariots in that they have three crewmen with flowing Hittite locks! Hittite chariots were more heavily built than Egyptian chariots and their crewmen are likely to carry spears and javelins as their primary weapon rather than bows.

Sadly, as tends to be the way with these things, many of the lands conquered by Tudhaliya subsequently fell into the hands of enemies or rebelled, and so had to be conquered all over again by King Suppiluliuma. The chief enemies of the Hittites at this period were the Egyptians and Assyrians, but they also faced rebellious subject states in the Luwian lands to the west and the cities of Syria and the Levant. Another persistent enemy was the Kaska (or Gasgan) hill tribe that lived in the region to the immediate north of the Hittite homeland.

The ruins of Hattusa the Hittite capital in central Anatolia – this is the main gateway to the city, commonly known as The Lion Gate.

The wealth of the great cities of Syria and Canaan was the envy of Egypt, Assyria and the Hittites, and a great deal of the warfare of the period revolves around these ancient super-states’ attempts to take control of this important region. It was the Bronze Age equivalent of the later Silk Road – a region where trade routes converged from east, west and south. Mighty cities such as Aleppo and Carchemish became fabulously rich as a result. Although we call these cities, they were really states in their own right, whose kings sometimes became sufficiently powerful to assert their dominance over their neighbours, but generally sought to make alliances with other powers for their own protection. The Hittites usually absorbed these border areas as subject Kingdoms, rather like feudal Lords, bound to the Hittites King by personal treaties. One of the first duties of these feudal Kings was to provide troops for the Hittite armies, which means that the Hittites could field large forces that contained contingents from all their many clients states. Because the cities of Syria and Canaan were so wealthy they often provided a substantial amount of the Hittite King’s forces when he was fighting in those regions. Other clients from the western states would also send troops, and in their case these would be Luwian or even archaic Greeks – Ahhiyawa is usually assumed to be a Hittite rendering of Homer’s Achaia (Byrce et al), whilst Troy was probably part of a Hittite client state called Wilusa – i.e. Homer’s Ilium.

This famous figure (the original is over 2m high!) is carved into the south gate of Hattusa – the so-called King’s Gate. Despite the name, the figure almost certainly represent a god set to watch out over the King and his army as they march from the city to war.

All this means that for the period of the height of the Hittite Empire we are at liberty to use troops from the Hittite lands themselves – the ‘woman warriors’ as the Egyptian Pharaoh dubbed these long-haired warriors – as well as Syrian and Canaanite troops from cities such as Carchemish and Kadesh. Indeed, Carchemish was such an important city that the Hittite King sent one of his sons to rule over it, the foundation of a Hittite dynasty that would endure into the Iron Age – longer than the Hittite Empire itself!

Anyone wanting to know more about Hittites in the Late Bronze Age would do well to read the books written by Australian academic Trevor Bryce – the leading authority on the history of the Hittites. In particular I would recommend:

  • The Kingdom of the Hittites (1999)
  • Life and Society in the Hittite World (2002)
  • The Trojans and their Neighbours (2006)


Assista o vídeo: Ludwik Bawarski. Szaleniec czy geniusz? (Outubro 2021).