Notícia

Alemanha Geografia - História

Alemanha Geografia - História

ALEMANHA

A Alemanha está localizada na Europa Central, fazendo fronteira com o Mar Báltico e o Mar do Norte, entre a Holanda e a Polônia, ao sul da Dinamarca.

Seu terrian sobe das planícies costeiras do norte até o cinturão de planaltos centrais, complexo e variado em forma. Ao sul das terras altas, uma planície elevada eleva-se repentinamente aos Alpes no extremo sul do país. Rios mais importantes: Reno, fluindo para o norte; Elba, fluindo para noroeste; e Danúbio, fluindo para sudeste.

Clima: A Alemanha é fria, de clima continental com chuvas abundantes e longa estação nublada. Baixas temperaturas com considerável queda de neve no leste e sul.
MAPA DE PAÍS


Ensaio de História, Geografia, Direito e Política da Alemanha

A bandeira alemã tem três faixas coloridas que a atravessam horizontalmente. As cores que, de cima para baixo, são o preto, o vermelho e o dourado também têm a mesma largura. O significado dessas cores foi explicado em várias teorias. Para aproximar o significado de forma abrangente, as duas cores, preto e dourado, são associadas às cores do brasão do Império Romano.

A queda do Império Romano fez com que essas cores fossem usadas na dinastia governante dos Habsburgos na Áustria. Mais tarde, eles ganharam popularidade como o "Monarca Negro e Dourado" durante o período desta dinastia governante (Cultura Alemã 2).

É importante notar que as três faixas de cores da bandeira alemã, ou seja, o preto, o vermelho e o dourado, simbolizavam o movimento que lutou para se livrar da ordem conservadora europeia que se formou após a queda de Napoleão (Cultura Alemã 3). As cores são usadas simbolicamente da seguinte forma: vermelho se refere à Liga Hanseática, enquanto preto e dourado aqui indicam diretamente a Áustria.

As cores desta bandeira têm uma relação direta com a liberalização na história da Alemanha. Essa combinação de cores da bandeira alemã foi diretamente afetada pela guerra austro-prussiana de 1866, pela Primeira Guerra Mundial e pela Segunda Guerra Mundial, em uma série de eventos.

Isso inclui a substituição do ouro pelo branco, a substituição de toda a bandeira pela bandeira da suástica, o retorno da bandeira preta-vermelha-dourada pelas forças aliadas, a inclusão do emblema comunista, pela República Democrática Alemã, ao centro da bandeira (um martelo e um compasso dentro de espigas de grão). Assim, a estabilidade da bandeira alemã só foi experimentada após a unificação da Alemanha em 1990 (Cultura Alemã 7).


A culinária regional varia de acordo com a geografia (montanhas, planícies e mares estão todos representados) e sua proximidade com os cursos de água, onde o transporte e o comércio historicamente ocorreram. As técnicas do Velho Mundo de preservação de alimentos por meio de salga, defumação, cura ou salmoura ainda são uma maneira comum de preparar peixes, carnes e vegetais. Se você olhar para os pratos populares de matjes (arenque em conserva), Sauerbraten (rosbife curado em vinagre e vinho), ou chucrute, você encontrará métodos de cozimento antigos ainda em uso hoje.

Em tempos pré-históricos, a comida alemã provavelmente era insossa. Ao contrário dos países mediterrâneos, a estação de crescimento limitava as pessoas às primeiras formas de trigo, cevada e pastagens para o gado. Ovelhas, vacas e cabras eram usadas para produzir leite, manteiga e queijo e, ocasionalmente, produtos à base de carne, que eram servidos com mais frequência durante as festas. As primeiras especiarias na culinária alemã foram salsa, aipo e endro, que ainda são usados ​​hoje. Os romanos introduziram o cultivo de árvores frutíferas e videiras. Aveia e centeio também foram adicionados à medida que os métodos agrícolas se tornaram mais sofisticados. As áreas ao redor de Colônia eram especialmente ricas em especiarias aromáticas e alimentos devido à sua localização e status como uma cidade comercial.


Fatos da Alemanha

Aqui estão alguns fatos interessantes sobre a Alemanha que foram escolhidos e pesquisados ​​por crianças, especialmente para crianças.

  • População: 83 milhões de pessoas vivem na Alemanha (2018). A maioria das pessoas vive em cidades e vilas.
  • Capital: Berlim com 3,5 milhões de habitantes não é apenas a capital da Alemanha, mas também a maior cidade.
  • Nome: Bundesrepublik Deutschland (República Federal da Alemanha), Apelido: 'Land der Dichter und Denker'
  • Governo: Democracia, República
  • Língua: Alemão
  • Alfabetização: Mais de 99% sabem ler e escrever.
  • Religião: principalmente cristãos (protestantes 34%, católicos romanos 34%)
  • Moeda: 1 Euro = 100 centavos, antes do marco alemão / marco alemão (DM) de 2001
  • Cores da bandeira: preto, vermelho e dourado

Onde fica a alemanha? - Mapa da Alemanha

A Alemanha está localizada no centro da Europa e compartilha fronteiras com 9 países: Dinamarca, Polônia, República Tcheca, Áustria, Suíça, & # xa0França & # xa0, Luxemburgo, Bélgica e Holanda (sentido horário do topo / norte).

A Alemanha é o segundo país mais populoso da Europa Central, depois da Rússia, e muitos imigrantes vivem e estudam na Alemanha.

O Mar Báltico (em alemão: Ostsee), o Mar do Norte (em alemão: Nordsee) e as terras baixas formam as fronteiras naturais no norte da Alemanha e as fronteiras do sul da Alemanha são formadas pelas montanhas dos Alpes e pelo Lago Constança (em alemão: Bodensee).

A montanha mais alta da Alemanha é o 'Zugspitze' (que significa 'pico ventoso') com 2.963 metros / 9.721 pés. A montanha mais alta da Alemanha é uma das principais atrações da Alemanha e muitos turistas visitam o topo da montanha todos os anos. Você pode pegar um teleférico até o topo da montanha e ter vistas espetaculares dos Alpes e da paisagem campestre de lá.

Zugspitze - montanha mais alta da Alemanha

Veja as incríveis vistas panorâmicas de 360 ​​° do topo da montanha Zugspitz para ver & # xa0Clique aqui. & # xa0 (Levará cerca de 10 segundos para carregar esta página de panorama incrível. Por favor, seja paciente, a visualização realmente vale a pena esperar :-)

Fatos da Alemanha:Atrações para crianças

Muro de Berlim
  • Berlim: aprenda sobre a história alemã e a reunificação, visite o edifício do Reichstag e o parlamento. 2019 marca o 30º aniversário da reunificação!
  • Colônia e Vale do Reno: Catedral de Colônia, Lorelei e festividades anuais de carnaval
  • Floresta Negra: ótimo para amantes da natureza e caminhantes com muitas aldeias pitorescas, lagos turquesa e grandes caminhadas na floresta.

