Notícia

Artefato fora do lugar: O ovo de pedra misterioso do lago Winnipesaukee

Artefato fora do lugar: O ovo de pedra misterioso do lago Winnipesaukee

Em 1872, trabalhadores da construção civil cavando um buraco para uma cerca perto das margens do Lago Winnipesaukee, na Nova Inglaterra, encontraram um pedaço de argila com um artefato em forma de ovo dentro, a quase dois metros do solo. Chamada de ‘Pedra Misteriosa’, é uma das relíquias mais curiosas e menos conhecidas de New Hampshire. Arqueólogos amadores e profissionais especularam sobre a origem deste estranho artefato por mais de cem anos sem nenhuma resposta clara emergindo.

O tipo de rocha não é familiar em New Hampshire e não há outros objetos conhecidos com marcações ou desenhos semelhantes nos Estados Unidos. Pode muito bem ter sido o trabalho de alguém que vive em um lugar e tempo distantes, já que nada como seu fino acabamento foi produzido pelas tribos nativas americanas que vivem localmente na área.

Vista panorâmica do Lago Winnipesaukee, New Hampshire. (Melikamp / CC BY SA 3.0 )

Símbolos estranhos na Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee

O ovo da pedra misteriosa tem aproximadamente 4 polegadas (10,2 cm) de comprimento, 2 1/2 polegadas (6,4 cm) de espessura, pesa 18 onças (510,3 gramas) e tem um tom escuro. Duro como granito, tem o tamanho e a forma de um ovo de ganso. A pedra é um tipo de quartzito, derivado do arenito, ou milonita, uma rocha de granulação fina formada pela transferência de camadas de rocha ao longo de falhas. Existem furos em ambas as extremidades da pedra e ela foi perfurada de ponta a ponta com ferramentas de diferentes tamanhos e polida ao longo de sua superfície.

  • Um dos sítios pré-históricos mais importantes dos Estados Unidos encontrado em Miami
  • The Kensington Runestone e outros artefatos fora do lugar na América
  • A linguagem viva de três mil anos perde o último orador monolíngue
  • Nanoestruturas antigas encontradas nos montes Urais estão fora do lugar e do tempo

Além de sua construção e design estranhos, a pedra é marcada com esculturas bizarras que variam de símbolos astronômicos a um rosto humano ao longo de suas laterais lisas. De um lado, há o que parecem ser setas invertidas, uma lua com alguns pontos e uma espiral. O outro lado tem uma espiga de milho com 17 grãos na linha.

Embaixo, há um círculo com três figuras; um dos quais se parece com uma perna de veado, junto com algum tipo de animal com orelhas grandes. O “terceiro” lado mostra uma tenda com quatro pólos, uma oval e um rosto humano. O rosto é afundado com um nariz que não sobe acima da superfície do ovo e lábios que parecem dar à imagem algum tipo de expressão proposital.

Detalhes de esculturas em dois dos lados da Pedra Misteriosa. ( Noahsage)

História do Ovo de Pedra do Lago Winnipesaukee

Foi Sêneca A. Ladd, um empresário local, que contratou os trabalhadores para cavar o poste da cerca que é creditado com a descoberta deste artefato intrigante. Quando foi revelado ao mundo pela primeira vez, o Naturalista americano jornal descreveu-o como "uma notável relíquia indiana".

Documentos e artigos de jornais mostram que em 1872 Seneca Ladd tinha o “ovo” em sua posse e em 1885, era notável o suficiente para ser relatado no livro de história do condado. Ladd morreu em 1892 e, em 1927, uma de suas filhas, Frances Ladd Coe, de Centre Harbor, doou a pedra para a New Hampshire Historical Society, na capital do estado de Concord.

Lá, ele foi separado dos artefatos culturais da era dos nativos americanos de 1800 e de itens de interesse moderno.

Seneca A. Ladd. ( Cowhampshire)

Teorias controversas sobre a origem do estranho ovo de pedra

Quanto ao seu propósito, tem havido tentativas feitas por historiadores ao longo dos anos para encontrar uma explicação para a pedra sem uma resposta clara até o momento. As interpretações iniciais começaram com a resposta mais simples.

Em novembro de 1872, o Naturalista americano sugeriu que a pedra "comemora um tratado entre duas tribos". No entanto, essa ideia não se sustentou por muito tempo e mais tarde foi levantada a hipótese de que a pedra era algum tipo de ferramenta antiga.

Também houve sugestões de que o ovo poderia ser celta ou inuit na origem e em 1931 uma carta foi escrita para a Sociedade Histórica de New Hampshire sugerindo que era uma "pedra do trovão". Também conhecido como "raios" ou "machados do trovão", uma pedra do trovão é um objeto de pedra trabalhada, muitas vezes em forma de cunha como a lâmina de um machado, que supostamente caiu do céu.

Histórias de pedras do trovão são encontradas em culturas de todo o mundo e frequentemente associadas a um deus do trovão. O escritor prosseguiu dizendo que tais objetos “sempre apresentam a aparência de terem sido feitos à máquina ou à mão: freqüentemente eles vêm das profundezas da terra, incrustados em pedaços de argila, ou mesmo cercados por rocha sólida ou coral”.

A Pedra Misteriosa é uma "Pedra de Nascimento" do nativo americano?

