Notícia

Longmen Grottoes - Atendentes na Caverna Fengxiansi

Longmen Grottoes - Atendentes na Caverna Fengxiansi


ABC de Longmen: Por que as estátuas em Longmen são tão requintadas?

As estátuas das Grutas de Longmen possuem uma grande diversidade de figuras e imagens budistas, em todas as formas e tamanhos. Há o Buda Losana de 17,14 metros de altura, bem como pequenas estátuas de apenas alguns centímetros de altura. A localização das grutas é organizada de maneira compacta e ordenada. Além do mais, as estátuas maiores do que a vida são fascinantes tanto na forma quanto na aparência.

O Buda Losana no Templo Fengxian, Grutas de Longmen [Foto / Grutas de Longmen no WeChat]

As Grutas Longmen eram operadas principalmente pelas famílias imperiais durante as dinastias Wei e Tang do norte. A participação direta e total apoio das famílias reais é o principal motivo que contribuiu para a grandeza das grutas. Pode-se dizer que há planejamento e layout unificados no início e artesãos habilidosos foram recrutados para o projeto das Grutas de Longmen.

Os especialistas dizem que as pedras em Longmen pertencem principalmente aos tipos de calcário e dolostone, que são de alta intensidade e baixa dureza. Essas rochas são fáceis de esculpir, mas resistentes ao intemperismo e à erosão.

Duas estátuas no Templo Fengxian, Grutas de Longmen [Foto / Grutas de Longmen no WeChat]

A caverna Lianhua nas Grutas de Longmen [Foto / Grutas de Longmen no WeChat]

A Caverna do Meio Binyang nas Grutas de Longmen [Foto / Grutas de Longmen no WeChat]


Pete e Kristina Roam

Voamos de Dunhuang para Xi & # 8217an. Xi & # 8217an foi uma das capitais da China com uma história que remonta a 3.100 anos. Xi & # 8217an era o extremo leste das Rotas da Seda. Hoje é uma cidade chinesa de tamanho médio com uma população de 10 milhões. Nós nos divertimos explorando as ruas movimentadas da cidade velha.

Nós comemos um pouco deste tofu picante, que estava gostoso.

Visitamos o Pagode do Ganso Selvagem. Foi construído em 648 para conter os 600 pergaminhos que Xuan Zang trouxe da Índia para a China.

Escalamos os sete níveis até o topo, 210 pés. As escadas foram ficando cada vez menores e mais íngremes à medida que subíamos.

As vistas do topo eram magníficas e fizeram-nos perceber o quão impressionante este edifício deve ter sido, visto que foi o mais alto do terreno em doze séculos.

Em janeiro passado, visitamos um maravilhoso templo chinês para Xuan Zang quando estávamos em Rajgir, Índia, onde ele havia estudado por dois anos na grande Universidade Budista de Nalanda. Agora, na China, gostamos de aprender mais sobre esse incrível estudioso que passou 16 anos viajando e estudando budismo e sânscrito na Índia. Ele então passou 40 anos em Xi'an traduzindo os pergaminhos que trouxe de volta para o chinês, ampliando profundamente o escopo do Zen Budismo chinês.

Baseado em contos populares e romance do século 16 Jornada para o Oeste por Wu Cheng & # 8217en, lemos Macaco, Viagem ao Oeste recontado por David Kherdian. É a história de Xuan Zang e quatro personagens animais mágicos que são Imortais Taoístas que superam enormes obstáculos enquanto viajam para a Índia para obter os textos budistas. Após anos de viagem, o livro termina com Xuan Zang trazendo os pergaminhos de volta ao imperador chinês.

O Pagode do Grande Ganso Selvagem foi construído no estilo arquitetônico indiano para homenagear a jornada de Xuan Zang & # 8217 e as escrituras budistas.

Para as Olimpíadas de 2008, todo um complexo de templos foi adicionado aqui. Esses enfeites de telhado são os Imortais Taoístas em forma animal. Eles estão todos observando o monge na frente que está montando uma fênix.

Pete gostou de fotografar o complexo do templo.

A grande atração em Xi & # 8217an é o exército de terracota que guarda o cemitério do Imperador Qin Shihuang.

Concluída por volta de 210 a.C., levou cerca de 40 anos para criar as esculturas de 7.000 soldados e 600 cavalos em tamanho real.

As figuras foram pintadas depois de disparadas. Quando exposta ao ar, a tinta oxida. Nestes soldados a pintura foi restaurada.

O imperador tinha sido um líder tirânico. Depois que ele morreu, o povo se rebelou destruindo o exército de terracota. Aqui você pode ver os arqueólogos que estão juntando as peças novamente. Parece que vai demorar 100 anos para eles concluírem a restauração.

Este arqueiro foi encontrado quase inteiro com apenas as mãos quebradas.

A loja de presentes tinha soldados de tamanho normal à venda. Não fomos tentados.

O exército de terracota é chamado de Oitava Maravilha do Mundo. Foi redescoberto em 1974 por quatro fazendeiros enquanto cavavam um poço. Os dois fazendeiros que ainda estão vivos agora passam seus dias autografando livros de museus.

Depois de visitar o exército de terracota, fomos a um show cultural de música e dança. Pensamos em Sean Mattingly já que seu aniversário era no dia seguinte, 19 de outubro. Hoje mandamos votos de aniversário atrasados ​​para o nosso querido amigo Sean que sempre gostou de fantasias fabulosas!

Como estamos com um grupo de turistas, tendemos a fazer refeições em estilo buffet ou em família. Até agora, a comida na China tem vários níveis de qualidade. Esta sopa de milho viscosa tinha gosto principalmente de amido de milho.

Aqui estão Kristina e Andy no restaurante vegetariano favorito de Andy. O nome do restaurante é traduzido como Mente Vazia. Bodhidharma, primeiro ancestral do Zen, faz parte da marca do restaurante. Escreveremos mais sobre Bodhidharma em nossos próximos posts.

Esses pratos de glúten de trigo com brotos de soja e verduras e salada de repolho em conserva estavam deliciosos.

Além dos templos budistas, também visitamos templos confucionistas e taoístas em Xi'an. A primeira foto mostra o dinheiro do ancestral em comparação com a moeda chinesa real. Como parte da tradição taoísta, é queimado regularmente para que os mortos tenham dinheiro na vida após a morte. A segunda foto é onde o dinheiro ancestral é queimado.

Um por cento (1%) de Xi & # 8217an é muçulmano. Como essa mãe e filha, elas são descendentes de muçulmanos que viajaram pela Rota da Seda há 1.000 anos e se estabeleceram em Xi & # 8217an. A foto foi tirada no jardim da Grande Mesquita de Xi & # 8217an, fundada em 742.

Em seguida, o grupo de turismo viajou de ônibus para Luoyang para visitar as Cavernas Longmen que têm estátuas budistas incríveis.

Esculpidas em penhascos de calcário, as muitas aberturas de cavernas de formato irregular lembram queijo suíço.