Rothenburg ob der Tauber
  • Rothenburg ob der Tauber: A cidade medieval é um pouco turística, mas muito pitoresca e possui uma enorme & # xa0Christmas & # xa0shop que fica aberta o ano todo.
  • Alemanha do Norte: Explore a maior ilha da Alemanha, Rügen, e as cidades históricas de Hanse, Stralsund und Rostock, ou mais longe de Lübeck e Hamburgo
  • Munique: por seus museus de ciência e arte, vivenciando a famosa Oktoberfest e o típico bávaro & # xa0Gemü tlic hkeit (o que significa se sentir em casa e confortável)
  • Baviera e os Alpes alemães: óptimo para esquiar, fazer caminhadas e férias relaxantes. Você só precisa ver esses castelos inspiradores, como Neuschwanstein ou Herrenchiemsee & # xa0
  • Castelos:& # xa0Há mais de 25.000 castelos na Alemanha, certifique-se de visitar pelo menos um de nossos dez principais castelos. Abaixo você vê o Castelo Hohenzollern.

Alguns fatos da Alemanha sobre o povo alemão

Pintura famosa de Goethe de Tischbein

A Alemanha é bem conhecida por grandes poetas, como Johann Wolfgang von Goethe (você o vê na foto acima na famosa pintura de Tischbein) e Friedrich Schiller, e muitos outros escritores, como os irmãos Grimm (lembre-se do conto de Hansel e Gretel) ou Thomas Mann. Por causa desses escritores esplêndidos, bem como cientistas e inventores como Albert Einstein, Robert Koch ou Gottlieb Daimler, o país é frequentemente referido como o & # xa0"Land der Dichter und Denker"(país de poetas e pensadores). & # xa0

Os alemães adoram ir a museus, concertos e teatros. Esses lugares são bem mantidos e mantidos, então você vai encontrar muitos lugares interessantes que pode visitar.

Os alemães também adoram esportes! Mquaisquer alemães são ativos em clubes esportivos como como clubes de futebol, tênis ou ginástica. Nas escolas, as atividades esportivas mais populares são futebol, vôlei, basquete, balé e dança. & # Xa0 Ídolos do esporte & # xa0Sebastian Vettel (Fórmula 1), Bastian Schweinsteiger (futebol) ou Anna Schaffelhuber e Felix Neureuther (esqui) são orgulhosamente apoiados pela maioria dos alemães. Muitos de vocês já devem ter ouvido os nomes de Boris Becker e Steffi Graf, que estão entre as estrelas do tênis mais conhecidas do mundo.

A principal liga de futebol do país, chamada Bundesliga, é seguido de perto por muitos e o Bayern de Munique ou o Borussia Dortmund são os favoritos não só dos alemães.

Os esportes mais populares na Alemanha são futebol, tênis, natação e esqui, embora este último só seja possível nas regiões sul e leste do país. Especialmente nos Alpes Bávaros, Mittelgebirge e Erzgebirge, as montanhas são altas o suficiente e garantem neve suficiente para desfrutar de uma infinidade de instalações de esportes de inverno.

Comida alemã

A maioria dos pratos principais alemães contém carnes, principalmente carne de porco, vaca e vitela ou peixe. Os alemães costumam comer batatas, mas os pratos de massa também são muito populares, especialmente entre as gerações mais jovens. & # Xa0Os alemães amam seu pão, que é principalmente uma mistura de farinha de trigo e centeio e é muito mais escura e tem uma crosta dura. Pãezinhos também são comidos.

Chucrute, Salsichas e Brezeln& # xa0 (Pretzels, veja na foto acima) são certamente as exportações de alimentos alemães mais famosas e na Alemanha você encontrará pão fresco, pãezinhos e pretzels, bem como deliciosos bolos e doces nas inúmeras padarias. Mesmo as pequenas aldeias costumam ter mais de dois ou três padeiros e você terá a opção de muitos tipos diferentes de pão e pãezinhos.

Os alemães adoram sua carne, mas agora você também encontrará mais e mais pratos vegetarianos nos menus dos restaurantes, embora haja muito mais variações de pratos com carne disponíveis. Schweinebraten oder Schweinsbraten (knuckles de porco assado) é muito popular no sul da Alemanha, embora Rinderbraten (carne assada) é mais popular no norte da Alemanha.

Comida alemã: porco assado com bolinhos e repolho roxo

Fatos sobre a Alemanha: comida alemã mais típica:

  • Chucrute: provavelmente o vegetal mais famoso associado à comida alemã. É consumido na Alemanha com batatas e carne, mas tradicionalmente não com peixe como em muitas outras partes do mundo.
  • Rotkraut: repolho roxo, veja na imagem acima
  • Knödel, tanto como Semmelknödel: bolinhos de pão, comidos com cogumelos em molho cremoso ou com pratos de carne ou & # xa0Kartoffelknödel: bolinhos de batata
  • Spargel: os espargos brancos são colhidos no final de abril e até 24 de junho. Tem um sabor muito distinto e é muito saudável! Geralmente acompanhado de presunto e um molho branco cremoso, este vegetal é realmente delicioso.
  • Bolo floresta negra: delicioso bolo de chocolate amargo recheado com cerejas e natas.
  • Weisswurst: linguiça de vitela muito clara, cozida e consumida na Baviera - geralmente no meio da manhã, antes do meio-dia.
  • roubado& # xa0e & # xa0Lebkuchen: Deliciosos bolos, biscoitos decorados e vários biscoitos de gengibre são comidos na época do Natal na Alemanha.
  • Vinho& # xa0e & # xa0Cerveja: Você sabia que os alemães produzem tanto vinho quanto cerveja? Os vales ao longo dos rios Reno e Mosel são bem conhecidos por seus vinhos. A Baviera é conhecida por sua cerveja e pelas muitas microcervejarias.

Marque esta página se você estiver interessado em Fatos sobre a Alemanha para crianças, já que meus Fatos sobre a Alemanha serão atualizados regularmente. E divirta-se aprendendo mais & # xa0Fatos da Alemanha& # xa0soon :-)


Índice

Geografia

Localizada na Europa central, a Alemanha é formada pela Planície do Norte da Alemanha, pelas Terras Altas da Alemanha Central (Mittelgebirge) e pelas Terras Altas da Alemanha do Sul. O planalto bávaro no sudoeste tem uma média de 1.600 pés (488 m) acima do nível do mar, mas atinge 9.721 pés (2.962 m) nas montanhas Zugspitze, o ponto mais alto do país. Os principais rios da Alemanha são o Danúbio, o Elba, o Oder, o Weser e o Reno. A Alemanha tem quase o tamanho de Montana.

Governo
História

Acredita-se que os celtas foram os primeiros habitantes da Alemanha. Eles foram seguidos por tribos alemãs no final do século 2 a.C. As invasões alemãs destruíram o declínio do Império Romano nos séculos 4 e 5 DC Uma das tribos, os francos, alcançou a supremacia na Europa ocidental sob Carlos Magno, que foi coroado Sacro Imperador Romano em 800. Pelo Tratado de Verdun (843), as terras de Carlos Magno a leste do Reno foram cedidos ao príncipe alemão Louis. Território adicional adquirido pelo Tratado de Mersen (870) deu à Alemanha aproximadamente a área que manteve durante a Idade Média. Por vários séculos depois que Oto, o Grande, foi coroado rei em 936, os governantes alemães também eram geralmente chefes do Sacro Império Romano.