O historiador indígena Joe Graveline sugeriu um propósito interessante para a Pedra Misteriosa - ele disse ao Greenfield Recorder em 2018 que ele acredita que era uma pedra de nascimento indígena americana. De acordo com o Greenfield Recorder, uma pedra de nascimento é “uma pedra que foi aquecida e colocada internamente dentro da mulher grávida por parteiras para relaxar os músculos durante partos difíceis”.

Graveline diz que esta pedra em particular teria sido muito especial e usada por uma parteira nativa americana para ajudar uma mãe a "libertar uma pessoa que se tornou um venerado líder espiritual ou governamental de ambos os sexos". Ele também acredita que foi uma oferta de túmulo e se os operários da construção tivessem cavado um pouco mais fundo, teriam encontrado ossos.

Os furos perfeitamente perfurados

Um detalhe particularmente interessante sobre a construção da Pedra Misteriosa que vale a pena notar são os dois orifícios feitos em ambas as extremidades da pedra com pedaços de tamanhos diferentes. Cada furo é reto, não cônico. Arranhões no furo inferior sugerem que ele foi colocado em um eixo de metal e removido várias vezes, de acordo com uma análise feita por funcionários do estado de New Hampshire em 1994. Richard Boisvert, um arqueólogo estadual, acredita que esses buracos são altamente regulares:

“Eu vi uma série de buracos feitos em pedra com tecnologia que você associaria com a América do Norte pré-histórica. Há uma certa quantidade de irregularidades e este buraco era extremamente regular por toda parte. O que não vimos foram variações que seriam consistentes com algo que tinha várias centenas de anos. ”

Boisvert, que lamenta profundamente a falta de detalhes sobre o contexto em que a pedra foi encontrada, sugeriu que os furos foram feitos com ferramentas elétricas em vez de técnicas tradicionais usadas pelos nativos americanos. Ele acrescentou que havia todas as chances de os furos terem sido feitos durante o século 19, o que significaria adulteração do objeto. Isso levou alguns a acreditar que o mistério da pedra do Winnipesaukee é simplesmente algum tipo de fraude elaborada.

  • A ascensão e queda de Moundville: a cultura do Mississippian na América Antiga
  • Mistério atemporal: como um relógio anelar suíço acabou em uma tumba selada da dinastia Ming?
  • Antiga rede de comércio de Puebloan muito mais extensa do que se acreditava anteriormente
  • Tubulações de 150.000 anos confundem os cientistas na China: fora do lugar no tempo?

O rosto na Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee, New Hampshire, EUA. ( Noahsage)

A única coisa que parece certa, ou sobre a qual há consenso, é que foi criado por meio de algum tipo de máquina. No entanto, permanece o fato de que ninguém sabe quem fez o objeto, quando ou por quê.

Ao mesmo tempo, a Pedra Misteriosa atraiu a maravilha do mundo científico, com o Smithsonian Institution em Washington D.C. oferecendo-se para enviar um mapa para Seneca A. Ladd para fazer uma moldagem do ovo.

Hoje, a Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee está em exibição em uma caixa no Museu de História de New Hampshire, cercada por espelhos para mostrar suas características únicas e enigmáticas.


Artefato fora do lugar: O Ovo de Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee - História

A Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee, New Hampshire, é um artefato em forma de ovo encontrado em 1872. As origens e o propósito do artefato ainda são desconhecidos - não há outros objetos conhecidos com marcações ou desenhos semelhantes. A pedra está atualmente em exibição no Museu de História de New Hampshire.

A pedra foi descoberta em 1872, quando os trabalhadores da construção encontraram um pedaço de argila enquanto cavavam um buraco. Notando sua forma estranha, Sêneca A. Ladd a manteve e mais tarde descobriu uma pedra em forma de ovo envolta em argila. Mais tarde naquele ano, o naturalista americano saudou a peça como uma notável relíquia indiana. "Após sua morte, a filha do Sr. Ladd doou o ovo de pedra misteriosa para a Sociedade Histórica de New Hampshire em 1927.

A pedra é um tipo de quartzito, derivado de arenito, ou milonita, uma rocha laminada de granulação fina formada pelo deslocamento de camadas de rocha ao longo de falhas. O tipo de rocha não é familiar em New Hampshire, mas o estado não pode ser descartado como a fonte. Também houve sugestões de que o ovo é celta ou inuit na origem.

O ovo da pedra misteriosa tem 10 centímetros de comprimento e 7 centímetros de espessura. Os símbolos incluem o que parecem flechas invertidas, uma lua, alguns pontos, uma espiral, uma espiga de milho, um círculo deprimido com três figuras com uma parecendo uma perna de veado, um rosto, uma tenda e círculos parecidos com estrelas. Existem furos em ambas as extremidades da pedra, com brocas de tamanhos diferentes. Cada furo é reto, não cônico. Arranhões no furo inferior sugerem que ele foi colocado em uma haste de metal e removido várias vezes, de acordo com uma análise feita em 1994 por funcionários do estado da Nova Inglaterra.

O significado (e possível propósito) dos desenhos não são conhecidos, embora muitas teorias tenham sido oferecidas. O naturalista americano sugeriu que a relíquia "comemora um tratado entre duas tribos". Uma carta de 1931 enviada à sociedade histórica afirmava que era uma "pedra do trovão".

Uma pedra do trovão é um objeto de pedra aparentemente trabalhado - geralmente em forma de cunha, como a lâmina de um machado que supostamente caiu do céu. Contos de pedras do trovão são encontrados em muitas culturas ao redor do mundo, da Grécia à China, e são frequentemente associados a um deus do trovão. Eles também são conhecidos como trovões, pedras da tempestade, flechas do céu, raios, pedras de relâmpago, machados do céu e dentes do trovão . No Brasil, uma pedra do trovão é conhecida como raio ("relâmpago").

