Notícia

Fokker B.II (Austro-Hungria)

Fokker B.II (Austro-Hungria)


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Fokker B.II (Austro-Hungria)

O Fokker B.II foi a designação austro-húngara para o biplano Fokker M.17E, usado como aeronave de treinamento por sua força aérea de 1916 a 1918. O M.17 foi encomendado no lugar do M.16, depois dessa aeronave travou durante os testes. Em 13 de abril de 1916, um exemplar do M.17E foi enviado ao centro de avaliação austro-húngaro em Wiener-Neustadt, e um pedido foi feito para vinte e quatro aeronaves ligeiramente modificadas.

O Fokker B.II produzido para os austro-húngaros apresentava uma fuselagem traseira aprimorada, o que tornava a montagem da cauda mais robusta. O leme retangular do M.17E foi substituído pelo leme mais arredondado usado no Fokker E.III. A aeronave seria armada com uma metralhadora Bergmann LMG 15nA de 7,92 mm, sincronizada para disparar através da hélice, e uma metralhadora Schwarzlose M16 de 8 mm disparando para a frente sobre a asa superior. Por engano, apenas a primeira aeronave foi entregue com este armamento instalado.

Essa primeira aeronave foi enviada para o Flik II na Frente Leste para avaliação de combate, e foi então usada como banco de ensaio. Vinte e duas das vinte e três aeronaves restantes foram aceitas, com as últimas três chegando em setembro de 1916. Elas foram usadas como treinadores com Fleks 4, 6 e 8 e permaneceram em uso até 1918.

Vão (superior): 23,62 pés
Comprimento: 20,34 pés
Motor: motor rotativo Oberursel de 80 cv
Velocidade máxima: 81 mph

Livros sobre a Primeira Guerra Mundial | Índice de assuntos: Primeira Guerra Mundial


15 aeronaves mais importantes da Primeira Guerra Mundial

Os irmãos Wright voaram pela primeira vez em dezembro de 2003. A Primeira Guerra Mundial estourou em julho de 1914 e veria os primeiros usos de aeronaves durante a guerra. Entre 1914 e o fim da guerra em 1918, seriam produzidos 100.000 aviões da Primeira Guerra Mundial.

Devido à natureza em constante mudança da guerra, especialmente nos últimos dois anos, ambos os lados demandariam novas aeronaves para se adequar a isso. Muitos deles assistiriam ao combate, enquanto muitos outros não. Então, quais foram os mais importantes?

Recentemente, cobrimos as aeronaves mais importantes da Segunda Guerra Mundial, então, naturalmente, tivemos que cobrir as aeronaves mais importantes da Primeira Guerra Mundial!


Conteúdo

As Potências Centrais consistiam no Império Alemão e no Império Austro-Húngaro no início da guerra. O Império Otomano juntou-se aos Poderes Centrais mais tarde em 1914. Em 1915, o Reino da Bulgária juntou-se à aliança. O nome "Potências Centrais" é derivado da localização desses países todos os quatro (incluindo os outros grupos que os apoiaram, exceto Finlândia e Lituânia) estavam localizados entre o Império Russo no leste e a França e o Reino Unido no oeste. Finlândia, Azerbaijão e Lituânia juntaram-se a eles em 1918, antes do fim da guerra e após o colapso do Império Russo.

Os Poderes Centrais eram compostos pelas seguintes nações:

Nação Entrou na Primeira Guerra Mundial
Império Austro-Húngaro 28 de julho de 1914
Império alemão 1 de agosto de 1914
império Otomano 2 de agosto de 1914 (segredo)
29 de outubro de 1914 (público)
Reino da Bulgária 14 de outubro de 1915


Aviões e pilotos Fokker famosos

  • Em 1915, o Fokker E.I foi o primeiro "caça" introduzido na força aérea alemã, levando ao Flagelo Fokker. (o ás com maior pontuação na 1ª Guerra Mundial) está associado a um Fokker Dr.Itriplane vermelho, pelo menos por algumas de suas 80 vitórias (1917-1918)
  • A introdução do Fokker D.VII na força aérea alemã em 1918 revolucionou o design de aeronaves.
  • Em 1923, Oakley G. Kelly e John A. Macready completaram o primeiro vôo sem escalas cruzando o continente norte-americano em um Fokker T-2.
  • Em 1927, Richard E. Byrd completou seu voo transatlântico de Nova York a Paris em um Fokker F.VII.
  • Em 1928, Amelia Earhart, a primeira mulher a voar pelo Atlântico como passageira (de Newfoundland à pequena cidade galesa de Burry Port), o fez em um Fokker F.VII pilotado por Wilmer L. Stultz.
  • Em 1928, Charles Kingsford-Smith completou o primeiro voo transpacífico em outro F.VII.
  • O Fokker S-14 Machtrainer foi a primeira aeronave de treinamento a jato construída para esse fim no mundo (1951).

