Notícia

GENERAL ALFRED PLEASONTON, EUA - História

GENERAL ALFRED PLEASONTON, EUA - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Alfred Pleasonton (7 de julho de 1824 - 17 de fevereiro de 1897)

Alfred Pleasonton nasceu em Washington, D.C., em 7 de julho de 1824. Ele era o segundo dos dois filhos de Stephen e Mary Hopkins Pleasonton. O pai de Pleasonton, que era funcionário do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, foi responsável por salvar a Declaração de Independência original, os Artigos da Confederação, a Constituição dos Estados Unidos e outros documentos federais importantes durante a invasão britânica da capital do país durante a guerra de 1812. O irmão mais velho de Pleasonton, Augusto, formou-se na Academia Militar dos Estados Unidos em 1826 e serviu durante a Guerra Civil como general de brigada na Milícia do Estado da Pensilvânia.

Pouco se sabe sobre o início da vida de Pleasonton e # 039. Ele entrou na Academia Militar dos Estados Unidos em 1840 e se formou quatro anos depois, ficando em sétimo lugar em sua classe de 25 cadetes. Entre seus colegas estavam o futuro general confederado Simon B. Buckner e o futuro general da união Winfield Scott Hancock.

Depois de se formar em West Point, Pleasonton foi promovido a segundo-tenente no 1st U.S. Dragoons em 1 de julho de 1844, e estacionou primeiro em Fort Atkinson, Iowa. Ele alcançou o posto completo de segundo-tenente em 3 de novembro de 1845, enquanto servia no Ocidente.

Como muitos futuros oficiais da Guerra Civil, Pleasonton participou da Guerra Mexicano-Americana (1846 e # 8211 1848). Em 9 de maio de 1846, ele foi promovido a primeiro-tenente pelo serviço galante e meritório na Batalha de Palo Alto e na Batalha de Resaca-de & # 8209la & # 8209Palma. Três anos depois, em 30 de setembro de 1849, Pleasonton foi promovido a primeiro-tenente enquanto servia no Novo México. Nos anos seguintes, ele serviu em vários cargos no Ocidente em campanha contra os índios americanos. Em 3 de março de 1855, Pleasonton foi promovido a capitão. No ano seguinte, ele foi transferido para a Flórida, onde participou da Terceira Guerra Seminole (1855 e # 8211 1858). Em 1857, Pleasonton foi enviado para o oeste por dois anos, onde ajudou a reprimir a agitação civil em & quotBleeding Kansas. & Quot. De 1858 a 1860, ele serviu no Departamento de Oregon.

Quando a Guerra Civil estourou, Pleasonton estava em Utah. Ele viajou com o 2º Dragão para Washington, D.C., onde serviu defendendo a capital do país. Em 15 de fevereiro de 1862, Pleasonton foi promovido a major e transferido para a 2ª Cavalaria dos EUA. Durante a Campanha da Península (março & # 8211 julho de 1862) ele serviu como oficial reitor designado para o quartel-general do Exército do Potomac, onde chamou a atenção do comandante General George C. McClellan. Após a retirada de McClellan da Península, ele reorganizou seu exército e criou uma divisão de cavalaria. Pleasonton foi promovido a general de brigada em 16 de julho de 1862 e colocado no comando de uma das brigadas da nova divisão. Em setembro, ele assumiu o comando da divisão a tempo de liderá-la durante a Batalha de South Mountain (14 de setembro de 1862). Pleasonton foi promovido a tenente-coronel do exército regular por valente e meritório serviço prestado na Batalha de Antietam (17 de setembro de 1862).

Após o banho de sangue em Antietam, o Major General Ambrose Burnside substituiu McClellan como comandante do Exército do Potomac. Burnside reestruturou o exército em & quotGrand Divisions & quot e Pleasonton & # 039s divisão de cavalaria foi anexada à Grand Division Right. No final do ano, Pleasonton participou da Batalha de Fredericksburg (11 de dezembro & # 8211 15 de 1862), mas a cavalaria não estava fortemente engajada.

Em janeiro de 1863, o Major General Joseph Hooker substituiu Burnside e acabou com seu predecessor & # 039s Grand Divisions. Quando Hooker reorganizou o exército, ele centralizou seus cavaleiros e criou um corpo de cavalaria composto por três divisões. Hooker escolheu o brigadeiro-general George Stoneman para comandar o novo corpo em vez de Pleasonton, que naquela época havia conquistado uma reputação desagradável como autopromotor. Em vez disso, Hooker colocou Pleasonton no comando do corpo e da 1ª divisão # 039. Em abril de 1863, Hooker enviou Stoneman em um grande ataque atrás das linhas inimigas perto de Fredericksburg. Desconfiado de Pleasonton, Stoneman deixou a 1ª divisão para trás. Um mês depois, Stoneman voltou, tendo feito pouco mais do que manchar sua própria estima. À luz da expedição fracassada do Stoneman & # 039s, a estatura de Pleasonton & # 039s aumentou por padrão

Após a Batalha de Chancellorsville (30 de abril e # 8211 6 de maio de 1863), Pleasonton apresentou relatórios sugerindo que suas façanhas heróicas salvaram o exército federal e falsamente reivindicando o crédito pelos ferimentos mortais do renomado general confederado Stonewall Jackson. Talvez determinado a encontrar algo positivo no desastre da União, Hooker aceitou os relatos de Pleasonton & # 039s, apesar do fato de terem sido contestados por outros oficiais de campo. Quando o presidente Lincoln visitou o local do desastre, Hooker apresentou Pleasonton como o general & quotque salvou o Exército do Potomac na outra noite! & Quot Ansioso por encontrar um bode expiatório e desviar as críticas de si mesmo, Hooker então se concentrou no mau desempenho de Stoneman durante o batalha. Em 7 de junho de 1863, Hooker demitiu Stoneman e colocou Pleasonton no comando do corpo de cavalaria. Duas semanas depois, em 22 de junho de 1863, Pleasonton foi promovido ao posto de major-general dos voluntários.