Em 1872, conta a história, trabalhadores cavando um buraco para uma cerca perto do lago Winnipesaukee na parte central deste estado da Nova Inglaterra encontraram um pedaço de argila que parecia fora do lugar.

Havia algo dentro - uma pedra escura, de aparência estranha, em forma de ovo com uma variedade de entalhes, incluindo um rosto, uma tenda, uma espiga de milho e círculos parecidos com estrelas. Houve muitas perguntas: quem fez a pedra e por quê? Que idade tinha? Como foi esculpido?

Até o momento, ninguém foi capaz de dizer com certeza, e o item ficou conhecido como a "Pedra Misteriosa". Sêneca Ladd, um empresário local que contratou os trabalhadores, foi creditado com a descoberta. "Como o Sr. Ladd é um naturalista e já tem uma extensa coleção particular de relíquias e espécimes, ele ficou encantado com a nova descoberta e exibiu e explicou a relíquia realmente notável com um entusiasmo que só o aluno genuíno pode sentir", um artigo no The American Naturalist disse naquele novembro.

Ladd morreu em 1892 e, em 1927, uma de suas filhas doou a pedra para a Sociedade Histórica de New Hampshire. A pedra, cercada por espelhos exibindo seus símbolos, está em exibição no Museum of New Hampshire History, onde foi exibida pela última vez em 1996.

Todos os símbolos na pedra misteriosa de 4 polegadas de comprimento e 2 1/2 polegadas de espessura estão abertos à interpretação. De um lado, tem o que parecem ser setas invertidas, uma lua, alguns pontos e uma espiral. O outro lado mostra a espiga de milho e um círculo deprimido com três figuras, uma das quais se parece com uma perna de veado.

O naturalista americano sugeriu que a pedra "comemora um tratado entre duas tribos". Outros acham que a pedra é celta ou inuit. Uma carta à sociedade histórica em 1931 sugeria que se tratava de uma "pedra do trovão", que, disse o escritor, "sempre apresenta a aparência de ter sido usinada ou trabalhada à mão: frequentemente vêm do fundo da terra, incrustados em pedaços de barro , ou mesmo cercado por rocha sólida ou coral. "

Outro detalhe curioso é que existem furos nas duas pontas da pedra, com pontas de tamanhos diferentes. Cada furo é reto, não cônico. Arranhões no furo inferior sugerem que ele foi colocado em uma haste de metal e removido várias vezes, de acordo com uma análise feita por funcionários do estado em 1994.

"Eu vi uma série de buracos feitos em pedra com tecnologia que você associaria à pré-história da América do Norte", disse Richard Boisvert, arqueólogo estadual. "Há um certo desnível. E este buraco era extremamente regular do começo ao fim." Boisvert sugeriu que os furos foram feitos por ferramentas elétricas, talvez dos séculos 19 ou 20. "O que não vimos foram variações que seriam consistentes com algo que já existia há várias centenas de anos", disse ele.

A análise, que incluiu comentários do geólogo Eugene Boudette, concluiu que a pedra é um tipo de quartzito, derivado do arenito, ou milonita, uma rocha laminada de granulação fina formada pelo deslocamento de camadas de rocha ao longo das falhas. O tipo de rocha não era familiar em New Hampshire, mas o estado não poderia ser descartado como fonte, disse Boudette. Boisvert disse a seu conhecimento, a pedra é única. "Isso torna muito difícil descobrir onde se encaixa", disse ele. Um problema é que a história da descoberta da pedra é confusa, disse ele. “Não dava para saber exatamente de que tipo de contexto veio. Há muita ambigüidade aí. É muito difícil avaliá-lo”, disse ele. "O contexto da descoberta às vezes é mais importante do que o item em si." Por exemplo, Boisvert disse, se o item fosse algo usado por uma ordem fraterna que tem seus próprios segredos e mistérios ", isso significa que a informação não sai muito bem, certo? A informação pode ter estado disponível em um ponto , mas realmente não está mais disponível para nós. Quem sabe? "

Wesley Balla, o diretor de coleções e exposições da sociedade, disse que um caminho a ser explorado pode ser a busca por símbolos semelhantes. E, "também há sempre a esperança de que haja algo mais no jornal ou no manuscrito que possa discutir o conteúdo", disse ele. Balla disse que a descoberta parece refletir sobre a forma como os artefatos eram tratados no século XIX. O foco estava mais no objeto em si, não em detalhes como a profundidade do solo onde foi encontrado, se algo foi encontrado perto dele ou a que distância estava do lago. "Tudo isso está perdido", disse ele.


Em 1872, trabalhadores da construção civil cavando um buraco para uma cerca perto das margens do Lago Winnipesaukee, na Nova Inglaterra, encontraram um pedaço de argila com um artefato em forma de ovo dentro, a quase dois metros do solo. Chamada de & # 8216Mystery Stone & # 8217, é uma das relíquias mais curiosas e menos conhecidas de New Hampshire. Arqueólogos amadores e profissionais especularam sobre a origem deste estranho artefato por mais de cem anos sem nenhuma resposta clara emergindo.