Fokker B.II (Austro-Hungria) - História

Em agosto de 1914, o Taube provou rapidamente seu valor como aeronave de reconhecimento quando avisou os alemães sobre um avanço russo durante a Batalha de Tannenburg. Mais tarde naquele mês, foi usado para bombardear quando o tenente von Hiddesen lançou uma pequena carga de pequenas bombas em Paris. O Taube era uma aeronave estável com características de vôo agradáveis ​​e, considerando que já tinha quatro anos quando a guerra estourou, seu desempenho em 1914-15 não foi de todo ruim.

Era conhecido como um dos melhores lutadores de cães da guerra.

Era um avião terrível nas mãos de um piloto inexperiente, mas com um piloto experiente era um dogfighter quase imparável.

O único tiro fatal no coração, vindo de baixo, foi disparado por metralhadores australianos ou por outras tropas terrestres.

As divisórias entre os bolsos dos cartuchos na correia são feitas de aço, em vez do latão especificado pelo fabricante, indicando que era de fabricação alemã do tempo de guerra.

Frank Ronald Rawlinson, alistou-se na AIF em agosto de 1916, e serviu como 424A 2ª Classe Mecânico Aéreo com 3 Esquadrão, Australian Flying Corps.

O bombardeiro GOTHA foi um dos primeiros bombardeiros "pesados" bem-sucedidos.

Carregava uma tripulação de 3 (piloto e 2 metralhadoras) e era impulsionado por duas hélices de empurrar.

Ele tinha um ruído de motor distinto que as tropas chamavam de & quotThe Gotha Hum & quot.

Gothas bombardeou os ANZACs muitas vezes e foi responsável por muitas baixas.

O aeródromo inimigo em Jenin.

Estatisticas : Mais de 35 milhões de visitantes da página desde 11 de novembro de 2002


Histórico operacional

A nova aeronave, designada D.VI, passou seu Typenprüfung (teste oficial de tipo) em 15 de março de 1918. A aeronave de produção utilizou o único motor rotativo disponível, o Oberursel Ur.II. Idflieg produção de baixo nível autorizada, dependendo da disponibilidade do Goebel Goe.III mais poderoso. As entregas começaram em abril e terminaram em agosto, após apenas 59 aeronaves terem sido concluídas. Sete aeronaves foram entregues ao Serviço Aéreo Austro-Húngaro (Luftfahrtruppen).

Em serviço, o D.VI foi prejudicado pela baixa potência do Oberursel Ur.II. Além disso, a falta de óleo de rícino e a má qualidade dos lubrificantes substitutos alemães reduziram drasticamente a vida útil e a confiabilidade do motor. O D.VI permaneceu no serviço de linha de frente até setembro de 1918 e continuou a servir em treinamento e unidades de defesa doméstica até o Armistício.


FW: Forças Aéreas de Potência Menor da Segunda Guerra Mundial

Esta página lista a organização de várias forças aéreas de pequeno poder durante a Segunda Guerra Mundial. Isso é baseado em informações coletadas durante a pesquisa de aeronaves da Segunda Guerra Mundial para a série de jogos Clash of Arm's Fighting Wings, Over the Reich, Achtung! Spitfire e Whistling Death. A informação, é claro, é aplicável a qualquer jogo histórico para aquele período.

Essas páginas crescerão conforme eu concluo mais pesquisas - e tenho tempo para postá-las aqui.

As forças aéreas cobertas aqui são divididas em áreas geográficas:

  • Europa Ocidental (Bélgica, Holanda, França, Itália, Espanha, Suíça)
  • Europa Oriental (Bulgária, Croácia, Tchecoslováquia, Grécia, Hungria, Polônia, Romênia, Eslováquia, Iugoslávia)
  • Escandinávia (Dinamarca, Noruega, Suécia, Finlândia)
  • Extremo Oriente (China, Índias Orientais Holandesas, Japão, Tailândia, IndoChina, Força Aérea Britânica do Extremo Oriente, Extremo Oriente dos EUA)
  • Oriente Médio (Egito, Israel, Turquia)

Esta seção inclui as forças aéreas dos seguintes países:

  • Bélgica
  • França (armamento adicional e dados de organização)
  • Alemanha (dados adicionais de armamento)
  • Holanda (Holanda)
  • Itália
  • Suíça

A Belgian Aeronautique Militaire trabalhou em estreita colaboração com os britânicos. Seus pilotos eram muito respeitados, mesmo que seus equipamentos fossem, em sua maioria, obsoletos. A propósito, o cenário & quotBridges at Sedan & quot em Achtung Spitfire realmente ocorreu na Bélgica, e a valente (mas infrutífera) missão foi pilotada pela Aeronautique Militaire. Em maio de 1940, o BAM foi organizado em 3 Regimentos:

1º - Observação e
Cooperação do Exército
6 esquadrões - 62 aeronaves 41 biplanos Fairey Fox da marca inicial
21 Renard R-31 guarda-sol asa
2º - Lutadores 6 esquadrões - 79 aeronaves 11 Furacão Mk I (não operacional)
Gloster Gladiator 15
23 Cr.42 biplanos
30 Fairey Fox VI e amp VII
3º - Bombardeiros 4 esquadrões - 41 aeronaves 14 Fairey Battle III
27 Fairey Fox (marcas de bombardeiro lt)

Além disso, uma unidade estava se formando usando o Hurricane Is, construído na Bélgica, armado com quatro MGs Browning de 12,65 mm montados nas asas, mas estes não estavam operacionais em maio de 1940.