No século 14, o Sacro Império Romano era pouco mais do que uma federação dos príncipes alemães que elegeram o Sacro Imperador Romano. Em 1438, Alberto de Habsburgo tornou-se imperador e, nos séculos seguintes, a linha dos Habsburgo governou o Sacro Império Romano até seu declínio em 1806. As relações entre o estado e a igreja foram alteradas pela Reforma, que começou com as 95 teses de Martinho Lutero, e veio à cabeça em 1547, quando Carlos V dispersou as forças da Liga Protestante em Mhlberg. Seguiu-se a Contra-Reforma. Uma disputa pela sucessão ao trono da Boêmia provocou a Guerra dos Trinta Anos (1618–1648), que devastou a Alemanha e deixou o império dividido em centenas de pequenos principados virtualmente independentes do imperador.

A ascensão de Bismarck e o nascimento do Segundo Reich Alemão

Enquanto isso, a Prússia estava se desenvolvendo em um estado de considerável força. Frederico, o Grande (1740–1786) reorganizou o exército prussiano e derrotou Maria Teresa da Áustria em uma luta pela Silésia. Após a derrota de Napolão em Waterloo (1815), a luta entre a Áustria e a Prússia pela supremacia na Alemanha continuou, atingindo seu clímax com a derrota da Áustria na Guerra das Sete Semanas (1866) e a formação da Alemanha do Norte dominada pela Prússia Confederação (1867). O arquiteto dessa nova unidade alemã foi Otto von Bismarck, um primeiro-ministro prussiano conservador, monarquista e militarista. Ele unificou toda a Alemanha em uma série de três guerras contra a Dinamarca (1864), Áustria (1866) e França (1870–1871). Em 18 de janeiro de 1871, o rei Guilherme I da Prússia foi proclamado imperador alemão no Salão dos Espelhos em Versalhes. A Confederação da Alemanha do Norte foi abolida, e o Segundo Reich Alemão, consistindo dos estados do Norte e do Sul da Alemanha, nasceu. Com um exército poderoso, uma burocracia eficiente e uma burguesia leal, o chanceler Bismarck consolidou um poderoso estado centralizado.

Wilhelm II dispensou Bismarck em 1890 e embarcou em um? Novo Curso ,? enfatizando um colonialismo intensificado e uma marinha poderosa. Sua caótica política externa culminou no isolamento diplomático da Alemanha e na desastrosa derrota na Primeira Guerra Mundial (1914–1918). O Segundo Império Alemão entrou em colapso após a derrota dos exércitos alemães em 1918, o motim naval em Kiel e a fuga do Kaiser para a Holanda. Os social-democratas, liderados por Friedrich Ebert e Philipp Scheidemann, esmagaram os comunistas e estabeleceram um estado moderado, conhecido como República de Weimar, com Ebert como presidente. O presidente Ebert morreu em 28 de fevereiro de 1925 e, em 26 de abril, o marechal de campo Paul von Hindenburg foi eleito presidente. A maioria dos alemães considerava a República de Weimar um filho da derrota imposta a uma Alemanha cujas aspirações legítimas à liderança mundial foram frustradas por uma conspiração mundial. Somado a isso, havia um desastre monetário paralisante, um tremendo fardo de reparações e uma crise econômica aguda.

Adolf Hitler e a segunda guerra mundial

Adolf Hitler, um veterano de guerra austríaco e um nacionalista fanático, alimentou o descontentamento ao prometer uma Grande Alemanha, a revogação do Tratado de Versalhes, a restauração das colônias perdidas da Alemanha e a destruição dos judeus, a quem ele usou como bode expiatório a razão para a queda da Alemanha e economia deprimida. Quando os sociais-democratas e os comunistas se recusaram a se unir contra a ameaça nazista, o presidente von Hindenburg fez de Hitler o chanceler em 30 de janeiro de 1933. Com a morte de von Hindenburg em 2 de agosto de 1934, Hitler repudiou o Tratado de Versalhes e começou rearmamento em grande escala. Em 1935, retirou a Alemanha da Liga das Nações e, no ano seguinte, reocupou a Renânia e assinou o pacto Anti-Comintern com o Japão, ao mesmo tempo que fortalecia as relações com a Itália. A Áustria foi anexada em março de 1938. Pelo acordo de Munique em setembro de 1938, ele ganhou os Sudetos tchecos e, em violação a esse acordo, concluiu o desmembramento da Tchecoslováquia em março de 1939. Sua invasão da Polônia em 1 ° de setembro de 1939 precipitou Segunda Guerra Mundial.

Hitler estabeleceu campos de extermínio para realizar “a solução final para a questão judaica”. Ao final da guerra, o Holocausto de Hitler havia matado 6 milhões de judeus, bem como ciganos, homossexuais, comunistas, deficientes físicos e outros que não se encaixavam no ideal ariano. Depois de alguns sucessos iniciais deslumbrantes em 1939–1942, a Alemanha se rendeu incondicionalmente aos comandantes militares Aliados e Soviéticos em 8 de maio de 1945. Em 5 de junho, o Conselho de Controle Aliado de quatro nações tornou-se o governo de fato da Alemanha.

(Para detalhes da Segunda Guerra Mundial e do Holocausto, Vejo Headline History, World War II.)

A Alemanha do pós-guerra está desarmada, desmilitarizada e dividida

Na Conferência de Berlim (ou Potsdam) (17 de julho a 2 de agosto de 1945), o presidente Truman, o primeiro-ministro Stalin e o primeiro-ministro Clement Attlee da Grã-Bretanha estabeleceram os princípios orientadores do Conselho de Controle Aliado: desarmamento e desmilitarização completos da Alemanha, destruição de seu potencial de guerra, controle rígido da indústria e descentralização da estrutura política e econômica. Enquanto se aguarda a determinação final das questões territoriais em uma conferência de paz, os três vencedores concordaram com a transferência final da cidade de Knigsberg (agora Kaliningrado) e sua área adjacente para a URSS e para a administração da Polônia de antigos territórios alemães, geralmente a leste do Linha Oder-Neisse. Para fins de controle, a Alemanha foi dividida em quatro zonas de ocupação nacional.

As potências ocidentais foram incapazes de concordar com a URSS em quaisquer questões fundamentais. O trabalho do Conselho de Controle Aliado foi prejudicado por repetidos vetos soviéticos e, finalmente, em 20 de março de 1948, a Rússia saiu do conselho. Enquanto isso, os EUA e a Grã-Bretanha tomaram medidas para fundir suas zonas economicamente (Bizone) em 31 de maio de 1948, os EUA, Grã-Bretanha, França e os países do Benelux concordaram em estabelecer um estado alemão compreendendo as três zonas ocidentais. A URSS reagiu bloqueando todas as comunicações terrestres entre as zonas ocidentais e Berlim Ocidental, um enclave na zona soviética. Os aliados ocidentais reagiram organizando uma gigantesca ponte aérea para levar suprimentos para a cidade sitiada. A URSS foi finalmente forçada a levantar o bloqueio em 12 de maio de 1949.

