Notícia

Edward J. Smith, Capitão do Titanic

Edward J. Smith, Capitão do Titanic


Lista de navios da White Star Line em que o capitão Edward John Smith serviu

O capitão Edward John Smith, nascido em 27 de janeiro de 1850, juntou-se à White Star Line como oficial de navios em 1º de março de 1880. Ele recebeu seu primeiro comando de um navio da White Star Line em 18 de abril de 1887. Ele estava no comando do Titanic durante sua doença - viagem inaugural fadada quando ela bateu em um iceberg no final da noite de 14 de abril de 1912 e afundou durante as primeiras horas de 15 de abril de 1912. O capitão Edward John Smith foi perdido no desastre do Titanic. A fonte da maioria dos itens a seguir é dos registros mantidos nos livros dos oficiais da White Star Line (via findmypast.co.uk) e em várias páginas deste site:

Celtic - servindo como 4º Oficial de 1º de março de 1880 até julho de 1880.
? - servindo como 3º oficial de julho de 1880 até 6 de fevereiro de 1882.
? - servindo como 2º Oficial de 6 de fevereiro de 1882 até 20 de julho de 1885.
? - atuando como Diretor de 20 de julho de 1885 até 18 de abril de 1887.
República servindo como Capitão de 18 de abril a 20 de agosto de 1887.
? - atuando como Diretor de 20 de agosto de 1887 até 27 de março de 1888.
Baltic servindo como capitão desde 27 de março de 1887.
Majestic servindo como capitão desde 1895.
Adriático servindo como capitão de abril de 1907 a 15 de maio de 1911.
Olímpico - servindo como capitão de 15 de maio de 1911 até 1 de abril de 1912.
Titanic servindo como capitão de 1º de abril de 1912 a 15 de abril de 1912.


A história de Capitão Edward John Smith

Em 1871, ele recebeu seu certificado como segundo imediato e daí subiu na hierarquia até assumir o comando do Lizzie Fennell em 1876. Em março de 1880, Smith ingressou na White Star Line como quarto oficial. Ele subiu na hierarquia até assumir o comando da República em 1887. No ano seguinte, ele se juntou à Reserva da Marinha Real (RNR) e em 1899 Smith era capitão do Majestic quando foi chamado para transportar tropas para a Guerra dos Bôeres. Ele fez duas viagens à África do Sul e foi premiado com a Medalha de Transporte com o South Africa Clasp em 26 de novembro de 1903.

Em 1904, Smith assumiu o comando do Baltic, então o maior navio do mundo, para sua viagem inaugural. Ele permaneceu com o Báltico até assumir o comando do Adriático em 1907 para sua viagem inaugural, permanecendo como seu capitão até 1911.

Em 1911, Smith assumiu o comando do maior navio já construído, o RMS Olympic. Em 20 de setembro de 1911, apenas 13 semanas após sua viagem inaugural, o Olympic colidiu com o navio de guerra britânico HMS Hawke. Ambos os navios foram gravemente danificados e a Marinha culpou o enorme tamanho de Olympic por puxar Hawke em sua direção.

Apesar disso, a White Star Line mais uma vez nomeou Smith para o papel de capitão quando o Titanic foi concluído.

O Titanic deixou Southampton ao meio-dia de 10 de abril de 1912 e imediatamente teve problemas. Mais uma vez, a sucção criada pelo tamanho do navio puxou o New York em sua direção e apenas o pensamento rápido de Smith evitou o desastre.

Quando o Titanic afundou na noite de 14 de abril, Smith foi um dos muitos que morreram. O corpo dele nunca se recuperou.


Mulher de Waterloo que vive a antiga casa do capitão do Titanic, Edward Smith, abre portas para fãs de história

A mulher que mora na casa do capitão do Titanic, Edward Smith, está planejando fazer tours em sua casa para os fãs de história.

A mulher que mora na casa do capitão do Titanic, Edward Smith, está planejando fazer tours em sua casa para os fãs de história.

Rose Gallagher, 46, recebe regularmente ônibus cheios de turistas que chegam na porta de sua casa em Marine Crescent, Waterloo.

Rose disse: “Isso se tornou uma coisa normal. Outro dia, um ônibus com mais de 60 pessoas parou querendo dar uma olhada na casa.

“Eles vêm de todo o mundo para ver a casa. Eles até pedem para tirar uma foto comigo. ”

Durante a troca de contratos no 17 Marine Crescent em Waterloo, 20 anos atrás, Rose não tinha ideia de suas ligações com o Titanic.

Mas, apesar de não ter conhecimento do ocupante anterior de sua casa, Rose disse que sentiu que de alguma forma estava destinada a morar na casa.

A gerente de marketing Rose disse: “Parece estranho, mas eu tive um sonho com a casa antes de vê-la.

“Sonhei com uma casa que voltasse e voltasse igual a este lugar e escrevi isso no meu diário. Alguns anos depois que me mudei, lembrei-me do sonho e tudo pareceu se encaixar. ”

Depois de descobrir sobre os famosos habitantes da casa, Rose começou a pesquisar o Capitão Edward Smith. Ela descobriu que ele se mudou para a casa em 1898 com a esposa Sarah Eleanor e sua filha Helen nasceu no mesmo ano.

Reunindo suas descobertas, Rose decidiu montar um livro enfocando um lado diferente do capitão.

Ela disse: “Meu livro é sobre o homem de família. Leva você em uma jornada, uma caminhada na pele do Capitão Edward John Smith.

“Levei mais de 20 anos para escrevê-lo e o aniversário de 100 anos do desastroso fim do Titanic foi a oportunidade perfeita para eu lançar o livro.

“É realmente uma casa adorável. Estou muito feliz aqui e nunca pensaria em ir embora - bem, a menos que um americano rico viesse com uma boa oferta. Eu provavelmente o venderia então. "

Desde que assumiu a propriedade de cinco quartos e fachada dupla, Rose fez um esforço consciente para manter o edifício como seria no início do século XX.

Ela acrescentou: “Fiz algumas obras na casa, mas mantive o máximo possível de características originais. Todas as lareiras estariam aqui quando o capitão Smith era o dono da casa.

“Espero fazer tours pela casa e quero compartilhar minha experiência e minha casa. Espero que as pessoas gostem tanto quanto eu, meus amigos e minha família. ”

O livro de Rose, The Captain, Titanic and Me, está disponível em www.titaniccaptainsmith.co.uk

Itens do Titanic vendidos no leilão de Liverpool por quase £ 15.000

Uma gama de artefatos do Titanic vendidos em um leilão de Liverpool arrecadou quase £ 20.000.

Uma rara manta de primeira classe do White Star Steamer, que foi enrolada em torno de um sobrevivente da tragédia marítima, foi vendida por £ 5.400.

O cobertor, que se acredita ter sido usado para cobrir Berk Pickard quando ele embarcou no bote salva-vidas em 1912, foi comprado por um licitante anônimo por telefone.

Um bilhete de mesa de terceira classe do Titanic e um crachá de salva-vidas dos comissários também foram leiloados na sala de vendas Partridge and Bray na Jordan Street ontem. O bilhete rendeu £ 6.200 e o emblema £ 7.000.


Edward john smith

O capitão Edward John Smith nasceu em Hanley, Stoke-on-Trent em 27 de janeiro de 1850, filho do oleiro Edward Smith e Catherine Smith. Mais tarde, seus pais foram donos de uma loja 1.