As Cavernas Longmen foram inicialmente fundadas pelo Imperador Xianwen da dinastia Wei do Norte em 493, quando ele mudou sua capital para Luoyang. Este imperador também patrocinou algumas das cavernas do templo Dunhuang.

O pico de criação de cavernas e estátuas ocorreu nos séculos 7 e 8, durante a dinastia Tang, quando o budismo também era muito forte. Aqui é mostrado Ananda, o assistente de Buda.

Supostamente, existem cerca de 100.000 estátuas de Buda aqui nas 1.400 cavernas. Considerando que algumas das estátuas têm o tamanho de uma polegada e que esta porta leva à caverna de 10.000 Budas, parece possível.

Esta estátua encantadora de um monge tinha cerca de 20 centímetros de altura.

As Grutas de Longmen são um Patrimônio Mundial da UNESCO. Ficamos felizes em poder fotografar as belas esculturas.

Além de formas humanas, também existem esculturas de construção como este pagode.

Nesta foto estão Enkyo Roshi, sacerdote Zen e líder espiritual de nossa viagem, Angus, um novo amigo e colega praticante e Andy Ferguson, estudioso do Zen e nosso líder turístico. Ao fundo está o rio Yi.

Esta estátua do Buda Vairocana tem 57 pés de altura, a maior estátua em Longmen. Encomendada pela Imperatriz Wu Zetian, esta gruta é considerada a última palavra em expressão arquitetônica da dinastia Tang.

Achamos seu rosto muito agradável. Presume-se que o Buda foi esculpido para se assemelhar à Imperatriz e tem sido referido como a Mona Lisa chinesa.

Na impressionante gruta, o Buda Vairocana é protegido por este feroz guardião.

Pensamos nos calendários do advento, com todos os pequenos nichos esculpidos.

Como nos sentimos sortudos por poder ver esculturas budistas tão incríveis e inspiradoras!


Descoberta e renascimento

Durante o final do século XIX e início do século XX, exploradores ocidentais começaram a mostrar interesse na antiga Rota da Seda e nas cidades perdidas da Ásia Central, e aqueles que passaram por Dunhuang notaram os murais e artefatos como a Estela de Sulaiman em Mogao. A maior descoberta, entretanto, veio de um taoísta chinês chamado Wang Yuanlu, que se autoproclamou guardião de alguns desses templos por volta da virada do século.

Algumas das cavernas já haviam sido bloqueadas pela areia, e Wang começou a limpar a areia e tentou consertar o local. Em uma dessas cavernas, em 25 de junho de 1900, Wang descobriu uma área murada atrás de um lado de um corredor que levava a uma caverna principal. Atrás da parede havia uma pequena caverna cheia de um enorme tesouro de manuscritos. Nos anos seguintes, Wang levou alguns manuscritos para mostrar a vários funcionários que expressaram vários níveis de interesse, mas em 1904 Wang selou novamente a caverna seguindo uma ordem do governador de Gansu.

As palavras da descoberta de Wang chamaram a atenção de um grupo conjunto britânico / indiano liderado pelo arqueólogo húngaro Aurel Stein, que estava em uma expedição arqueológica na área em 1907. Stein negociou com Wang para permitir que ele removesse um número significativo de manuscritos, bem como o as melhores pinturas e tecidos mediante taxa. Ele foi seguido por uma expedição francesa comandada por Paul Pelliot, que adquiriu muitos milhares de itens em 1908, e por uma expedição japonesa comandada por Otani Kozui em 1911 e uma expedição russa comandada por Sergei F. Oldenburg em 1914. Um conhecido estudioso Luo Zhenyu editou alguns dos manuscritos que Pelliot adquiriu em um volume que foi então publicado em 1909 como "Manuscritos das Cavernas de Dunhuang" (敦煌 石室 遺書).

Stein e Pelliot provocaram muito interesse no Ocidente sobre as Cavernas de Dunhuang; no entanto, houve inicialmente pouco interesse nos círculos oficiais na China. Preocupado com a perda dos manuscritos restantes, Luo Zhenyu e outros persuadiram o Ministério da Educação a recuperar o restante dos manuscritos a serem enviados para Pequim (Pequim) em 1910. No entanto, nem todos os manuscritos restantes foram levados para Pequim, e de aqueles recuperados, alguns foram então roubados. Algumas das cavernas foram danificadas quando as cavernas foram usadas pelas autoridades locais em 1921 para abrigar soldados russos que fugiam da guerra civil após a Revolução Russa. Em 1924, o explorador americano Langdon Warner removeu vários murais e também uma estátua de algumas das cavernas. A situação melhorou em 1941, quando o pintor Zhang Daqian chegou às cavernas com uma pequena equipe de assistentes e permaneceu por dois anos e meio para consertar e copiar os murais. Ele então exibiu e publicou as cópias dos murais, o que ajudou a divulgar e dar muito destaque à arte de Dunhuang na China. O historiador Xiang Da então persuadiu Yu Youren, um membro proeminente do Kuomintang (Partido Nacionalista Chinês), a criar uma instituição, o Instituto de Pesquisa de Arte de Dunhuang (que mais tarde se tornou a Academia de Dunhuang), em Mogao em 1944 a cuidar do local e seu conteúdo. Em 1956, o primeiro Premier da República Popular da China, Zhou Enlai, teve um interesse pessoal nas cavernas e sancionou uma concessão para reparar e proteger o local e, em 1961, as Cavernas de Mogao foram declaradas um monumento histórico especialmente protegido por o Conselho de Estado e os trabalhos de renovação em grande escala em Mogao começaram pouco depois. O local escapou dos danos generalizados causados ​​durante a Revolução Cultural.

Hoje, o sítio é objeto de um projeto arqueológico em andamento. As Cavernas de Mogao se tornaram um dos locais do Patrimônio Mundial da UNESCO em 1987. De 1988 a 1995, mais 248 cavernas foram descobertas ao norte das 487 cavernas conhecidas desde o início do século XX.


Lendas chinesas e # 8211 O Primeiro Imperador e Templo Shaolin

Quando criança, sempre fui fascinado por histórias das viagens de Marco Polo e # 8217 e a Rota da Seda. A oportunidade surgiu em 2011 e começamos nossa própria pequena Jornada ao Oeste. A primeira parada foi em Xi & # 8217an, a antiga capital da China e local de descanso do Primeiro Imperador da China, Qin Shihuang, e seu exército de guerreiros de terracota. Esta cidade também é uma das paradas ao longo da antiga Rota da Seda. Infelizmente, a viagem já tinha começado mal com o nosso voo para Pequim atrasado devido ao mau tempo. Acabamos perdendo nosso vôo de conexão para Xi & # 8217an e tivemos que lutar com unhas e dentes junto com uma horda de viajantes chineses furiosos para garantir as passagens para outro vôo. Eu saúdo a equipe de balcão da Air China. Essas senhoras podem enfrentar uma horda de passageiros raivosos e impacientes e ainda assim oferecer o melhor que puderem.

Xi & # 8217an

Finalmente chegamos em Xi & # 8217an após um atraso de 6 horas em relação ao nosso horário programado. Isso significa que não fomos capazes de fazer muitos passeios turísticos em nosso primeiro dia. Felizmente, era verão e os dias eram mais longos, o que compensou o atraso, pois tivemos mais tempo para ver a paisagem.