República Federal da Alemanha

A República Federal da Alemanha foi proclamada em 23 de maio de 1949, com capital em Bonn. Em eleições livres, os eleitores da Alemanha Ocidental deram a maioria na assembleia constituinte aos democratas-cristãos, com os sociais-democratas constituindo em grande parte a oposição. Konrad Adenauer tornou-se chanceler e Theodor Heuss, dos Democratas Livres, foi eleito o primeiro presidente.

República Democrática da Alemanha

Os estados da Alemanha Oriental adotaram uma constituição mais centralizada para a República Democrática da Alemanha, colocada em vigor em 7 de outubro de 1949. A URSS então dissolveu sua zona de ocupação, mas as tropas soviéticas permaneceram. Os aliados ocidentais declararam que a República da Alemanha Oriental foi uma criação soviética empreendida sem autodeterminação e se recusaram a reconhecê-la. As forças soviéticas criaram um estado controlado pela polícia secreta com um único partido, o Partido da Unidade Socialista (Comunista).

Acordos em Paris em 1954, dando à República Federal total independência e total soberania, entraram em vigor em 5 de maio de 1955. Sob o acordo, a Alemanha Ocidental e a Itália tornaram-se membros da organização do tratado de Bruxelas criada em 1948 e rebatizada de União da Europa Ocidental. A Alemanha Ocidental também se tornou membro da OTAN. Em 1955, a URSS reconheceu a República Federal. O território do Sarre, sob um acordo entre a França e a Alemanha Ocidental, realizou um plebiscito e, apesar das ligações econômicas com a França, optou por se juntar à Alemanha Ocidental em 1º de janeiro de 1957.

A divisão entre a Alemanha Ocidental e a Alemanha Oriental foi intensificada quando os comunistas ergueram o Muro de Berlim em 1961. Em 1968, o líder comunista da Alemanha Oriental, Walter Ulbricht, impôs restrições aos movimentos da Alemanha Ocidental em Berlim Ocidental. A invasão da Tchecoslováquia pelo bloco soviético em agosto de 1968 aumentou a tensão. A Alemanha Ocidental assinou um tratado com a Polônia em 1970, renunciando à força e definindo a fronteira oeste da Polônia na Linha Oder-Neisse. Posteriormente, retomou relações formais com a Tchecoslováquia em um pacto que? Anulado? o tratado de Munique que deu à Alemanha nazista a Sudetenland. Em 1973, as relações normais foram estabelecidas entre a Alemanha Oriental e Ocidental e os dois estados entraram nas Nações Unidas.

O chanceler da Alemanha Ocidental, Willy Brandt, ganhador do Prêmio Nobel da Paz por sua política externa, foi forçado a renunciar em 1974, quando um espião da Alemanha Oriental foi descoberto como um dos principais membros de sua equipe. O sucedendo foi um social-democrata moderado, Helmut Schmidt. Schmidt apoiou firmemente a estratégia militar dos EUA na Europa, apostando seu destino político na colocação de mísseis nucleares dos EUA na Alemanha, a menos que a União Soviética reduzisse seu arsenal de mísseis intermediários. Ele também se opôs fortemente às propostas de congelamento nuclear.

Quedas do Muro de Berlim, Alemanha reunifica

Helmut Kohl, do Partido Democrata Cristão, tornou-se chanceler em 1982. Uma recuperação econômica em 1986 levou à reeleição de Kohl. A queda do governo comunista na Alemanha Oriental deixou apenas as objeções soviéticas à reunificação alemã a serem enfrentadas. Na noite de 9 de novembro de 1989, o Muro de Berlim foi desmontado, tornando a reunificação quase inevitável. Em julho de 1990, Kohl pediu ao líder soviético Gorbachev que abandonasse suas objeções em troca de ajuda financeira da Alemanha (Ocidental). Gorbachev concordou e, em 3 de outubro de 1990, a República Democrática Alemã aderiu à República Federal e a Alemanha tornou-se um estado soberano e unido pela primeira vez desde 1945.

A Berlim reunida serve como capital oficial da Alemanha unificada, embora o governo tenha continuado a ter funções administrativas em Bonn durante o período de transição de 12 anos. As questões do custo da reunificação e da modernização da ex-Alemanha Oriental foram considerações sérias para a nação reunificada.

Centrista Gerhard Schroder eleito chanceler

Em sua eleição mais importante em décadas, em 27 de setembro de 1998, os alemães escolheram o social-democrata Gerhard Schrder como chanceler em vez do atual democrata-cristão Helmut Kohl, encerrando um regime de 16 anos que supervisionou a reunificação da Alemanha e simbolizou o fim do guerra fria na Europa. Centrista, Schrder fez campanha pelo? Novo meio? e prometeu retificar a alta taxa de desemprego da Alemanha de 10,6%.

A tensão entre a esquerda de estilo antigo e os pragmáticos mais pró-negócios dentro do governo de Schrder chegou ao auge com a demissão abrupta do ministro das finanças Oskar Lafontaine em março de 1999, que também era presidente do Partido Social-Democrata no poder. Os planos de Lafontaine de aumentar os impostos - já quase os mais altos do mundo - sobre a indústria e os salários alemães iam contra as políticas mais centristas de Schrder. Hans Eichel foi escolhido para se tornar o próximo ministro das finanças.

A Alemanha juntou-se aos outros aliados da OTAN no conflito militar em Kosovo em 1999. Antes da crise em Kosovo, os alemães não participavam de um conflito armado desde a Segunda Guerra Mundial. A Alemanha concordou em receber 40.000 refugiados Kosovar, o máximo de qualquer país da OTAN.

Em dezembro de 1999, o ex-chanceler Helmut Kohl e outros altos funcionários do Partido Democrata Cristão (CDU) admitiram aceitar dezenas de milhões de dólares em doações ilegais durante as décadas de 1980 e 1990. A enormidade do escândalo levou ao desmembramento virtual da CDU no início de 2000, um partido que há muito era uma força conservadora estável na política alemã.

Em julho de 2000, Schrder conseguiu aprovar reformas tributárias significativas que reduziriam a principal alíquota de imposto de renda de 51% para 42% até 2005. Ele também eliminou o imposto sobre ganhos de capital sobre empresas que vendessem ações em outras empresas, uma medida que era esperada para estimular fusões. Em maio de 2001, o Parlamento alemão autorizou o pagamento de US $ 4,4 bilhões em compensação a 1,2 milhão de trabalhadores escravos sobreviventes da era nazista.

Schrder foi reeleito por pouco em setembro de 2002, derrotando o empresário conservador Edmund Stoiber. Os sociais-democratas de Schrder e seus parceiros de coalizão, os verdes, obtiveram uma maioria mínima no Parlamento. A hábil manipulação de Schrder das inundações catastróficas na Alemanha em agosto e sua postura dura contra os planos dos EUA de um ataque preventivo ao Iraque o animaram nas semanas que antecederam as eleições. A contínua relutância da Alemanha em apoiar o apelo dos EUA por uma ação militar contra o Iraque prejudicou severamente suas relações com Washington.