Edward frequentou a Etruria British School até os 13 anos, quando foi para Liverpool para iniciar uma carreira marítima. Ele foi aprendiz da Gibson & Co., em Liverpool e ingressou na White Star Line em 1880, ganhando seu primeiro comando em 1887. Entre os navios que comandaria estavam os primeiros República, a cóptico, Majestoso, báltico, Adriático e olímpico.

Smith serviu com distinção na guerra dos Bôeres, comandando navios de guerra para o Cabo.

À medida que crescia na antiguidade, Smith ganhou reputação entre os passageiros e a tripulação por sua extravagância silenciosa. Alguns passageiros navegariam apenas o Atlântico em um navio comandado por ele. Como o capitão mais graduado da frota da White Star, tornou-se rotina para Smith comandar os navios mais novos da linha em suas primeiras viagens. Não foi, portanto, nenhuma surpresa que Smith pegou o Titânico em sua viagem inaugural em abril de 1912. Essa responsabilidade foi recompensada com um salário de £ 1.250 por ano e um bônus sem colisão de $ 200. Por causa de sua posição como Comandante da Royal Naval Reserve Smith tinha a distinção de ser capaz de voar no Blue Duster da R.N.R., a maioria dos navios voava no Red Duster da marinha mercante.

Smith era casado com Eleanor e eles tinham uma filha pequena, Helen Melville. A família morava em uma imponente casa "Woodhead" de tijolos vermelhos e empenas duplas em Winn Road, Portswood, Southampton.

Em 10 de abril de 1912, Edward John Smith, usando um chapéu-coco e um sobretudo comprido, pegou um táxi de sua casa para as docas de Southampton. Ele veio a bordo do Titânico às 7h00 para se preparar para a reunião da Junta Comercial às 8h00. Ele foi imediatamente para sua cabine para obter o relatório de navegação do oficial Henry Wilde.

Após a partida às 12h, a lavagem da hélice causou o imobilismo Nova york quebrar de suas amarras e balançar em direção ao Titânico. A ação rápida de Smith ajudou a evitar o fim prematuro da viagem inaugural. O infeliz incidente foi visto por alguns como um mau presságio e lembrava o Hawke incidente em 1911, quando o navio colidiu com o olímpico que estava sob o comando do Capitão Smith.

Durante a viagem, Smith normalmente fazia as refeições em uma pequena mesa no salão de jantar ou em sua cabine, com a presença de seu criado pessoal, ou "Tigre", Arthur Paintin. Na noite de 14 de abril, entretanto, ele compareceu a um jantar oferecido em sua homenagem por George Widener e sua família. A festa contou com a presença da nata da sociedade de 1912, uma vez que estava representada no Titânico. No entanto, Smith estava possivelmente preocupado com o fato de o navio estar entrando na zona de gelo sobre a qual ele havia recebido amplos avisos durante o fim de semana. Ele pediu licença mais cedo e foi para a ponte.

Charles Lightoller estava vigiando e conversou um pouco sobre a temperatura com Smith. Smith disse a Lightoller para alertá-lo imediatamente se ele estivesse preocupado. Ele então se retirou para a cama.

Por volta das 23h40 O capitão Smith foi acordado pela colisão e correu para a ponte. Ele recebeu o relatório do acidente do primeiro oficial William Murdoch e então fez uma rápida inspeção do navio com Thomas Andrews. Ele imediatamente ordenou que os barcos fossem preparados, mas hesitou quando chegou a hora de dar a ordem de carregá-los e baixá-los. Lightoller teve que se aproximar dele para a ordem que ele acabou dando.

Surpreendentemente, pouco se sabe sobre as ações de Smith nas últimas duas horas de vida do navio. Suas lendárias habilidades de liderança parecem tê-lo abandonado, ele era curiosamente indeciso e extraordinariamente cauteloso.

Ele foi visto pela última vez na área da ponte, tendo dado a ordem final para abandonar o navio. Ele parece não ter feito nenhuma tentativa de se salvar. Seu corpo, se recuperado, nunca foi identificado.

Uma grande estátua do Capitão Smith foi inaugurada por sua filha Helen em 29 de julho de 1914 em Lichfield, Inglaterra. A escultora era Lady Kathleen Scott (nascida em 1870, d. 1947), viúva do capitão Robert Falcon Scott, "Scott of the Antarctic". Uma placa que foi colocada na Prefeitura de Hanley em sua memória em 1913 foi posteriormente removida para a Etruria Middle School.

A viúva de Smith, Eleanor Sarah, nasceu em 17 de junho de 1861. Após a morte de seu marido, ela permaneceu em Southampton por um tempo, mas depois mudou-se para Londres. Ela morreu após ser atropelada por um táxi fora de sua casa em Londres em 28 de abril de 1931.

Sua filha Helen Melville Smith, conhecida como Mel, nasceu em Liverpool e mais tarde mudou-se para Southampton com seus pais. Ela foi (provavelmente) primeiro casada com o capitão John Gilbertson de Liverpool, Inglaterra. Gilbertson morreu de febre da água negra em uma viagem da Índia para casa a bordo de seu primeiro comando, um navio chamado de Morazan da Linha Bibby. No momento de sua morte, o Capitão Gilbertson era o capitão mais jovem da Marinha Mercante Britânica. Helen casou-se com Sidney Russell-Cooke (n. 12 de dezembro de 1892, d. 30 de julho de 1930) em 1922 na Igreja de São Marcos, Mayfair, eles tiveram filhos gêmeos nascidos em Bellcroft, Londres em 18 de junho de 1923: Simon, que nunca se casou e foi mortos em ação na Segunda Guerra Mundial em 23 de março de 1944 e Priscilla que se casou em 1946 com um advogado chamado John Constantine Phipps, mas morreu de poliomielite na Escócia em 7 de outubro de 1947. Infelizmente para "Mel", seu segundo marido foi morto em 1930 em uma caça acidente e sua mãe morreu no ano seguinte. Apesar de seus infortúnios, Helen Melville Smith levou uma vida aventureira, ela dirigia carros esportivos e tornou-se piloto. Ela veio para o conjunto de Uma noite para recordar no inverno de 1957-8 e observou que Lawrence Naismith, que interpretou seu pai, tinha uma notável semelhança com ele.

Helen Melville Smith mudou-se para Leafield, Oxfordshire em 1934, ela morreu lá em agosto de 1973 e foi enterrada perto de sua mãe e marido.

Notas

1. O conhecimento local afirma que o que agora é simplesmente uma casa de esquina era de fato a loja que a mãe de Smith (e mais tarde o pai) mantinha. Alguns moradores ainda se lembram de testemunhar a conversão da loja em uma casa. No Hanley Directory de 1851, Edward Smith da Well Street é listado como lojista. O que costumava ser um beco (uma "parte de trás") ao lado da loja agora é uma rua estreita aberta, já que o resto da rua foi demolido e os apartamentos construídos. O endereço é: 51 Well Street, Hanley.
2. Do Censo de 1851:

Edward Smith: Chefe de família: casado: 46 anos: Potter: nascido em Hanley
Catherine Smith: Esposa: Casada: Com 42 anos: Mercearia: Born Stoke
Edward John Smith: Filho: 1 ano: nascido Hanley
? Hancock: Filha: Com 16 anos: Modelista e Costureira: Nasceu Tunstall


Quem foi o capitão Smith e qual foi seu papel no naufrágio do Titanic?