Apesar da vitória rebelde na Batalha de Chancellorsville, Robert E. Lee e o Exército da Virgínia do Norte estavam precisando de comida, cavalos e equipamento após o conflito. Com o norte da Virgínia devastado por dois anos de combate, Lee decidiu levar a guerra para o norte. Lee planejou se libertar das forças da União perto de Fredericksburg, mover o Exército da Virgínia do Norte para noroeste através das Montanhas Blue Ridge e, em seguida, avançar para o nordeste através do Vale Shenandoah em Maryland e Pensilvânia. Lee começou a consolidar seu exército perto de Culpeper, Virgínia, e os movimentos de tropas começaram em 3 de junho de 1863. Para mascarar suas intenções e proteger a montagem de sua força de invasão, Lee posicionou sua cavalaria, comandada pelo Major General J.E.B. Stuart, na estação Brandy, alguns quilômetros a nordeste de Culpeper. Os oficiais do sindicato interpretaram erroneamente o posicionamento da cavalaria de Lee como evidência de um ataque iminente às linhas de abastecimento de Hooker ou, talvez, um ataque à capital do país. Ferido pela derrota em Chancellorsville, Hooker partiu para a ofensiva e ordenou que Pleasonton liderasse seu corpo de cavalaria, acrescido de 3.000 soldados de infantaria, em um ataque em duas frentes para dispersar e destruir a cavalaria inimiga. Às 4h30 do dia 9 de junho de 1863, cerca de 5.500 soldados federais cruzaram o rio Rappahannock, surpreendendo os piquetes de Stuart & # 039s em Beverly & # 039s Ford. Ao mesmo tempo, mais 2.800 soldados federais cruzaram o Rappahannock na Kelly & # 039s Ford, cerca de seis quilômetros rio abaixo. Aproximadamente às 11 da manhã, Stuart foi surpreendido pela segunda vez quando outras forças da União se aproximaram da Brandy Station pelo sul. Uma série de acusações e contra-acusações se seguiram até o final da tarde, quando Pleasonton ordenou uma retirada quando os reforços rebeldes começaram a chegar. Os oficiais subordinados de Pleasonton mais tarde o criticaram por não derrotar Stuart na Batalha de Brandy Station.

Enquanto Lee continuava a se mover para o norte no lado oeste das Montanhas Blue Ridge, ele ordenou que a Divisão de Cavalaria Stuart & # 039s se movesse na mesma direção através do Vale Loudoun no lado leste das montanhas, protegendo a força de invasão confederada. Lee instruiu Stuart a impedir que as forças de reconhecimento federais avançassem através dos buracos nas montanhas para reunir informações sobre os movimentos do Exército da Virgínia do Norte. Frustrado com a falta de informações sobre a operação de Lee & # 039, em 16 de junho de 1863, Hooker ordenou a Pleasonton, & quot que lhe desse informações sobre onde o inimigo está, sua força e seus movimentos. & Quot A cavalaria de Pleasonton & # 039 enfrentou Stuart na Batalha de Aldie (17 de junho), a Batalha de Middleburg (17 de junho) e a Batalha de Hanover (21 de junho), mas a estratégia de Stuart & # 039 de ceder terreno para ganhar tempo privou Pleasonton de informações vitais sobre os movimentos de Lee. Apesar de não conseguir obter as informações que Hooker buscava desesperadamente, Pleasonton foi promovido ao posto de major-general de voluntários em 22 de junho de 1863.

Em 27 de junho de 1863, Hooker impulsivamente ofereceu renunciar a sua posição como comandante do Exército do Potomac após uma disputa com o general-em-chefe da União Henry W. Halleck. No dia seguinte, o presidente Abraham Lincoln aceitou a renúncia de Hooker e atribuiu o cargo ao general George G. Meade. Ciente da reputação de autosserviço de Pleasonton e # 039, Meade manteve uma vigilância atenta sobre seu comandante de cavalaria durante a Batalha de Gettysburg (1 ° de julho e 3 de julho de 1863). Para grande desgosto de Pleasonton, Meade supervisionou a maioria das ações da cavalaria diretamente, privando Pleasonton de qualquer oportunidade de se destacar durante a batalha crucial. Apesar de sua falta de ação, Pleasonton foi promovido a coronel do exército regular a partir de 2 de julho, por conduta galante e meritória na Batalha de Gettysburg.

Pleasonton continuou servindo no Exército do Potomac por mais oito meses, mas seus dias estavam contados, parcialmente por circunstâncias além de seu próprio controle e parcialmente por suas próprias ações. Em 7 de março de 1864, o presidente Lincoln nomeou Ulysses S. Grant como General-em-Chefe dos Exércitos dos Estados Unidos. Embora Meade nominalmente comandasse o Exército do Potomac, Grant escolheu acompanhar o exército no campo para que pudesse supervisionar pessoalmente as operações gerais da campanha. A afinidade pessoal de Grant com o comandante de cavalaria Philip Sheridan, que havia servido bem a Grant no oeste, era um mau presságio para Pleasonton. No mesmo dia em que Lincoln nomeou Grant como General-em-Chefe, Pleasonton contribuiu para sua própria morte criticando a liderança de Meade em Gettysburg enquanto testemunhava perante o Comitê Conjunto sobre a Conduta da Guerra. Pouco mais de duas semanas depois, em 23 de março de 1864, Pleasonton foi transferido para o Departamento do Missouri. Sheridan foi posteriormente nomeado comandante do Exército do corpo de cavalaria do Potomac & # 039s em 4 de abril.

Em agosto de 1864, o general confederado Kirby Smith autorizou o general Sterling Price a montar um ataque de cavalaria ao Missouri, com o objetivo final de capturar St. Louis. Em 19 de setembro, Price liderou doze mil soldados montados em Missouri. A cavalaria de Pleasonton derrotou Price na Batalha de Westport (23 de outubro) e na Batalha de Marais des Cygnes (25 de outubro), finalmente expulsando os rebeldes do Missouri no final de outubro.

Quando a guerra se aproximava do fim, Pleasonton foi promovido a major-general no exército regular em 13 de março de 1865, por valente e meritório serviço no campo. Quando a luta cessou, ele permaneceu com o exército voluntário por alguns meses. Após se reunir em 15 de janeiro de 1865, Pleasonton voltou ao seu posto anterior de major no exército regular. Ele recusou uma promoção a tenente-coronel da 20ª Infantaria em 28 de julho de 1866, porque não queria deixar a cavalaria. Em 1 de janeiro de 1868, Pleasonton renunciou à sua comissão e deixou o serviço porque havia sido preterido para promoção por oficiais que estavam subordinados a ele durante a guerra.