O tipo de rocha não é familiar em New Hampshire e não há outros objetos conhecidos com marcas ou desenhos semelhantes nos Estados Unidos. Pode muito bem ter sido o trabalho de alguém que vive em um lugar e tempo distantes, já que nada como seu fino acabamento foi produzido pelas tribos nativas americanas que vivem localmente na área.

Vista panorâmica do Lago Winnipesaukee, New Hampshire. (Melikamp / CC BY SA 3.0)
Símbolos estranhos na Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee
O ovo da pedra misteriosa tem aproximadamente 4 polegadas (10,2 cm) de comprimento, 2 1/2 polegadas (6,4 cm) de espessura, pesa 18 onças (510,3 gramas) e tem um tom escuro. Duro como granito, tem o tamanho e a forma de um ovo de ganso. A pedra é um tipo de quartzito, derivado do arenito, ou milonita, uma rocha de granulação fina formada pela transferência de camadas de rocha ao longo de falhas. Há furos em ambas as extremidades da pedra e ela foi perfurada de ponta a ponta com ferramentas de diferentes tamanhos e polida ao longo de sua superfície.
Além de sua construção e design estranhos, a pedra é marcada com esculturas bizarras que variam de símbolos astronômicos a um rosto humano ao longo de seus lados lisos. De um lado, há o que parecem ser setas invertidas, uma lua com alguns pontos e uma espiral. O outro lado tem uma espiga de milho com 17 grãos na linha.
Por baixo, existe um círculo com três figuras, uma das quais se parece com uma perna de veado, juntamente com uma espécie de animal com orelhas grandes. O & # 8220terceiro & # 8221 lado mostra uma tenda com quatro mastros, uma oval e um rosto humano. O rosto é afundado com um nariz que não sobe acima da superfície do ovo e lábios que parecem dar à imagem algum tipo de expressão proposital.

Detalhes de esculturas em dois dos lados da Pedra Misteriosa. ( Noahsage)
História do Ovo de Pedra do Lago Winnipesaukee
Foi Sêneca A. Ladd, um empresário local, que contratou os trabalhadores para cavar o poste da cerca que é creditado com a descoberta deste artefato intrigante. Quando foi revelado ao mundo pela primeira vez, o Naturalista americano o jornal o descreveu como & # 8220 uma notável relíquia indiana. & # 8221
Documentos e artigos de jornais mostram que em 1872 Seneca Ladd tinha o & # 8220egg & # 8221 em sua posse e em 1885, era notável o suficiente para ser relatado no livro de história do condado. Ladd morreu em 1892 e, em 1927, uma de suas filhas, Frances Ladd Coe, de Centre Harbor, doou a pedra para a New Hampshire Historical Society, na capital do estado de Concord.
Lá, ele foi separado dos artefatos culturais da era nativa americana de 1800 e 8217 e de itens de interesse moderno.

Seneca A. Ladd. ( Cowhampshire)
Teorias controversas sobre a origem do estranho ovo de pedra
Quanto ao seu propósito, tem havido tentativas feitas por historiadores ao longo dos anos para encontrar uma explicação para a pedra sem uma resposta clara até o momento. As interpretações iniciais começaram com a resposta mais simples.
Em novembro de 1872, o Naturalista americano sugeriu que a pedra "comemora um tratado entre duas tribos. & # 8221. No entanto, essa ideia não se sustentou por muito tempo e mais tarde foi levantada a hipótese de que a pedra era algum tipo de ferramenta antiga.
Também houve sugestões de que o ovo poderia ser celta ou inuit na origem e em 1931 uma carta foi escrita para a Sociedade Histórica de New Hampshire sugerindo que era uma & # 8220 pedra do trovão. & # 8221 Também conhecida como "raios" ou "trovão machados ", uma pedra do trovão é um objeto de pedra trabalhada, geralmente em forma de cunha como a lâmina de um machado, que se afirma ter caído do céu.
Histórias de pedras do trovão são encontradas em culturas de todo o mundo e frequentemente associadas a um deus do trovão. O escritor prosseguiu dizendo que tais objetos & # 8220 sempre apresentam a aparência de terem sido feitos à máquina ou à mão: freqüentemente eles vêm das profundezas da terra, incrustados em pedaços de argila ou mesmo cercados por rocha sólida ou coral. & # 8221
A Pedra Misteriosa é uma Pedra Nativa Americana & # 8220Birth? & # 8221
O historiador indígena Joe Graveline sugeriu um propósito interessante para a Pedra Misteriosa & # 8211, ele disse ao Greenfield Recorder em 2018 que acredita que era uma pedra de nascimento indígena americana. De acordo com o Greenfield Recorder, uma pedra de nascimento é & # 8220 uma pedra que foi aquecida e colocada internamente dentro da mulher grávida por parteiras para relaxar os músculos durante partos difíceis. & # 8221
Graveline diz que esta pedra em particular teria sido muito especial e usada por uma parteira nativa americana para ajudar uma mãe & # 8220a entregar uma pessoa que se tornou um venerado líder espiritual ou governamental de ambos os sexos. & # 8221 Ele também acredita que foi uma oferta para o túmulo e se os trabalhadores da construção tivessem cavado um pouco mais fundo, teriam encontrado ossos.