Taxa de desemprego na Alemanha atinge 12%

A recessão na Alemanha continuou em 2003: nos três anos anteriores, a maior economia da Europa teve a menor taxa de crescimento entre os países da UE. Em agosto de 2003, Schrder apresentou um ambicioso pacote de reforma fiscal e chamou sua proposta de "o conjunto mais significativo de reformas estruturais na história social da Alemanha". As reformas de Schrder, no entanto, fizeram pouco para rejuvenescer a economia e irritaram muitos alemães, acostumados aos generosos programas de bem-estar social de seu país. Suas reformas reduziram o seguro-saúde nacional e cortaram os benefícios de desemprego em um momento em que o desemprego atingiu 12% alarmantes.

As eleições nacionais de setembro de 2005 terminaram em um impasse: a conservadora CDU / CSU e sua líder, Angela Merkel, receberam 35,2% e o SPD de Gerhard Schrder, 34,3%. Após semanas de disputas para formar uma coalizão governante, a primeira coalizão esquerda-direita? Grande coalizão? na Alemanha, em 36 anos, foi remendada e, em 22 de novembro, Merkel se tornou a primeira mulher chanceler da Alemanha. Durante seu primeiro ano, Merkel mostrou forte liderança nas relações internacionais, mas sua agenda de reforma econômica doméstica estagnou. Sua primeira grande iniciativa, reformar o sistema de saúde, foi amplamente vista como ineficaz.

Alemanha assume papel importante na gestão da crise da dívida do euro

A Alemanha foi duramente atingida pela crise financeira global no final de 2008 e 2009. Em outubro de 2008, o governo financiou um resgate de US $ 68 bilhões de um dos maiores bancos do país, o Hypo Real Estate, para evitar o colapso. Isso foi seguido em fevereiro de 2009 com um pacote de estímulo de US $ 63 bilhões para ajudar a tirar a economia prejudicada da recessão.

Merkel conquistou outro mandato de quatro anos como chanceler nas eleições de setembro de 2009. Seu partido, o Democrata Cristão, formou uma coalizão de governo com os Democratas Livres pró-negócios. O presidente Kohler foi reeleito em 2009. Ele renunciou em maio de 2010 após sua declaração de que um país do tamanho da Alemanha às vezes deve justificar o envio de tropas para o exterior para proteger seus interesses econômicos gerou polêmica e indignação. Ele foi substituído por Christian Wulff.

A Alemanha aprendeu durante a crise da dívida de 2010 e 2011 que a responsabilidade vem com a manutenção do manto como a maior economia da Europa. Na verdade, Merkel enfrentou críticas no início de 2010 por seu atraso em buscar a aprovação parlamentar de um pacote de resgate para a Grécia, que estava à beira de um colapso financeiro. Observadores internacionais comentaram que ela deveria ter agido antes de ser criticada pelos eleitores por ter vindo em socorro de outro país. No entanto, o parlamento aprovou um resgate de 22,4 bilhões de euros para a Grécia em maio de 2010. Os eleitores expressaram seu descontentamento com a contribuição da Alemanha nas urnas - Merkel perdeu a maioria na câmara alta do parlamento em maio, quando sua coalizão perdeu as eleições regionais na Renânia do Norte-Vestfália. Essa derrota foi seguida por outra em março de 2011 em Baden-Wuerttemberg.

O parlamento alemão aprovou um plano para aumentar o fundo de resgate da zona do euro em setembro de 2011, e isso foi seguido no final de outubro com o acordo entre os líderes da zona do euro de um pacote mais amplo com o objetivo de colocar a crise da dívida da Europa sob controle.

Christian Wulff renunciou ao cargo de presidente em fevereiro de 2012 para enfrentar um inquérito de corrupção. Apesar das objeções de Merkel, o Parlamento aprovou Joachim Gauck, um pastor luterano da Alemanha Oriental, como seu sucessor. Gauck era o candidato preferido da oposição e um dos parceiros da coalizão de Merkel, o Partido Democrático Livre. Sua eleição foi vista como uma repreensão ao chanceler.

Nova Ilha Surge na Costa

Uma nova ilha emergiu do Mar do Norte, na costa da Alemanha, localizada a dezesseis milhas do estado alemão, Schleswig Holstein. A ilha de 34 acres recebeu o nome de Norderoogsand, mas está sendo chamada de Ilha dos Pássaros porque muitos pássaros, incluindo gaivotas, gansos cinzentos, patos e falcões peregrinos foram encontrados lá fazendo ninhos ou se alimentando. Quarenta e nove espécies de plantas também foram encontradas na ilha.

A ilha apareceu lentamente ao longo de um período de dez anos, de 2003 a 2013. A massa de terra surgiu devido à ação das marés, não ao aquecimento global. A aparência da ilha surpreendeu os cientistas porque essa área do Mar do Norte tem ventos fortes e marés inconstantes.

Merkel é eleita para um terceiro mandato de escândalos de espionagem amarga relação com os EUA


Angela Merkel
Fonte: Amel Emric para Associated Press

Merkel foi eleita para um terceiro mandato de quatro anos em setembro de 2013. Seu desempenho nas pesquisas superou as expectativas. Seus democratas-cristãos de centro-direita e partido irmão União Social Cristã na Bavária conquistaram 311 assentos em 630 na câmara baixa do parlamento - a melhor exibição desde a unificação. A vitória retumbante confirmou a posição de Merkel como a líder mais forte da Europa. Outro parceiro da coalizão, os Democratas Livres, no entanto, foi afastado do parlamento, obtendo menos de 5% dos votos. Após cinco semanas de negociações, os democratas-cristãos da chanceler formaram uma grande coalizão com os social-democratas de centro-esquerda em novembro. Juntos, eles ocuparão 80% das cadeiras. Como parte das negociações, os democratas-cristãos adotaram políticas à esquerda do partido. Por exemplo, eles concordaram em reduzir a idade de aposentadoria de 67 para 63 para alguns trabalhadores e implementar o primeiro salário mínimo nacional do país de? 8,50 ($ 11,50). A Alemanha permitiu que sindicatos e empresas negociassem e fixassem salários por indústria.

Em outubro, documentos da NSA vazaram para a mídia por Edward Snowden revelaram que a agência havia grampeado o celular de Merkel por cerca de 10 anos, começando em 2002. Indignada, ela ligou para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que se desculpou e prometeu que tal atividade não continuaria. O incidente azedou o relacionamento entre os aliados normalmente próximos. As relações ficaram ainda mais tensas em julho de 2104, em meio a relatos de que os EUA contrataram um escrivão da agência de inteligência da Alemanha para roubar centenas de documentos. Dias depois, oficiais alemães anunciaram acreditar que haviam descoberto um segundo espião trabalhando para os EUA. Em resposta, a Alemanha expulsou o chefe da estação da CIA de Berlim.

A situação mudou em agosto de 2014, quando as notícias disseram que a Alemanha tem o hábito de espionar a Turquia. A Turquia exigiu uma explicação. A Alemanha não confirmou nem negou a alegação.