O capitão Edward Smith é mais famoso por seu papel no comando do Titanic, a desastrosa última viagem de sua carreira de sucesso no mar. Boatos sobre o capitão Smith e suas horas finais circularam desde aquela noite fatídica, levando muitos a culpar o capitão pelo naufrágio do navio. Vamos explorar quem era Edward Smith antes de comandar o Titanic e se ele é o culpado pelo naufrágio do navio.

Carreira do Capitão Smith no Mar

Capitão Edward Smith, cortesia da Wikimedia.

Edward Smith nasceu filho de um oleiro em 27 de janeiro de 1850 em Hanley, Staffordshire, Inglaterra. Hanley agora é Stoke-on-Trent, lar da porcelana Wedgwood. Como muitas crianças de origens da classe trabalhadora, Smith deixou a escola cedo - por volta dos 12 anos - e começou sua vida como marinheiro quando era adolescente, ingressando na tripulação do Senador Weber em 1867. [1] anos que se seguiram, Smith continuou a progredir na hierarquia, ganhando seu certificado como segundo imediato em 1871, primeiro imediato em 1873 e mestre em 1875. [2]

Em 1880, Smith passou do transporte comercial para navios de passageiros quando foi contratado como oficial júnior da White Star Line. Em 1887, ele comandou seu primeiro navio, o Báltico. [3] No mesmo ano, ele também se casou com Eleanor Pennington. Em 1902, nasceu a única filha do casal, uma filha chamada Helen. [4]

Ao longo de sua carreira, Smith ganhou a reputação de ser popular entre a tripulação e os passageiros. Na verdade, ele foi apelidado de "Capitão do Milionário" porque era muito querido pelos viajantes ricos. [5] Na verdade, Margaret havia viajado com ele anteriormente e jantou com ele no Olympic. Depois de muitos anos no mar e servindo na Guerra dos Bôeres, Smith se tornou o capitão sênior da White Star Line. Tido em alta estima, o capitão Smith também tinha experiência especial no comando de navios especialmente grandes. Em 1904, a White Star Line, recém-adquirida pela International Mercantile Marines, acrescentou um novo Báltico à sua frota. O navio pesava 23.876 toneladas e era um dos maiores navios da época. Depois do Báltico, Smith comandou o Adriático, que tinha 24.541 toneladas. [6] Para referência, o Titanic pesava 46.328 toneladas.

A carreira de Smith não foi isenta de contratempos, no entanto. Por exemplo, em 1911 ele era o capitão do Olympic quando este foi amplamente danificado em uma colisão com o cruzador britânico Hawke. Em várias ocasiões, os navios de Smith encalharam. [7] Nenhuma carreira é isenta de contratempos, e a reputação de Smith como capitão não foi manchada por esses incidentes. [8] Depois de comandar o Titanic em sua viagem inaugural, o capitão Smith deveria se aposentar.

Qual foi o papel do capitão Smith no naufrágio do Titanic?
Após o naufrágio do Titanic, rumores giraram sobre o navio, os passageiros e os eventos que levaram à tragédia. Entre esses rumores, havia contos de que o Capitão Smith enfrentou pressão da White Star Line para manter a velocidade do navio, ou que ele ignorou os avisos de outros navios sobre a presença de icebergs. Na verdade, após o desastre, tanto os Estados Unidos quanto o Reino Unido iniciaram investigações para determinar se a White Star Line era ou não responsável por danos relacionados à perda de vidas e bens. Entre as questões importantes que essas investigações investigaram estavam o papel que a velocidade e os avisos de gelo desempenharam no acidente. [9]

Com relação à velocidade do navio, a história prevalecente é que o Titanic estava viajando rápido demais e, se o Capitão Smith tivesse desacelerado o navio, o acidente poderia ter sido evitado. As comissões estavam particularmente interessadas em saber se J. Bruce Ismay, o diretor-gerente da White Star Line, pressionava Smith para manter a velocidade do navio. A evidência mostrou que, embora o Titanic estivesse indo rápido, ele nunca atingiu a velocidade máxima. Além disso, a noite estava clara e as águas calmas. O capitão Smith instruiu a tripulação a desacelerar se houvesse neblina ou nevoeiro. O Inquérito Britânico concluiu que o Capitão Smith comandou o navio de acordo com as melhores práticas para um capitão com sua experiência, mas talvez essas práticas devam mudar:

“A evidência mostra que ele não estava tentando fazer nenhuma passagem de registro ou mesmo qualquer passagem excepcionalmente rápida. Ele não estava tentando agradar a ninguém, mas exercendo seu próprio arbítrio da maneira que achava melhor. Ele cometeu um erro, um erro gravíssimo, mas no qual, face à prática e à experiência passada, não se pode dizer que a negligência tenha tido parte e na ausência de negligência é, a meu ver, impossível de consertar. Capitão Smith com a culpa. ” [10]

As perguntas também persistiram sobre se o Capitão Smith ignorou ou não os avisos de outros navios sobre a presença de gelo. De acordo com o Quarto Oficial Joseph Boxhall, ele e o Capitão Smith traçaram as coordenadas dos primeiros avisos de gelo e estavam cientes da presença de gelo em seu caminho geral. Avisos posteriores, no entanto, nunca saíram da sala do telégrafo porque o sistema Marconi estava sobrecarregado. [11]

Capitão Smith na mitologia do Titanic
Alguns dos mitos sobre o Capitão Smith e o Titanic originaram-se dos próprios sobreviventes. Várias testemunhas testemunharam que viram o capitão Smith resgatar uma criança que se afogava antes de nadar de volta ao navio que estava afundando para encontrar seu destino. [12]

Outros testemunharam que testemunharam o Capitão Smith tirar a própria vida com uma pistola quando o navio estava afundando, mas o consenso geral era que isso não era verdade. Em vez disso, a maioria dos relatos relatam que o Capitão Smith mergulhou da ponte na água quando o navio afundou. [13]

Da mesma forma, há alguma controvérsia sobre as palavras finais do Capitão Smith. Vários membros da tripulação relatam que Smith encorajou sua tripulação a agir com honra, exaltando-os: "Seja britânico!" [14] Aqueles que trabalharam mais de perto com Smith durante o naufrágio relataram que ele instruiu a tripulação restante a fazer o que pudesse pelas mulheres e crianças e cuidar de si mesmas antes de retornar à ponte para afundar com o navio.

É este ato final de liderança que se tornou a imagem mais duradoura do Capitão Smith. Embora não possamos saber ao certo como ele passou seus momentos finais, sabe-se que o capitão Edward Smith morreu no Atlântico Norte junto com outros 1.517 em 15 de abril de 1912. Seu corpo nunca foi recuperado.

Por: Kasey Butcher Santana, voluntária da Molly Brown House

[1] “Edward J. Smith.” Biography.com, A & ampE Networks Television, 2 de agosto de 2019, www.biography.com/amp/historical-figure/Edward-j-smith.

[2] “Edward J. Smith.” Biography.com, A & ampE Networks Television, 2 de agosto de 2019, www.biography.com/amp/historical-figure/Edward-j-smith.

[3] Tikkanen, Amy. “Edward J. Smith.” Enciclopédia Britânica, Encyclopedia Britannica, Inc., 23 de janeiro de 2020, www.britannica.com/biography/Edward-J-Smith.