O Luchtvaarafadeling holandês (LVA) era pequeno, mas bem equipado em 1938 - e um pouco obsoleto em 1940, quando os alemães atacaram. O LVA também parece ter tido alguns problemas com manutenção. Eles esperavam que sua neutralidade declarada os mantivesse fora da guerra e da necessidade de uma força aérea maior e mais moderna. O LVA lutou bravamente, mas ineficazmente, por cinco dias, completamente sobrecarregado pelo número de aeronaves alemãs. Muitos foram destruídos no solo. Após 3 dias, a munição acabou - e as aeronaves restantes ficaram mais tempo no solo como alvos.

1º Regimento 2º Regimento
4 sqdns de lutador (2x D.XXI, 2x G.Ia)
1 bombardeiro sqdn (T.V mdm. Bombardeiro)
1 sqdn de reconhecimento (biplanos Fokker e Koolhaven mistos)
2 sqdns de caça (1x D.XXI, 1x DB-8A-3N lt bombardeiro)
4 sqdns de reconhecimento (biplanos Fokker e Koolhaven mistos)

Douglas DB-8A-3N é um bombardeiro leve A-17A construído pela Douglas. Ele foi colocado em uso como um caça, uma vez que tinha 4 MGs de tiro para a frente. O Fokker D.XXI, G.I, o DB-8A-3N e o bombardeiro T.V estão disponíveis para download.

A Força Aérea Holandesa das Índias Orientais (NEIAF), como o resto dos militares holandeses nas Índias Orientais, permaneceu Aliada após maio de 1940. É coberta separadamente pelas forças aéreas asiáticas.

Não vou documentar aqui toda a Força Aérea Francesa (você pode encontrá-lo aqui). Vou discutir o modelo francês de organização. As aeronaves francesas foram geralmente implantadas como um grupo, sendo compostas por dois esquadrões de 9 (+3 reserva) aeronaves do mesmo tipo (geralmente o mesmo modelo).

  • Agrupamento - vários grupos, geralmente de um tipo (caça, bombardeiro, reconhecimento)
  • Escadre - 2-3 grupos

Os grupos continham cerca de trinta pilotos / tripulações. Eles raramente eram separados por uma escadrilha. Os grupos eram especializados por função:

  • GC - Groupe de Chasse (lutadores)
  • GCN - Groupe de Chasse de Nuit (Night Fighters)
  • GB - Groupe de Bombardement (bombardeiros)
  • GBA - Groupe de Bombardement d'Attaque (bombardeiros de ataque)
  • GBN - Groupe de Bombardement de Nuit (bombardeiros noturnos)
  • GR - Groupe de Reconaissance (Recon)

Os grupos eram formados por duas escadrilhas (sqdn).

Aeronavale

A Força Aérea Naval Francesa era menor e estava organizada como esquadrões individuais (escadrilhas) de um único tipo de aeronave. Inclui:

  • Caças (originalmente capazes de porta-aviões, mas substituídos em 1940 por aeronaves não-porta-aviões)
  • Bombardeiros de mergulho (capacidade de transporte)
  • Bombardeiros de torpedo (geralmente aviões flutuantes)
  • Reconhecimento de curto alcance (geralmente aviões flutuantes)
  • Reconhecimento de longo alcance (geralmente barcos voadores)

Portaria Aérea Francesa (por volta de 1940)

Nome / Peso Modelo Peso Carga Macio / Duro
Força de Ataque
Disponível
Frag 10 kg Frag 22 libras 0.5 2/0 1939
Queima de 10 kg Flare 22 libras 0.5 -- 1939
15 kg Frag Frag 33 libras 0.5 3/0 1939
30 kg Flare Flare 66 libras 0.5 -- 1939
50 kg HE ELE 110 libras 1.0 10/5 1939
100 kg HE ELE 220 libras 2.0 20/10 1939
tipo I2 (N) ELE 330 libras 2.5 28/13 1939
200 kg HE ELE 441 libras 3.0 32/15 1939
Tipo K (N) ELE 496 libras 3.0 36/18 1939
SC250 (alemão) ELE 551 libras 3.0 40/20 1941
Tipo P (N) ELE 992 libras 4.5 75/35 1939
500 kg HE ELE 1102 libras 5.0 80/40 1939
Mk. 47 Carga de Profundidade (N) DC 330 libras 2.5 22/11/18* 1946?
26DA Toulon / St. Tropez torp 1427 libras 7.0 80/65 1934
Parâmetros de lançamento: Altura: 0,3, velocidade: & lt3,5. 26DA move 1 hex em cada turno. Alcance: 22 hexágonos.
Torpedo (N) torp 1654 libras 7.0 90/75 1946?
90mm Rkt (N) Rkt 0.5 1946
* 3º valor é usado contra alvos submersos

ADCs de aeronaves francesas

O tio Ted tem vários ADCs de aeronaves francesas.

