Notícia

Goodrich-DD-831 - História

Goodrich-DD-831 - História

Goodrich

Goodrich recebeu o nome de dois homens, pai e filho.

Caspar Frederick Goodrich nasceu em 7 de janeiro de 1847 na Filadélfia. Graduando-se na Naval Academy em 1864, ele passou 2 anos no Colorado e Frolic, 3 anos em Port & mouth e Lancaster, e 3 anos na Naval Academy. Entre 1874 e 1881, ele trabalhou a bordo do Tennessee e Kearsarge, seguido por uma excursão na Naval Torpedo Station, Newport, RI. Depois de servir como oficial executivo da Lancaster, capitânia do Esquadrão Europeu, e inspetor de material bélico no Washington Navy Yard, Goodrich tornou-se Oficial Encarregado da Estação de Torpedo de Newport em 1886. De 1891 até 1896, ele comandou sucessivamente Jamestown, Constellation e Concord antes de passar um ano como Presidente do Naval War College em Newport. Originário do Serviço de Sinalização Costeira em 1898, ele então atuou como Diretor. Durante a Guerra Hispano-Americana em 1898, ele comandou St. Louis e Newark, e recebeu a rendição de Manzanillo. Cuba, após o bombardeio daquela cidade em 12 de agosto. Nos anos seguintes, Goodrich comandou Iowa, Richmond, Minneapolis e Puritan no mar e serviu como Comandante do Estaleiro da Marinha da Filadélfia (1900) e do Estaleiro da Marinha de Portsmouth (1903) em terra antes de sua promoção ao posto de Contra-almirante em 17 de fevereiro 1904 e sua nomeação por 3 anos como Comandante-em-Chefe do Esquadrão do Pacífico. Após o serviço como comandante do Estaleiro da Marinha de Nova York de 1907 a 1909, aposentou-se em 7 de janeiro de 1909. Retornou ao serviço ativo na Primeira Guerra Mundial,
O almirante Goodrich serviu como oficial encarregado da Escola de Material de Oficiais de Pagamento em Princeton até 8 de novembro de 1919, quando novamente deixou o serviço ativo, encerrando uma carreira naval de 50 anos. Ele morreu em Princeton em 26 de janeiro de 1925.

Caspar Goodrich, filho do almirante, nasceu na Itália. Nomeado aspirante de Connecticut em 7 de setembro de 1897, ele foi designado cadete naval em 10 de junho de 1901 e reportou-se a Lancaster para o serviço. De 1903 a 1905 Goodrich serviu em Maine, Cleveland e Chicago. Atribuído para a Geórgia na Estação do Atlântico em junho de 1906, Goodrich foi morto em 15 de julho de 1907 como resultado de uma explosão de torre

(DD-831; d. 2.425 t .; 1. 390'6 "; b. 41'4"; dr. 18'6 ";
sp. 35 k .; cpl. 367; uma. 6 5 ", 4 21" tt .; cl. Gearin ~ g)

Goodrich (DD-831) foi lançado em 25 de fevereiro de 1945 pela Bath Iron Works Co., Bath, Maine; patrocinado pela Sra. Caspar F. Goodrich, viúva do almirante Goodrich e mãe do tenente Goodrich, e comissionado em 24 de abril de 1945, Comdr. Dale R. Frankes no comando.

Depois de um treinamento de shakedown no Caribe, Goodrich transitou pelo Canal do Panamá em 12 de novembro de 1945 para apoiar a ocupação do Japão. Ela patrulhou entre os principais portos japoneses até outubro de 1946; em seguida, ela baseou-se em Tsingtao, China, para patrulhar a costa da Coréia. O destróier retornou a São Francisco em 21 de dezembro de 1946 e partiu em 7 de janeiro de 1947 para a base em Newport, R.I., como uma unidade da Frota do Atlântico dos EUA.

Goodrich fez uma reforma no Estaleiro Naval de Nova York, depois serviu no Mar Mediterrâneo (2 de fevereiro a 22 de maio de 1948). Esta foi a primeira de muitas viagens anuais com os "estabilizadores cinza de aço" da 6ª Frota, de combater ativamente as repetidas ameaças dos soviéticos de invadir as nações indefesas dos Bálcãs e do Oriente Médio e explorá-las para o imperialismo vermelho. Seu serviço incluiu patrulhamento ao longo da fronteira israelense-egípcia do Mar Vermelho em fevereiro de 1956 para ajudar a conter a crise do Oriente Médio que finalmente culminou com a nacionalização do Canal de Suez. Quando o conflito estourou, ela voltou ao Mediterrâneo em novembro de 1956 para proteger os americanos naquela área e notificar que os Estados Unidos estavam determinados a conter e encerrar a conduta. O contratorpedeiro apoiou o desembarque de fuzileiros navais em Beirute, Líbano, em 14 de julho de 1958, quando a Marinha se reuniu novamente e deteve um impulso comunista contra as democracias ocidentais.

Goodrich mudou seu porto de origem em junho de 1959 de Newport para Mayport, Flórida. Posteriormente, seus deslocamentos anuais para o Mediterrâneo incluíram treinamento intensivo em todas as formas de bem-estar naval com unidades da OTAN e uma prontidão constante com a 6ª Frota para enfrentar qualquer ameaça à paz no Região mediterrânea. Ela interrompeu sua programação em janeiro de 1960, entrando no Norfolk Navy Yard para uma revisão de modernização de 8 meses, que incluiu a renovação completa e as armas mais recentes e equipamentos de bordo. Ela estava na estação de recuperação do Projeto Mercury em 12 de fevereiro de 1962 enquanto o Tenente Coronel John H. Glenn, USMC, realizava seu voo espacial orbital com sucesso.

Goodrich voltou a ficar em alerta com a 6ª Frota durante 24 de outubro a 20 de novembro de 1962, quando a Marinha respondeu ao pedido do presidente Kennedy para uma quarentena de Cuba, que bloqueou o fluxo de suprimentos militares e impôs as exigências americanas para a retirada dos especialistas em mísseis soviéticos e equipamento. Em 22 de julho de 1966, o contratorpedeiro partiu de Mayport em seu desdobramento da 13ª 6ª Frota. Ela cruzou o Mediterrâneo por 5 meses, patrulhando discretamente com a 6ª Frota e participando de exercícios combinados de guerra naval com unidades das Marinhas turca, grega, britânica e italiana. Ela voltou a Mayport em 20 de dezembro de 1966 para manutenção e treinamento de tipo.


USS Goodrich (DD-831)

USS Goodrich (DD / DDR-831) era um Engrenagemdestruidor de classe da Marinha dos Estados Unidos, nomeado em homenagem ao contra-almirante Caspar F. Goodrich (1847–1925), e seu filho, o tenente Caspar Goodrich (falecido em 1907).