[4] “Edward J. Smith.” Biography.com, A & ampE Networks Television, 2 de agosto de 2019, www.biography.com/amp/historical-figure/Edward-j-smith.

[5] Tikkanen, Amy. “Edward J. Smith.” Enciclopédia Britânica, Encyclopedia Britannica, Inc., 23 de janeiro de 2020, www.britannica.com/biography/Edward-J-Smith.

[6] “Edward J. Smith.” Biography.com, A & ampE Networks Television, 2 de agosto de 2019, www.biography.com/amp/historical-figure/Edward-j-smith.

[7] Tikkanen, Amy. “Edward J. Smith.” Enciclopédia Britânica, Encyclopedia Britannica, Inc., 23 de janeiro de 2020, www.britannica.com/biography/Edward-J-Smith.

[8] Compton, Nic. Titanic em julgamento: a noite em que o Titanic afundou contado por meio dos testemunhos de seus passageiros e sua tripulação. Publicação Bloomsbury, 2012.

[9] Compton, Nic. Titanic em julgamento: a noite em que o Titanic afundou contado por meio dos testemunhos de seus passageiros e sua tripulação. Publicação Bloomsbury, 2012.

[10] Compton, Nic. Titanic em julgamento: a noite em que o Titanic afundou contado por meio dos testemunhos de seus passageiros e sua tripulação. Publicação Bloomsbury, 2012.

[11] Compton, Nic. Titanic em julgamento: a noite em que o Titanic afundou contado por meio dos testemunhos de seus passageiros e sua tripulação. Publicação Bloomsbury, 2012.

[12] Everett, Marshall. Naufrágio e naufrágio do Titanic. Livros esquecidos, 2016.

[13] Olá, Paul. Século Titanic: mídia, mito e a construção de um ícone cultural. Praeger, 2012.

[14] Everett, Marshall. Naufrágio e naufrágio do Titanic. Livros esquecidos, 2016.


Titanic: o navio inafundável

Uma maravilha de construção moderna, o Titanic foi o maior e mais luxuoso navio de passageiros de sua época. Considerado inafundável, o Titanic estava equipado com oito compartimentos estanques no casco do barco que fechavam se a água entrasse neles, permitindo que o Titanic pudesse flutuar. O tamanho e os avanços tecnológicos presentes no Titanic foram a principal razão pela qual os passageiros e a tripulação acreditaram que o navio era inafundável.

Muitos indivíduos compartilharam os sentimentos de que o Titanic é inafundável e há muitas citações diferentes para prová-lo. Um dos desastres marítimos mais irônicos da história, o Titanic encontrou seu destino depois de colidir com um iceberg no meio do Oceano Atlântico Norte. Embora os compartimentos estanques ajudassem a mitigar a quantidade de água que o navio carregava, cinco dos oito foram inundados e fizeram com que o peso fosse grande demais para o navio suportar. Muitos acreditam que, se apenas quatro compartimentos fossem inundados, o navio não teria problemas para navegar de volta ao porto e evitar o naufrágio do Titanic.

Capitão do Titanic Edward Smith

Unsinkable Titanic Quotes

& # 8220 Não consigo imaginar nenhuma condição que possa causar o naufrágio de um navio. Não consigo conceber qualquer desastre vital acontecendo a esta nave. A construção naval moderna foi além disso. & # 8221

Capitão Edward Smith, referindo-se ao Adriático

& # 8220 O próprio Deus não conseguiu afundar este navio! & # 8221

Desconhecido Titânico membro da tripulação para o passageiro a embarcar, Sra. Sylvia Caldwell.

& # 8220Certamente não houve nenhum marinheiro que já navegou em água salgada, mas que sorriu & # 8211 e ainda sorri & # 8211 com a ideia do & # 8221 navio inafundável & # 8221.

Charles Lightoller, em Titanic e outros navios .

Nunca vi um naufrágio e nunca fui destruído, nem nunca estive em qualquer situação que ameaçasse terminar em desastre.

Capitão Edward Smith em 1907

O excesso de confiança parece ter entorpecido as faculdades geralmente tão alertas.

Senador Smith, no Capitão E.J. Smith.

O capitão pode, simplesmente movendo um interruptor elétrico, fechar instantaneamente as portas, tornando a embarcação praticamente impossível de afundar.

Irish News e Belfast Morning News, 1 ° de junho de 1911, no incompleto Titânico.

Acreditamos que o barco é inafundável.

Philip Franklin, vice-presidente da White Star Line, das 8:00 da manhã, 15 de abril de 1912.

Havia muita ostentação e pouca construção em condições de navegar.

Sir James Bisset, em olímpico e Titânico.

Titânico, nome e coisa, permanecerão como um monumento e uma advertência à presunção humana.

O bispo de Winchester, pregando em Southampton, 1912.

Filantropa, ativista e socialite Molly Brown

Um dos aspectos do Titanic que realmente provou ser inafundável foi uma passageira chamada Margaret Brown. Socialite, ativista e filantropo americano, Brown ficou famoso por ajudar os passageiros a embarcar nos botes salva-vidas do Titanic. Recusando-se a embarcar no bote salva-vidas, ela foi finalmente convencida a embarcar no bote salva-vidas nº. 6. Ela foi chamada de & # 8216unsinkable Molly Brown & # 8217 porque pegou o remo do bote salva-vidas 6 e começou a voltar em busca de sobreviventes.

Não se sabe se os esforços realmente salvaram os passageiros necessitados, mas Molly Brown empreendeu os esforços de liderança para procurar sobreviventes. Brown foi homenageada por seus esforços em ajudar os passageiros nos botes salva-vidas a colocar suas vidas à frente da sua. Inafundável Molly Brown é uma das mais famosas sobreviventes do Titanic e o foco de uma das histórias de sobreviventes do Titanic mais famosas da história.

Postagens relacionadas:

Categorias

Postagens recentes

A triste história

Sob o comando de Edward Smith, o navio deixou Southampton com 2.224 passageiros a bordo, incluindo algumas das pessoas mais ricas do mundo, bem como centenas de emigrantes pobres da Europa em busca de uma nova vida na América do Norte. O navio tinha recursos avançados de segurança, mas não havia botes salva-vidas suficientes para acomodar todos a bordo. Apenas 1.178 pessoas podem ser transportadas em botes salva-vidas.

Quatro dias depois de fazer a travessia e cerca de 375 milhas (600 km) ao sul de Newfoundland, ela bateu em um iceberg às 23h40, horário do navio. A colisão superficial fez com que as placas do casco do Titanic se dobrassem para dentro ao longo de seu lado de estibordo e abriu cinco de seus dezesseis compartimentos estanques para o mar, o navio gradualmente se encheu de água. Enquanto isso, os passageiros e alguns membros da tripulação foram evacuados em botes salva-vidas, muitos dos quais foram lançados apenas parcialmente carregados.

Por volta das 2h20, o navio gigante se partiu e naufragou, com mais de 1000 pessoas ainda a bordo. Pouco menos de duas horas após o naufrágio, o forro da Cunard RMS Carpathia chegou e trouxe a bordo cerca de 705 sobreviventes.

Números Pequenos

74: O número de anos que levou para encontrar o naufrágio do navio no Oceano Atlântico.