Vista da Torre do Tambor, vista da Torre do Sino. O antigo sino ainda está aqui e não, eles não me deixaram tocá-lo. Um dos portões principais da cidade & # 8217s. Você pode imaginar que nos tempos antigos os carros seriam substituídos por cavalos e carroças.

A Torre do Sino está localizada no centro da cidade e as estradas levam aos portões Norte, Sul, Leste e Oeste a partir daqui.

Xi & # 8217an também tem uma comunidade muçulmana considerável e nós caminhamos até a Rua Muçulmana, onde há várias lojas e restaurantes que servem comida muçulmana.

Abundância de turistas ao longo da Rua Muçulmana e vencer o calor é feito arregaçando as calças e camisas. O tipo de pão ázimo muito proeminente, comum nesta região. Encontramos este restaurante que estava lotado. Sua especialidade eram kebabs de cordeiro.

Felizmente para nós, encontramos um guia turístico licenciado que estava deixando seus hóspedes em nosso hotel. Depois de negociar com ele, pedimos que ele nos levasse para um passeio no dia seguinte.

A primeira parada foi no Museu Banpo. Este é o local de uma aldeia neolítica com mais de 6.000 anos. É importante porque mostra que muito antes do imperador Qin Shihuang aparecer, já havia uma civilização estabelecida aqui.

Não sobrou muito depois de mais de 6 milênios. Sei que isso se perdeu na tradução, mas é bom saber que eles tinham banda larga há 6.000 anos.

Finalmente, chegamos ao local dos guerreiros de terracota. Por ser verão, a temperatura já era de 35 ° C e a multidão de turistas crescia em proporções imensas. Os batalhões de turistas devem ser mais numerosos do que o exército de terracota.

Um dos enormes corredores que cobre 1 dos 4 sítios de escavação arqueológica dos Guerreiros de Terra Cotta. Você pode ver de perto as figuras de terracota escavadas que variam de soldados a escribas e cavalos. A quantidade de habilidade que envolve cada figura é incrível. Os cavalos da carruagem real são tão realistas como nesta fotografia. Finalmente, conseguimos entrar no local da escavação. O tamanho do salão é imenso e este é apenas 1 dos 4 locais. Existem muitos outros locais que foram descobertos, mas não escavados. Cada guerreiro de terracota tem suas próprias características faciais e expressão. Não existem duas figuras com o mesmo rosto. Muitas das figuras de terracota foram danificadas ao longo de milhares de anos. As figuras danificadas são cuidadosamente reconstruídas e colocadas de volta na cova onde foram encontradas.

Qin Shihuang é creditado por ser o homem que unificou a China de muitos estados em guerra em um grande país, e também por construir a Grande Muralha da China. Apesar de suas realizações, ele também foi um imperador brutal que matou muitos de seus compatriotas pressionando-os como escravos para construir a Grande Muralha e também seu túmulo. Ele também tinha medo da morte e procurou inutilmente por pílulas e poções da imortalidade. Devido às suas grandes realizações e fraquezas, ele se tornou uma espécie de lenda, retratado como um salvador ou um tirano em muitos filmes chineses, dependendo de como o diretor deseja distorcer o enredo.

A tumba real do Primeiro Imperador, Qin Shihuang, está em um grande mausoléu sob um grande monte, onde se acredita que ele está sepultado com mais exércitos de terracota. Os guerreiros de terracota descobertos são apenas uma das muitas guarnições que guardam o túmulo. De acordo com textos antigos, a tumba do Imperador & # 8217s é apresentada como um mapa em miniatura da China com rios fluindo e mares feitos de mercúrio líquido e guardados por muitas armadilhas. Isso realmente soa como algo saído de um filme de Indiana Jones ou Tomb Raider. Podemos nunca saber se as lendas antigas são verdadeiras, já que a tumba não foi aberta por medo da degradação de relíquias, uma vez exposta ao ar. No entanto, os arqueólogos descobriram que o solo ao redor da tumba contém concentrações excepcionalmente altas de mercúrio, e o radar de varredura do solo revelou uma grande tumba em estilo de palácio, então essas lendas antigas podem ser verdadeiras.

Só a visita a estes 2 locais demorou o dia inteiro. Voltamos para o hotel para nos refrescar antes de descer para o Pagode do Grande Ganso Selvagem e fonte musical à noite. Esta fonte musical afirma ser a maior da Ásia e cobre 15.000 metros quadrados.

Chegamos cedo para encontrar um bom local vantajoso para observar a fonte musical. Apesar de estar em um bom local, percebi que todos nas primeiras filas tomavam banho de graça toda vez que o jato central disparava e o vento soprava em nossa direção. Decidi sentar-me atrás depois de vários banhos. A multidão ficou mais do que feliz em assumir meu lugar e se molhar.

Luoyang

Luoyang fica a mais de 500 km de Xi & # 8217an, mas com o novo trilho de alta velocidade demoramos apenas 2 horas para chegarmos aqui. Este lugar é famoso pelas Grutas Longmen e também é o ponto de partida para visitar o Templo Shaolin. Meu sonho de aprender o kungfu Shaolin estava finalmente se tornando realidade. Nós tínhamos tentado adquirir outro guia para a visita mas nós só terminamos com um motorista e minivan.

O trem de alta velocidade chinês na estação de Luoyang. Longmen Grottoes corre ao longo do rio e é uma série de cavernas com arte budista esculpida na face do penhasco que remonta a 437AD. A peça central das Grutas de Longmen são essas estátuas gigantes esculpidas nas laterais do penhasco.

Após a cansativa caminhada e subida de inúmeras escadas, decidimos voltar de barco ao ponto de partida onde o nosso motorista nos esperava. Apenas uma pequena seção das Grutas Longmen.

Das Grutas de Longmen, era outra longa viagem até o Templo Shaolin. Nossa expectativa estava aumentando, já que tínhamos visto e ouvido muito sobre este lugar em todos os vários filmes de kungfu.

O portão principal de Shaolin que leva ao templo. Tivemos que comprar os ingressos aqui. O que quer dizer que precisamos comprar ingressos para entrar em um templo? Assim, compramos as passagens e pagamos novamente as passagens para embarcar no bonde elétrico que leva os turistas do portão principal ao templo. Parece mais uma cena de um filme de kungfu. O guia explicou que esses buracos nos troncos das árvores foram feitos por monges que praticavam o soco de dedo Shaolin. Depois de muitos anos e muitos alunos depois, você obtém esses buracos. As depressões no chão são causadas pelos muitos monges que treinaram batendo os pés aqui. Isso foi apresentado no filme de kungfu Shaolin estrelado por Jet Li. O que viemos ver & # 8211 algum kungfu. Sim, tivemos que pagar novamente para assistir ao show. A floresta de pagode fora de Shaolin. Isso também foi apresentado no filme de kungfu Shaolin.