A Força Aérea Suíça é uma entidade interessante. Eles patrulhavam regularmente para impor a neutralidade suíça, ocasionalmente enfrentando aeronaves alemãs e aliadas.

O Fliegertruppe suíço incluiu equipamentos alemães e franceses:

  • 1938 - comprou 10 Bf109Ds (motor Jumo 211Da com armas C-1)
  • 1939/40 - comprou 50 Bf109E-1s e 30 Bf109E-3s
  • 1940 - comprou licença para construir 290 MS.406 (82 designados como D.3800, 207 como D.3801 com motor maior)
  • 1943 - comprei alguns Ju52s que foram aposentados pela última vez em 1969
  • 1943 - internou alguns Bf109Fs que foram adicionados aos esquadrões ativos
  • 1944 - comprei cerca de uma dúzia de Bf109G-6s

Os suíços construíram alguns de seus próprios projetos, incluindo a série EKW C.3600 de bombardeiros monomotores leves / recon.

Organização

Em setembro de 1939, o Fliegertruppe consistia em 7 109 esquadrões: 1 com Bf109Ds e 6 com biplanos EKW. Estes foram substituídos em 1940 com 109Es.

Em 1946, isso mudou para 6 esquadrões de Bf109Es e 1 esquadrão de Bf109G-6s.

Eles também incluíram cerca de 20 esquadrões de D.3800s e cerca de 10 esquadrões de C.3601

O primeiro arquivo ADC Bf109 do tio Ted inclui o Swiss D e o E-1. Os outros Bf109s estão disponíveis através do OTR, ASp e em edições anteriores da revista Air Power. O Ju52 está disponível com o bombardeiro alemão ADCs. O original do D.3800 está disponível com os caças franceses ADCs.

A organização da Luftwaffe é bem descrita em vários lugares na rede e em Air Power # 33. Luftwaffe TO & ampEs para várias campanhas estão incluídos para cada campanha. Para examiná-lo brevemente:

Luftflotte: Uma grande unidade aérea cobrindo uma área, semelhante a uma força aérea numerada da USAAF. Havia originalmente três Luftflotte, que aumentaram para seis durante a guerra. A Luftflotte tinha unidades operacionais e unidades que administravam campos de aviação dentro da realeza. O número de unidades operacionais flutuou dependendo de quais operações estavam acontecendo na área.

    Fliegerkorps: uma unidade numerada composta de uma variedade de unidades de aeronaves (Geschwaderen e Gruppen) designadas para uma operação ou propósito específico.
      FleigerDivision: às vezes usado para organizar dentro de um Fliegerkorps. Normalmente, todos de um tipo de aeronave.
        Geschwader: A maior unidade de um número fixo de aeronaves, geralmente todas com a mesma função. Composto por 4 Gruppen mais um vôo Stab (staff) de 4 aeronaves. Referido por tipo:

      KG - KampfGescwader (bombardeiros)
      JG - JaegerGeschwader (lutadores)
      StG - StukaGeschwader (bombardeiros de mergulho Stuka) e assim por diante

        Gruppe: composto (geralmente) de 3 tripulantes, todos do mesmo tipo, mais um vôo Stab (staff) de 4 aeronaves.
          Staffel: Menor unidade permanente, geralmente de um tipo:

        6 aeronaves de reconhecimento
        9 bombardeiros
        12 lutadores

        Os elementos de vôo reais (vôo de dois pares, três ou cada par) seriam retirados dessas aeronaves em missão.

        Portaria Aérea Adicional da Luftwaffe

        Nome Modelo Peso Carga Macio / Duro
        Força Att
        Disponível
        AB70 Caixa Bomblet 154 libras 1.5 15/5
        AB250 Caixa Bomblet 550 libras 3.0 45/15 1941
        AB500 Caixa Bomblet 1100 libras 5.0 80/25 1941
        AB1000 Caixa Bomblet 2200 libras 7.0 180/50
        Flam 250 Incendiário Líquido 550 libras 3.0 80/15
        Flam 500 Incendiário Líquido 1100 libras 5.0 180/50
        SD2 bomba 4,4 libras 0.0 1/0 1941
        SD4 bomba 8,8 libras 0.0 2/0 1941
        SD4 / HL foguete / bomba 8,8 libras 0.0 2/0 1943
        SD1700 AP 3740 libras 12.0 120/200
        SC1800 ELE 3960 libras 13.0 400/170
        SB2500 (poucos feitos) 5503 libras 18.0 450/200 1942

        Não descreverei toda a Força Aérea Italiana - a Regia Aeronautica, uma vez que foi uma grande força aérea (mesmo que apenas pelo tamanho) de 1940-43. Descreverei a organização de suas unidades aéreas e descreverei as unidades usadas em campanhas individuais em outros lugares. Cada unidade era feita do mesmo tipo de aeronave - um Gruppo ou um Stormo seriam todos caças ou todos os bombardeiros. Um Gruppo de caças e um de bombardeiros seriam dois Gruppi, e não seriam combinados em um Stormo misto.