Edward John Smith: Capitão do Titanic



Quando alguém pergunta como posso descrever melhor minha experiência em quase 40 anos no mar, eu apenas digo, sem intercorrências. É claro que houve ventos fortes de inverno, tempestades e nevoeiros semelhantes, mas, em toda a minha experiência, nunca sofri nenhum tipo de acidente que valesse a pena falar. . . Nunca vi um naufrágio e nunca fui destruído, nem nunca estive em qualquer situação que ameaçasse terminar em um desastre de qualquer tipo.

- Edward John Smith
Trecho de uma entrevista com o Capitão Smith em 1907, depois que ele trouxe o Adriático para Nova York em sua viagem inaugural


Quem foi Edward John Smith, o capitão do malfadado Titânico? Qual era o passado do homem que comandou o famoso transatlântico em sua viagem inaugural condenada? Até que ponto ele foi responsável por um dos desastres marítimos mais horríveis de todos os tempos? Muitas pessoas não estão familiarizadas com o nome de Smith. Eles simplesmente se referem a algum capitão sem rosto de Titânico. Como o 100º aniversário do naufrágio de Titânico se aproxima, parece apropriado explorar a vida e os antecedentes do Capitão Smith. O oficial da reserva naval britânica de 62 anos estava prestes a se aposentar quando assumiu o comando do RMS Titanic em abril de 1912. Ele morreu no trágico acidente e seu corpo nunca foi recuperado.

Edward John Smith nasceu na cidade de Hanley, Stoke-on-Trent, Inglaterra, em 27 de janeiro de 1850, filho de Edward Smith, um oleiro, e sua esposa, Catherine. Os Smiths mais tarde se tornaram lojistas e o jovem Edward frequentou a Etruria British School. Aos 13 anos, ele foi para Liverpool para iniciar uma carreira marítima. Em 1869, ele foi aprendiz de um navio clipper chamado Senador weber, propriedade da A. Gibson & amp Co., uma empresa de Liverpool.

Foi em 1880 que Smith ingressou na White Star Line como quarto oficial. Ele recebeu o comando de seu primeiro navio, República, em 1887. Ao longo dos anos, ele também comandou cóptico, Majestoso, báltico, Adriático, germânico e Olímpico. No momento em que ele assumiu o comando de Titânico, O Capitão Smith acumulou 46 anos de experiência no mar, incluindo capitão Majestoso durante a Guerra dos Bôeres. Por seus serviços durante a guerra, o Rei Edward VII concedeu-lhe a Medalha de Transporte.

Lamentavelmente, a longa carreira de Smith foi marcada por alguns contratempos que aconteceram sob seu comando antes do Titânico. Em 16 de fevereiro de 1899, enquanto no cais de Nova York, germânico emborcou como resultado de um acúmulo de gelo no cordame e na superestrutura da embarcação. Em 21 de junho de 1911, Do Titanic navio irmão ligeiramente menor, olímpico, estava se preparando para sua viagem inaugural quando um rebocador, O.L. Hallenbeck, foi sugado contra sua popa. A explosão reversa da hélice do Olympic causou sérios danos ao rebocador. White Star foi processado por US $ 10.000, mas o caso acabou sendo encerrado devido à falta de provas.

Em 20 de setembro de 1911, menos de um ano antes Titânico zarpar, olímpico colidiu com o cruzador da Marinha Real HMS Hawke euem um canal estreito da Ilha de Wight. O navio de guerra britânico perdeu sua proa (a parte dianteira da proa de um navio). Quanto a Olímpico, ela conseguiu retornar a Southampton com um de seus eixos de hélice torcidos. A Marinha Real realizou olímpico responsável pelo incidente, alegando que seu enorme tamanho gerou uma sucção que puxou Hawke para o vaso maior.

Apesar do Hawke incidente, a White Star atribuiu o comando de Titânico ao capitão Smith e continuou a considerá-lo um marinheiro competente e experiente. O rápido aumento no tamanho dos transatlânticos pode ter contribuído para os contratempos anteriores que ocorreram sob seu comando e o naufrágio de Titânico em si. Todas as habilidades de treinamento de Smith e sua vasta experiência no mar não o prepararam adequadamente para os avanços na navegação e para o tamanho dos navios mais novos.

O capitão Edward John Smith era uma figura popular com uma clientela leal de passageiros. Alguns voyageurs, especialmente aqueles das classes altas da Inglaterra, só cruzariam o Atlântico em um navio que ele comandava. Smith era muito querido pela administração da White Star Line e por amigos e colegas. Eles carinhosamente se referiam a ele como E.J. Seu salário era de $ 6.250 por ano e havia um "bônus em dinheiro" de $ 1.000 se algum navio sob seu comando não fosse danificado durante os 12 meses. Essa era realmente uma bela soma naquela época.

A vida pessoal do capitão Smith parecia muito estável e contente. Em 13 de janeiro de 1887, ele se casou com Sarah Eleanor Pennington, de 25 anos, na Igreja de St. Oswald em Winwick. A esposa de Smith preferia ser conhecida por seu segundo nome, Eleanor, e chamava seu marido de "Ted" ou "Teddy". O casal teve um filho, Helen Melville Smith, nascida em 2 de abril de 1898 em 20 Alexandra Road, Waterloo, Litherland, perto de Liverpool. Ted e sua família acabaram se estabelecendo em Southampton, na costa sul da Inglaterra, onde ficava o escritório da White Star. Eles moravam em uma espaçosa casa de tijolos de duas empenas chamada Woodhead, Helen, conhecida como "Mel", tinha acabado de fazer 14 anos quando seu pai partiu em sua viagem fatal em Titânico.

Em 10 de abril de 1912, Smith, de barba branca, usando um chapéu-coco e um sobretudo comprido, viajou de táxi de sua casa para as docas de Southampton. Pouco depois das 12 horas, Titânico, o maior e mais luxuoso navio do mundo partiu para a cidade de Nova York. Sua viagem inaugural teve um início instável. Quando o grande transatlântico estava saindo do porto, a sucção fez com que as cordas de um navio ancorado nas proximidades se quebrassem. Rebocadores foram levados às pressas para o local a fim de evitar uma colisão entre os WL. Nova york e Titânico.

Por volta das 23h40 no domingo, 14 de abril de 1912, Titânico atingiu um iceberg no Atlântico Norte, na costa de Newfoundland. A lookout had apparently sighted the iceberg and rang a warning bell three times. He then telephoned Sixth Officer James Moody and alerted him to the situation, but it was too late to prevent the fatal disaster. The ship sank for over two and a half hours, killing more than 1,500 people.

In "Titanic Research," an April 29, 2006 piece by Samuel Hepburn appearing in Encyclopedia Titanica, Hepburn ponders the question of how the Titânico could have unexpectedly discovered a solitary iceberg in its way. He notes that the sworn testimony of Moody and Reginald Lee, another Titânico lookout, leaves the impression that only one iceberg was seen prior to the deadly collision. He writes that "many people believe it to be improbable for the Titânico to have steamed deep into iceberg infested waters and suddenly find a single isolated iceberg dead ahead in its path." Other icebergs, Hepburn points out, "should have been sighted earlier especially since we know that in the morning, after the sun came up, many icebergs were seen all around the area of the wreckage"

On the day of the disaster, Titânico received six ice warnings. Unfortunately, the messages were all ignored by the wireless operator who was more concerned with transmitting passenger messages. The weather was also a factor in the collision. The moon was not out and the water was calm, making it difficult to spot the iceberg. If the water had been less still, breakers would have formed around the iceberg, making it easier to see from a distance.