Depois de sua carreira no exército, Pleasonton serviu como coletor da Receita Federal por dois anos. Em 1870, o presidente Grant o nomeou diretor do Bureau of Internal Revenue. Pleasonton ocupou esse cargo de 3 de janeiro a 8 de agosto de 1871, quando o presidente o demitiu por insubordinação. Depois de deixar o serviço público, Pleasonton serviu como presidente da Ferrovia Terre Haute e Cincinnati. Em 19 de outubro de 1888, o Congresso aprovou uma legislação colocando Pleasonton na lista de aposentados com o posto de major.


Preços Pagos

O Teatro Ocidental da Guerra Civil passou por várias incursões dos confederados em territórios escassamente povoados do oeste americano controlado pela União. Uma dessas regiões era a fronteira Kansas-Missouri. O Missouri era oficialmente a União, mas era um estado escravista que continha um número significativo de simpatizantes do sul. Alguns residentes invadiram o vizinho Kansas. Missouri foi a base de William Quantrill, que lançou seu infame ataque a Lawrence em 1863.

Os líderes militares do sul também reconheceram esse forte elemento de simpatizantes do sul no Missouri. Em 1864, o Major General Kirby Smith, comandante do Departamento Trans-Mississippi do Sul, reuniu-se com o Major General Sterling Price, comandante do Distrito de Arkansas para planejar uma invasão do Missouri. A esperança era que tais ações fossem suficientes para reunir elementos pró-Sul naquele estado. Mesmo que essa parte não fosse bem-sucedida, a invasão provavelmente interromperia as eleições presidenciais de 1864 e obteria os animais, suprimentos e soldados necessários para a causa confederada. Ele próprio um missouriano, Price lideraria o ataque. Caso Price falhasse em tomar o Missouri, ele deveria recuar ao longo da fronteira Kansas-Missouri, desferindo um golpe no símbolo dos sentimentos de solo livre na região: Kansas.

Em setembro de 1864, o Exército de Price do Missouri partiu com 12.000 soldados de cavalaria e artilharia de apoio. O Exército foi organizado em três divisões, comandado pelos generais John Marmaduke (como Price a Missourian), Joseph Shelby e James Fagan. A divisão de Fagan consistia em tropas do Arkansas organizadas em quatro brigadas. Marmaduke e Shelby tinham divisões com duas brigadas cada, que consistiam principalmente de pró-sul do Missouri. Cada brigada consistia em vários regimentos baseados no estado, a unidade principal durante a Guerra Civil.

A velocidade, mobilidade e força das unidades montadas tornaram a cavalaria uma ferramenta valiosa em várias situações. As unidades de cavalaria foram úteis na perseguição de um inimigo em fuga. Tropas montadas foram utilizadas em campanhas anti-guerrilha, como as da política de Ordem Número 11 de Ewing. Durante a Guerra Civil, os líderes militares de ambos os lados também usaram a cavalaria para flanquear e surpreender as posições inimigas, bem como para patrulhas de reconhecimento e patrulha. Além disso, as tropas de cavalaria foram eficazes na condução de ataques rápidos a alvos específicos. As forças de Price eram principalmente unidades de cavalaria, sugerindo a necessidade de uma ação extremamente rápida. Essas unidades foram projetadas para capturar e cercar, não invadir ou sitiar. Price e Smith apostaram que não haveria resistência suficiente entre os locais para exigir um grande número de infantaria.

Price cruzou para o Missouri perto de Doniphan em 19 de setembro. Ele mudou-se para St. Louis, na esperança de tomar a cidade. No entanto, uma derrota em Pilot Knob em 27 de setembro deu às forças da União tempo suficiente para se agrupar e garantir a posição da cidade. Price redirecionou suas forças para tomar a capital do Missouri, Jefferson City. Quando Price chegou aos arredores de Jefferson City, ele descobriu que as tropas federais também estavam bem entrincheiradas ali. Virando-se para o noroeste novamente, Price seguiu em direção a Kansas City capturando suprimentos e reunindo alguns soldados ao longo do caminho. A essa altura, Price supervisionava mais do que um grupo de unidades de cavalaria. Havia um trem de bagagem imenso cheio de suprimentos e armas com destino à Confederação. Em perseguição estavam 7.000 Cavalaria da União do Departamento de Missouri sob o comando do General Alfred Pleasonton. Pleasonton comandou as forças de cavalaria do Exército do Potomac e enfrentou o General J.E.B Stuart na Estação Brandy, o maior combate de cavalaria da guerra. Em 1864, entretanto, Pleasonton havia caído em desgraça com os líderes do leste e foi transferido para o Departamento de Missouri bem a tempo de enfrentar o ataque de Price.

Enquanto isso, o major-general Samuel Curtis, comandante do Departamento de Kansas, começou a reunir suas forças para enfrentar Price. Na época, o Departamento de Kansas cobria um vasto território de Nebraska no norte ao Colorado no oeste e Território Indiano ao sul. O Departamento continha 4.000 soldados, muitos dos quais empenhados na pacificação dos Cheyenne e Arapaho. Curtis rapidamente formou o "Exército da Fronteira", consistindo de unidades de cavalaria do Colorado, Kansas e Wisconsin. Curtis também mobilizou os 10.000 soldados da Milícia do Estado do Kansas para o esforço, bem como unidades de tropas afro-americanas. Curtis organizou suas forças em duas divisões, uma consistindo nas unidades estaduais sob o comando do general James G. Blunt. A outra divisão, sob o comando do General George Deitzler, supervisionava a milícia. Mesmo assim, Curtis não tinha certeza se seria capaz de defender o Kansas de Price. Ele tinha motivos para estar preocupado. No final de outubro, Price avançava rapidamente em Kansas City. Price forçou o recuo das forças de Blunt nas batalhas de Little Blue, Independence e Big Blue.

Um ponto de inflexão ocorreu em 23 de outubro. Price ordenou que a divisão do General Shelby atacasse Curtis fora de Kansas City. Nesse combate, agora chamado de Batalha de Westport, a Milícia do Kansas deteve o avanço de Shelby. Enquanto isso, as forças de Pleasonton estavam alcançando o exército de Price. Não conseguindo capturar uma terceira cidade importante ou penetrar nas profundezas do Kansas, Price recuou ao longo da fronteira entre Kansas e Missouri. Até agora, quase 9.000 homens da União estavam em perseguição. As forças do norte e do sul tentaram flanquear umas às outras ao longo da fronteira. Cada vez, Price escapou, mas deixou em seu rastro uma trilha de casas queimadas e fazendas saqueadas. As tropas da União correram apressadamente para reforçar Mound City, o próximo objetivo de Price. Quando Price recebeu a notícia da defesa da cidade, ele decidiu evitar aquela comunidade e, em vez disso, continuar pela Old Military Road em direção a Fort Scott.