https://youtu.be/emg4F-Wio38

Os furos perfeitamente perfurados
Um detalhe particularmente interessante sobre a construção da Pedra Misteriosa e do # 8217s dignos de nota são os dois orifícios feitos em ambas as extremidades da pedra com pontas de tamanhos diferentes. Cada furo é reto, não cônico. Arranhões no furo inferior sugerem que ele foi colocado em uma haste de metal e removido várias vezes, de acordo com uma análise feita por funcionários do estado de New Hampshire em 1994. Richard Boisvert, um arqueólogo estadual, acredita que esses buracos são altamente regulares:
& # 8220Eu vi vários buracos feitos em pedra com tecnologia que você associaria à América do Norte pré-histórica. Havia uma certa irregularidade e este buraco era extremamente regular em toda a extensão. O que não vimos foram variações que seriam consistentes com algo que tinha várias centenas de anos. & # 8221
Boisvert, que lamenta profundamente a falta de detalhes sobre o contexto em que a pedra foi encontrada, sugeriu que os furos foram feitos com ferramentas elétricas em vez de técnicas tradicionais usadas pelos nativos americanos. Ele acrescentou que havia todas as chances de os furos terem sido feitos durante o século 19, o que significaria adulteração do objeto. Isso levou alguns a acreditar que o mistério da pedra Winnipesaukee & # 8217s é simplesmente algum tipo de fraude elaborada.

O rosto na Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee, New Hampshire, EUA. ( Noahsage)
A única coisa que parece certa, ou sobre a qual há consenso, é que foi criado em algum tipo de máquina. No entanto, permanece o fato de que ninguém sabe quem fez o objeto, quando ou por quê.
Ao mesmo tempo, a Pedra Misteriosa atraiu a maravilha do mundo científico, com a Smithsonian Institution em Washington D.C. oferecendo-se para enviar um mapa a Sêneca A. Ladd para fazer uma moldagem do ovo.
Hoje, a Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee está em exibição em uma caixa no Museu de História de New Hampshire, cercada por espelhos para mostrar suas características únicas e enigmáticas.
Imagem superior: As três faces da Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee, New Hampshire, EUA. Fonte: Disclose.tv


O Misterioso Artefato Fora do Lugar - O Ovo de Pedra do Lago Winnipesaukee

A Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee certamente faz jus ao seu nome. Esta maravilha em forma de ovo tem confundido os especialistas desde a sua descoberta lamacenta no final do século XIX. Ainda hoje ninguém sabe bem o que é. Mas eles certamente têm algumas ideias!

Medindo 4 polegadas de altura e com uma largura de 2,5 polegadas, é suave, pequeno e perfeitamente formado. O que só aumenta a especulação sobre de onde veio.

Formado a partir de quartzito de cor escura & # 8211 arenito de quartzo que foi submetido a calor e pressão extremos & # 8211, não parece ser local. Os entalhes claros e quase aleatórios em sua superfície contêm pistas sobre a origem e os fabricantes do ovo.

Portanto, antes que os primórdios desse objeto notável sejam explorados, onde exatamente ele foi encontrado? O ano era 1872, e o empresário Seneca A. Ladd empregou uma equipe de trabalho na cidade de Meredith, New Hampshire. Trabalhando por Winnipesaukee, os homens estavam se preparando para colocar uma cerca quando toparam com um pedaço de argila.

Dentro estava a Pedra Misteriosa, lindamente decorada apesar da sujeira e comparável em tamanho a um ovo de ganso.

As esculturas em seus diferentes lados representam símbolos reconhecíveis, como a lua e as flechas. Ancient Origins descreve como o "‘ terceiro ’lado mostra uma tenda com quatro pólos, um oval e um rosto humano

. O rosto é afundado com um nariz que não sobe acima da superfície do ovo e lábios que parecem dar à imagem algum tipo de expressão proposital. ”

Uma tenda, junto com espigas de milho e flechas cruzadas, sugere uma influência do nativo americano. Alguns acreditam que essa combinação simboliza um tratado de paz.

Esta teoria também se refere aos orifícios que foram feitos na pedra, “perfurados nas duas extremidades” de acordo com atlasobscura.com e “perfurados de ponta a ponta com ferramentas de diferentes tamanhos”.

O New England Today observa que os buracos podem "deixá-lo descansar em uma estaca no solo para marcar uma linha entre os territórios". Outras idéias incluem uma ferramenta ou arma de algum tipo, ou um registro tribal permanente.

Ovo Winnipesaukee. Crédito: B. Freeborn,

Seneca A. Ladd calculou que a pedra era um nativo americano. No entanto, o nível de acabamento desses buracos é um pouco complicado.

New England Today escreve que eles “variam em tamanho e não são cônicos. Eles são muito lisos, sugerindo que alguém com ferramentas modernas os perfurou ”.

“O que se pode dizer com certeza é que um artesão desconhecido, provavelmente em meados de 1800, esculpiu este estranho objeto em forma de ovo”, diz Atlas Obscura “e que tem sido uma fonte de fascínio desde então”. Há um pequeno problema com essa afirmação ... pode ser do passado na história celta!

É possível que o objeto estranho seja uma “pedra do trovão”? O jornal The Guardian menciona uma carta enviada à New Hampshire Historical Society em 1931.

Ovo Winnipesaukee. Página da Sociedade Histórica de Moultonborough no Facebook

Propôs a noção de que a pedra “poderia ser de origem céltica ou inuit”. A carta sugeria que Winnipesaukee hospedava uma pedra do trovão ... "Também conhecida como 'raios' ou 'machados do trovão', uma pedra do trovão é um objeto de pedra trabalhado, muitas vezes em forma de cunha como uma lâmina de machado, que supostamente caiu do céu . ”

Aparentemente, eles se erguem da terra, o que explicaria o bolo de barro que funcionava como um invólucro natural! Eles eram chamados de raios, pois as pessoas pensavam que eles haviam pousado de cima. “Centenas de anos atrás, 'pedras' de formato estranho freqüentemente apareciam nos campos”, escreve New England Today. “Os fazendeiros e camponeses pensaram que raios caíram do céu e foram enterrados na terra.” A Pedra Misteriosa não está sozinha, mas é definitivamente única na América até agora.