Captain Smith's final actions during the sinking of the ship remain uncertain and there is much speculation about the details of his death. Some historians maintain that Smith was on the bridge at 2:13 a.m. and that he went down with the ship. Other sources, however, state that he went to the wheelhouse. There are also sources that claim he was present in the radio room. The stories vary and they conflict each other. For example, some survivors of the disaster recalled having seen Smith on the ships's bridge and some claimed to have witnessed him jumping off the deck.

Just before 3.00 p.m., on Thursday, April 18, the following message was posted on the notice-board at the White Star office in Southampton. The poignant words were from Eleanor, the wife of Captain E.J. Smith.

TO MY POOR SUFFERERS:
My heart overflows with grief for you all, and is laden with sorrow that you are weighed down with this terrible burden that has been thrust upon us all.
May God be with us and comfort us all.
Yours in deepest sympathy
(Signed) Eleanor Smith

Captain Smith's widow remained in Southampton for a while after her husband's death. She later relocated to London. On April 28, 1931, she was run over by a taxi near her London home and died at the age of 70. Helen Melville Smith married Captain John Gilbertson of Liverpool of Liverpool, England. Gilbertson, the youngest captain in the British merchant navy, died of black water fever while returning from India on board his first command ship.

In 1922, Helen married Sidney Russell-Cooke, a stockbroker, at St. Mark's Church, Mayfair. The couple had twins, a son named Simon and a daughter, Priscilla, born at Bellcroft, London on June 18, 1923. Priscilla wed a lawyer, John Constantine Phipps, She died soon after of polio in Scotland on October 7, 1947. Simon, who never married, was killed in battle during World War II on March 23, 1944. Russell-Cooke, died in a hunting accident on July 30, 1930.

On July 29, 1914, Helen Melville Smith unveiled a statue of her father in Lichfield, England. Its sculptor was Lady Kathleen Scott, widow of Antarctic explorer Robert Falcon Scott. The plaque beneath Captain Smith's memorial reads: Commander Edward John Smith RD, RDR. Born January 27, 1850, Died April 15, 1912, Bequeathing to his countrymen the memory and example of a great heart, a brave life and a heroic death. Be British. (There is an apocryphal story that Smith's last statement to his crew was, "Be British.")

In 1934, Helen moved to the quiet country village of Leafield, Oxfordshire and died there on August 18, 1973. Mel was 75 years old at the time of her passing. Since both of her children died childless, she left no descendants. Thus ended the progeny of Captain Edward John Smith.

Smith was a heavy cigar smoker. In May of 2011, a cigar box he once owned sold for 25,000 pounds at a Liverpool auction.


Titânico


Captain Smith and the olímpico's officers. Standing: First Officer William Murdoch, Purser Hugh McElroy, Purser Claude Lancaster, 2nd Officer Robert Hume. Seated: Captain EJ Smith, Dr O’Loughlin. (Click to enlarge)

olímpico's officers. Standing: Standing: Purser Hugh McElroy
3rd Officer Henry O. Cater, 2nd Officer Robert Hume,
4th Officer David W. Alexander, 6th Officer Harold Holehouse.
Seated: 5th Officer Alphonse Martin Tulloch, Chief Officer Joseph Evans,
Captain Edward John Smith, and 1st Officer William McMaster Murdoch.
(Click image to enlarge)

olímpico's officers (slightly different shot from above). Standing: Purser McElroy, Cater, Hume, Alexander, Holehouse. Seated: Tulloch, Evans, Captain Smith, Murdoch.
(Click image to enlarge)

Smith with his olímpico's officers in summer white uniforms.
(8.) (Click image to enlarge)

Captain Smith and his olímpico's officers seated in summer white uniforms, at lifeboat no.6. (8.) (Click image to enlarge)

Captain Smith and olímpico's senior officers standing on the
starboard wing bridge. First officer Murdoch stands to the left,
a little detached from the main group.
(Click image to enlarge)


Above and right: Captain Smith on the boat deck of RMS olímpico, June 1911, with Lord William J Pirrie, chairman of Harland and Wolff (click to enlarge).

Captain Smith in his summer white uniform
aboard R.M.S olímpico, 1911
(Click image to enlarge)

A newspaper article about the olímpico
emphasising Smith's "serious responsibility."
(Click image to enlarge)

Smith again with Lord Pirrie,
this time in New York and in his summer uniform.

Captain Smith is filmed standing on the starboard side of olímpico's navigation bridge.




An undated and rare photograph of Edward "Ted"
Smith without his uniform or cap.
(Click to enlarge)

Captain Smith leaning out of the starboard
wing cab of the olímpico, as he would later
moments after Titânico's brush with an iceberg.
(Click image to enlarge)

Captain Edward John Smith standing outside the portside Officer Quarters on the boat deck of Titânico while she was at Southampton during the morning of 10th April, 1912
(Click to enlarge)

Above and right: Captain Smith in one of three different photographs taken of him on Titânico's forward port boat deck. (Click images to enlarge)


Captain Smith looks down from Titânico's
starboard wing cab as the tender Ireland
comes along side at Queenstown.
(Click to enlarge)

Captain Smith with Purser McElroy outside the door way to the Officer Quarters while Titânico lay at anchor off Roches Point, Queenstown (now Cobh) in Ireland on the 11th April, 1912. This is the last known photograph of Smith.
(Click to enlarge)

Panel portrait of Captain Edward John
Smith from a 1912 post-sinking memorial
card, remembered by the catch-phrase
"Be British," allegedly his final words,
although there is little evidence he
actually said this. (click image to enlarge)

© 2020 TitanicOfficers.com

All images and quotations belong to the stated source and for research purposes only. No copyright infringement intended. Material can be removed upon request. All opinions are that of the website author and do not necessarily reflect the opinions of the books, television programmes and films referenced herein.


Captain Edward John Smith RD, RNR

(27 January 1850 – 15 April 1912) was an English naval reserve officer and ship's captain.[1] He was the officer in command of the RMS Titanic and died when the ship sank in 1912. There is a statue to his legacy in Beacon Park, Lichfield, England.[2]

Personal life

Edward John Smith was born in Hanley, Stoke-on-Trent, England to Edward Smith, a potter, and Catherine Hancock, nພ Marsh, who married on 2 August 1841 in Shelton, Staffordshire. His parents later owned a shop. Smith attended the Etruria British School until the age of 13 when he went to Liverpool to begin a seafaring career. He began his apprenticeship on the Senator Weber owned by A Gibson & Co., Liverpool.

On Tuesday 12 July 1887 Smith married Sarah Eleanor Pennington. Their daughter, Helen Melville Smith, was born in Waterloo, Liverpool, England, on Saturday 2 April 1898. The family lived in an imposing red brick, twin-gabled house, named "Woodhead", on Winn Road, Highfield, Southampton.

Career

Ship captain

Smith joined the White Star Line in March 1880 as the Fourth Officer of the SS Celtic. He served aboard the company's liners to Australia and to New York City, where he quickly rose in stature. In 1887, he received his first White Star command, the Republic. In 1888, Smith earned his Extra Master's Certificate and joined the Royal Naval Reserve (thus entitling him to append his name with "RNR"), qualifying as a full Lieutenant. This meant that in a time of war, he could be called upon to serve in the Royal Navy. Later, as a Commander in the Royal Naval Reserve, Smith's ship had the distinction of being able to wear the Blue Ensign of the RNR British merchant vessels generally wore the Red Ensign (also known as the Red Duster).