Imagens de alta resolução estão disponíveis para escolas e bibliotecas por meio da assinatura da American History, 1493-1943. Verifique se sua escola ou biblioteca já tem uma assinatura. Ou clique aqui para mais informações. Você também pode solicitar um pdf da imagem conosco aqui.

Gilder Lehrman Collection #: GLC05111.01.1242 Autor / Criador: Fotografia Data: Paginação: 1 fotografia 7,9 x 10,2 cm

Imagem do General Alfred Pleasonton sentado em uma cadeira dobrável ao ar livre, sem chapéu e usando botas de montaria. Inscrição na imagem: & quotGen. Alfred Pleasonton. & Quot Inscrição no verso: & quot1861 - História Fotográfica - 1865. . . . & quot

Aviso de direitos autorais A lei de direitos autorais dos Estados Unidos (título 17, Código dos Estados Unidos) rege a realização de fotocópias ou outras reproduções de material protegido por direitos autorais. Sob certas condições especificadas na lei, as bibliotecas e arquivos estão autorizados a fornecer uma fotocópia ou outra reprodução. Uma dessas condições específicas é que a fotocópia ou reprodução não deve ser "usada para nenhuma finalidade diferente de estudo privado, bolsa de estudos ou pesquisa." Se um usuário solicitar ou usar posteriormente uma fotocópia ou reprodução para fins que excedam o “uso justo”, esse usuário poderá ser responsabilizado por violação de direitos autorais. Esta instituição reserva-se o direito de se recusar a aceitar um pedido de cópia se, em seu julgamento, o cumprimento do pedido envolver a violação da lei de direitos autorais.

(646) 366-9666

Quartel general: 49 W. 45th Street 2nd Floor New York, NY 10036

Nossa coleção: 170 Central Park West New York, NY 10024 Localizado no nível inferior da Sociedade Histórica de Nova York


Stephen Pleasonton

Stephen Pleasonton (1776? & # X2013 31 de janeiro de 1855) foi o Quinto Auditor do Tesouro dos Estados Unidos, mas ele é principalmente lembrado hoje por seu trabalho na supervisão do estabelecimento do Farol dos Estados Unidos durante sua infância. Ele foi o pai do General da Guerra Civil da União Alfred Pleasonton e do General da Guerra Civil da União Augustus Pleasonton.

Início de carreira

Poucas informações sobreviveram a respeito do início da vida e da carreira de Pleasonton. Ele é conhecido por ter começado a trabalhar como escriturário no Departamento de Estado. Ele se mudou para Washington, D.C. em 1800 junto com o governo, e ainda estava lá em 1814 quando salvou a Declaração de Independência e outros papéis de serem queimados pelas forças britânicas. Em 1817, o presidente James Monroe nomeou Pleasonton o Quinto Auditor do Departamento do Tesouro (um cargo recém-criado), que ocupou até sua morte em 1855.

Salvando a Declaração de Independência (Guerra de 1812)

Preocupado com a possibilidade de os britânicos atacarem Washington, o presidente James Madison encarregou Pleasonton de preservar os livros e papéis do Departamento de Estado. Pleasonton adquiriu várias sacolas de linho grosseiras e as encheu com todos os registros do Departamento. Isso incluiu os jornais secretos ainda não publicados do Congresso, a comissão e correspondência de George Washington, os Artigos da Confederação, a Constituição dos Estados Unidos e todos os tratados, leis e correspondência do Departamento feitos desde 1789. Ele tinha tudo isso transportado para um moinho de grãos três milhas além de Georgetown. Antes de partir, ele percebeu que a Declaração da Independência havia sido esquecida e ainda estava pendurada em sua moldura na parede, e a pegou também. Depois de mais um dia, Pleasonton ficou com medo de que os britânicos destruíssem uma fundição de canhões próxima e possivelmente até mesmo o moinho de grãos se viessem a Washington, e adquiriu vagões para levar o material por mais trinta e cinco milhas até Leesburg, Virgínia, onde eles foram armazenados em uma casa de pedra vazia. Naquela noite, os britânicos chegaram e queimaram muitos prédios da cidade. Embora os britânicos tenham partido em dois dias, demorou algumas semanas para que os documentos fossem devolvidos a Washington.

Estabelecimento de faróis

Em 1820, Pleasonton foi nomeado para supervisionar as operações do Light House Establishment dos Estados Unidos. Um burocrata, ele sabia pouco sobre assuntos marítimos. O estabelecimento do Farol não era sua única preocupação e, como resultado, ele delegou grande parte da responsabilidade de seu escritório aos coletores de alfândega locais. Estes se tornaram superintendentes distritais de luzes e tinham autoridade não apenas para selecionar os locais necessários para a construção do farol, mas também para comprar o terreno para uso do governo. Os superintendentes também eram obrigados a supervisionar a construção dos faróis e garantir seu reparo quando necessário. Eles também mediariam conflitos e lidariam diretamente, quando necessário, com os faroleiros. Cada superintendente era obrigado a apresentar um relatório anual detalhando a situação das estações de luz sob seu comando.

Pleasonton era, em geral, um administrador sóbrio, distribuindo fundos apenas quando absolutamente necessário e permanecendo o mais econômico possível. Embora isso tenha atraído elogios de funcionários do governo, custou muito aos auxílios existentes à navegação.

Incidente do navio farol de Diamond Shoals

Em 1826, o Diamond Shoals Lightship, na costa da Carolina do Norte, escorregou de suas amarras em uma tempestade, sua âncora e corrente foram arrancadas de seu casco e caíram no fundo do mar. Apesar de ter sido aconselhado de outra forma pelo superintendente local, Pleasonton esperou dois meses antes de agir. No caso, ele ofereceu uma recompensa de $ 500 pela recuperação da âncora e da corrente, acreditando que uma operação de salvamento seria mais econômica do que substituir as peças perdidas (um custo de $ 2.000).