Não consigo evitar a sensação de que o Templo Shaolin se tornou uma empresa comercial que está capitalizando sobre sua marca. A visita ao templo parecia que eu estava em algum tipo de parque temático de kungfu com monges assumindo o papel de assistentes do parque coletando dinheiro. Eu acho que os puristas ficariam desapontados, mas para o resto de nós que só quer um sabor de Shaolin, isso teria que servir.

As Grutas de Longmen e o Templo Shaolin podem ser realizados em uma viagem de um dia saindo de Xi & # 8217an, mas se você quiser passar mais tempo em cada lugar, recomendo uma pernoite em Luoyang.

Então aí está, 2 das maiores lendas da história chinesa que podem ganhar vida. A próxima parte deste blog será sobre Xinjiang, a misteriosa terra do Ocidente que é matéria de lendas.


Notas

O Longmen Grottoes Digital Retrieval Project foi iniciado nos Estados Unidos em um workshop na Harvard University em 2017. Para uma visão geral do evento, consulte "Longmen Grottoes: New Perspectives", boletim informativo do International Institute for Asian Studies 79 (primavera de 2018) : 19. Esculturas de Longmen em coleções americanas passando por digitalização incluem peças no Museu de Arte Nelson-Atkins, em Kansas City, e nas Galerias Freer e Sackler do Smithsonian.

Devido ao tamanho monumental das esculturas em relevo restauradas da Caverna Central Binyang, as esculturas ainda não foram submetidas a métodos de análise de conservação que podem ser úteis na distinção entre áreas de restauração e pedra original, como exame de raios-X. Além disso, devido à natureza do enchimento de pedra utilizado em algumas das peças restauradas, os resultados desses testes podem ser inconclusivos em certos casos.

Para uma visão geral da restauração em dois estágios da Procissão da Imperatriz, consulte Fletcher Coleman, "Fragments and Traces: Reconstituting Offer Procion of the Empress as Donor with Her Court", Orientations 49, no. 3 (maio / junho de 2018): 94–101. Consulte a página 95 desse artigo para outras fontes que tratam da coleta dos fragmentos da Procissão da Imperatriz.

Coleman, "Fragments and Traces", 96–99.

As três principais traduções chinesas do texto do sutra são encontradas em Taishō shinshū Daizōkyō, ed. Takakusu Junjirō e Watanabe Kaigyoku (Tóquio: Taishō Issaikyō Kankōkai, 1924–32), textos 474–76. Para uma visão geral da cena de debate de Vimalakīrti e seu significado, consulte Amy McNair, The Donors of Longmen: Faith, Politics, and Patronage in Medieval Chinese Buddhist Sculpture (Honolulu: University of Hawai'i Press, 2007), 42-47.

Como pode ser visto na fotografia (figura 7), várias cabeças estão faltando nas figuras principais do quadro de Mañjuśrī, além da figura assistente completa do discípulo Śāriputra.

A participação inicial do Museu Fogg no relevo veio à tona após a morte de Sickman em 1988. A menção ao envolvimento financeiro do museu na coleta da Procissão da Imperatriz pode ser encontrada em Michael Churchman e Scott Erbes, High Ideals and Aspirations: The Nelson-Atkins Museum of Art, 1933–1993 (Kansas City, MO: Nelson-Atkins Musem of Art, 1993), 50–51 e Karl E. Meyer e Shareen Blair Brysac, The China Collectors: America's Century-Long Hunt for Asian Art Treasures (Novo York: Palgrave Macmillan, 2015), 92–95. Mais detalhes da documentação primária não coberta por essas fontes são fornecidos aqui.

Ver a troca de correspondência no Box 84, Folder 1909–1911, Papers of Edward Waldo Forbes, 1867–2005 (HC 2), Harvard Art Museums Archives, Cambridge, Massachusetts.

Citando o sentimento de Warner e Sickman de que “seria uma grande pena separar esse grupo de figuras em duas partes”, a Forbes se ofereceu para adquirir todo o grupo de Gardner e reembolsar o Nelson por sua parte nas despesas. Ver Edward W. Forbes para Paul Gardner, 2 de fevereiro de 1940, Box 50, Folders 1214–1215, Papers of Edward Waldo Forbes.

Em particular, Gardner e Forbes discutiram sobre o envolvimento respectivo de Sickman e Warner no incentivo à aquisição dos fragmentos. Ver Paul Gardner para Edward W. Forbes, 8 de abril de 1940, Box 50, Folders 1214–1215, Papers of Edward Waldo Forbes Edward W. Forbes para Paul Gardner, 16 de abril de 1940, Box 50, Folders 1214–1215, Papers of Edward Waldo Forbes e Edward W. Forbes para Paul Gardner, 18 de abril de 1940, Box 50, Folders 1214–1215, Papers of Edward Waldo Forbes.

Em uma série de trocas pessoais, Sickman fez um apelo veemente à Warner para que apoiasse os direitos da Galeria Nelson sobre a peça, especialmente com base no fato de espalhar o interesse pela arte chinesa no meio-oeste americano. Ver Laurence Sickman para Langdon Warner, 11 de junho de 1940, Caixa 2, Pasta 74, Langdon Warner Papers (MS AM 3138), Biblioteca Houghton, Cambridge, Massachusetts e Langdon Warner para Laurence Sickman, 18 de junho de 1940, Caixa 2b, Pasta 4, Laurence Sickman Papers (MS 001), Arquivos do Museu de Arte Nelson-Atkins, Kansas City, Missouri.

Para a carta original da Forbes para Gardner (várias cópias carbono estão incluídas em vários arquivos), consulte Edward W. Forbes para Paul Gardner, 26 de junho de 1940, Caixa 2, Pasta “Sickman B,” Laurence Sickman Miscellaneous Documents, Nelson- Arquivos do Museu de Arte Atkins, Kansas City, Missouri. Eu localizei o que parece ser a fotografia mencionada na carta em “Fotografias de Langdon Warner,” Box 13 FV9FKGK, Fine Arts Library Visual Collections, Harvard University, Cambridge, Massachusetts.

Otto Burchard para Laurence Sickman, 16 de setembro de 1939, Caixa 1a, Pasta 32, Laurence Sickman Papers (MS 001).

Uma coleção não processada de artigos de Sickman no Nelson-Atkins Museum of Art Archives foi trazida à minha atenção após a publicação inicial do meu artigo "Fragments and Traces" (ver nota 3 acima). A maior parte das informações apresentadas aqui foi obtida a partir desses materiais.

Para as dificuldades enfrentadas por Burchard na Alemanha e a mudança de suas operações para Estocolmo em 1934, consulte Laurence Sickman para Paul Gardner, 7 de novembro de 1934, Caixa 1, Pasta “Laurence Sickman e Langdon Warner para Paul Gardner, 1934,” Laurence Sickman Diversos Documentos Otto Burchard para Laurence Sickman, 13 de maio de 1940, Caixa 1a, Pasta 30, Laurence Sickman Papers (MS 001) e Otto Burchard para Laurence Sickman, 16 de junho de 1941, Caixa 1a, Pasta 30, Laurence Sickman Papers (MS 001).