Bigger commands

Smith was Majestic's captain for nine years commencing in 1895. When the Boer War started in 1899, the Majestic was called upon to transport troops to Cape Colony. Smith made two trips to South Africa, both without incident, and for his service King Edward VII awarded him the Transport Medal, showing the "South Africa" clasp, in 1903. Smith was regarded as a "safe captain". As he rose in seniority, he gained a reputation amongst passengers and crew for quiet flamboyance. Some passengers would sail the Atlantic only in a ship he captained. He became known as the "Millionaires' Captain" because England's upper class were usually the ones who requested he be in command of the ships they sailed on.

From 1904 on, Smith commanded the White Star Line's newest ships on their maiden voyages. In 1904, he was given command of the then-largest ship in the world, the Baltic. Her maiden voyage from Liverpool to New York, sailing 29 June 1904, went without incident. After three years with the Baltic, Smith was given his second new "big ship," the Adriatic. Once again, the maiden voyage went without incident. During his command of the Adriatic, Smith received the Royal Naval Reserve's long service decoration, along with a promotion to Commander. By virtue of his receiving the long service decoration, he would now be referred to as "Captain Edward John Smith, RD, RNR", with RD standing for "Reserve Decoration."

Olympic class command

Smith had built a reputation as one of the world's most experienced sea captains, and so was called upon to take first command of the lead ship in a new class of ocean liners, the Olympic – again, the largest vessel in the world at that time. The maiden voyage from Liverpool to New York was successfully concluded on 21 June 1911, but as the ship was docking in New York harbor, it experienced a small incident. Docking at Pier 59 under the command of Captain Smith with the assistance of a harbour pilot, the Olympic was being assisted by twelve tugs when one got caught in the backwash of the Olympic's starboard propeller. The tug was spun around, collided with the bigger ship, and for a moment was trapped under the Olympic's stern, finally managing to work free and limp to the docks.

The Hawke incident

On 20 September 1911 Olympic's first major mishap occurred during a collision with a British warship, HMS Hawke, in which the warship lost her prow. Although the collision left two of Olympic's compartments filled and one of her propeller shafts twisted, she was able to limp back to Southampton. At the resultant inquiry, the Royal Navy blamed Olympic for the incident, alleging that her massive size generated a suction that pulled Hawke into her side. On the bridge during this incident was Captain Smith.

The Hawke incident was a financial disaster for White Star, and the out-of-service time for the big liner made matters worse. Olympic returned to Belfast and, to speed up the repairs, Harland and Wolff was forced to delay Titanic's completion, in order to use one of her propeller shafts and other parts for the Olympic. Back at sea in February 1912, Olympic lost a propeller blade and once again returned to her builder for emergency repairs. To get her back to service immediately, Harland and Wolff yet again had to pull resources from Titanic, delaying her maiden voyage from 20 March to 10 April.

Despite the past trouble, Smith was again appointed to be in command of the greatest steamship when RMS Titanic left Southampton for her maiden voyage. Although some sources state that he had decided to retire after completing Titanic's maiden voyage, an article in the Halifax Morning Chronicle on 9 April 1912 stated that Smith would remain in charge of the Titanic "until the Company (White Star Line) completed a larger and finer steamer."

On 10 April 1912, Smith, wearing a bowler hat and a long overcoat, took a taxi from his home to Southampton docks. He came aboard the Titanic at 7AM to prepare for the Board of Trade muster at 8:00AM. He immediately went to his cabin to get the sailing report from Chief Officer Henry Wilde. After departure at 12:00PM, the huge amount of water displaced by Titanic as she passed caused the laid-up New York to break from her moorings and swing towards the Titanic. Quick action from Smith helped to avert a premature end to the maiden voyage. At 11:40PM on 14 April, the Titanic struck an iceberg in the North Atlantic. The ship sank two hours and forty minutes later, killing an estimated 1,500 people. Smith was one of those who died. His body was never recovered.

Main article: Sinking of the RMS Titanic It is not known how Smith died on the night of the sinking. Robert Ballard's book, The Discovery of the Titanic, and historians alike claim that Smith was on the bridge at 2:13 AM, 7 minutes before the final sinking and went down with the ship. Some sources state that Smith quietly wandered off to the ship's wheelhouse, while others say he was actively present in the radio room. Working near Collapsible B, Junior Marconi Officer Harold Bride reported seeing Smith dive into the sea from the open bridge minutes before the final plunge began. One story states he carried a child to the overturned collapsible B after the sinking and swam off to freeze in the water, but according to historians featured in the A&E Documentary Titanic: Death of a Dream, that story is generally considered romantic fiction.

The plaque below his memorial statue in Lichfield states: "Commander Edward John Smith, RD, RNR. Born January 27 1850, Died April 15 1912, Bequeathing to his countrymen the memory and example of a great heart, a brave life and a heroic death. Be British."

The statue of Captain Smith in Beacon Park Lichfield, Staffordshire, EnglandOtto Wernicke (1943) (Titanic) Brian Aherne (1953) (Titanic) Clarence Derwent (1956) (Kraft Television Theatre) (A Night to Remember) Laurence Naismith (1958) (A Night to Remember) Michael Rennie (1966) (The Time Tunnel) (Rendezvous With Yesterday) Harry Andrews (1979) (S.O.S. Titanic) (TV Movie) Hugh Reilly (1983) (Voyagers!) (Voyagers of the Titanic) George C. Scott (1996) (Titanic) (TV Miniseries) John Cunningham (1997) (Titanic) (Broadway Musical) Bernard Hill (1997) (Titanic) Kenneth Belton (2001) (Titanic: The Legend Goes On) (Animated Film) John Donovan (2003) (Ghosts of the Abyss) (Documentary) Alan Rothwell (2005) (Titanic: Birth of a Legend) (TV Documentary) Malcolm Tierney (2008) (Who Sank the Titanic? aka The Unsinkable Titanic) (TV Documentary) David Calder (actor) (2012) (Titanic) (TV series/4 episodes)

1.^ birth/death dates and parents at the International Genealogical Index 2.^ Smith information at Titanic-Titanic.com Biographical info on Smith at The Real Titanic Source for Smith's first assignment with White Star

External links

TITANIC - A Voyage of Discovery (captain) Captain Smith on Titanic-Titanic.com Captain Smith's Memorial on Titanic-Titanic.com One of Stoke-on-Trent Museums' Local Heroes Pay tribute to Captain Smith Captain Edward John Smith

Edward John Smith, 62, was born at Hanley, Stoke-on-Trent in January 1850, the son of potter Edward Smith and Catherine Smith. His parents later owned a shop (1).

Edward John Smith attended the Etruria British School until the age of 13 when he went to Liverpool to begin a seafaring career. He apprenticed with Gibson & Co., Liverpool. He joined White Star in 1880 gaining his first command in 1887. Among the ships he would command were the first Republic, the Coptic, Majestic, Baltic, Adriatic and Olympic.

Smith served with distinction in the Boer war by commanding troopships to the Cape.