Existe outra possibilidade, que todo o negócio tenha sido uma farsa. Eventualmente, a família Ladd doou-o para a Sociedade Histórica de New Hampshire em Concord, onde pode ser estudado pelo público.

Deve ser um raro exemplo de ser capaz de olhar um ovo na cara! Alguém vai decifrar suas marcas e descobrir o mistério por trás de uma das verdadeiras esquisitices do mundo antigo ...?

do The Vintage News / 2020/09/21 / winnipesaukee /
via Old Original Signs


OOPArts and Archaeology

Arqueologia Misteriosa ou Pseudoarqueologia gira em torno destes & quotfora do tempo& quot objetos e embora a comunidade científica nunca tenha reconhecido sua validade, ao longo dos anos, eles têm sido usados ​​para apoiar muitas teorias na ciência periférica, desde ufologia para criacionismo tal como criptozoologia, a teoria do antigo astronauta, a criacionismo da terra jovem e paranormal.

Segundo os defensores da OOPArts, algumas dessas descobertas minariam teorias científicas e crenças históricas consolidadas e demonstrariam que a ciência tradicional está negligenciando, intencionalmente ou por mera ignorância, vastas áreas do conhecimento.
Por outro lado, os detratores consideram a maioria das OOPArts como farsas, enquanto o resto seria apenas o resultado de uma interpretação errônea ou de um desejo inconsciente de escritores e pesquisadores "não convencionais" de encontrar evidências que desmantelem a visão tradicional da história humana.


Artefato fora do lugar: O Ovo de Pedra Misteriosa do Lago Winnipesaukee - História

Em 1872, trabalhadores da construção civil cavando um buraco para uma cerca perto das margens do Lago Winnipesaukee, na Nova Inglaterra, encontraram um pedaço de argila, com um artefato em forma de ovo dentro dele, a quase dois metros do solo. Chamada de ‘Pedra Misteriosa’, é uma das relíquias mais curiosas e menos conhecidas de New Hampshire & # 8217. Arqueólogos amadores e profissionais especularam sobre a origem deste estranho artefato por mais de cem anos sem respostas claras emergindo.

O tipo de rocha não é familiar em New Hampshire e não há outros objetos conhecidos com marcas ou desenhos semelhantes nos Estados Unidos. Pode muito ter sido o trabalho de alguém que vive em um lugar e tempo distantes, já que nada como seu fino acabamento foi produzido pelas tribos nativas americanas que vivem localmente na área.

Descrição da Pedra Misteriosa

O ovo da pedra misteriosa tem aproximadamente 4 polegadas (10,2 cm) de comprimento, 2 1/2 polegadas (6,4 cm) de espessura, pesa dezoito onças (510,3 gramas) e tem um tom escuro. Duro como granito, tem o tamanho e a forma de um ovo de ganso. A pedra é um tipo de quartzito, derivado de arenito, ou Mistérios inexplicáveis. Robert Jean Redfern Verifique os preços na Amazon. milonita, uma rocha de granulação fina formada pela transferência de camadas de rocha ao longo de falhas. Há furos em ambas as extremidades da pedra e ela foi perfurada de ponta a ponta com ferramentas de diferentes tamanhos e polida ao longo de sua superfície.

Além de sua construção e design estranhos, a pedra é marcada com esculturas bizarras que variam de símbolos astronômicos a um rosto humano ao longo de suas laterais lisas com formato de ovo. De um lado, estão o que parecem ser setas invertidas, uma lua com alguns pontos e uma espiral. O outro lado tem uma espiga de milho com dezessete grãos na fileira. Embaixo, há um círculo com três figuras, uma das quais se parece com a perna de um cervo, junto com algum tipo de animal com orelhas grandes. O “terceiro” lado mostra uma tenda com quatro mastros, uma oval e um rosto humano. O rosto é afundado com um nariz que não se eleva acima da superfície do ovo com lábios que parecem dar à imagem algum tipo de expressão proposital.

Detalhes de esculturas em dois dos lados da pedra (Noahsage)

Guia oficial do Arti. Malloy, Alex G. Melhor preço: $ 4,98 Comprar novo $ 13,98 (a partir de 02:40 EST - Detalhes)

Antigos alienígenas: The Co. Melhor preço: $ 33,88 Comprar novo $ 24,33 (a partir de 03:35 EST - Detalhes)

Arthur C. Clarke Collec. Melhor preço: $ 23,89 Comprar novo $ 16,99 (a partir das 04:20 EST - Detalhes)


Conteúdo

A pedra foi supostamente encontrada em 1872 em Meredith, New Hampshire, por trabalhadores que cavavam um buraco para colocar uma cerca. Sêneca Ladd, um empresário de Meredith que contratou os trabalhadores, recebeu crédito pela descoberta. & # 911 & # 93 Em 1892, após a morte de Ladd, a pedra foi passada para Frances Ladd Coe de Centre Harbor, uma de suas filhas. Em 1927, ela doou a pedra para a Sociedade Histórica de New Hampshire. & # 911 e # 93