        • 2-3 Stormo (Wing)
          • 2+ Gruppi (Grupo)
            • 2-3 Squadraglia (Esquadrão):
              • lutador sqdn - 9 a / c +3 reserva
              • bomber sqdn - 6 a / c +3 reserva

              Os pilotos italianos eram bem treinados em navegação. Os pilotos de caça italianos eram bem treinados em acrobacias, mas tinham muito pouco treinamento ou prática em artilharia ar-ar.

              Após a rendição italiana, alguns aviões italianos voaram para os Aliados e alguns para o Eixo (para o RSIAF, o estado traseiro no norte da Itália que os alemães estabeleceram sob Mussolini).

              Portaria Aérea Italiana (1938-43)

              A teoria original por trás das armas aéreas italianas era que mais armas pequenas seriam mais eficazes devido a um maior número de acertos. No meio da guerra, isso mudou um pouco para uma mistura de armas mais leves (2-100 kg) com algumas armas médias (250 e 500 kg).

              Modelo Peso Carga Macio / Duro
              Força Att
              Disponível
              1 kg AP 2,2 libras 0.0 0.5/0 1938
              15 kg HE 33 libras 0.5 3/0 1936
              20 kg HE 44 libras 0.5 5/2 1936
              36 kg HE 80 libras 0.5 7/3 1936
              40 kg HE 88 libras 1.0 8/4 1936
              50 kg HE 220 libras 1.0 10/5 1936
              100 kg HE 220 libras 2.0 20/10 1936
              160 kg HE 352 libras 2.5 32/15 1936
              250 kg HE 496 libras 3.0 40/20 1939
              500 kg HE 1102 libras 5.0 80/40 1939
              630 kg HE 1386 libras 6.0 110/60 1942?
              640 kg AP 1400 libras 4.0 65/130
              800 kg HE 1760 libras 7.0 150/75 1942
              Armas navais
              Carga de profundidade de 70 kg (N) 154 libras 1.5 8/5/12* 1940
              Bomba de profundidade de 160 kg (N) 352 libras 2.5 24/12/20*
              Torpedo Whitehead (N) 1760 libras 7.0 100/80 1939
              Parâmetros de lançamento: Altura: 0,1, velocidade: & lt4.0. O torp de Whitehead move 1 hex em cada turno. Alcance: 34 hexágonos.
              Torpedo Fiume (N) 2.000 libras 7.0 100/75 1939
              Parâmetros de lançamento: Altura: 0,3, velocidade: & lt3,5. O torpo Fiume se move 1 hex em cada turno. Alcance: 34 hexágonos.
              * 3º valor é usado contra alvos submersos

              ADCs italianos

              O Uncle Ted's tem uma coleção de aeronaves italianas projetadas por John Carr.

              Esta seção inclui forças aéreas dos seguintes países:

              Os dinamarqueses tinham uma força aérea muito pequena anexada ao Exército. Eles não tiveram nenhum efeito militar na invasão alemã da Dinamarca, a maioria das aeronaves foram destruídas ou capturadas no solo. Eles foram organizados da seguinte forma:

              Batalhão da Jutlândia Batalhão Sjaeland
              1 lutador sqdn - 13 Fokker D.XXI
              1 sqdn de reconhecimento - 11 biplanos
              1 lutador sqdn - 8 Fokker G.Ia
              1 sqdn de reconhecimento - 14 biplanos

              Os ADCs para os caças Fokker D.XXI e G.Ia estão disponíveis para download.

              Em novembro de 1939, o minúsculo Ilmavoimat defendeu a brava pequena Finlândia contra a invasão da União Soviética, consistindo no seguinte:

              Lentorykmentti 1
              (Voo Reg't)
              Apoio Terrestre
              PLeLv 10 (3 sqdns) 12 biplanos Fokker C.X
              TLeLv 12 (3 sqdns) 13 biplanos Fokker C.X
              TLeLv 14 (3 sqdns) 4 biplanos Fokker C.X
              7 biplanos Fokker C.V-E
              2 Fiesler Fi156C Storch
              TLeLv 16 (3 sqdns) 9 Blackburn Ripon IIF
              5 Junkers K.43
              3 VL Sa & aumlski
              Lentorykmentti 2
              Lutadores
              HLeLv 24 (5 sqdns) 36 Fokker D.XXI
              HLeLv 26 (1 sqdn) 10 Bristol Bulldog IVa (biplanos)
              Gladiadores após 2-Fev-40
              HLeLv 28 (1 sqdn) Morane-Soulanier MS.406s disponível em 17 de fevereiro de 40
              Lentorykmentti 3 TLeLv 36 (2 sqdn) 6 Blackburn Ripon IIF
              TLeLv 39 (1 voo) 2 Junkers K.43
              Lentorykmentti 4
              Bombardeiros
              PLeLv 44 (3 sqdns) 8 Blenheim I
              PLeLv 46 (3 sqdns) 8 Blenheim I

              Aeronave adicional usada para treinamento. O Junkers K.43 era um irmão menor e mais velho do Ju52, que era um bombardeiro / transporte. A Luftwaffe usou versões não-bombardeiro como W.43.