“Formulário de relatório TFR — 300 Série A: Para ser usado por (1) Nações individuais não envolvidas em negócios para relatar por si mesmas, e (2) outras pessoas para relatar interesses de propriedade de tais nacionais,” Caixa 1, Pasta “Correspondência Vimalakirti 1943 –1944, ”Documentos diversos de Laurence Sickman.

Ver “Formulário de Relatório TFR — 300 Série A” na nota anterior, bem como a Caixa 1, Pasta “Burchard, Dr. Otto, 1946”, Documentos Diversos de Laurence Sickman e “Departamento de Justiça para Laurence Sickman,” 13 de maio de 1955, Caixa 1a, Pasta 17, Laurence Sickman Papers (MS 001).

Langdon Warner para Laurence Sickman, 30 de julho de 1940, Caixa 2b, Pasta 4, Laurence Sickman Papers (MS 001).

Langdon Warner para Laurence Sickman, 2 de setembro de 1941, Caixa 2b, Pasta 4, Laurence Sickman Papers (MS 001).

Laurence Sickman para Mathias Komor, 6 de fevereiro de 1942, Caixa 1, Pasta “Vimalakirti Correspondence 1943–1944,” Laurence Sickman Miscellaneous Documents.

Os problemas de saúde e complicações de Burchard durante a Segunda Guerra Mundial são mencionados em uma série de cartas entre vários indivíduos durante um período de aproximadamente 1939 a 1946. Sobre sua penúltima cirurgia e transição pós-guerra para Nova York, ver Otto Burchard para Laurence Sickman, 3 de outubro de 1946, Box 1, Folder “Burchard, Dr. Otto, 1946,” Laurence Sickman Miscellaneous Documents.

Mathias Komor para Lindsay Hughes, 19 de junho de 1944, Caixa 1, Pasta “Correspondence Mathias Komor 1941–1944,” Laurence Sickman Miscellaneous Documents.

Langdon Warner para Laurence Sickman, 30 de junho de 1944, Caixa 2b, Pasta 4, Laurence Sickman Papers (MS 001).

H.D. Weiser para Myron S. Falk Jr., 21 de agosto de 1945, arquivo objeto F2001.7, Freer and Sackler Galleries, Smithsonian Institution, Washington, DC. Para a notificação do leilão original e nota fiscal, consulte a mesma pasta.

Para obter os detalhes sobre o pedido de empréstimo e o recibo original do empréstimo, consulte Mathias Komor para Myron S. Falk Jr., 31 de julho de 1945 Alan Priest para Major Falk, 8 de agosto de 1945 e recibo de empréstimo do Metropolitan Museum of Art para Major e Sra. Myron S. Falk Jr., 28 de agosto de 1945, arquivo objeto F2001.7, Galerias Freer e Sackler.

Para cartas entre Burchard e Sickman detalhando as consequências entre os dois homens sobre a apreensão e venda do alívio Vimalakīrti, consulte a Caixa 1, Pasta “Burchard, Dr. Otto, 1946,” Laurence Sickman Miscellaneous Documents. Com relação à restituição que Burchard recebeu pelo alívio, consulte Departamento de Justiça para Laurence Sickman, 13 de maio de 1955, Caixa 1a, Pasta 17, Documentos de Laurence Sickman (MS 001). Para confirmação do valor e da data da restituição de Burchard, consulte o Relatório Anual do Office of Alien Property, 1955 (Washington, DC: Departamento de Justiça, 1955), 110.

Langdon Warner para Laurence Sickman, 2 de setembro de 1941, Caixa 2b, Pasta 4, Laurence Sickman Papers (MS 001).

Otto Burchard para Laurence Sickman, 5 de julho de 1946, Caixa 1, Pasta “Burchard, Dr. Otto, 1946,” Laurence Sickman Miscellaneous Documents.

E. Pearlstein e R. Lowinger, "Conservation of a Chinese Cave Relief", fevereiro a agosto. 1980, arquivo de objeto F2001.7, Galerias Freer e Sackler. A documentação de Mathias Komor indica que ele também facilitou as restaurações no relevo com a ajuda do Katayama Art Studio depois que Myron S. Falk Jr. comprou a peça e antes que ela fosse emprestada ao Metropolitan Museum. Ver Mathias Komor para Major Falk, 18 de abril de 1945, arquivo objeto F2001.7, Freer and Sackler Galleries.

Pearlstein e Lowinger, "Conservation of a Chinese Cave Relief", 2-3.

Ver, por exemplo, uma famosa carta na qual Warner elogia efusivamente os resultados da segunda restauração do relevo da Procissão da Imperatriz: Langdon Warner para Laurence Sickman, 29 de agosto de 1940, Caixa 2b, Pasta 4, Documentos de Laurence Sickman (MS 001).

Em uma carta parcialmente completa aparentemente de Laurence Sickman a um dos diretores da Galeria Nelson (provavelmente Paul Gardner), na qual o autor contempla licitar o relevo Vimalakīrti, após expressar dúvidas sobre o valor da licitação, o autor afirma , “Esta pedra está quebrada e precisaria de reparos e montagens, e então tudo o que teríamos seria uma cabeça e temos dez delas no Relevo da Imperatriz”. Carta sem assinatura e sem data, Caixa 2, Pasta “Sickman A,” Laurence Sickman Documentos diversos.

Langdon Warner para Laurence Sickman, 6 de junho de 1934, Caixa 2, Pasta “Cartas para Arquivo”, Laurence Sickman Documentos Diversos.

As atitudes iniciais de Warner em relação à restauração, bem como as de seus alunos famosos, como Sickman, refletem certas visões do século XIX e do início do século XX sobre o papel educacional dos monumentos de gesso. Para obter uma visão geral dessas ideias, consulte Fletcher Coleman, “Encontrando Escultura Chinesa na América: A Pedagogia e Exposição Inicial de Esfregões de Tinta Monumentais de Longmen,” Orientations 51, no. 1 (janeiro / fevereiro de 2020): 90–100.

Sobre a mudança de atitudes em relação à restauração de fragmentos na escultura clássica, consulte Glenn Most, "On Fragments" e William Tronzo, "The Cortile delle Statue: Collecting Fragments, Inducing Images", em The Fragment: An Incomplete History, ed. William Tronzo (Los Angeles: The Getty Research Institute, 2009), 9–22, 39–60.

Os termos “fragmentário” e “completo” são usados ​​aqui para se referir à relativa integridade dos relevos de Vimalakīrti e Procissão da Imperatriz após sua remoção e restauração. It must be acknowledged that, no matter how complete the stone fragments contained within the restored reliefs are individually, removed from the Binyang Central Cave, they remain incomplete from their original context. Regarding the nature of the fragmentary state as it pertains to Buddhist sculpture, Gregory Levine of the University of California, Berkeley, has presented extensively as part of an ongoing project entitled “Buddha Heads: Fragments and Landscapes.”