Goodrich foi lançado em 25 de fevereiro de 1945 pela Bath Iron Works Co., Bath, Maine, patrocinado pela Sra. Caspar F. Goodrich, viúva do almirante Goodrich e mãe do tenente Goodrich e comissionado em 24 de abril de 1945, comandante Dale R. Frankes no comando .


Mục lục

Goodrich được đặt lườn tại xưởng tàu của hãng Bath Iron Works Co. ở Bath, Maine vào ngày 18 tháng 9 năm 1944. Nó được hạ thủy vào ngày 25 de 2 năm 1945 được đỡ đầu bởi bà Caspar đố F. Goodrich, vào Goodrich và là mẹ của Trung úy Goodrich, và nhập biên chế vào ngày 24 tháng 4 năm 1945 dưới quyền chỉ huy của Hạm trưởng, Trung tá Hải quân Dale R. Frakes. [1]

Sau khi hoàn tất việc chạy thử máy tại vùng biển Caribe, Goodrich băng qua kênh đào Panama vào ngày 12 tháng 11 năm 1945 để đi cantou khu vực Tây Thái Bình Dương hỗ trợ cho việc chiếm đóng Nhật Bản. Nó hoạt động tuần tra giữa các cảng chính của Nhật Bản cho đến tháng 10 năm 1946, khi chuyển cantou đặt căn cứ tại Thanh Đảo, Trung Quốc để tuần tra dọc bờ biênun. Con tàu quay trở về São Francisco, Califórnia, vào ngày 21 de 12 de năm 1946, rồi rời vùng bờ Tây vào ngày 7 de 1 de năm 1947 để chuyển cantou cảng nhà mới tại Newport, Rhode Island sau khi được đng Hng Cingi đội Đại Tây Dương. [1]

Goodrich được đại tu tại Xưởng hải quân Nova Iorque, rồi được phái đi hoạt động tại Địa Trung Hải từ ngày 2 tháng 2 đến ngày 22 tháng 5 năm 1948. Đây lăng hung chuyun động tại Địa Trung Hải từ ngày 2 tháng 2 đến ngày 22 tháng 5 năm 1948. Đây lăng hung chuyun đầng tại Địa Trung Hải từ ngày 2 tháng 2 đến ngày 22 tháng 5 năm 1948. Đây lăng hng chuyùn đầu từ ngày Đệ Lục hạm đội nhằm đối phó với những mối đe dọa của Liên Xô nhằm gây mất ổn định tại các nước vùng Balkan và Trung Đông. Con tàu được xếp lại lớp như một tàu khu trục cột mốc radar, và mang ký hiệu lườn mới DDR-831 dia 18 de março de 1949. [1]

Trong đợt hoạt động tại Địa Trung Hải vào tháng 2 de novembro de 1956, Goodrich đã tuần tra tại vùng biên giới giáp ranh giữa Ai Cập và Israel trong biển Hồng Hải nhằm ngăn ngừa cuộc Khủng hoảng kênh đào Suez tiếp tục leo thang thành chiến. Khi cuối cùng xung đột vẫn diễn ra giữa Ai Cập với Anh, Pháp và Israel, chiếc tàu khu trục đã quay trở lại Địa Trung Hải vào tháng 11 năôm kẳng kũng cn hu khu trục đã quay trở lại Địa Trung Hải vào tháng 11 năm kẳn kẳng cn trc c đã quay tr. độ của Hoa Kỳ nhằm chấm dứt cuộc chiến tranh. Em năm 1958, trong vụ Khủng hoảng Liban, Tổng thống Liban Camille Chamoun đã phải kêu gọi sự trợ giúp sau khi đất nước này chịu đựng bạo loạn do xung đột về sắi kêu gọi sự trợ giúp sau khi đất nước này chịu đựng bạo loạn do xung đột về sắc tộc tru chã chhu bộ lực lượng Thủy quân Lục chiến lên Beirute, Líbano vào ngày 14 tháng 7 nhằm gìn giữ hòa bình. [1]

Vào tháng 6 năm 1959, Goodrich chuyển cảng nha từ Newport em Mayport, Flórida. Các Luot biệt Phai Hàng năm cantou Vung Biển Châu Âu giờ Djay con bao GOM Nhung đợt Huan Luyen Phoi hợp Cung Hải quân các nước trong Khoi NATO, và thuc tập San Sang HOAt động Tai DJIA Trung Hải Tai khu VUC Chua Djay Mau Thuan và bất ổn. Con tàu đi vào Xưởng hải quân Norfolk vào tháng 1 năm 1960 để được nâng cấp trong khuôn khổ Chương trình Hồi sinh và Hiện đại hóa Hạm đội II (FRAM: Frota de Reabilitação e Modernização tui thđế thn) 20 năm, đồng thời nâng cao năng lực tác chiến. Kết thúc đợt nâng cấp kéo dài tám tháng, nó đã tham gia vào Chương trình Mercúrio khi phục vụ cho việc thu hồi tàu không gian Amizade 7 vào ngày 12 tháng 2 nđưa hên gia heni John n hn 1962, vnă Glia hen John n hn 1962 đạo chung quanh trái đất. [1]

Goodrich lại được huy động từ ngày 24 tháng 10 đến ngày 20 tháng 11 năm 1962 trong vụ Khủng hoảng tên lửa Cuba, khi Hải quân được lệnh của Tổng thống John F. Kennedy phong tỏa đường tng v Biển Cuba khi Hải quân tên lửa đạn đạo mang đầu đạn hạt nhân của Liên Xô. Chiếc tàu khu trục đã hoạt động phong tỏa hàng hải cho đến khi vụ khủng hoảng được dàn xếp thông qua thương lượng hòa bình. [1]

Vào ngày 22 7 de tháng 1966, Goodrich lên đường từ Mayport cho lượt phục vụ thứ 13 cùng Đệ Lục hạm đội. Nó hoạt động suốt khu vực Địa Trung Hải trong năm tháng đồng thời tham gia các cuộc tập trận phối hợp cùng các tàu chiến thuộc Hải quân Thổ Nhĩ Kỳ, Hy Là quân Thổ Nhĩ Kỳ, Hy Là quân Hōgia quân. Nó quay trở về Mayport vào ngày 20 tháng 12, tiếp tục hoạt động bảo trì và huấn luyện. Lượt phục vụ thứ 14 của nó cùng Đệ Lục hạm đội tại khu vực Địa Trung Hải bao gồm một chuyến đi cantou biển Hồng Hải. [1] [2]

Goodrich được xếp lại lớp như một tàu khu trục và quay trở lại ký hiệu lườn cũ DD-831 vào ngày 1 tháng 1, 1969. Nó được cho xuất biên chế vào ngày 30 tháng 11, 1969 và đưa về thành phần dự bị tại Orange, Texas. Tên nó được cho rút khỏi danh sách Đăng bạ Hải quân vào ngày 01 de outubro de 1974, và con tàu bị bán cho hãng New York Sucata e Alloy Company để tháo dỡ vào ngày 12 de maio de 1977. [2] [3]


Goodrich-DD-831 - História

Destinado ao serviço como um & ldquopicket ship & rdquo no Pacífico, Benner recebeu radar e outras modificações no Boston Navy Yard entre 13 de fevereiro e 21 de março. Em seguida, partiu para a Baía de Guantánamo, em Cuba, no dia 28, chegando lá no dia 31. O destruidor conduziu quatro semanas de exercícios de shakedown, incluindo exercícios de artilharia, antiaéreo e guerra anti-submarino (ASW).