              O Ilmavoimat recebeu (como presentes e como vendas) reforços de muitas nações durante a Guerra de Inverno de 1939/40 (30-Nov-39 a 4-Mar-40), incluindo:

              • 7 (de 50 embarcados outros perdidos em trânsito) Caudron C-714 caças da França
              • 40 lutadores Morane-Soulanier MS.406 da França
              • 24 lutadores biplanos Gloster Gauntlet II oferecidos pela África do Sul
              • 15 Gladiadores Gloster (mistura de I e amp II) emprestados pela Suécia
              • 30 Gloster Gladiator IIs comprados da Grã-Bretanha
              • 10 bombardeiros biplanos Hawker Hart emprestados pela Suécia
              • 12 Hawker Hurricane IAs da Grã-Bretanha
              • 12 Bristol Blenheim é da Grã-Bretanha (mais 45 construídos sob licença 1941-44 + 21 Bristol Blenheim IVs montados a partir de kits 1941-44)

              Algum equipamento foi enviado ou prometido durante a Guerra de Inverno, mas não chegou a tempo:

              • 40 búfalos Brewster F2A-1 comprados dos EUA
                (mais manobráveis ​​do que os modelos posteriores, os finlandeses consideraram essas aeronaves excelentes e as usaram durante a 2ª Guerra Mundial. Chegaram tarde demais para lutar.)
              • 35 Fiat Cr.50 Freccia, um primo não tão bom do MC200. Mantidos pela Alemanha até depois da trégua, foram usados ​​durante a Guerra de Continuação com a Rússia (1941-44).

              Após a queda da França e dos Países Baixos, a aliada da Finlândia, a Alemanha, ofereceu várias aeronaves para venda ou como presentes, incluindo 44 Hawk 75As da Noruega e França e MS-406s adicionais. e MS-410s da França. Eles foram usados ​​contra a Rússia em 1941.

              Ilmavoimat no início da Guerra de Continuação
              Lentorykmentti
              (Voo Reg't / LeR) 1
              Apoio Terrestre
              LeLv12 3 Gladiador II, 6 Fokker C.X
              2 Curtiss Hawk 75
              LeLv14 9 Gladiador II, 8 Fokker C.X
              Trocou 6 gladiadores por 6 Curtiss Hawk 75 em julho de 41
              LeLv16 4 Lysanders, 5 Fokker C.X,
              (3 + 6 gladiadores de LeLv14 =) 9 gladiadores.
              Lentorykmentti 2
              (LeR2),
              Lutadores
              HLeLv 24 33 Brewster F2A-1 Buffalo (4 voos)
              HLeLv 26 25 Fiat G.50bis Freccia (3 voos)
              HLeLv 28 30 Morane-Saulanier MS-406 (3 voos)
              Lentorykmentti 3
              (LeR3),
              Lutadores
              HLeLv 30 4 Furacão I, 18 Fokker D.XXI
              Originalmente 5 furacões, um deles perdido na decolagem no primeiro dia de hostilidades.
              HLeLv 32 18 Fokker D.XXI (3 voos)
              Jul-41: rearmado com Hawk 75As
              HLeLv 34 não participava de combates, era designado para tarefas de treinamento.
              Mar-43: Bf109Gs armados e usados ​​em combate
              Lentorykmentti 4
              (LeR4),
              Bombardeiros
              PLeLv 42 9 Blenheim I
              PLeLv 44 3 Blenheim IV, 4 DB-3M (DB-3Ms não participaram de nenhuma ação de combate)
              Mudou para Ju88A-4 em Abr-43
              PLeLv 46 8 Blenheim I
              Mudou para 15 Do17Z-2 em Fev-42
              PLeLv 48 Fundado em 23 de novembro de 41. Flew capturou equipamento soviético (DB-3s, DF, Pe-2s)

              Eles também capturaram uma boa quantidade de equipamento russo (e conseguiram alguns após Barbarossa da Alemanha) que então usaram:

              Em janeiro de 1943, a Alemanha vendeu à Finlândia 30 Bf109G-2s para aumentar sua eficácia. No verão de 1944, a Alemanha vendeu / deu 36 Bf109G6s adicionais e pouco menos de 100 Bf109G-14s. Eles resistiram até o início dos anos 1950.