Permissions: Copyright to the content of the articles published in the Ars Orientalis remains with the journal. Copyright to the images in the articles published in Ars Orientalis remains with the image rights owners. This article may be copied for use by nonprofit educational institutions, and individual scholars and educators, for scholarly or instructional purposes only, provided that (1) copies are distributed at or below cost, (2) the author, the publisher, and the Journal are identified on the copy, and (3) proper notice of the copyright appears on each copy. For other uses, content permission must be obtained from Ars Orientalis and image permission must be obtained from the rights owners.

For more information, read Michigan Publishing's access and usage policy.


China’s Buddhist caves: the enduring art of the Silk Road

The Silk Road is well-known as being one of the world’s earliest trade routes, allowing the exchange of goods between China and Europe, via Central Asia. And it was along the Silk Road that Buddhism began spreading into China from India as early as the first century AD. With it came the idea of constructing temples and holy sites by hollowing out rock faces: Buddhist caves and mural art spread across China in this way.

Hundreds of these magnificent cave art sites, or grottoes, still dot mountainsides and rock faces across China, housing impressive sculptures and vivid murals that are thousands of years old. Not only are these sites evidence of their creators’ dedication to their faith, they also offer a fascinating glimpse into the multicultural society that thrived for a thousand years along the once mighty Silk Road trade route that connected east and west.

Stories of the Silk Road

China’s Buddhist caves were often chosen for their scenic beauty, sometimes by travelling monks who had had visions at a particular spot or who were attracted by its spiritual aura. Within the excavated caves, which would take years to hollow out, monks and other followers would carve thousands of Buddhas, bodhisattvas (spiritual beings on the path to becoming Buddhas), apsaras (heavenly nymphs) and celestial musicians. These would be painted and highlighted in explosions of colour made from precious materials like lapis lazuli, indigo and real gold traded along the Silk Road. Alongside these heavenly beings, however, more down to earth details were also depicted – Central Asian merchants, Indian monks in white robes and Chinese peasants working in the fields. These portraits of average travellers from bygone times have sat quietly in grottoes throughout western China, preserved for generations to come.

Many Buddhist caves in China became the focus of worship and meditation not only for the communities of monks who would reside there, but also for visiting pilgrims and traders. Indeed, many of the temples and holy sites on the Silk Road were used by merchants as banks or warehouses. They would be centres of religious practice and cultural exchange, as well as valued stop-off points on the long, dangerous routes through central China. Over the years, more and more cave sites, stretching further away from the Silk Road and deeper into China, would be excavated and decorated, matching closely the spread and acceptance of Buddhism across the country and showing an incredible development and change in artistic style as they moved.

As the millennia passed, however, and trade along the Silk Road lessened (thanks to increased sea transportation), many of the caves were abandoned or fell into disrepair. Others were destroyed as cultural shifts in China meant that different religions and new ways of worship came to dominate certain parts of the country. Many Silk Road caves were looted for their treasures or cast from the cultural consciousness, becoming buried by the desert sands from which they were carved. It wasn’t until the 19th century that the caves began to be opened up again, as explorers and archaeologists from China and around the world started to rediscover their hidden treasures.

Most well-preserved Buddhist caves in China today

The enduring Buddhist caves in China are mainly scattered throughout the far west, mainly in Xinjiang, Gansu and the Yellow and Yangzi River regions. Many are listed as UNESCO World Heritage Sites, housing unique sculptures and murals in varying states of preservation.

What connects them all is their important place in the story of Buddhism and multiculturalism in China. They are among the world’s greatest monuments to faith and the way in which humans always have, and continue to, share and transmit new ideas.

There are many grottoes and cave art sites across the country that are open to the public. Here are our choices of some of the most interesting Buddhist caves in China.

Mogao Grottoes

Hewn into eastern slope of the evocatively named Rattling Sand Mountain near Dunhuang in Gansu province, the Mogao Grottoes are one of the most important collections of Buddhist art in the world. Situated at a strategic point along the Silk Road, at a crossroads of trade as well as religious, cultural and intellectual influences, the grottoes first began being carved in 366 AD by a monk named Yue Seng. The artwork here reached its creative peak during the Tang dynasty (618–907), when the area housed 18 monasteries, more than 1400 monks and nuns, and countless artists, translators and calligraphers.

Nowadays, around 500 cave cells and sanctuaries survive and are prized for the statues and wall paintings, spanning 1,000 years of Buddhist art, preserved within. Protected under UNESCO World Heritage status, the caves at Mogao show the evolution of religious art along this part of the Silk Road, and provide a literal vivid picture of medieval politics, economics, culture, arts, religion, ethnic relations and daily dress in western China.

Bingling Si

Accessible mainly by boat, and hidden in an arid gorge formed by the Yellow River, Bingling Si in Gansu province certainly wins the prize for most spectacular location. The site's desert isolation not only provides an adventurous journey to reach it, but it also means it is one of the few Buddhist cave sites to have survived the ravages of time and human interference relatively intact.

Over a period of 1600 years, starting from around 420 AD, daring sculptors dangled from ropes to carve almost 200 niches and 700 sculptures into the steep canyon walls. Their sculptures show differing cultural and physical features, with the earliest carved with clear Indian influence. The most spectacular sculpture here is the 27m-high seated statue of Maitreya, the future Buddha, but some of the smaller bodhisattvas and guardians are equally impressive in their tiny detailing. It’s a challenge to find the smallest one, which measures just 25 centimetres in height!

Kizil Thousand Buddha Caves

The Kizil Thousand Buddha Caves in the far western Xinjiang Uyghur Autonomous Region are believed to be the earliest Buddhist cave complex in China. They were started in the 3rd century BC and reached their height between the 5th and 13th centuries, when Buddhism was the dominant faith in the area.

While not many of the caves are open to the public, those that are contain colourful murals depicting a variety of religious themes, ranging from the life of the Buddha to stories about the nature of karma. Many of these are painted in the shocking blue tinge of lapis lazuli, a semi-precious rock prized for its intense colour – one of the most precious commodities traded on the Silk Road at that time. What’s particularly interesting about the murals here is that most lack any clear Chinese influence in their style. The presence of Afghan, Persian and Indian elements in the murals indicate that they were produced at an early date by western travellers passing just passing through.

Yungang Caves

The 51,000 statues and carvings in the 5th-century Yungang Caves, in Shanxi province, are simply magnificent. They were predominately carved during the Northern Wei dynasty (386-534), when nearby Datong was the capital of the Turkic-speaking Tuoba clan that ruled China. The dynasty was one of the earliest in Chinese history to adopt Buddhism as their state religion and many of the caves at Yungang were constructed under the supervision and support of the imperial court.

The sculptors here drew inspiration from Indian, Persian and even Greek influences to create their masterpieces. Despite the centuries that have passed since their creation, many of the statues and frescoes at Yungang still retain their gloriously vivid colours. Beautifully painted images of animals, birds and angels fill the walls, while almost every cave contains depictions of tiny Buddhas seated in niches, also known as the ‘1000-Buddha motif’.

Longmen Grottoes

The grottoes at Longmen, located a few kilometres south of Luoyang in Henan province, were started in around 494 AD, after the capital was moved from Datong. As well as being some of the most beautiful representations of ancient Chinese stone art, the statues and inscriptions within the caves provide a window into the political, cultural and artistic environments of that early time. Many of the statues in the oldest grottoes were commissioned by the royal court as a way to honour their ancestors.