A pedra está atualmente em exibição no Museu de História de New Hampshire. & # 911 & # 93 & # 913 & # 93


Artefatos fora do lugar são itens, objetos ou curiosidades que estão fora do lugar ou fora do tempo. Eles parecem ocorrer ou são descobertos em momentos e lugares aleatórios, sem rima ou razão aparente, e essas anomalias levam a conclusões quase impossíveis sobre suas origens. Historiadores e cientistas descartam amplamente esses itens porque eles logicamente não se enquadram na faixa de possibilidade e, portanto, devem ser contabilizados por meios ainda não conhecidos pela ciência. Eles são amplamente descartados como farsas, embora alguns tenham provado ser itens reais que simplesmente desafiam a explicação e levam a conclusões muito interessantes. A Bateria de Bagdá é um desses itens. Wilhelm Konig, um pintor profissional que trabalhou no Museu Nacional do Iraque, viu três elementos distintos juntos no museu que não pareciam relacionados a ninguém além dele. Quando voltou para sua Alemanha natal na década de 1940, ele escreveu uma análise dos três itens e determinou que muito antes que qualquer pessoa na Terra soubesse sobre eletricidade, alguém no antigo Iraque havia criado uma bateria. As três peças eram um pote de terracota, um cilindro de cobre laminado e uma barra de ferro. His idea that these items were not used to store scrolls, as was previously thought, but to produce an electric current, possibly with lemon or grape juice, wine or vinegar as the electrolyte. This wild theory was eventually tested over and over again, even taking center stage on an episode of Mythbusters, where a series of such batteries produced four volts, enough to electroplate an item. Historians and scientists had to take another look at the Baghdad Battery and at least admit that it was possible that someone in the near east at least partially understood the dynamics of electricity over two hundred years before the Common Era.

New England is not without its out-of-place artifacts, from the Maine Penny to the mysterious Stone Egg of Lake Winnipesaukee. However, it is the Dorchester Pot whose provenance and history make it clear that anyone who wanted could easily make outrageous claims that the media would pounce upon and use to sell more copy. We have to travel back to pre-Civil War America, to 1852, to be exact. Just south of South Boston, the City of Dorchester is old and is considered part of the old great city itself. However, there is no way that it is as old as the Dorchester Pot seems to purport. The claim is simple. Explosives were used to remove and break up a mass of rock on Meeting House Hill. Cleaning up the loose ‘puddingstone’, part of the Roxbury Conglomerate, workers discovered the two pieces of the pot. Except it wasn’t technically a pot. Perhaps it was a candlestick. Perhaps it was something else entirely. Bell-shaped and made of metal, is was described as being about 4.5 inches high, 6.5 inches in diameter at the base and 2.5 inches in diameter at the top. Elaborately decorated with swirls and filigree, it represented metalwork of a very high degree of sophistication. However, for it be where it was, fifteen feet below the surface of the ground embedded within conglomerate rock, it would need to be at least 593 million years old. The Roxbury Conglomerate formed as an accumulation at the bottom of a rift basin, coupled with the pressure of metamorphism during the distantly remote Ediacaran Period. There weren’t too many blacksmiths working in the Dorchester area millions of years ago, but that didn’t stop the editors of Americano científico from claiming that it might have been created by Tubal Cain, the first blacksmith, as mentioned in the Bible. (Genesis 4:19-24). Perhaps the crafty editor couldn’t help himself. After all, one would have to wander far from logic to think that the ‘pot’ had actually been in the rock, instead of on it. Perhaps some time traveler dropped it as a joke, some out-of-place object that would throw a monkey wrench into our clearly defined timeline and our sense of logic. Fringe theorists existed in 1852 even as they exist and thrive today. Some believe that our understanding of the passage of time and the science of geology are wrong and that humans have been on earth for much longer than our modern theories claim.

The Dorchester Pot has some modern controversy attached to it in the form of the attention given it by the Falun Gong. This religion, so popular and widely adhered to that it causes the Chinese government to clamp down upon its practice, claims on its website, “Pure Insight” that the pot is 100,000 years old. Why such attention is given to a simple Victorian ornament gives rise to the fascination and importance such groups ascribe to out-of-place artifacts. If in fact the pot was actually embedded in the rock that was blasted from Meeting House Hill in 1852, it would mean that metalworkers existed in American over 600 million years ago, or perhaps only 100,000 years ago, if you are a believer in the views of the Falun Gong.

We aren’t sure where the pot is anymore. We don’t even know where the photo used in this article and all over the Internet and in print, actually comes from. Some websites claim that the metal has been analyzed by researchers at M.I.T., but that is a spurious, unsubstantiated claim. The pot is simply a part of history now, not even truly an out-of-place artifact. Lost or misplaced, without the actual evidence, we have nothing but a story in Scientific American and a photo of something that might be but cannot be proven to be the real Dorchester Pot.

“A Relic of a Bygone Age,” Scientific American, June 5, 1852.


Out-of-place artifact

Um out-of-place artifact (OOPArt) is an artifact of historical, archaeological, or paleontological interest found in an unusual context, which challenges conventional historical chronology by its presence in that context. Such artifacts may appear "too advanced" for the technology known to have existed at the time, or may suggest human presence at a time before humans are known to have existed. Other examples may suggest contact between different cultures that is hard to account for with conventional historical understanding.