              Organização

              O Ilmavoimat foi organizado em 4 Regimentos de Voo, cada um com um propósito especial. (caça, bombardeiro, etc.). Os regimentos eram compostos de asas de 2-4 esquadrões cada. Cada esquadrão tinha (idealmente) 8 aeronaves (mais uma reserva). Eles lutaram como dois dedos-quatro voos -

              • Um voo se envolveria quase de frente
              • O outro vôo iria atacar de um flanco

              Para obter mais informações sobre as táticas aéreas finlandesas para a Guerra de Inverno e a Guerra de Continuação, consulte a fonte direta: página de história da Finn Fighter Tactics Academy.

              Muitas das aeronaves usadas pelos finlandeses estão disponíveis no Uncle Ted's, incluindo o F2A-1 Buffalo, o Fokker D.XXI, o Maarko Morane, o Myrsky II e várias aeronaves russas capturadas.

              A Força Aérea norueguesa era muito pequena. Seus caças mais modernos eram Gloster Gladiators (6 Is e 6 IIs). Todos foram usados ​​para defender Oslo - e todos foram destruídos ou capturados no primeiro dia da invasão alemã em abril de 1940. A Noruega também tinha caças biplanos e bombardeiros leves mais antigos. 24 Hawk 75A-6s foram capturados ainda em seus caixotes (mais tarde vendidos para a Finlândia).

              Os noruegueses também tinham vários hidroaviões Heinkel He-115A-2, uma versão inicial do bombardeiro torpedeiro naval He-115B que a Alemanha usava no Mar do Norte e no Mediterrâneo. Alguns deles escaparam para a Grã-Bretanha e mais tarde foram usados ​​para infiltrar agentes na Noruega.

              À medida que os anos 30 chegavam ao fim, a Suécia queria atualizar seus biplanos J-5 e J-6 Jaktfalk indígenas. A neutralidade sueca foi protegida pelo poderio militar. Os suecos perceberam que isso significava que eles precisavam de sua própria capacidade de fabricação de aeronaves. Antes de ser totalmente desenvolvido, o Flygvapnet comprou aeronaves de outras nações, incluindo Grã-Bretanha, Itália e Estados Unidos. Esses incluem:

              Designação Sueca Aeronave Quantidade
              J-7 Bristol Bulldog (Reino Unido)
              J-8A / B Gloster Gladiator I / II (Reino Unido) 55 (37/18)
              J-9 Seversky EP-106 (P-35) (EUA) 60 (60 outros apreendidos pela USAAC)
              J-10 Vultee P-48C (P-66) (EUA) Nenhum (confiscado pela USAAC)
              J-11 Fiat Cr.42 (Itália) 72
              J-20 Reggiane Re.2000 (Itália) 60
              J-26 P-51D norte-americano (EUA) 50 (comprado em abril de '45)
              B-3 / A / B / C Junkers Ju86K (licenciado) 56 (3/20/17/16)
              B-4 Hawker Hart (bombardeiro leve) 15
              B-5B / C Northrop A-17A (licenciado) 91 (52/39)
              B-6 Guarda Republicano 2PA-204 (EUA) Nenhum (confiscado pela USAAC como AT-12)
              B-16 Caproni Bergmaschi Ca.313 (Itália) 31

              Durante a guerra russo-finlandesa, a Suécia deu (emprestou) uma série de gladiadores e harts à Finlândia, transportados por pilotos voluntários liberados do serviço militar.

              À medida que a guerra avançava, os suecos desenvolveram seus próprios projetos de aeronaves:

              • Caças: SAAB J-21A (caça Pusher - disponível em 1945 posteriormente alterado para jato J-21R.) Caça monoplano FFVS J-22 (disponível em 1943)
              • Bombardeiros: B-17A / B / C monomotor de nível leve, reconhecimento e bombardeiro de mergulho (disponível em 1941) Bombardeiro médio B-18 bimotor

              The Gladiator e CR.42 foram publicados na Air Power. O Re.2000, Vultee P-48C (US P-66), Seversky EP-106 (P-35) e Northrop A-17A (Douglas DB-8) estão todos disponíveis na coleção ADC do Tio Ted.

              Mais informações sobre a aeronave usada pela Força Aérea Sueca.

              Quer deixar um comentário? Uma queixa? Tem algo a acrescentar?
              Sinta-se à vontade para me enviar um e-mail.


              Conteúdo

              As Potências Centrais consistiam no Império Alemão e no Império Austro-Húngaro no início da guerra. O Império Otomano juntou-se aos Poderes Centrais mais tarde em 1914. Em 1915, o Reino da Bulgária juntou-se à aliança. O nome "Potências Centrais" é derivado da localização desses países todos os quatro (incluindo os outros grupos que os apoiaram, exceto Finlândia e Lituânia) estavam localizados entre o Império Russo no leste e a França e o Reino Unido no oeste. Finlândia, Azerbaijão e Lituânia juntaram-se a eles em 1918, antes do fim da guerra e após o colapso do Império Russo.