The grottoes were maintained and developed over a period of around 200 years, reaching their zenith in 675 AD with the completion of the extraordinary Fengxiansi Cave. It’s an awe-inspiring experience to gaze up at the cave’s colossal statue of Vairocana Buddha, flanked on one side by disciples and bodhisattvas, and by heavenly kings and guardians on the other. The face of the Buddha is said to have been modelled on Tang empress and Buddhist patron Wu Zetian, the first empress regnant in China, who funded its carving.

Maijishan Grottoes

Another series of grottoes set into a cliff face so steep you genuinely wonder how they were carved in the first place, Maijishan has over 221 caves and niches that hold around 7800 sculptures. A series of vertiginous scaffolding walkways and stairwells connects visitors up and around the site, to peer into tiny caves for glimpses at Buddhas and bodhisattvas, some dating all the way back to the 4th century AD. The site was continually added to as trade through the region brought visitors – he towering 15.7m Buddha flanked by two bodhisattvas carved into the cliffside was added a little 'later' during the Sui dynasty (581–618). During the 1980s, restoration works on the site revealed a treasure folded away within the Buddha's fan: a handwritten copy of the Sutra of Golden Light.

Get more travel inspiration, tips and exclusive offers sent straight to your inbox with our weekly newsletter. Make the most of your travel with sightseeing tours and activities from our trusted partners.


An Unusual Dark Grey Stone Head of a Female Attendant, Tang Dynasty (618-907), possibly Longmen Caves

An Unusual Dark Grey Stone Head of a Female Attendant, Tang Dynasty (618-907), possibly Longmen Caves

Carved as if facing slightly to the right, with small chin, well-defined mouth and slightly open eyes below curved brows, the hair drawn up into two topknots, with remains of pigment and earth accretions, the back sheared off. 14 in. (35.5 cm.) high, stand. Estimate $20,000 - $30,000

Proveniência: J.T. Tai & Co., New York, prior to 1975.

Notas: Fragments of secular figures within processions of donors are among the rarest surviving carvings removed from the Longmen grottoes, Henan province. This head of a young girl has her hair dressed in an elaborate double-topknot with looping braids which can be seen on contemporaneous Tang sancai wares, but which is clearly derived from Northern Wei prototypes, such as those on the famous panels of the processions of Emperor Wenzhao and Empress Xiaowen flanking the entrance to Cave 140, now in the Metropolitan Museum of Art, New York, and the Nelson-Atkins Museum, Kansas City, respectively. See S. Di, Comprehensive Illustrated Catalogue of Chinese Buddhist Statues in Overseas Collections, vol. II, Beijing, 2005, pp. 341-5. Retinues of female donors may be seen on caves executed during the Tang dynasty in historical photographs taken by Eduoard Chavannes in 1907. See Missions archeologiques francaises en Chine: Photographies et itineraires, 1907 - 1923, Paris, 2004, p. 69, which may be a view of the Southern Binyang Cave, Cave 159. Compare, also, a kneeling female donor in Niche 328, which also appears on the proper left wall of the cave entrance and facing in (thus to her left), illustrated in Complete Works of Statues in Longmen Grottoes, vol. 2, Beijing, 2002, p. 109, figs. 291-2 and another in Cave 362 and Niche 363, p. 133, fig. 356, and p. 141, fig. 381, respectively.


The ancient city of Luoyang Culinary Arts Festival

Luoyang is a city bearing too much glory, down 5,000 years of history and it has many adhesions, monuments, art, gourmet food.

In a fiery day I set foot on this ancient city, feel the breath, trying to constantly walk to experience one of the most beautiful in Luoyang.

Luoyang water banquet · Culinary Arts Festival

Luoyang should really do taste the food be?

Is, of course, through the Tang dynasty have a Royal feast, in Luoyang water banquet of boiling broth in water to get the greatest satisfaction, making the eyes, ears, nose, mouth, full enjoyment.

• Peony flower food “Peony”, regardless of length, Luoyang. Water banquet cuisine, fine to let people not chopsticks.

Luoyang water banquet began in the Tang dynasty, and accurately is Empress Wu after the capital Luoyang.

Luoyang drier, so people dietary meal are soups. There was a joke, said Luoyang people meeting and greeting people, not asking, “have you eaten yet? “But” did you eat soup? ”。 Luoyang soups is a long-standing tradition of eating habits.

To curry favor with Empress Wu moved the capital to the diet has to be ill, people try every trick, collecting and improving, and finally achievement was the female Emperor in favor of the Luoyang water banquet. Soon, the Palace water Gallery into a community, has a long history, as food culture of Luoyang’s most classic works.

Water table has two meanings: first, soup is good at, and the other is eating one-for-one and water in General.

At present, the Luoyang water banquet as a kind of national intangible cultural heritage both at home and abroad.

The water banquet to go to taste the most authentic classic, non-Luoyang “really different” qualifies here has received many foreign guests.

We are in the “very different” rooms and antique, display many Guttau. The seat and Red napkins on the table is beautiful unique shape, each stack of law are not the same. Visually stunning enjoyment, and soon four meat and four four-point total of 12 cold dish Apex up, happy taste buds begin to boil.

• These are just an appetizer dish.

▲ Look at the “singing”. Such as “foreplay” dish, even the styling is so beautiful, and way delicious, really enjoy the feeling of the Emperor, each dish taste that I couldn’t even eat, stay room, the next course is delighted.

About each food represents different meanings, wore dresses of the Tang Dynasty Palace staff will explain one by one, and I just eat food give the meaning of no mind that enjoyment of food gives me is not falling as they have.

Hawthorn Sydney “cake”, and cuttlefish, and duck Chin, and bar Yam · · · · · ·, each together food are is ever I eat had of similar food material in the cooking have best of, and each road food are so of right can meet we of needs, like in hot of summer eat Shang appetizer solutions summer of Sydney Hawthorn, articulate between of wonderful enjoy temporarily Zhijian to described.

Even more rare food can satisfy the needs of all flavors, sweet and sour, salt and pepper everything, I am was a serious activist, but every food eating here, I have not say love. A dish to please everyone, this scene, I just see here.

“Real different” service good and don’t have anything to say, say details, and cold dishes served just fly a bug on it, the waiter immediately keen-eyed hand back the dish, said he would do it again, and we did not see the tiny insects.

▲ People watering Peony swallow nest.

Peony swallow nest, also known as Luoyang swallow nest, is based on various types of vegetables, mostly radishes and cook it the smell of bird’s nest soup. This “bird’s nest” is Wu Zetian usually taste a dish, best eat less greasy. Soup cooking light and delicious, the “bird’s nest” toughness and refreshing, say one of enjoyment.

• I love the “bird’s nest soup,” I eat not the bird’s nest, is turnip. Delicious soup I got almost the same.

I’m not eating radish flavor, I consulted with the waiter knew radish answers site Eater like me, surprised.