Conteúdo

Idade Média Editar

Kiel Fjord and the village of Kiel was probably the last settled by Vikings who wanted to colonise the land that they had raided, and for many years they settled in German villages. This is evidenced by the geography and architecture of the fjord. The city of Kiel was founded in 1233 as Holstenstadt tom Kyle by Count Adolf IV of Holstein, and granted Lübeck city rights in 1242 by Adolf's eldest son, John I of Schauenburg. As a part of Holstein, Kiel belonged to the Holy Roman Empire and was situated only a few kilometres south of the Danish border. [8]

The capital of the county (later duchy) of Holstein, Kiel was a member of the Hanseatic League from 1284 until it was expelled in 1518 for harbouring pirates. o Kieler Umschlag (trade fair), first held in 1431, became the central market for goods and money in Schleswig-Holstein. It began to decline circa 1850 and ceased in 1900, but it has recently been revived.

Tempos modernos Editar

The University of Kiel was founded on 29 September 1665 by Christian Albert, Duke of Holstein-Gottorp. A number of important scholars, including Theodor Mommsen, Felix Jacoby, Hans Geiger and Max Planck, studied or taught there.

From 1773 to 1864, the town belonged to the king of Denmark. However, because the king ruled Holstein as a fief of the Holy Roman Empire only through a personal union, the town was not incorporated as part of Denmark proper. Thus Kiel belonged to Germany, but it was ruled by the Danish king. Even though the empire was abolished in 1806, the Danish king continued to rule Kiel only through his position as Duke of Holstein, which became a member of the German Confederation in 1815. When Schleswig and Holstein rebelled against Denmark in 1848 (the First Schleswig War), Kiel became the capital of Schleswig-Holstein until the Danish victory in 1850.

During the Second Schleswig War in 1864, Kiel and the rest of the duchies of Schleswig and Holstein were conquered by a German Confederation alliance of the Austrian Empire and the Kingdom of Prussia. After the war, Kiel was briefly administered by both the Austrians and the Prussians, but the Austro-Prussian War in 1866 led to the formation of the Province of Schleswig-Holstein and the annexation of Kiel by Prussia in 1867. On 24 March 1865 King William I based Prussia's Baltic Sea fleet in Kiel instead of Danzig (Gdańsk). The Imperial shipyard Kiel was established in 1867 in the town.

When William I of Prussia became Emperor William I of the German Empire in 1871, he designated Kiel and Wilhelmshaven as Reichskriegshäfen ("Imperial War Harbours"). The prestigious Kiel Yacht Club was established in 1887 with Prince Henry of Prussia as its patron. Emperor Wilhelm II became its commodore in 1891.

Because of its new role as Germany's main naval base, Kiel very quickly increased in size in the following years, from 18,770 in 1864 to about 200,000 in 1910. Much of the old town centre and other surroundings were levelled and redeveloped to provide for the growing city. The Kiel tramway network, opened in 1881, had been enlarged to 10 lines, with a total route length of 40 km (25 mi), before the end of the First World War.

Kiel was the site of the sailors' mutiny which sparked the German Revolution in late 1918. Just before the end of the First World War, the German fleet stationed at Kiel was ordered to be sent out on a last great battle with the Royal Navy. The sailors, who thought of this as a suicide mission which would have no effect on the outcome of the war, decided they had nothing to lose and refused to leave the safety of the port. The sailors' actions and the lack of response of the government to them, fuelled by an increasingly critical view of the Kaiser, sparked a revolution which caused the abolition of the monarchy and the creation of the Weimar Republic.

During the Second World War, Kiel remained one of the major naval bases and shipbuilding centres of the German Reich. There was also a slave labour camp for the local industry. [9] Because of its status as a naval port and as production site for submarines, Kiel was heavily bombed by the Allies during this period. The bombing destroyed more than 80% of the remaining old town, 72% of the central residential areas, and 83% of the industrial areas. [10] During the RAF bombing of 23/24 July 1944, Luftwaffe fighters tried to intercept the spoof (i.e. decoy) force instead of the main force attacking Kiel, [11] and there was no water for three days trains and buses did not run for eight days and there was no gas available for cooking for three weeks. [12] There were several bombing raids of the port area during the period 20 February – 20 April 1945 which successfully eliminated many U-boats, and the few large warships (cruisers Hipper, Scheer, and Köln) still afloat at that time. Although the town was beyond the stop-line set for the western Allies in the German surrender at Lüneburg Heath, it and its port, its scientists, and the canal were seized by a British T-Force led by Major Tony Hibbert on 5 May 1945. [13] [14] This forestalled capture of the town by the Soviets, whom the western Allies expected to advance from Germany to Denmark in violation of the Yalta agreement. [15]

Like other heavily bombed German cities, the city was rebuilt after the war. In 1946, Kiel was named the seat of government for Schleswig-Holstein, and it officially became the state's capital in 1952.

Today, Kiel is once again an important maritime centre of Germany, with high-tech shipbuilding, submarine construction and one of the three leading institutions in the field of marine sciences in Europe, the IFM-GEOMAR. Regular ferries to Scandinavia and Lithuania, as well as the largest sailing event in the world called the Kiel Week (Kieler Woche) in German and The Kiel Regatta in English. o Kieler Umschlag is another festival, which has been taking place again since 1975. Kiel is also home to a large service sector and a number of research institutions including the University of Kiel, which is the oldest, largest, and most prestigious university in the state.

Edição de clima

Climate data for Kiel
Mês Jan Fev Mar Abr Poderia Junho Jul Agosto Set Out Nov Dez Year
Registro de alta ° C (° F) 13.4
(56.1)
16.0
(60.8)
21.4
(70.5)
29.3
(84.7)
33.5
(92.3)
34.4
(93.9)
34.2
(93.6)
35.0
(95.0)
30.1
(86.2)
25.2
(77.4)
19.5
(67.1)
14.8
(58.6)
35.0
(95.0)
Média alta ° C (° F) 2
(36)
3
(37)
6
(43)
11
(52)
16
(61)
20
(68)
21
(70)
21
(70)
18
(64)
13
(55)
8
(46)
4
(39)
12
(53)
Média diária ° C (° F) 0.7
(33.3)
1.0
(33.8)
3.3
(37.9)
6.7
(44.1)
11.5
(52.7)
15.1
(59.2)
16.3
(61.3)
16.3
(61.3)
13.3
(55.9)
9.7
(49.5)
5.3
(41.5)
2.1
(35.8)
8.4
(47.2)
Média baixa ° C (° F) −2
(28)
−2
(28)
0
(32)
3
(37)
7
(45)
11
(52)
12
(54)
12
(54)
10
(50)
7
(45)
3
(37)
0
(32)
5
(41)
Registro de ° C baixo (° F) −20.8
(−5.4)
−24.8
(−12.6)
−14.5
(5.9)
−6.9
(19.6)
−3.0
(26.6)
1.6
(34.9)
4.3
(39.7)
4.7
(40.5)
0.6
(33.1)
−6.2
(20.8)
−12.0
(10.4)
−15.1
(4.8)
−24.8
(−12.6)
Average rainfall mm (inches) 65
(2.6)
40
(1.6)
54
(2.1)
52
(2.0)
57
(2.2)
69
(2.7)
79
(3.1)
69
(2.7)
66
(2.6)
67
(2.6)
86
(3.4)
74
(2.9)
778
(30.5)
Average rainy days (≥ 1.0 mm) 18 15 13 14 12 14 15 16 15 17 18 18 185
Umidade relativa média (%) 87 84 81 77 74 74 76 78 81 85 86 87 81
Média de horas de sol mensais 38.5 64.4 106.4 171.1 230.2 237.1 218.7 220.4 150.5 102.3 52.0 34.9 1,626.5
Source: DWD wetterkontor.de [1] [2]