Relacionamento com Winslow Lewis

Também típico dos negócios de Pleasonton era seu relacionamento com Winslow Lewis. Lewis, um antigo engenheiro e inventor, desenvolveu um novo sistema de iluminação para uso em faróis americanos. Pleasonton concordou imediatamente com seu uso, principalmente porque o considerava econômico. O sistema teve seus detratores, no entanto, incluindo os irmãos Blunt, editores do American Coast Pilot que receberam muitas cartas iradas de vários marinheiros, que encaminharam para Pleasonton. Além disso, embora Augustin Fresnel tenha desenvolvido seu revolucionário sistema de lentes em 1820, Pleasonton recusou-se a sancionar seu uso, considerando-as muito caras. Ele preferiu permanecer com o sistema de Lewis, alegando que era adequado para iluminar a costa americana.

No final, foi a recusa de Pleasonton em considerar o sistema de Fresnel que provou sua queda. Isso, juntamente com seu apoio aos métodos desatualizados de Lewis, levou a novas investigações pelo Congresso. O Conselho Farol dos Estados Unidos foi formado para remover a influência de Pleasonton do sistema por completo.

Pleasonton tinha 78 anos quando morreu em 31 de janeiro de 1855. Ele está enterrado no cemitério do Congresso.

A nomeação de Pleasonton marcou um ponto de viragem para a responsabilidade do Light House Establishment pelos faróis anteriormente havia mudado de departamento para departamento, sem qualquer aparência de continuidade. Sua administração durou até 1852, quando o Farol dos Estados Unidos foi criado. Este foi o mais longo período de estabilidade que o Light House Establishment tinha visto até aquele momento. Ainda assim, muitos historiadores criticaram a administração de Pleasonton, sustentando que sua natureza frugal e disposição para cortar custos sempre que possível causaram grande dano ao estabelecimento do Farol.

Stephen Pleasonton. Esq., Quinto auditor do Tesouro, e um sobrinho do Exmo. César Rodney, signatário da Declaração de Independência.

5º Auditor da Fazenda. Durante o ataque britânico a Washington em 1814, ele salvou a Declaração da Independência, os Artigos da Confederação, a Constituição, a comissão de George Washington como Comandante-em-chefe do exército da Revolução e muitos outros documentos embalando-os em sacos de linho e encontrando vagões para transportá-los para fora de Washington. Seu filho, o general Alfred Pleasonton também está enterrado neste cemitério.


A 2ª Cavalaria dos EUA

O duelo de Wesley Merritt na estação Brandy.

Em março de 1833, com o início da expansão para o oeste, o presidente Andrew Jackson autorizou a formação de um regimento de dragões dos Estados Unidos. Essas unidades montadas, que poderiam assumir o papel duplo de cavalaria e infantaria, serviram na Revolução Americana e nos primeiros conflitos da nação. Os Dragoons logo provaram ser um recurso inestimável nas Grandes Planícies e devido a uma guerra em andamento com os Seminoles, o Congresso autorizou a criação de outro regimento em 23 de maio de 1836. Esta nova unidade foi designada como 2os Dragoons dos EUA.

Pelos próximos anos, o Second navegou nos pântanos da Flórida em operações contra seu feroz inimigo. No outono de 1842, o regimento foi transferido para postos em Louisiana e Arkansas. Sob a direção do capitão William J. Hardee, um futuro general confederado, o regimento refinou suas habilidades no campo de treinamento em preparação para sua próxima missão importante. Veio na primavera de 1846.

Como parte do exército do general Zachary Taylor, o regimento marchou para o Texas e cruzou o Rio Grande. Em 9 de maio, em Resaca de la Palma, o esquadrão do capitão Charles May lançou um ataque montado contra uma posição de artilharia inimiga. A carga de maio forçou a retirada das armas e capturou um general mexicano. O regimento acabou sendo transferido para o exército do general Winfield Scott e lutou na campanha da Cidade do México.

Dragões dos EUA no México

No final da Guerra do México, os Dragões foram designados para cargos no Sudoeste, Texas e Kansas. O regimento participou de várias expedições contra várias tribos indígenas americanas. Em outubro de 1857, a unidade foi designada para a força do coronel Albert Sidney Johnston que foi enviada a Utah para enfrentar os mórmons. Johnston, que logo se tornaria um comandante do exército confederado e cairia em Shiloh, liderou uma marcha cansativa, mas sem derramamento de sangue, até Salt Lake City.

Com a eclosão da Guerra Civil, a maior parte do regimento foi transferida para o leste. Em 3 de agosto de 1861, os Dragões foram re-designados como 2ª Cavalaria dos Estados Unidos. Brigado com outros regimentos de cavalaria regular e às vezes voluntários, o regimento lutou nas campanhas do Exército do Potomac.

John Buford (Biblioteca do Congresso)

Um dos combates mais difíceis do Segundo aconteceu na Estação Brandy em 9 de junho de 1863. Naquela manhã, o general Alfred Pleasonton, que como tenente participou do ataque de maio em Resaca de la Palma, dirigiu seu corpo de cavalaria através de Rappahannock para enfrentar a cavalaria confederada sob Maj. General Jeb Stuart perto de Culpeper Court House. Como parte do comando do General John Buford e sob a direção do Capitão Wesley Merritt, o 2º EUA espalhou-se por Beverly Ford na fase inicial do combate. Como Pleasonton, Buford também era um velho Segundo Dragão e serviu como intendente do regimento na Expedição Mórmon. Buford mudou-se para um terreno alto com vista para o vau na fazenda de Richard Cunningham. Durante grande parte da manhã e da tarde, Merritt e seus soldados enfrentaram o General W.H.F. A brigada de "Rooney" Lee pelo controle de uma parede de pedra que separava a propriedade de Cunningham e a do Dr. Daniel Green. Quando Lee foi forçado a se retirar devido à ameaça da União na retaguarda confederada, o regimento, junto com a Brigada de Reserva, seguiram e enfrentaram os cavaleiros inimigos ao longo de Yew Ridge. Durante a ação, Merritt pessoalmente travou um duelo com Lee. Depois de quatorze horas de luta, Pleasonton decidiu recuar através de Rappahannock. O Civil War Trust preservou mais de 2.100 acres na Brandy Station.

O duelo de Wesley Merritt na estação Brandy.

Quando a Guerra Civil chegou ao fim, o regimento foi disperso por diferentes postos em todo o Ocidente. Em 21 de dezembro de 1866, 27 homens da Companhia C morreram no “Massacre de Fetterman” perto do Forte Phil Kearny no Território de Wyoming. Na primavera de 1869, três empresas foram enviadas para Montana. Eles permaneceriam lá pelos próximos quinze anos e se tornariam conhecidos como o “Batalhão de Montana”.