Em 29 de abril, ela viajou a vapor para Gonaives Bay, Haiti, para treinamento ASW em um submarino amigável & ldquobottomed & rdquo e conduziu um exercício de bombardeio na costa da Ilha Culebra no dia seguinte. Depois de seu encontro com HMS Ceifeira na Passagem de Barlavento em 3 de maio, os navios de guerra navegaram para o norte em uma patrulha anti-submarina. Embora BennerA tripulação de & rsquos lançou 11 cargas de profundidade em um possível contato submarino mais tarde naquele dia, mais tarde eles determinaram que era um contato falso. Ela se separou da HMS Ceifeira no dia 7 e navegou independentemente para Boston, chegando no dia 8 de maio para três semanas de disponibilidade pós-shakedown. Após esses reparos, o contratorpedeiro seguiu para Norfolk, Va., Onde se juntou Príncipe William (CVE 31) e Gantner (APD 42) em preparação para navegar para o Pacífico.

Benner partiu para o Canal do Panamá em 2 de junho, transitou pelo canal no dia 8 e chegou a San Diego em 15 de junho. Após pequenos reparos, ele partiu para o Havaí no dia 18, atracando em Pearl Harbor no dia 23 de junho. Benner passou o resto do mês conduzindo missões de treinamento e mdashantiaircraft, direção de caça, bloqueio de radar e exercícios de evasão de motor-torpedo-boat (MTB) e preparação de mdashin para implantação nas águas ao largo do Japão.

Na companhia de Terry (DD 513) acompanhando Vespa (CV 18) na Unidade de Tarefa (TU) 12.5.3, Benner partiu de Pearl Harbor em 12 de julho. Durante o trânsito pelo Pacífico central, os destróieres rastreados Vespa quando aquele porta-aviões lançou ataques aéreos contra a Ilha Wake no dia 18. Depois de uma breve pausa em Eniwetok para reabastecer no dia seguinte, a unidade-tarefa juntou-se à Força-Tarefa (TF) 38 ao sul das ilhas japonesas em 26 de julho.

Benner rastreados Randolph (CV 15) no Grupo de Trabalho (TG) 38.3 durante os ataques aéreos de 28 de julho contra navios inimigos em Maizuru e em 30 de julho contra a área de Tóquio-Nagoya. Enquanto um tufão cancelou novos ataques programados para o início de agosto, o grupo de trabalho reabasteceu e então se posicionou para ataques contra o norte de Honshu em 8 de agosto. Assumindo uma posição de piquete e mdashabout 50 milhas a sudoeste da TF 38 e mdashwith John W. Weeks (DD 701), Borie (DD 704) e Hank (DD 702), Benner assisti enquanto aviões não identificados se aproximavam de sua posição durante todo o dia. Embora a maioria dos aviões inimigos tenha recuado antes da patrulha aérea de combate amigável (CAP), alguns aviões japoneses voando baixo se esgueiraram sob o guarda-chuva de proteção do CAP & rsquos para atacar os destruidores.

Em 1454, um único avião de ataque Aichi B7A1 & ldquoGrace & rdquo mergulhou Hank, passou pela formação e, apesar do fogo antiaéreo fulminante, se inclinou para colidir Borie. Grandes incêndios eclodiram imediatamente, especialmente em sua superestrutura ao redor da ponte e os três outros destróieres passaram as duas horas seguintes rechaçando mais quatro ataques inimigos. Depois de Borie& rsquos as equipes de controle de danos controlaram os incêndios, Benner passou uma noite infrutífera procurando na água por Borie tripulantes perdidos ao lado.

Os destróieres continuaram as operações de blindagem entre 10 e 15 de agosto, antes que o TF 38 se retirasse a sudeste de Honshu para aguardar os acontecimentos após a notícia da rendição japonesa. Separado em 24 de agosto, Benner partiu de Nagoya para fornecer um farol de localização de aeronaves para voos de Okinawa para Tóquio. Em 4 de setembro, ela se juntou a um grupo de trabalho formado em torno Bennington (CV 20) e partiu de Honshu quando essa transportadora lançou voos de emergência para prisioneiros de guerra até 9 de setembro. Após licença e manutenção em Tóquio, o contratorpedeiro seguiu para as Ilhas Marshall no final de setembro & mdash por uma semana & rsquos manutenção ao lado de um concurso & mdash antes de retornar ao Japão para mais três meses de serviço de ocupação.

Partindo de Tóquio em 3 de janeiro de 1946, Benner passou os três meses seguintes em um cruzeiro no oeste do Pacífico, visitando Guam, Saipan e várias ilhas filipinas antes de finalmente embarcar para casa em 25 de março. Ela chegou a San Diego, por meio de Eniwetok e Pearl Harbor, em 11 de abril. Após vários meses de operações limitadas fora de San Diego, o contratorpedeiro recebeu uma revisão no Terminal Island entre 29 de agosto e 23 de novembro, antes de retornar a San Diego em preparação para uma implantação no exterior.

Em 6 de janeiro de 1947, Benner partiu de San Diego na companhia de Dennis J. Buckley (DD 808) e chegou a Hong Kong, via Pearl Harbor e Eniwetok, no dia 30. As tensões na região eram altas e Benner passou oito meses cruzando o Mar da China Oriental em apoio aos esforços americanos, em última análise, inúteis para resolver a guerra civil chinesa. Ela visitou os portos chineses de Xangai, Tsingtao e Chinwangtao, bem como o porto coreano de Pusan, antes de embarcar para San Diego, onde chegou em 8 de outubro.

Após 11 meses de operações locais nas águas da Califórnia, o destróier partiu de San Diego para a China em 1 de outubro de 1948, principalmente para escoltar a Força de Ataque Móvel do Pacífico até Tsingtao e ajudar a monitorar a retirada das forças soviéticas da Coreia do Norte antes de retornar para casa em 23 de dezembro.

Ela permaneceu nas águas da Califórnia, conduzindo operações de rotina, até a primavera de 1949. Durante este período, o navio de guerra foi reclassificado como um destruidor de piquete de radar e foi redesignado DDR-807 em 18 de março de 1949. Reatribuído para a Frota do Atlântico em 1 de maio, Benner começou no dia seguinte, transitou pelo Canal do Panamá em 12 de maio e chegou ao seu novo porto de Newport, R.I., no dia 23. O contratorpedeiro operou de lá em serviço normal em tempo de paz com a Destroyer Division (DesDiv) 102, conduzindo exercícios de rotina em Narragansett Bay e fazendo três cruzeiros de treinamento de reserva durante o verão, visitando New London Poughkeepsie New York City Washington, DC e Charlottetown, Prince Edward Island , Canadá. Em outubro e novembro, Benner participou de um exercício de pouso anfíbio bilateral com unidades da Marinha canadense na costa de Labrador.