To make a delicious and toughness of the “bird’s nest”, carrot strips have to be dried before cooking. Dried radish is a technical, ventilation and sunlight has on the environment much.

• Iron foodie, feast of the water.

After a cold dish, soup of water and all kinds of dishes, a staple a strong debut.

Soup per person each one, the boiling broth in my front tank never more than 5 because two on each soup, the waiter would bring to a new soup, take another soup, I often won’t let her take soup that I haven’t finished, but before it is filled. Water water seats, I had come to deeply appreciate the feast.

Episode: boiling broth over water, to avoid going to the bathroom, got back on the table, a partner told me, there are two soups, I haven’t even tried to bite, has been taken away. So I learned every soup, drink two small, leisurely ask the waiter to take away, waiting for the next fresh enjoyment. This scenario reminds me of the TV to see the emperor to dine out, too, have a taste, leaving her, and finally, in the presence of food, I also do an emperor.

• No matter how delicious the soup, I can only, eat two bites, withdraw!

▲ Go to fill out “really different” façade. Many big name, such as state dinners, the Tang dynasty Chinese first feast · · · · · ·, I think worthy of the name.

• Lobby Attendant. Enter “really different,” it feels like it’s out of the ordinary.

▲ Father-in-law propaganda purpose, Luoyang water Banquet, Queen qinci.

We enjoy seats going to the water masses of stalls, rooms have 2 maids waited on, good food and service make us pleasantly, I do not know how wonderful and fancy bits of water sitting experience. However, I have been very satisfied, and Luoyang trip, is enough.

▲ “Really different” inside. Also wanted to do some people experience tongue on the ancient capital of Luoyang.

▲ Night “really different” in front of crowds, traffic and business is very, very good.

Longmen Grottoes · Cliff exhibit wonders of the Millennium

Longmen Grottoes in the dazzling cave shrines, statues, and do not really know where to start.

As the world’s cultural heritage, the Longmen Grottoes in Luoyang, has become one of the most significant source of tourist revenue. It is located in the South suburb of Luoyang Longmen mountains, there are East and West Castle, most of the spectacular caves dug at the foot.

▲ Fengxian Temple Longmen Grottoes is the largest, the most exquisite carved a set group, is today the most complete and most beautifully. Middle of the master – the Buddha Vairocana Buddha statue has become the spokesperson of the Longmen Grottoes in Luoyang, even.

Occasion of the Longmen Grottoes was founded in Emperor xiaowen of the Northern Wei capital Luoyang (493), after hundreds of years after large-scale construction, the Middle has been damaged, there have been stopped, there have been people collective, built all sorts of conditions. Maximum of Fengxian Temple is the Buddha Vairocana Buddha, Buddha in the Lotus caves of the minimum, only 2 cm.

• Looking ahead, cave shrine of countless big and small, they just packed in the mountain stretches a kilometer. Its spectacular speaks for itself.

▲ Mountain cliffs on the surface as well as the intricate carvings, some visible, some only a fuzzy body. I also visited the Yungang Grottoes in Shanxi province, due to the textures of the mountain, where the Buddha saved was more delicate than the Longmen Grottoes.

▲ Is preserved in the cave Grotto statues, rare integrity, Grotto cave and some residual color and text at the top. Can imagine the radiant was first built.

▲ Cave cave, except for a few main Buddha statue, looking, top, walls, dense is all, that seemingly small bump one after another was Buddha. So much of the amount, engraving is so fine, wonder construction of Longmen Grottoes take up to 400 years old.

Common identification number this is 1XXX cave outside hole, Bay number thousands, the great number of them.

• Omnipresent statues, Buddha mind, Buddha among the people, everywhere, it just means it was fear of belief of times.

▲ Cliff on the spectacular Buddhist shrine along the ladder, go straight up, are not finished before the eyes of Buddha.

▲ The statue in the shrine. In the history of these grottoes have suffered varying degrees of destruction, many niches are empty, or a Buddha head was cut off, not preserved. Even limited retained part of the lot also has been unable to discern the face of charm, the Yungang Grottoes in Shanxi province also has a lot of damage, but retained most of the statues are clearly distinguishable, eyes perseverance in God. It seems that weathering of the Longmen Grottoes was more serious.

▲ Retain most exquisite group of Fengxian Temple Buddha, which is part of Royal Temple Fengxian Temple, built by Empress Wu’s sponsor. Statues of plump, meets the aesthetics of Tang fat is beautiful. There are nine Buddha, Lord Buddha up to 17 metres, an air of gentle kind, these feminine feminine statue reminds me of the Shanxi Yungang stone cave Buddha to those strong masculinity, male. Two very different images.

As with the Yungang Grottoes, Longmen Grottoes in many Buddha statues are also references the Emperor face of repair, there’s a folklore this most expensive of Vairocana Buddha is referred to Wu Zetian’s appearance.

▲ Fengxian Temple statues of you, right 2, air is clearly visible, who still has a little color. Compare the 2 lie in the rough, and Vairocana Buddha is really loving wisdom, no wonder he became a spokesperson of the Longmen Grottoes.

▲ Between Dong Shan XI Shan grottoes, grottoes and, flowing gently down the river.

• When you leave the Longmen Grottoes, we sailed off from the River, ships far off picture of Fengxian Temple.

▲ Night at the Longmen Grottoes, lights turn on, very brilliant. Looks like the Buddha a big Party?

I didn’t tour caves, this picture was taken on the area’s night poster. But I think back more than 1000 years ago, the Tang dynasty, in the color of the painted sculptures and carvings has barely faded before, Longmen Grottoes is the stunning spectacle.


Caves

The caves were cut into the side of a cliff which is close to two kilometers long. At its height, during the Tang Dynasty, there were more than a thousands caves, but over time many of the caves were lost, including the earliest caves. 735 caves currently exist in Mogao the best-known ones are the 487 caves located in the southern section of the cliff which are places of pilgrimage and worship. 248 caves have also been found to the north which were living quarters, meditation chambers, and burial sites for the monks. The caves at the southern section are decorated, while those at the northern section are mostly plain.

The caves are clustered together according to their era, with new caves from a new dynasty being constructed in different part of the cliff. From the murals, sculptures, and other objects found in the caves, the dates of around five hundred caves have been determined. Following is a list of the caves by era, compiled in the 1980s (more have been identified since):

Sixteen Kingdoms (366–439) - 7 caves, the oldest dated to Northern Liang period.

Northern Wei (439–534) and Western Wei (535-556) - 10 from each phase

Northern Zhou (557–580) - 15 caves

Sui Dynasty (581–618) - 70 caves

Early Tang (618–704) - 44 caves

High Tang (705–780) - 80 caves

Middle Tang (781–847) - 44 caves (This era in Dunhuang is also known as the Tibetan period because Dunhuang was then under Tibetan occupation.)

Late Tang (848–906) - 60 caves (This and the subsequent periods until the Western Xia period are also known collectively as the Guiyijun period (歸義軍 'Return to Righteousness Army', 848–1036) when Dunhuang was ruled by the Zhang and Cao families.)


Assista o vídeo: Longmen Grottoes--Luoyang, CHINA (Outubro 2021).