Esses soldados, junto com outras companhias do regimento, lutaram na Grande Guerra Sioux. Parte do Segundo acompanhou a Expedição do Coronel Joseph Reynolds ao Rio Powder em março de 1876, e estava no Rosebud. Após o desastre de Little Bighorn, os soldados ajudaram a evacuar os feridos da 7ª Cavalaria dos EUA do campo de batalha. O tenente Charles Roe e a Companhia C retornaram a Little Bighorn no verão de 1881. Roe e seus homens ergueram o monumento que hoje se ergue na Colina do Último Estande à Sétima Cavalaria e enterraram os restos mortais ao redor de sua base. Em maio de 1877, o Segundo participou da última batalha do conflito contra o chefe Miniconjou Lame Deer. Vários meses depois, o 2º EUA lutou contra o Nez Perce em Camas Prairie e Bear Paw Mountain. Em dezembro de 1885, um esquadrão foi transferido para o Arizona para enfrentar os apaches liderados por Geronimo.

Durante a Guerra Hispano-Americana, o Segundo foi enviado a Cuba e lutou na Campanha de Santiago. Em janeiro de 1905, o regimento foi enviado e lutou nas Filipinas. A Primeira Guerra Mundial marcou a última vez em que o regimento usaria cavalos em combate. O regimento lutou nas ofensivas de Aisne-Marne, Oisne-Aisne, em Saint Mihiel e no Meuse-Argonne.

No final da Grande Guerra, o regimento foi enviado para Fort Riley, Kansas. Cinco meses após a entrada na Segunda Guerra Mundial, foi redesenhado como Segundo Regimento Blindado. O regimento serviu sob o comando de George S. Patton na Europa e lutou novamente nas Filipinas. Em 1948, o regimento foi redesignado novamente como o 2º Regimento de Cavalaria Blindada. Em vez de ir para a Coréia, a unidade permaneceu na Europa durante a Guerra Fria. O regimento lutou na Operação Tempestade no Deserto e nas Operações Duradoura e Liberdade do Iraque. Embora divididos e combinados para formar outras unidades ao longo de sua história, os descendentes do Segundo Dragão existem hoje como o 2º Regimento de Cavalaria Stryker. The words “Toujours Prêt”, Always Ready, are emblazoned on their coat of arms and those who serve faithfully adhere to Charles May’s orders to his men at Resaca de la Palma “Remember your regiment and follow your officers.”


GENERAL ALFRED PLEASONTON, USA - History

This page is dedicated to images of cavalry leaders who proved to be important to the outcome of the war.
Inevitably there will be disagreement over who should be on this page. These men may have been the subjects of the VIP page, or they may figure prominently in the histories of the host units. Lesser known, but equally important, cavalry leaders can be found inside the Complete Site. Use your back button. Updated on June, 2006.


General John Buford, USA (1826-1863)
On the first day of the Battle of Gettysburg only the Cavalry of Buford's command was available to make a stand against the oncoming Confederates. Buford dismounted his cavalrymen, positioned his horse artillery, and kept the Confederates from occuppying the high ground south of the town. Many historians consider Buford's holding action on the first day to have been the key to the battle for the Federals. Buford was portrayed by Sam Elliott in the movie "Gettysburg." General Wade Hampton, CSA (1818-1902)

General Wade Hampton is our VIP Mounted History subject of the month. Enter the Cavalry Home page entrance to learn more about him, OR CLICK ON HIS IMAGE AT THE RIGHT. The book is available on Kindle.

By any measure the choice of Wade Hampton as Stuart's replacement as Cavalry Corps Commander in 1864 was inspired. As Stuart was very nearly the perfect leader in the days of attack, so Hampton was almost perfectly fitted to command in the days of defense. Although Hampton was a frequent and successful hand-to-hand combatant, he brought to the position of corps commander a practical knowledge of some of the changes that were taking place in the tactics of cavalry warfare. He also immediately showed a willingness to incorporate these ideas into his operations. After 1864 Hampton's horsemen would fight dismounted so often that his opponents frequently thought that he had infantry support. In dismounted fighting, performed skirmish style and from cover, muzzle loaders and smaller numbers of troops were not at such a great disadvantage against Federals with repeating weapons. His greatest victory was the Battle of Trevilian Station where these tactics helped him outfight a more numerous opponent.

BOOK AVAILABLE on AMAZON.COM and Kindle


Confederate Cavalry Corps Commander James Ewell Brown [JEB] Stuart, (1833-1864)

It can be argued that Stuart was the finest cavalry commander of the war. He rode around the Federal Army three times during the course of the war. On the 1863 raid, he failed to meet with General Robert E. Lee at Gettysburg, PA, and has been held responsible, by some historians, for Lee's defeat. He was killed at the Battle of Yellow Tavern in 1864 by a pistol bullet fired by Private John A. Huff of Co. E, 5th Michigan Cavalry. His loss was a blow to the South. General Nathan Bedford Forrest, CSA, (1821-1877)

Uneducated but not illiterate, Nathan Bedford Forrest was a natural tactician who earned the praise of his enemies. Both Grant and Sherman feared this man ("that devil Forrest") who entered the Confederate forces a private and left a general. The stories of him are legend. Historian Shelby Foote noted, "In his first fight. the forty year old Forrest improvised a double envelopment, combined it with a frontal assault -- classic maneuvers which he could not identify by name and of which he had most likely never heard." Forrest is said to have killed more men in single combat (26) than any other general officer of the Civil War. He had 29 horses shot out from under him in battle. His unfortunate involvement in the massacre of Black Federal soldiers at Fort Pillow and his founding of the Klan have considerably tarnished his well-deserved military reputation.