Depois de outra revisão em Norfolk e um quarto cruzeiro de treinamento da reserva & mdash este para as Índias Ocidentais entre 24 de fevereiro e 14 de abril de 1950 & mdashBenner embarcou em seu primeiro deslocamento para o Mediterrâneo em 2 de maio. O destruidor visitou Lisboa, Portugal, a ilha de Elba e Nápoles, Itália, antes de embarcar para La Spezia em 21 de junho. Após a invasão norte-coreana da Coreia do Sul no dia 25, Benner colocados ao mar para o caso de eclodirem hostilidades na Europa. Ela operou no leste do Mediterrâneo pelos próximos três meses & mdash visitando portos como Istambul, Turquia, Beirute, Líbano e Argistoli, Grécia & mdash antes de voltar para Newport em 10 de outubro.

Nos cinco anos seguintes, o contratorpedeiro fez mais três desses cruzeiros no Mediterrâneo (20 de março a 4 de outubro de 1951, 2 de outubro de 1952 a 4 de fevereiro de 1953 e 4 de maio a 28 de setembro de 1954). No decorrer dessas missões, ela visitou portos na Espanha, França, Itália, Grécia e Turquia. Durante o último desdobramento, ela também visitou Argel e Tânger, no Norte da África. Após cada uma dessas viagens ao exterior, o contratorpedeiro fez pequenos cruzeiros de treinamento de reserva e aspirantes às Índias Ocidentais, visitando principalmente a Baía de Guantánamo, Ilha Cuba Culebra, Porto Rico e Kingston, Bermuda. O navio de guerra também conduziu vários exercícios de treinamento da OTAN durante este período. Em 26 de agosto de 1952, ela viajou acima do Círculo Ártico a leste da Groenlândia para participar das Operações & ldquoMainbrace & rdquo e & ldquoLongstep & rdquo antes de navegar para o Mediterrâneo em outubro daquele ano.

Após uma reforma na Filadélfia no início de 1955, Benner participou do exercício anfíbio da Operação & ldquoLantFlex 1 & rdquo & mdashan em Newfoundland & mdashand de 14 a 27 de março, em seguida, fez outro cruzeiro de aspirantes no verão, visitando Málaga, Espanha Plymouth, Inglaterra e Baía de Guantánamo, Cuba antes de retornar a Newport em 4 de agosto. Em outubro e novembro, o destróier navegou para o sul até o Golfo do México, conduzindo exercícios de defesa aérea com aeronaves terrestres e fazendo visitas aos portos de Corpus Christi, Texas, e Port Everglades, Flórida. Após o período de férias, Benner seguiu para o Estaleiro Naval de Nova York no Brooklyn para uma revisão de modernização. Este trabalho de estaleiro, que incluiu reparos no casco e danos à estrutura que ela sofreu durante um furacão no final de dezembro, ocorreu entre 6 de janeiro e 21 de maio de 1956.

Reatribuído para a Frota do Pacífico na primavera de 1956, Benner partiu de Newport em 9 de junho e navegou para o sul, transitando pelo Canal do Panamá em 18 de junho e atracando em seu novo porto de origem em Long Beach, Califórnia, no dia 28. Atribuído ao DesDiv 91 em 26 de agosto, o destróier passou os seis meses seguintes conduzindo um treinamento de tipo e atualização na área operacional de San Diego.

Em 12 de março de 1957, o navio de guerra partiu de Long Beach em uma implantação regular no Pacífico ocidental para operações com a Sétima Frota. O contratorpedeiro cruzou o Pacífico pela rota sul, parando em Suva, nas Ilhas Fiji, entre 25 e 27 de março e em Melbourne, Austrália, de 2 a 7 de abril. Seguindo para o norte, ela reabasteceu em Manus e Guam antes de chegar a Yokosuka, Japão, em 24 de abril. Como uma das principais funções da Sétima Frota era patrulhar o Estreito de Taiwan & mdash parte do compromisso americano de proteger Taiwan contra o ataque comunista & mdashBenner passou a maior parte desta implantação rastreando as operações da transportadora nesta parte da região. Enquanto estava lá, ela visitou Kaohsiung, Keelung e Hong Kong, bem como ocasionalmente navegou para o norte para manutenção em Yokosuka, Japão. O contratorpedeiro voltou para casa em 27 de agosto e chegou a Long Beach em 10 de setembro.

Após um curto período de licença, Benner conduziu operações locais na área de Long Beach, manobras que foram pontuadas por disponibilidade de propostas e períodos de manutenção. Entre 21 de novembro de 1957 e 10 de março de 1958, ela passou por uma revisão de rotina no Estaleiro Naval de Long Beach. Isso foi seguido por seis semanas de treinamento de atualização em preparação para outro desdobramento no Extremo Oriente.

Em andamento em 29 de abril, Benner primeiro procedeu ao Atol Eniwetok nas Ilhas Marshall. Lá, ela participou da Operação & ldquoHardtack & rdquo & mdasha 35-detonação série de testes nucleares atmosféricos projetados para avaliar novos tipos de armas, os efeitos de explosões de alta altitude e o novo protótipo de ogiva do míssil Polaris. BennerAs atribuições de & rsquos durante esses testes incluíram observações meteorológicas, busca e salvamento e recuperação de equipamento científico. Ela também desempenhou funções de centro de operações aéreas no Atol de Biquíni. O destróier então partiu de Eniwetok em 1º de agosto e chegou a Yokosuka cinco dias depois.

Após várias semanas de triagem de operações de transportadoras fora de Okinawa, Benner recebeu ordens para seguir para o sul para Taiwan em 25 de agosto. Dois dias antes, a artilharia comunista chinesa no continente havia aberto fogo contra as forças nacionalistas chinesas nas ilhas de Quemoy e Matsu. Benner juntou-se ao que acabou se tornando uma força-tarefa de seis porta-aviões na região e, nas oito semanas seguintes, ajudou a proteger os comboios de suprimentos para a guarnição nacionalista sitiada em Quemoy até que a crise diminuísse. Após breves paradas em Yokosuka e Midway, o contratorpedeiro voltou a Long Beach em 21 de novembro.

O navio de guerra passou os próximos oito meses na área de Long Beach, conduzindo operações locais ou em situação de disponibilidade e manutenção. Benner iniciou sua terceira viagem ao oeste do Pacífico em 17 de julho de 1959, visitando Hong Kong, Kaohsiung e Yokosuka entre as viagens da patrulha do Estreito de Taiwan. Ela voltou para casa em Long Beach para manutenção em 26 de novembro.