Districts Edit

The city districts of Düsternbrook, Schreventeich, Ravensberg and Blücherplatz are popular places to live with many 19th century buildings, villas and tree-lined streets. The government offices, ministries and parliament of the state of Schleswig-Holstein are also mainly based in these neighbourhoods, particularly Düsternbrook. In contrast to the heavy bomb damage inflicted on the central parts of the city during the Second World War, most of the residential areas were not severely damaged. Hence, Kiel's more modern-style inner city and Kiel's more historic/elaborate residential areas stand in architectural contrast to one another.

There are plans for large-scale improvement and building efforts for the inner city, providing better pavements, better access to and view of the waterfront, and a generally more attractive feel to the place. These plans, most notably the "Kleiner Kiel Kanal", a restoration of a historic canal that was filled in to make place for road infrastructure, are to be implemented in the next few years. [17]

The largest groups of foreign residents by 31.12.2018 are listed below :

Síria 4,710
Turquia 4,410
Iraque 2,240
Polônia 2,095
Bulgária 1,255
Rússia 985
Afeganistão 775
Romênia 595
Ucrânia 520
Irã 505

Main sights Edit

The oldest building in the city is the 13th century Church of St. Nicholas, which has a sculpture by Ernst Barlach in front of it called Geistkämpfer.

Kiel is Schleswig-Holstein's largest city, and therefore Kiel's shopping district is a major attraction, and will see further improvement and renovation efforts in the upcoming years. Kiel's Holstenstraße (Holsten Street) is one of the longest shopping streets in Germany. The Rathaus (Town Hall), which was built in 1911, has an operating paternoster lift and the design of its tower was based on one in Venice. The square in front of it is bordered by a lake and the Opernhaus Kiel (KIel Opera House). There are also a number of lakes and parks in the city centre, such as Schrevenpark. There are two botanical gardens, the Old Botanical Garden and the Botanischer Garten der Christian-Albrechts-Universität zu Kiel (or New Botanical Garden).

As Kiel is situated near the sea, the beaches to the north of Kiel, such as Strande, Kiel-Schilksee, Möltenort and Laboe, are also popular places to visit in spring and summer.

Kiel Week, also known in English as the Kiel Regatta, is the largest sailing event in the world and takes place every year in the last full week in June. Many thousands of boats and ships of all kinds and eras take part in the parade. Kiel Week is also a festival, Volksfest and fair as well as a maritime event. There are a number of yachting and sailing clubs in picturesque settings.

Kiel also features a number of museums, including zoological, geological, historical, fine art, industrial and military museums. Notable is the Stadt- und Schifffahrtsmuseum Warleberger Hof (City and Maritime Museum), which belongs to the association museen am meer. In addition to preserving architecture from the 16th century and historic rooms with painted stucco ceilings, it displays urban and cultural exhibits of the 19th and 20th centuries. [18] Particularly intriguing is the history of the carnival in Kiel. [18] The Schifffahrtsmuseum is in the former fish market building in the harbour.

Laboe is home to the Laboe Naval Memorial and the Second World War submarine U-995, which are both popular tourist sites.


German Geography

Germany is located in the Central Europe, bordering the Baltic Sea and the North Sea, between the Netherlands and Poland, south of Denmark. Roughly the size of Montana and situated even farther north, unified Germany has an area of 356,959 square kilometers. Extending 853 kilometers from its northern border with Denmark to the Alps in the south, it is the sixth largest country in Europe. At its widest, Germany measures approximately 650 kilometers from the Belgian-German border in the west to the Polish frontier in the east.

The territory of the former East Germany (divided into five new Länder in 1990) accounts for almost one-third of united Germany’s territory and one-fifth of its population. After a close vote, in 1993 the Bundestag, the lower house of Germany’s parliament, voted to transfer the capital from Bonn in the west to Berlin, a city-state in the east surrounded by the Land of Brandenburg.

Topography: With its irregular, elongated shape, Germany provides an excellent example of a recurring sequence of landforms found the world over. A plain dotted with lakes, moors, marshes, and heaths retreats from the sea and reaches inland, where it becomes a landscape of hills crisscrossed by streams, rivers, and valleys. These hills lead upward, gradually forming high plateaus and woodlands and eventually climaxing in spectacular mountain ranges.

As of the mid-1990s, about 37 percent of the country’s area was arable 17 percent consisted of meadows and pastures 30 percent was forests and woodlands and 16 percent was devoted to other uses. Geographers often divide Germany into four distinct topographic regions: the North German Lowland the Central German Uplands Southern Germany and the Alpine Foreland and the Alps.

Área:
total: 357,022 sq km
land: 348,672 sq km
water: 8,350 sq km

Land boundaries:
total: 3,714 km
border countries (9): Austria 801 km, Belgium 133 km, Czech Republic 704 km, Denmark 140 km, France 418 km, Luxembourg 128 km, Netherlands 575 km, Poland 467 km, Switzerland 348 km

Coastline:
2,389 km

Maritime claims:
territorial sea: 12 nm
exclusive economic zone: 200 nm
continental shelf: 200-m depth or to the depth of exploitation

Elevation extremes:
lowest point: Neuendorf bei Wilster -3.54 m
highest point: Zugspitze 2,963 m

Natural resources:
coal, lignite, natural gas, iron ore, copper, nickel, uranium, potash, salt, construction materials, timber, arable land

Land use:
agricultural land: 48%
arable land 34.1% permanent crops 0.6% permanent pasture 13.3%
forest: 31.8%
other: 20.2% (2011 est.)

Irrigated land:
5,157 sq km (2006)

Total renewable water resources:
154 cu km (2011)

Freshwater withdrawal (domestic/industrial/agricultural):
total: 32.3 cu km/yr (16%/84%/0%)
per capita: 391.4 cu m/yr (2007)

Clima: Cool, continental climate with abundant rainfall and long overcast season. Lower temperatures with considerable snowfall in east and south. Prone to rapid weather variations from merging of Gulf Stream and extreme northeastern climate conditions. More about climate in Germany…

Administrative Division: 16 states (Länder): Baden-Wuerttemberg, Bayern, Berlin, Brandenburg, Bremen, Hamburg, Hessen, Mecklenburg-Vorpommern, Niedersachsen, Nordrhein-Westfalen, Rheinland-Pfalz, Saarland, Sachsen, Sachsen-Anhalt, Schleswig-Holstein, Thuringia.