Cavalry Commander of the Army of the Potomac, Maj. General Alfred Pleasonton, USA (1824-1897)
A graduate of West Point in 1844, Pleasonton served in the Mexican War and on frontier duty.
In August 1861 he was a Captain in the 2nd US Cavalry. He was promoted Major for the Peninsula campaign, and in July 1862 was appointed Brig. Gen. of Volunteers. He commanded 2nd Bde./Cavalry Divn. of Army of the Potomac, commanded the Cavalry Corps at South Mountain, Antietam, Fredericksburg, and commanded 1st Divn./Cavalry Corps at Chancellorsville. In June 1863 he was promoted Maj. Gen. of Volunteers and commanded the Cavalry Corps at Brandy Station and in the Gettysburg campaign. While in command of the District of St Louis he suppressed Scott Price's raid and ended all resistance west of the Mississippi. He resigned in 1868.
Brevet Brigadier General George A. Custer, USA (1836-1876)

Custer graduated West Point in 1861 and immediately entered war service. As a Lieutenant he carried despatches at First Bull Run, served on the staffs of McClellan and Pleasonton, and distinguished himself at the battle at Aldie. In June 1863 he was appointed Brevet Brig. Gen. of Volunteers in command of 2nd Bde/3rd Divn/Cavalry Corps. He fought an important action against Stuart in the Gettysburg campaign, was at Yellow Tavern and Trevilian Station. He commanded the 3rd Cavalry Divn in the Shenandoah Valley campaign, Fisher's Hill, and Five Forks. It was Custer's men who cut off the Army of North Virginia's last escape route at Appotomattox. In April 1865 he was promoted Brevet Maj. Gen. of Volunteers, but reverted to his permanent rank of Lt. Colonel after the war. He died fighting indians at the battle of Little Big Horn in 1876.

BOOK AVAILABLE on AMAZON.COM and Kindle

Major General Thomas L. Rosser, CSA (1836-1910)

Rosser entered West Point in 1856, but resigned before graduation in April 1861 in order to join the Confederate Army as an artillery instructor with the rank of 1st Lieutenant. He fought at First Manassas and in the Peninsula campaign. In May 1862 he became Colonel of 5th Virginia Cavalry. He was wounded at Mechanicsville and in September 1863 was promoted Brig. General in command of the Laurel Brigade which contained many of the best cavalry regiments in the south. He fought in the 1864 Shenandoah Valley campaign and was made Maj. General. He raided into West Virginia for the rest of 1864-1865, and escaped the surrender at Appomattox.

Maj. General George Stoneman, USA (1822-1894)

Stoneman graduated West Point in 1846, served in the Mexican War and the Indian wars. In May 1861 he was a Major in the 1st US Cavalry. He served on McClellan's staff in West Virginia and as chief of cavalry in the Army of the Potomac. In August 1861 he was appointed Brig. Gen. of Volunteers for the Peninsula campaign. He commanded II Corps at Fredericksburg. Promoted Maj. Gen. of Volunteers, he led a cavalry raid that cut Lee's rail lines during the Chancellorsville campaign. He was later chief of the Cavalry Bureau in Washington and commanded the cavalry in the XXIII Corps in the West. He was captured during a raid in July 1864, exchanged after 3 months, commanded the Dist. of East Tennessee. In Spring 1865 he raided in North Carolina and southwest Virginia. This raid was a powerful one meant to destroy rather than fight battles. A force of 6,000 men destroyed uncountable tons of supplies and miles of railroad tracks, shocked the local citizens with the reality of war, traveled more than 600 miles through enemy territory, and assisted in the capture of Jefferson Davis.

Stoneman, one historian appraised, had utilized the slash and burn methods of Gen. Wm. T. Sherman in a "splendidly conceived, ably executed attack upon the war potential and the civilian population of the South." Another wrote, "Even as General Robert E. Lee was surrendering at Appomattox, a vengeful Union cavalry horde. made southern civilians pay dearly for the war." Stoneman's raid was a last brutal lesson in the concept of total war whose aim was to demoralize an already beaten people.


Alfred Pleasonton

As Acting Adjutant General for the Department of Oregon, then-Capt. Pleasonton wrote almost all U.S. Army orders during the Pig War crisis.

Alfred Pleasonton was born July 7, 1824 in the District of Columbia. As Acting Adjutant General for the Department of Oregon, Pleasonton wrote almost all orders to Capt. George Pickett and Lt. Col. Silas Casey during the Pig War crisis.

Shortly after being given command of the newly organized Union cavalry corps, Pleasonton on June 9, 1863 caught the Confederate cavalry by surprise at BRANDY STATION. The two sides fought to a draw in the largest cavalry battle ever fought in North America.

Promoted to major general, Pleasonton successfully directed his corps at GETTYSBURG July 1-3, 1863. One of the principle reasons for this achievement was Pleasonton's promotion of 21 year-old Capt. George A. Custer to brigadier general. On July 3, 1863, while George Pickett's division was being decimated by the Union line, Custer led several break-neck cavalry charges that foiled an attempt by Confederate cavalry units, under Maj.Gen. J.E.B. Stuart, to attack the Union rear.

Unfortunately for Pleasonton, he was not in the orbit of the newly coined U.S. Army commander, Lt. Gen. Ulysses S. Grant. As a result, on March 25, 1864, he was replaced as head of the Army of the Union cavalry corps by Philip Sheridan. Transferred to the Department of the Missouri, Pleasonton's cavalry performed ably in a campaign against Confederate Maj. Gen. Sterling Price. But while arguing with another Union general over who should receive credit for the victory, Price slipped away to fight another day.

After the war an embittered Pleasonton resigned his regular army commission in January 1868 after former subordinates were promoted above him. He worked for a time for the Internal Revenue Service. He died Feb. 17, 1897.

The town of Pleasanton, CA is named for him.

Then Capt. George Custer (left) and Brig. Gen. Alfred Pleasonton when Custer was a member of his staff. Pleasonton would soon promote the 21 year-old Custer to brigadier general in time for him to make a huge splash at Gettysburg.

Battle of Culpeper Court House (September 13, 1863)

Following the Union victory at the Battle of Gettysburg (July 1-3, 1863), Confederate General Robert E. Lee was forced to abandon his invasion of the North and withdraw his Army of Northern Virginia to Virginia. Despite prodding from President Abraham Lincoln, the victorious General George Meade failed to aggressively pursue Lee with the Army of the Potomac. The remainder of the campaign year in the East was dominated by minor skirmishes.

On September 12, 1863, Major General Alfred Pleasonton led the cavalry corps of three divisions of the Union Army of the Potomac from their camp near Warrenton, Virginia and crossed the Rappahannock River. Pleasonton's objective was to attack Confederate Major General J.E.B. Stuart's headquarters at Culpeper Court House, Virginia.