O destruidor continuou este padrão de operações e exercícios de rotina ao largo da costa da Califórnia em preparação para uma implantação no Oriente, que foi então seguido por um período de manutenção ou revisão em Long Beach & mdash pelos próximos quatro anos e meio. Esse padrão foi quebrado em junho de 1962, quando Benner entrou no Estaleiro Naval de Long Beach para uma revisão de oito meses de reabilitação e modernização da frota (FRAM). Durante esse período, o destruidor recebeu novas armas de sonar e de guerra anti-submarino (ASW), incluindo um helicóptero anti-submarino (DASH). Além disso, ela foi reclassificada de destruidor de piquete de radar para destruidor e foi redesignado DD-807 em 15 de novembro de 1962. Ela voltou às operações normais em maio de 1963 e, após uma série de exercícios ASW destinados a testar seu equipamento DASH, implantado para o oeste do Pacífico novamente em 20 de fevereiro de 1964. Durante este cruzeiro, Benner participou de um exercício da Organização do Tratado do Sudeste Asiático (SEATO) nas Filipinas em maio e de uma patrulha no Estreito de Taiwan em junho antes de retornar para casa em Long Beach em 12 de agosto para um longo período de licença, manutenção e operações locais.

Em abril de 1965, Benner e DesDiv 232 aderiram Hornet (CVS 12) por sete semanas de treinamento de atualização nas águas de San Diego. No início de junho, ela embarcou 35 aspirantes em um cruzeiro de treinamento de duas semanas na área de Puget Sound. Em julho, durante uma filmagem de cinco dias na cordilheira da Ilha de San Clemente, Benner qualificado para bombardeios terrestres diurnos e noturnos.

Em 12 de agosto, o contratorpedeiro iniciou uma viagem de seis meses ao Extremo Oriente. Depois de uma parada de duas semanas no Havaí para uma avaliação de prontidão ASW, o navio de guerra continuou para o Japão, atracando em Yokosuka em 23 de setembro. Em 12 de outubro, Benner juntou-se à TF 77 para tarefas de patrulha e vigilância na costa do Vietnã. Nos três dias seguintes, o contratorpedeiro realizou missões de apoio a tiros navais ao largo de Quang Ngai antes de conduzir uma patrulha de busca e resgate (SAR) no Golfo de Tonkin. Após uma semana de recreação em Hong Kong, o navio de guerra partiu para Taiwan em 10 de novembro e operou em Kaohsiung na patrulha do Estreito de Taiwan. Em 5 de dezembro, ela seguiu para o norte para uma operação ASW conjunta com navios da Marinha da República da Coréia (ROK) e uma visita a Chinhae, antes de embarcar para Sasebo para as férias de Natal. Em 3 de janeiro de 1966, o navio de guerra navegou para o sul, para Taiwan, para conduzir quatro semanas de patrulhas no estreito de Taiwan. Retornando ao norte para Yokosuka em 9 de fevereiro, ela voltou para casa no dia 18 e atracou em Long Beach em 3 de março.

Após seis semanas de licença e manutenção, Benner passou por uma revisão regular de três meses no Estaleiro Naval da Baía de São Francisco. Retornando a Long Beach em 19 de julho, ela passou os três meses seguintes se preparando para seu próximo cruzeiro ao Extremo Oriente. Depois de deixar Long Beach em 4 de novembro, Benner participou de uma operação ASW conjunta americana e canadense em águas havaianas, onde recebeu o & ldquo Prêmio Golden Plunger & rdquo por & ldquosinking & rdquo Desentupidor (SSN 595) durante o exercício. Continuando para Yokosuka no final daquele mês, o destruidor seguiu para o Golfo de Tonkin e, em 24 de dezembro, juntou-se à Operação & ldquoSea Dragon & rdquo, um esforço de interdição logística nas águas costeiras do Vietnã do Norte. BennerA primeira ação da excursão ocorreu quando ela disparou contra três pequenas embarcações logísticas em 6 de janeiro de 1967, danificando uma delas antes de escapar para as enseadas costeiras. Na tarde seguinte, o navio de guerra destruiu uma bateria antiaérea inimiga. Depois de um curto período de doca seca em AFDM-5 em Subic Bay, o contratorpedeiro navegou para Hong Kong para descanso e recreação no dia 31. Ela voltou às operações de rotina do & ldquoSea Dragon & rdquo em 8 de fevereiro.

O ritmo das operações aumentou em 26 de fevereiro, quando Benner se juntou a Canberra (CAG 2) e Joseph Strauss (DDG 16) para um bombardeio da costa do Vietnã do Norte. Durante aquele dia, o navio de guerra disparou sete missões & mdashincluding duas ações de contra-bateria & mdashand recebeu 116 tiros inimigos próximos a bordo. Embora o contratorpedeiro tenha sido montado duas vezes pelo fogo da Ilha Hon Matt, seu fogo de contra-bateria conseguiu silenciar os canhões inimigos. Na semana seguinte, o destruidor conduziu outras 36 missões de fogo e disparou 1.281 tiros de 5 polegadas no processo e contra alvos inimigos. Depois de uma disponibilidade de oferta de duas semanas em Sasebo, Benner serviu por um curto período no Estreito de Taiwan antes de retornar a Long Beach em 12 de maio. Ela passou o resto do ano em licença, manutenção e operações locais.

Benner começou 1968 com o treinamento de atualização ASW fora de San Diego e, em seguida, desdobrado mais uma vez em águas do Extremo Oriente. Chegando a Yokosuka em 29 de maio, ela rumou para o sul, para águas vietnamitas, para trabalhar como um navio de apoio a tiros navais. Sua primeira oportunidade de ação veio em 26 de junho, quando ela disparou quase 900 tiros de 5 polegadas contra as tropas vietcongues na área de Vung Tau em apoio à Operação & ldquoGame Warden & rdquo. Nas três semanas seguintes, o contratorpedeiro também disparou na zona desmilitarizada (DMZ) e no território do I Corps.

Navegando para o sul para descanso e recreação, Benner cruzou o equador & mdashand observou os tradicionais ritos de iniciação & ldquoshellback & rdquo & mdash para visitar Port Settenham na Malásia entre 26 e 29 de julho. Voltando ao TF 77 em 1 de agosto, ela participou do ASW Exercise & ldquoSwift Move & rdquo antes de embarcar para Sasebo no dia 7. Após duas semanas de reparos ao lado do Ajax (AR-6), Benner retornou ao sul para tarefas de transportadora no Golfo de Tonkin. Ela finalmente voltou para casa em Long Beach, via Yokosuka, em 9 de novembro.