As he rose in seniority Smith gained a reputation amongst passengers and crew for quiet flamboyance. Some passengers would only sail the Atlantic in a ship commanded by him. After he became commodore of the White Star fleet in 1904, it became routine for Smith to command the line's newest ships on their maiden voyages. It was therefore no surprise that Smith took Titanic in her maiden voyage in April 1912. This responsibility was rewarded with a salary of ਱,250 per year and a no-collision bonus of $200. Because of his position as a Commander in the Royal Naval Reserve Smith had the distinction of being able to fly the Blue Duster of the R.N.R., most ships flew the Red Duster of the merchant marine.

Smith was married to Eleanor and they had a young daughter Helen Melville. The family lived in an imposing red brick, twin-gabled house "Woodhead" on Winn Road, Portswood, Southampton.

On April 10 1912 Edward John Smith, wearing a bowler hat and a long overcoat, took a taxi from his home to Southampton docks. He came aboard the Titanic at 7 am to prepare for the board of Trade muster at 8.00. He immediately went to his cabin to get the sailing report from Chief Officer Henry Wilde.

After departure at 12:00 the wash from the propeller caused the laid-up New York to break from her moorings and swing towards the Titanic. Quick action from Smith helped to avert a premature end to the maiden voyage. The unfortunate incident was seem by some as an ill omen and it was reminiscent of the Hawke incident in 1911 when that vessel collided with the Olympic which was under the command of Captain Smith.

Captain Smith on the bridge of the Olympic

During the voyage Smith normally took meals at a small table in the dining saloon or in his cabin, attended by his personal valet, or "Tiger", Arthur Paintin. On the night of April 14, however, he attended a dinner party held in his honour by George Widener and his family. The party was attended by the cream of 1912 society as it was represented on the Titanic. However Smith was possibly concerned that the ship was entering the ice zone about which he had received ample warnings during the weekend. He excused himself early and went to the bridge.

Lightoller was keeping watch and discussed the temperature with Smith far a while. Smith told Lightoller to alert him immediately if he was at all concerned. He then retired to bed.

About 11.40 p.m.Captain Smith was awakened by the collision and rushed to the bridge. He received the report of the accident from Murdoch and then made a quick inspection of the ship with Thomas Andrews. He immediately ordered the boats prepared but wavered when it came to giving the order to load and lower them Lightoller had to approach him for the order which he eventually gave.

Surprisingly little is known about Smith's actions in the last two hours of the ships life. His legendary skills of leadership seem to have left him, he was curiously indecisive and unusually cautious.

He was last seem in the bridge area having given the final order to abandon ship. He appears to have made no attempt to save himself. His body, if recovered, was never identified.

A large statue of Captain Smith was unveiled by his daughter Helen on 29 July 1914 in Lichfield, England. The sculptor was Lady Kathleen Scott (b. 1870, d. 1947) widow of Captain Robert Falcon Scott, "Scott of the Antarctic." A plaque which was placed on Hanley Town Hall in his memory in 1913 was later removed to Etruria Middle School.

Smith's widow Eleanor Sarah was born 17 June 1861, after her husband's death she remained in Southampton for a time but later moved to London. She died after being knocked down by a taxi outside her London home on 28 April 1931.

Their daughter Helen Melville Smith, known as Mel, was born in Liverpool and later moved to Southampton with her parents. She was (probably) first married to Captain John Gilbertson of Liverpool, England. Gilbertson died of black water fever on a voyage home from India on board his first command a ship called the Morazan of the Bibby Line. At the time of his death Captain Gilbertson was the youngest captain in the British Merchant Navy. Helen married Sidney Russell-Cooke (b. 12 December 1892, d. 30 July 1930) in 1922 at St. Mark's Church, Mayfair, they had twin children born at Bellcroft, London on 18 June 1923: Simon, who never married and was killed in action in World War II on 23 March 1944 and Priscilla who married in 1946 to a lawyer named John Constantine Phipps but died from Polio in Scotland on 7 October 1947. Sadly for "Mel" her second husband was killed in 1930 in a hunting accident and her mother died the following year. In spite of her misfortunes Helen Melville Smith led an adventurous life, she drove sports cars and became a pilot. She came to the set of A Night to Remember in the winter of 1957-8 and remarked that Lawrence Naismith, who played her father, bore a striking resemblance to him.

Helen Melville Smith moved to Leafield, Oxfordshire in 1934, she died there in August 1973 and was buried close to her mother and husband.

Notes 1. Local knowledge holds that what is now simply a corner house was indeed the shop which Smith's mother (and later father) kept. Some locals can still recall witnessing the conversion of the shop into a house. In the 1851 Hanley Directory, Edward Smith of Well Street is listed as a shopkeeper. What used to be an alleyway (a "back") alongside the shop is now an open narrow road since the rest of the street has been demolished and flats built. The address is: 51 Well Street, Hanley. 2. From the 1851 Census:

Edward Smith: Head of Household: Married: Age 46: Potter: Born Hanley Catherine Smith: Wife: Married: Aged 42: Grocer: Born Stoke Edward John Smith: Son: Aged 1: Born Hanley ? Hancock: Daughter: Aged 16: Milliner and Dressmaker: Born Tunstall

References and Sources The Times (London) 29 April 1931, Death Notice (Eleanor Smith) Death Certificate of Eleanor Smith British Census 1851


Titanic Captain Edward John Smith's Ghost Haunts His Childhood Home

When Neil and Louise Bronner sank more than $55,000 into a two-bedroom property in the British town of Stoke-on-Trent, they knew the house had a unique connection to history: It was the boyhood home of Edward John Smith, the Titanic's captain who died with roughly 1,500 others when the ship struck an iceberg in 1912.

The couple rented the property for a decade and now they want to ship out. The Bonners are hoping to get the equivalent of $126,000 for it, but have the problem of scaring up a buyer who isn't spooked by the fact that Smith's spirit still haunts the place.

"We've heard of things going bump in the night from other tenants," Neill Bonner told the Daily Mail. "Some have said they felt a really cold chill passing over them -- as cold as an iceberg."

The house has suffered other coincidences similar to the disaster, albeit on a smaller scale, the owners said. About five years ago, a young couple flooded the kitchen.

"[The couple] stacked all the dishes in the sink after a party and they went away for the weekend but left the taps on," Bonner told the Daily Mail. "We had a phone call from them on the Monday morning sheepishly saying 'we've flooded the kitchen.' I definitely had that sinking feeling when they started to explain, but at least it is all water-tight now."

Louise Bonner, 60, says the 100th anniversary this week of the tragic voyage has increased awareness of the house. But they haven't been flooded with offers.

"Since it went on the market it’s already triggered some interest," she told the Express and Star. "One of those has included someone on the phone from a Titanic museum in Germany.”

Smith is believed to have lived in the house with his parents for more than 10 years before heading off to sea when he was 13.

By age 25, he was qualified to captain a ship and had a successful naval career before making the Titanic voyage at the age of 62.

"It's hard to understand what motivated him to go to sea," Louise Bonner told the website This Is Staffordshire. "He came from a typical working class potteries family and he went on to achieve so much.

"His name is known across the world and the interest in the Titanic is never ending," she went on. "Many people ask whether Captain Smith was to blame for the disaster, but a lot of things conspired against that ship. He wasn't at the helm at the time and the ship had been badly designed without the proper buoyancy because they wanted to make more space for first class passengers."


Assista o vídeo: CAPTAIN EDWARD J. SMITHS PORCELAIN BATHTUB (Outubro 2021).