The term is used in fringe science such as cryptozoology, as well as by proponents of ancient astronaut theories, young Earth creationists, and paranormal enthusiasts. [1] [2] It can describe a wide variety of objects, from anomalies studied by mainstream science to pseudoarchaeology to objects that have been shown to be hoaxes or to have mundane explanations.

Critics argue that most purported OOPArts which are not hoaxes are the result of mistaken interpretation and wishful thinking, such as a mistaken belief that a particular culture could not have created an artifact or technology due to a lack of knowledge or materials. In some cases, the uncertainty results from inaccurate descriptions. For example, the cuboid Wolfsegg Iron is not really a perfect cube, nor are the Klerksdorp spheres actual perfect spheres. The Iron pillar of Delhi was said to be "rust proof", but it has some rust near its base its relative resistance to corrosion is due to slag inclusions left over from the manufacturing conditions and environmental factors. [3]

Supporters regard OOPArts as evidence that mainstream science is overlooking huge areas of knowledge, either willfully or through ignorance. [2] Many writers or researchers who question conventional views of human history have used purported OOPArts in attempts to bolster their arguments. [2] Creation science often relies on allegedly anomalous finds in the archaeological record to challenge scientific chronologies and models of human evolution. [4] Claimed OOPArts have been used to support religious descriptions of prehistory, ancient astronaut theories, and the notion of vanished civilizations that possessed knowledge or technology more advanced than that known in modern times. [2]


Lake Winnipesaukee Mystery Stone

The mystery stone from Lake Winnipesaukee in New Hampshire is an alleged out-of-place artifact (OOPArt). The stone’s age, purpose, and origin are unknown.

In 1872 a couple of construction workers dug up a suspicious lump of clay near the shore of Lake Winnipesauke and discovered an artifact that today is known as “New England’s Mystery Stone”, sometimes also called “Lake Winnipesaukee mystery stone”. It has been impossible to verify the age of the stone and determine how it was carved. To make it even more interesting, the unknown creator decided to add a number of inscriptions and strange symbols, which are still open for interpretation.

The stone is about 4 inches (100 mm) long and 2.5 inches (64 mm) thick, dark and egg-shaped, bearing a variety of carved symbols. Carvings on one side of the stone show an ear of corn and several other figures. The other side is more abstract, featuring inverted arrows, a moon shape, some dots, and a spiral. A hole goes through the stone from top to bottom, seemingly bored from both ends with different size bits (1⁄8 inch (3.2 mm) at the top and 3⁄8 inch (9.5 mm) at the bottom).

Seneca Ladd, a Meredith businessman who hired the workers, was given credit for the discovery. In 1892, upon Ladd’s death, the stone passed to Frances Ladd Coe of Center Harbor, one of his daughters. In 1927, she donated the stone to the New Hampshire Historical Society. The stone is currently on exhibit at the Museum of New Hampshire History.

Besides its strange exterior and construction, the stone was also marked with bizarre symbols ranging deep into the abstract and evoking astronomical symbols along with a plain geometric egg-shaped face. A recent analysis suggested that it was a hoax and the hole through the stone was too precise to have been crafted by ancient peoples. Unfortunately, that position simply gave way to explanations including extraterrestrials and further muddled the debate.

A contemporary source suggested that the stone “commemorates a treaty between two tribes.” Another writer later suggested that it is a thunderstone. With the somewhat limited understanding of the day, the letter said that thunderstones “always present the appearance of having been machined or hand-worked: frequently they come from deep in the earth, embedded in lumps of clay, or even surrounded by solid rock or coral.”

Scratches in the lower bore suggest it was placed on a metal shaft and removed several times. Analysis has concluded the stone is a type of quartzite.


Lake Winnipesaukee mystery stone

The mystery stone from Meredith, Lake Winnipesaukee is an alleged out-of-place artifact (OOPArt), reportedly found in 1872 while workers were digging a hole for a fence post. It is a carved stone about 4 inches (100 mm) long and 2.5 inches (64 mm) thick, dark and egg-shaped, bearing a variety of symbols. The stone's age, purpose, and origin are unknown. Seneca Ladd, a Meredith businessman who hired the workers, was given credit for the discovery. Upon Ladd's death in 1892, the stone passed to one of his daughters, who donated it to the New Hampshire Historical Society in 1927. The stone is currently on exhibit at the Museum of New Hampshire History.

Carvings on one side of the stone show an ear of corn and several other figures. The other side is more abstract, featuring inverted arrows, a moon shape, some dots and a spiral. There is a hole through the stone, bored from both ends with different size bits (1/8 inch at top and 3/8 inch at bottom).

The American Naturalist of November 1872 suggested the stone "commemorates a treaty between two tribes." A letter to the New Hampshire Historical Society in 1931 suggested it was a thunderstone. The writer said thunderstones "always present the appearance of having been machined or hand-worked: frequently they come from deep in the earth, embedded in lumps of clay, or even surrounded by solid rock or coral."

A borescope analysis of the stone's holes was performed in 1994. In a 2006 article by the Associated Press, state archaeologist Richard Boisvert suggested the holes were drilled by power tools from the 19th or 20th century. Boisvert reported, "I've seen a number of holes bored in stone with technology that you would associate with prehistoric North America. There's a certain amount of unevenness . and this hole was extremely regular throughout. What we did not see was variations that would be consistent with something that was several hundred years old." Scratches in the lower bore suggest it was placed on a metal shaft and removed several times.

Analysis has concluded the stone is a type of quartzite, derived from sandstone, or mylonite.