Germany Geography - History

Roughly the size of Montana and situated even farther north, unified Germany has an area of 356,959 square kilometers. Extending 853 kilometers from its northern border with Denmark to the Alps in the south, it is the sixth largest country in Europe. At its widest, Germany measures approximately 650 kilometers from the Belgian-German border in the west to the Polish frontier in the east.

The territory of the former East Germany (divided into five new L nder in 1990) accounts for almost one-third of united Germany's territory and one-fifth of its population. After a close vote, in 1993 the Bundestag, the lower house of Germany's parliament, voted to transfer the capital from Bonn in the west to Berlin, a city-state in the east surrounded by the Land of Brandenburg. The relocation process is expected to be concluded by about the year 2000, following the transfer of the Bundestag, the Bundesrat, the Chancellory, and ten of the eighteen federal ministries.

With its irregular, elongated shape, Germany provides an excellent example of a recurring sequence of landforms found the world over. A plain dotted with lakes, moors, marshes, and heaths retreats from the sea and reaches inland, where it becomes a landscape of hills crisscrossed by streams, rivers, and valleys. These hills lead upward, gradually forming high plateaus and woodlands and eventually climaxing in spectacular mountain ranges.

As of the mid-1990s, about 37 percent of the country's area was arable 17 percent consisted of meadows and pastures 30 percent was forests and woodlands and 16 percent was devoted to other uses. Geographers often divide Germany into four distinct topographic regions: the North German Lowland the Central German Uplands Southern Germany and the Alpine Foreland and the Alps.


Germany PowerPoint - Geography, History, Government, Economy, Culture, and More

This Germany PowerPoint has 41 slides and provides an overview of its history, geography, government, economy, and culture. A free worksheet that goes with it is available as a separate product here: Germany Worksheet.

Geography of Germany - 10 slides

History of Germany - 13 slides

Germany's government - 4 slides

Germany's economy - 4 slides

Germany's culture - 5 slides

A link to download a version formatted for Google Slides is also included.

This presentation can also be used with the free "Introduction to World Geography" presentation in my store. I try to keep each slide informative and concise.

If you like this, you may also like:

I’m continuing to add items to my store as time allows. If you like this, please check out my other products:


44 Fun and Interesting Facts About Germany:

  • Germany has a population of 81 million people.
  • One-third of Germany is still covered in forests and woodlands.
  • Germany is a member of the European Union.
  • 65% of the highways in Germany (Autobahn) have no speed limit.
  • University is free for everyone (even non-Germans).
  • There are over 2100 castles in Germany.
  • There are over 1,500 different beers in Germany.
  • Germany is the seventh-largest country in Europe. Covering an area of 137,847 square miles, of which 34,836 square miles is covered by land and 3,011 square miles contains water.
  • Berlin has the largest train station in Europe.
  • Berlin is 9 times bigger than Paris and has more bridges than Venice.
  • Germany is composed of sixteen states. The states have their own constitution and are largely autonomous in regard to their internal organization. At the municipal level, Germany is divided into 403 districts (Kreise), of which 301 are rural districts and 102 urban districts. Bavaria is the largest state.
  • Germany is one of the most densely populated countries in the world.
  • Germany shares borders with nine other countries. Denmark, Poland, the Czech Republic, Austria, Switzerland, France, Belgium, Luxembourg and the Netherlands.
  • Germany is the EU’s largest economy. With a gross domestic product (GDP) of 3.73 trillion USD, and lies fourth place in the world behind the US, China and Japan.
  • Germany is one of the world’s largest car producers. Selling 5.9 million cars in 2011. VW’s Golf is one of the best selling cars of all time: in 2012 it year it sold more than 430,000 Golfs around Europe (125,000 ahead of its nearest rival). In 2013, the top-selling car brands in Germany were Volkswagen, Mercedes. Audi and BMW.
  • The following cities have all at one time or another been capitals of Germany: Aachen, Regensburg, Frankfurt-am-Main, Nuremberg, Berlin, Weimar, Bonn (and East Berlin), and, since 1990, Berlin again.
  • The first printed book was in German.
  • Germany is one of the world’s leading book nations. Publishing around 94,000 titles every year.
  • The first magazine ever seen was launched in 1663 in Germany.
  • Germany was the first country in the world to adopt Daylight saving time – DST, also known as summer time. This occured in 1916, in the midst of WWI.
  • When JFK visited Berlin, he infamously said “Ich bin ein Berliner,” which also translates to “I am a jelly donut.”
  • German is the most widely taught third language across the world.
  • German remains the language with the most native speakers in Europe.
  • Germany, Switzerland, Austria, Luxembourg and Liechtenstein have German as the official language.
  • Donaudampfschifffahrtselektriz itätenhauptbetriebswerkbauunte rbeamtengesellschaft is the longest word to be published. It is 79 letters long.
  • There are thirty-five dialects of the German language.
  • There are over 300 different kinds of bread in Germany.
  • There are over 1,000 kinds of sausages in Germany.
  • Beer is considered a food in Bavaria officially.
  • Smoking is banned in public places but drinking alcohol is still legal.
  • After the Irish, the Germans are those consume the most beer, making Germany the second largest consumer of Beer.
  • The biggest Beer Festival in the world is of course the Oktoberfest in Munich, Bavaria, where the size of the beer glass is not 500ml but a whole liter!
  • To get ONE beer in Germany, you show your thumb. To show your first finger means that you want 2 beers: one with the thumb, and one with the finger.
  • There are more football (soccer for the North Americans) fan clubs in Germany than anywhere else in the world.
  • Germany has (once) lost a penalty shootout in a major football competition. It was in 1976 when the then West Germany lost a shootout 5-3 in in the European Championships against Czechoslovakia. On the four other occasions the Germans
    have been involved in one, they won.
  • The Christmas tree (Tannenbaum) tradition came from Germany.
  • Germany has over 400 zoos, the most in the world.
  • Chancellor Angela Merkel has a Barbie doll made after her.
  • Toilet paper in Germany has the softness and consistency of paper towels.
  • Most taxis in Germany are Mercedes.
  • Holocaust denial is either implicitly or explicitly a crime in 17 countries, including Germany and Austria.
  • The world’s narrowest street is in Reutlingen. It is called Spreuerhofstrasse and is 31 cm (one foot) wide at its narrowest point.
  • The Chancellor’s office in Berlin is known locally as as the “washing machine”.
  • Germany is a leader in climate and energy policies – it made a decision in 2011 to decommission all nuclear power stations (then producing around 18 percent of electricity consumed) by 2022 and to replace them with renewable energies and new storage for green electricity.
  • In Germany there’s no punishment for a prisoner who tries to escape from jail, because it is a basic human instinct to be free.

You might be interested to read also:

Last Updated on September 12th, 2018

Join 262,114 other students interested in studying in Germany

Get regular emails sent to your inbox with helpful articles about studying in Germany, latest news and many scholarship and study abroad opportunities and offers.


Assista o vídeo: 6. Tysklands enande (Outubro 2021).