Early the next morning, Pleasonton's troopers forded the Hazel River and drove off scattered Confederate pickets and skirmishers. Advancing on the main Rebel defensive line near Culpeper by early afternoon, Brigadier General H. Judson Kilpatrick ordered a mounted charge by Brigadier General George Armstrong Custer's Michigan Brigade. Custer's men routed the Confederates, capturing more than one hundred prisoners, as well as three artillery pieces. Pleasanton's men then converged on Culpeper Court House in three columns and drove the cavalry corps of two divisions of the Confederate Army of Northern Virginia across the Rapidan River. Pleasonton's success enabled the 2 nd Corps of the Army of the Potomac, commanded by Major General Gouverneur K. Warren's to occupy Culpeper Court House that evening. By the next morning the Confederates established a strong new defensive line on the other side of the Rapidan River, which the Federals decided not to assault.

Ohio units that participated in the Battle of Culpeper Court House included

Cavalry units:

6th Regiment Ohio Volunteer Cavalry

In October, the Confederates pushed back, briefly reoccupying Culpeper County. However, a decisive Union victory at the Second Battle of Rappahannock Station (November 7 1863) placed the area under Federal control for the remainder of the war.


Papers of the Pleasonton family, 1798-1863.

The Department of Foreign Affairs was established by an act of July 27, 1789 (1 Stat. 28) and redesignated the Department of State by an act of September 15, 1789 (1 Stat. 68). It was the agency of the United States created by law to assist the President in the formulation and execution of the Nation's foreign policy, and in the conduct of foreign affairs and of certain domestic affairs. The Department made plans for peace and security among all nations, participated in the United Nations and o.

Pickering, Timothy, 1745-1829

Timothy Pickering (b. July 17, 1745, Salem, MA–d. January 29, 1829, Salem, MA) was a politician from Massachusetts who served as the third United States Secretary of State under Presidents George Washington and John Adams. He also represented Massachusetts in both houses of Congress as a member of the Federalist Party. Born in Salem, Massachusetts, Pickering began a legal career after graduating from Harvard University. He won election to the Massachusetts General Court and served as a cou.

Parke, John G.

University of Virginia. Board of Visitors

Raymond C. Bice, Jr. (1969-1990) held the position of Secretary to the Board of Visitors. From the description of Papers of the Secretary of the Board of Visitors [manuscript], 1960-1973. (University of Virginia). WorldCat record id: 648017769 During the time span of these papers, Alexander G. Gilliam, Jr. (1991- ) held the position of Secretary to the Board of Visitors. From the description of Papers of the Secretary of the Board of Visitors [manuscript], 1998-2.

Pleasonton, Alfred, 1824-1897

Pleasonton was born in Washington, D.C., on July 7, 1824. He was the son of Stephen and Mary Hopkins Pleasonton. Stephen was well known at the time of Alfred's birth. During the War of 1812, as a U.S. State Department employee, he saved crucial documents in the National Archives from destruction by the British invaders of Washington, including the original Declaration of Independence and the U.S. Constitution. As Fifth Auditor of the U.S. Treasury, Stephen Pleasonton was de facto superintendent .

Monroe family.

Pleasonton, Stephen, fl. 1811-1831,

Madison, James, 1751-1836

James Madison (1751-1836) was the fourth president of the United States, born in Port Conway, Virginia. He was a member of the Virginia legislature from 1776 to 1780 and from 1784 to 1786, and the Continental Congress from 1780 to 1783. His proposals at and management of the Constitutional Convention in 1787 earned him title "father of the U.S. Constitution." He cooperated with Alexander Hamilton and Jay in writing a series of papers (pub. 1787-88 under title of The Federalist) explaining the ne.

Meade, George Gordon, 1815-1872

Meade was a US Army officer, most noted for his route of Gen. Robert E. Lee at the Battle of Gettysburg in July of 1863 during the U.S. Civil War. From the description of [Document and photograph] / Geo. M. Meade. [1863] (Smith College). WorldCat record id: 287187126 .

Monroe, James, 1758-1831

James Monroe, fifth president of the United States of America (b. April 28, 1758, Monroe Hall, Virginia-d. July 4, 1831, New York, New York) fought with distinction in the Continental Army, and he practiced law in Fredericksburg, Virginia. As a young politician, he joined the anti-Federalists in the Virginia Convention which ratified the Constitution, and in 1790, an advocate of Jeffersonian policies, he was elected United States Senator. As Minister to France in 1794-1796, Monroe showed strong .

Gibbs, Alfred, 1823-1868.

O'Brien, Richard, approximately 1758-1824

Richard O'Brien (O'Bryen) was consul general of the United States to the Regency of Algiers. From the description of Remarks and observations in Algiers, 1789-1791 (inclusive), [microform]. (Desconhecido). WorldCat record id: 122354854 .

Scott, Rufus, 1840-1896.

Marcy, Randolph Barnes 1812-1887

American army officer. From the description of Autograph letter signed : New York, to William W. Belknap, 1871 Sept. 21. (Unknown). WorldCat record id: 270606727 From the description of Autograph letter signed : Orange, to "Dear General" [William W. Belknap?], 1872 Aug. 7. (Unknown). WorldCat record id: 270606801 .

United States. Army. New York Dragoons, 1st (1863-1865)

Mason, John, 1766-1849

Hoes, Roswell Randall, 1850-1921

Naval officer and chaplain. From the description of Roswell Randall Hoes papers, 1799-1912. (Desconhecido). WorldCat record id: 79451179 Chaplain, U.S. Navy. From the description of Notebooks, [ca. 1900]. (New York University, Group Batchload). WorldCat record id: 58757633 Clergyman and naval chaplain. From the description of Papers, 1871-1873. (New Jersey Historical Society Library). WorldCat record id: 70954706 Naval chaplain, historica.

Universidade da Virgínia

University of Virginia student from Lexington, Ky. afterwards a Presbyterian minister and missionary to Brazil. From the description of Diploma awarded to John Rockwell Smith [manuscript], 1866 June 29. (University of Virginia). WorldCat record id: 647905124 Lt., C.S.A. teacher, Norwood School, Nelson County, Va. principal Select School, New York, N.Y. From the description of Diplomas of Waller Holladay [manuscript], 1858-1872. (University of Virginia). WorldC.


Social Networks and Archival Context

SNAC is a discovery service for persons, families, and organizations found within archival collections at cultural heritage institutions.


Assista o vídeo: Today Oct. 2, 2021: Chinese Bombers fire on US Aircraft Carrier in South China Sea (Pode 2022).