Em uma mudança de ritmo, Benner começou em 3 de janeiro de 1969 para fornecer três dias de serviços de destino para submarinos Bugara (SS 331), Charr (AGSS 328), Medregal (AGSS 480) e Bluegill (AGSS 242). Após esses exercícios, ela conduziu operações locais fora de San Diego até se mudar para o Estaleiro Naval de Long Beach para uma revisão em 29 de janeiro. O destruidor recebeu atualizações em seu sistema de sonar durante o período de reparo. Retornando ao trabalho em 4 de junho, a tripulação então assumiu Benner através de um ciclo de treinamento de atualização de 10 semanas.

Em 30 de julho, um incêndio de óleo combustível irrompeu no destroyer & rsquos após a sala de bombeiros. Embora o espaço tenha sido abandonado temporariamente devido às chamas, o fogo foi controlado e extinto logo em seguida. Sob inspeção mais detalhada, o dano provou ser leve e novos cabos elétricos e acessórios foram instalados em San Diego em 3 de agosto. Retornando às operações locais no dia seguinte, Benner sofreu outro acidente ao perder um helicóptero DASH de controle remoto no mar.

Após uma série de inspeções e disponibilidade de propostas, Benner partiu de Long Beach em 8 de outubro para outra implantação no Extremo Oriente. Após breves paradas em Pearl Harbor, Midway e Yokosuka, ela chegou à Yankee Station em 13 de novembro. Com a proibição de ataques a alvos no Vietnã do Norte em vigor desde 1º de novembro, os deveres do destróier e rsquos foram limitados às operações de guarda de avião e rastreamento ASW para proteger os porta-aviões TF 77 enquanto atacavam alvos no Laos, Vietnã do Sul e Camboja. Além de breves desvios para cobrir Long Beach (CLG 9) & mdash o principal navio de resgate aéreo do Golfo de Tonkin & mdashBenner passou a maior parte da exibição do cruzeiro guarda-florestal (CVA 61) na estação Yankee.

Depois de Benner voltou para casa em 9 de abril, ela foi vítima dos drásticos cortes no orçamento de defesa da época. Reportando-se ao Estaleiro Naval de Puget Sound em Bremerton em 29 de agosto, o navio de guerra começou os preparativos de inativação em 1º de setembro. Benner foi desativada em 20 de novembro de 1970, e seu nome foi retirado do Registro de Embarcações Navais em 1 de fevereiro de 1974. Embora autorizada para venda para a Coreia do Sul em 7 de fevereiro de 1974, a oferta foi recusada em 14 de março e ela foi vendida para sucateamento para a General Metals of Tacoma, Inc., Tacoma, Washington, em 18 de abril de 1975.


Links Amigáveis

USS K.D.Bailey DD-713
Eu gostei de servir a bordo desta bela senhora de março de 1959 a setembro de 1960 como um Yeoman 3ª classe. O Bailey foi minha primeira casa longe de casa. Agora eu presto homenagem a ela.

USS Goodrich DD-831
U.S.S Goodrich (DD-DDR-831) Association established in 1992 to bring together all former shipmates who served our nation proudly aboard this great ship from commissioning to her last voyage in 1969.

USS N. K. Perry DD-883
The original intent in building Destroyers OnLine was simply to present pages on a few particular ships. From that small start it rapidly became apparent that a much larger purpose presented itself, an opportunity to utilize the Internet to showcase a general class of ships which fill a unique niche not only because of their small size and high speed, but also for their rich histories and varied uses.

US Benson-Livermore Class Destroyers
This website is dedicated to the sailors, engineers, and naval yard workers who gave their all with these ships to complete the final Victory in 1945. The spirit of these men and women will live on within this site and pass their history to generations to come.

Help with asbestos
Navy veterans were at risk of asbestos exposure and developing mesothelioma, a rare cancer that can take 20-50 years to develop. Our website features extensive information on asbestos and we work 1-on-1 with individuals to help them find local doctors, treatment centers and support groups all at no cost. We even have a page where one can search any Navy ship to see if it contained asbestos. We know that the USS Turner had asbestos.


Goodrich-DD-831 - History

This site is dedicated to the destroyers USS Laffey (DD 459 and DD 724).

We, of the Laffey, honor all ships and crews that fought and served in defense of world freedom.

USS Laffey International Call Sign Entering and Leaving Port

To search, goto www.google.com. Enter site:www.laffey.org search term, e.g. site:www.laffey.org officers

Tax Deductible Donations, Membership Dues


“Aegis to Sea, Aegis to Sea, Aegis to Sea”

In this audio clip from his oral history, Rear Admiral Meyer provides a behind-the-scenes view of the technical challenges, and the dedicated personnel, that attended the birth of the fleet-transformative Aegis combat system.

Paul Stillwell: You talked before about the guiding star on the horizon that you were moving for. In the early ’70s did you have a timetable for when you would get to that star?

Admiral Meyer: We had attached to that star in those days. Very early on, I think no later than ‘71, somewhere in there, we created the slogan: “Aegis to sea, Aegis to sea, Aegis to sea.” And while the original big engineering development contract, Air Force style, called for three big engineering development models and a brand-new missile and a brand-new launcher, none of those were meant to be, because when you finally had to sober up and get around to reconciling the money and stuff, it couldn’t be done. Furthermore, it turned out it could be done, if you had the right kind of team and the right kind of attitude and the right kind of products.

And so we decided every bloody week to undertake it. I called it “lifeboat behavior.” We’re all in this lifeboat, and we’ve got the option of trying to save ourselves or saying the hell with it. And I may have mentioned to you, I’ve said it on several occasions, and I brag about it, I’ve never had anybody with me that wasn’t a volunteer. I just refused to have a civil servant or an officer or a vice president in those days that was not a volunteer. I didn’t want anybody else. First of all, they had to believe. Second of all, they were in many respects risking their future if they failed, we failed. I’m proud to say that many, many of them went on to great successful undertakings as a result of the outcome, but it sure didn’t look that way.

We had two power tubes, one with an outfit called S-F-D in New Jersey, and one was the California group for power tubes I can’t say right now who it is.* And that was the introduction of what came to be known as the introduction of the crossed-field amplifier as a new power tube. It was a tube smaller than this table, much smaller. Actually, it was a 40-pound tube, so one man could handle it. And we got the design down to where each array had 32 power tubes. So two arrays had 64. So four arrays in a ship had 128 power tubes, is how we massed all that power.

We had what we referred to in those days as a trombone section in the deckhouse. If you went and looked in our deckhouse we had this. It would just blow your mind. This was the frequency of S-band, around 3,000 megacycles. And the waveguide for 3,000 megacycles in horizontal is about that wider.†

Paul Stillwell: Four inches, maybe.

Admiral Meyer: Yeah, about four inches. And it’s about 2 inches vertically. Well, we decided that we could get by with half-height waveguide, so we could use, like, less than 2-inch waveguide but still needed the 4 inches to put this waveguide all together. We went to work with big mockups up at Moorestown, because the physical layout was a challenge, a real challenge. How to gang this stuff all together and get it to come out and focus and hit a spot on the array. Magic numbers on this radar, they are all digital: 16, 32, 64, 128. These are all digital numbers, all the powers of two, and for the first time we were doing in a radar design this effort of ganging this power up out of these one-kilowatt tubes and bringing it all together and making it come in phase and focus on you out at 220 miles, and get a detection. It’s stunning. It was just mind-blowing. It is amazing what we have contributed, actually, to the field of engineering in high-powered microwave since then. Patriot was alongside us, but they weren’t dealing in high power. AWACS was alongside us, but they weren’t dealing in high power either.‡ And AWACS was not dealing in fixed arrays.

So the heart of the arrays was this thing here. This is called a ferrite phase shifter. Today we don’t use them anymore. We use digital phase shifters.

Paul Stillwell: It’s about 6 or 7 inches long, maybe.

Admiral Meyer: Right, and maybe weighs half a pound. Each radar in a cruiser has got 16,000 of these in the radar, and 2,000 more for the countermeasures piece, so there are 18,000 of these little mothers in each radar. So right away you’re told that, boy, one of the important things on this is not only its cost but its reliability. And we designed them so that they’re installed in nests. And we originally, because we had so much pressure from the purists and the theorists, that we could sample and determine every single one of these on-line, as to whether it was functioning or not functioning. We don’t do that anymore. Of course, it turned out to not be important then. We operated for several years in Norton Sound with one array which was about better than 4,000 of these, and as far as I know we never had a failure the whole time. They were that good. We put a lot of time on it. We put a hell of a lot of effort on it. The materials in this came from a little outfit up in the Catoctin Mountains here in Maryland. And RCA and Raytheon together, we engineered this thing. The first one of these cost us something like $700.00 apiece. When we got through, by the time we were building Serial 1, we were making them at $40.00 apiece. That’s how much engineering we accomplished.

We chose to have these assembled at that little place, and some of them finally completed in RCA itself — worked closely to supervise it. And I regularly made trips to these places because these things, you can see, originally were pretty darned dainty. They called for a lot of dexterity and skill in their assembly and putting them together. It really was mostly women, far and away women. We had hundreds of them. Their performance really, really mattered. And the rejection rate was very, very costly. We spent a lot of time on that.

We went, on this thing, in the next two years we went from an acceptance rate of something like 40% till by the end we were 98% off the production line.

Paul Stillwell: How did you achieve that?

Admiral Meyer: Well, I told those women it was because of them. But I had engineers in the production department, manufacturing department. I had women in the engineering department — I had them all mixed in there. Put them in a gunnysack and shake them every day. I had sailors with them every bloody day!

I started with two officers and seven sailors at Moorestown when we opened the doors, and I had a couple rules on that. Number one, they had to come in the front door. Number two, they had to wear their uniforms, so that people never forgot what they’re doing. And if you watch the Lockheed Martin slogan today — you know, in their big ads like in the Post and stuff just this weekend — their biggest slogan for a number of years now: “We never forget who we’re working for.” Well, I think that this in recent years came from Captain (retired) Fred Moosally, who had worked for me in another era, and they ended up adopting that slogan for the whole Lockheed Corporation — not the RCA one but the whole Lockheed structure.*

So this thing has any number of parts, and they’ve really knocked the hell out of its cost. Making processes to be able to constantly check it turned out to be unnecessary. We did a lot of unnecessary things. Fear helps a person a lot, because we knew that if we failed they were coming after us they were going to kill us. These are known as ferrite phase shifters. Well, today in the latest one we’re using what are called digital phase shifters, so they’re a little lighter weight than this. I don’t know what they cost today when they make them. I think we have the same numbers in them. These phase shifters will be there when you and I are in the graveyard. Incredible, just incredible.

And so you look in the back of the array, the radar, there’s nothing to see. You look there and say, “Well, wait a minute, what am I looking at?” Because all you see are the panels that are over all of this, and it’s all hooked together. And you look up above you, and you see all of this waveguide running around, or what we call the trombones — they’re all running around up there — which pipe all this stuff together in its use.

When I took over, there were three engineering development models. By the end-of-the-world speech, there was one. Number two got cancelled before the contract was ever let, and that was to develop a missile. Number three was to refine EDM-1, so number three was to be what you may call pre-production billing.** Never happened. One unit was to go to Desert Ship at White Sands, New Mexico, for long-range testing. Never happened.

Norton Sound did become available. Norton Sound, when I walked in the door, was in a private shipyard in Baltimore. She had parts of the Typhon program in her. She was going to be the designated ship for Aegis.

* S-F-D Laboratories, Union, New Jersey.

† A waveguide is a structure that carries electro-magnetic waves from the source to different parts of a ship.

‡ AWACS - airborne warning and control system. This is an aerial look-down radar and tracking system carried on board the Air Force's E-3 Sentry, a modified Boeing 707 airliner with a rotating radome on top.

** Captain Fred P. Moosally, USN (Ret.), served from 2002 to 2010 as president of Lockheed Martin’s MS2 division, involved with the Navy’s Freedom (LCS-l)-class littoral combat ships and the Coast Guard’s Integrated Deepwater System.


Histórico de serviço

After shakedown training in the Caribbean, Goodrich transited the Panama Canal on 12 November 1945 to support the occupation of Japan. She patrolled between principal Japanese ports until October 1946 then she based at Tsingtao, China, for patrol along the coast of Korea. The destroyer returned to San Francisco, California, on 21 December 1946 and departed on 7 January 1947 to base at Newport, Rhode Island, as a unit of the United States Atlantic Fleet.

Goodrich overhauled in the New York Naval Shipyard, then served in the Mediterranean Sea (2 February - 22 May 1948). This was her first of many annual tours with the "steel gray stabilizers" of the 6th Fleet, of actively countering the repeated threats of the Soviets to overrun the defenseless nations of the Balkans and the Middle East.

Goodrich was reclassified a radar picket destroyer, DDR-831, on 18 March 1949.

Her service included patrol along the Israeli-Egyptian border of the Red Sea in February 1956 to help stem the Mid-East crisis that finally culminated in the nationalization of the Suez Canal. When fighting erupted, she sped back to the Mediterranean in November 1956 to protect Americans in that area and serve notice that the United States was determined to contain and terminate the conflict. The destroyer supported the landing of Marines at Beirut, Lebanon, on 14 July 1958, as the Navy again met and checked a Communist thrust against the Western democracies.

Goodrich shifted her home port in June 1959 from Newport to Mayport, Florida. Thereafter her annual deployments to the Mediterranean included intensive training in all forms of naval welfare with NATO units and a constant readiness with the 6th Fleet to meet any threat to peace in the Mediterranean region. She interrupted her schedule in January 1960, entering the Norfolk Navy Yard for an eight-month modernization overhaul (FRAM II) which included complete renovation and latest weapons and shipboard equipment. She was on Project Mercury recovery station on 12 February 1962 as Lieutenant Colonel John H. Glenn, USMC, made his successful orbital space flight.

Goodrich went on alert again with the 6th Fleet during 24 October to 20 November 1962 when the Navy responded to President John F. Kennedy&aposs call for a quarantine of Cuba that choked off the flow of military supplies and enforced the American demands for the withdrawal of the Soviet missile experts and equipment. On 22 July 1966 the destroyer got underway from Mayport on her 13th 6th Fleet deployment. She cruised throughout the Mediterranean for five months, unobtrusively patrolling with the 6th Fleet and taking part in combined naval warfare exercises with units of the Turkish, Greek, British, and Italian Navies. She returned to Mayport on 20 December 1966 for upkeep and type training.

Goodrich was reclassified DD-831 on 1 January 1969, and was decommissioned on 30 November 1969. Berthed at Orange, Texas, Goodrich was struck from the Naval Vessel Register on 1 February 1974. She was sold on 12 September 1977, and broken up for scrap.


Conteúdo

A Bath Iron Works foi incorporada em 1884 pelo General Thomas W. Hyde, um nativo de Bath que serviu na Guerra Civil Americana. Após a guerra, Hyde comprou uma loja local que ajudou a fazer guinchos e outras ferramentas de ferro para os navios de madeira construídos nos muitos estaleiros de Bath. Ele expandiu o negócio melhorando suas práticas, entrando em novos mercados e adquirindo outras empresas locais.

Em 1882, a Hyde Windlass estava de olho no novo e crescente negócio de construção naval de ferro, dois anos depois, incorporada como Bath Iron Works. Em 28 de fevereiro de 1890, a BIW ganhou seu primeiro contrato de embarcações completas, duas canhoneiras de ferro para a Marinha dos Estados Unidos. o Machias, uma dessas canhoneiras de 190 pés (58 e # 160m), foi o primeiro navio lançado pela empresa. (Historian Snow (see "Further Reading") says the gunboat was commanded during World War I by Chester Nimitz, an assertion that is not supported by Nimitz's biographers. [ citação necessária ] )

Em 1892, o estaleiro ganhou seu primeiro contrato comercial para um navio de aço, o navio a vapor de passageiros de aço de 2.500 toneladas Cidade de Lowell. Na década de 1890, a empresa construiu vários iates para marinheiros ricos.

Em 1899, o General Hyde, sofrendo da doença de Bright que o mataria mais tarde naquele ano, renunciou à administração do estaleiro, deixando seus filhos Edward e John no comando. Naquele ano, o estaleiro iniciou a construção do Georgia, o único navio de guerra a ser construído em Bath. O navio dominou o estaleiro por cinco anos, até seu lançamento em 1904, e foi às vezes o único navio em construção. O pátio enfrentou vários desafios por causa do peso das armaduras e armas. Em testes de mar, o Georgia média de 19,26 nós (35,67 & # 160km / h) por quatro horas, tornando-o o navio mais rápido de sua classe e o encouraçado mais rápido da Marinha.

A empresa continuou a contar com contratos da Marinha, que forneciam 86% do valor dos novos contratos entre 1905 e 1917. O estaleiro também produziu traineiras, cargueiros e iates ao longo da primeira metade do século.

No pico da produção durante a Segunda Guerra Mundial (1943-1944), o estaleiro lançava um contratorpedeiro a cada 17 dias. A Bath Iron Works ficou em 50º lugar entre as corporações dos Estados Unidos no valor dos contratos de produção militar da Segunda Guerra Mundial. [2]

In 1981, Falcon Transport ordered two tankers, the last commercial vessels built by BIW.

Em 1988, o USS & # 160Samuel B. Roberts& # 160 (FFG-58), comissionado dois anos antes em Bath, sobreviveu a uma explosão de mina que abriu um buraco em sua casa de máquinas e inundou dois compartimentos. Nos dois anos seguintes, a BIW reparou o Roberts de uma forma única. A fragata de mísseis guiados foi rebocada para a doca seca da empresa em Portland, Maine, e colocada em blocos, onde sua casa de máquinas danificada foi isolada do navio. Enquanto isso, os trabalhadores em Bath construíram um substituto de 315 toneladas. Quando estava pronto, o módulo foi flutuado para o sul para Portland, colocado na doca seca, deslizado para o lugar sob o Roberts, levantado e soldado no lugar. [3] By surviving a hit that Naval Sea Systems Command engineers thought should have sunk her, the Roberts validou o design mesquinho do Oliver Hazard Perry& # 160class, a maior classe pós-segunda guerra da Marinha dos EUA até o Burkes [ citação necessária ] and validated the Navy's against-the-odds decision to have picked BIW to design it.

Em 2001, a BIW concluiu um esforço de quatro anos para construir uma enorme plataforma de concreto, a Land Level Transfer Facility, para a montagem final de seus navios. Em vez de serem construídos em uma forma inclinada para que pudessem deslizar no Kennebec no lançamento, os cascos foram movidos por ferrovia da plataforma horizontalmente para uma doca seca móvel. Isso reduziu muito o trabalho envolvido na construção e no lançamento dos navios. [4] The 750-foot, 28,000-ton dry dock was built by China's Jiangdu Yuchai Shipbuilding Company for $27 million. [5]

The Centennial Shipbuilders Workers Monument in Bath, Maine is by American artist Guillermo Esparza and is part of the Smithsonian American Art Museum collection.


John S Lyman Jr.

John Sheldon Lyman was born February 12, 1931, in Memphis, Tennessee. He attended Broadripple High School in Indianapolis, Indiana, where he was active in sports, particularly football. During 3 of his high school years he was selected to the All-City Football team.

Upon completion of high school in 1949, John entered the University of Wisconsin where he participated in the Naval Reserve Officers' Training Corps program. He was graduated in June 1953, with a bachelor of science degree, and was commissioned ensign. His first sea duty assignment was in the destroyer U.S.S. Goodrich (DD 831), which was followed by a tour of duty on the staff of the commander, Destroyer Division 302, where he served as operations and communications officer.

John applied for submarine duty and entered the submarine school in June 1956. Graduating in December of the same year, he was assigned to the submarine U.S.S. Ronquil (SS 396), where he served until June 1959. John was selected for advanced training in nuclear power, and successfully completed the course of study at schools located in New London, Connecticut, and Schenectady, New York, in May 1960. He was then assigned to the commissioning crew of U.S.S. Thresher, and was qualified in submarines, and qualified as a nuclear reactor operator.

John had earned the Navy Occupational Service Medal and the National Defense Service Medal during his naval service.

John is survived by his widow, the former Joan Boerner of Kenosha, Wisconsin children, Michael Dean, Robert Allen, and Catherine Lee. His widow and children now reside in Kittery, Maine. He also leaves his parents, Mr. and Mrs. John S. Lyman of Palm Beach, Florida.


Assista o vídeo: Асфальтово-внедорожный тест покрышек GoodYear, BFGoodrich, Mickey Thompson. (Outubro 2021).