              Os Poderes Centrais eram compostos pelas seguintes nações:


              Fokker B.II (Austro-Hungria) - História

              1915: Um conflito global

              17 de janeiro de 1915 - A ofensiva turca inicial na Rússia é frustrada quando o 3º Exército turco sofre uma derrota pelo Exército Russo do Cáucaso perto de Kars. Os russos então começam uma invasão multifacetada do Império Otomano do Cáucaso.

              19 de janeiro de 1915 - A Alemanha começa uma campanha de bombardeio aéreo contra a Grã-Bretanha usando Zepelins.

              31 de janeiro de 1915 - O gás venenoso é usado pela primeira vez na guerra, enquanto os alemães na Frente Oriental atacam as posições russas a oeste de Varsóvia. Embora os alemães disparem 18.000 bombas de gás, eles têm pouco efeito sobre os russos, pois as temperaturas frias impedem que o gás vaporize.

              Fevereiro de 1915 - Os turcos começam a deportações forçadas de armênios. Nos próximos dois anos, cerca de 1,5 milhão de armênios morrerão de fome, morrerão de sede no deserto da Síria ou serão assassinados por tropas turcas e bandidos, durante o genocídio armênio.

              3 de fevereiro de 1915 - Tropas turcas lançam um ataque malsucedido contra o Canal de Suez controlado pelos britânicos, que é regularmente usado pelos britânicos para transportar tropas do Domínio da Austrália, Nova Zelândia e Índia para campos de batalha europeus.

              4 de fevereiro de 1915 - A Alemanha declara que as águas ao redor das Ilhas Britânicas são uma zona de guerra na qual os navios podem ser afundados sem aviso.

              7 a 22 de fevereiro de 1915 - Na Frente Oriental na Europa, os 8º e 10º Exércitos alemães empreendem uma ofensiva bem-sucedida contra o 10º Exército russo na região dos lagos Masúria da Prússia Oriental, empurrando os russos para o leste na Floresta Augusta, onde são dizimados.

              16 de fevereiro de 1915 - Na Frente Ocidental, os franceses lançam sua segunda ofensiva contra as linhas de defesa alemãs em Champagne. Mais uma vez, eles são prejudicados pelo clima enlameado do inverno e pela falta de artilharia pesada. Após um mês de combates, sofrendo 240.000 baixas, os exaustos franceses interromperam a ofensiva.

              Começa a guerra de U-boat

              18 de fevereiro de 1915 - A primeira campanha de U-boat alemão da guerra começa com ataques irrestritos contra navios mercantes e de passageiros nas águas ao redor das Ilhas Britânicas. Em seis meses, as perdas com navios aliados no mar ultrapassaram o número de novos navios em construção. No entanto, os ataques irrestritos também despertam a ira dos neutros Estados Unidos, já que americanos são mortos.

              Março de 1915 - A Marinha britânica impõe um bloqueio marítimo total à Alemanha, proibindo todas as importações de navios, incluindo alimentos.

              10 de março de 1915 - Tropas britânicas e indianas na região de Artois, no norte da França, atacam os alemães ao redor da vila de Neuve Chapelle. O ataque pega os alemães em menor número de surpresa. Os britânicos alcançam seu objetivo inicial, mas não conseguem capitalizar na estreita brecha que criam nas linhas alemãs. Após três dias de combate, com mais de 11.000 baixas, a ofensiva britânica foi suspensa. Os alemães sofrem mais de 10.000 baixas.

              22 de março de 1915 - Os russos capturam 120.000 austríacos em Przemysl, na Galícia. Isso marca o culminar de uma série de batalhas de inverno entre austríacos e russos para proteger as passagens estratégicas das montanhas dos Cárpatos e abrir caminho para a invasão russa da Hungria. Percebendo isso, os alemães e austríacos fazem planos para combinar suas tropas e lançar uma grande ofensiva de primavera.

              11 de abril de 1915 - As tropas britânicas na Mesopotâmia rechaçam um grande ataque dos turcos contra Basra. Os britânicos então se ramificam para proteger sua posição em Basra e sobem o vale do Tigre em direção a Bagdá.

              Segunda Batalha de Ypres
              22 de abril a 25 de maio de 1915

              22 de abril de 1915 - O gás venenoso é usado pela primeira vez na Frente Ocidental enquanto o 4º Exército alemão ataca as posições francesas ao redor de Ypres, no norte da Bélgica. Enquanto atacam, os alemães liberam cloro gasoso de mais de 5.000 cilindros, formando nuvens verdes venenosas que se movem em direção a duas divisões franco-africanas. Sem qualquer proteção, os franceses recuam rapidamente. Embora isso crie uma lacuna de cinco milhas de largura nas linhas aliadas, os alemães não conseguem capitalizar devido à falta de tropas de reserva e tropas de linha de frente cautelosas hesitantes em se aventurar muito perto das nuvens de gás. Os britânicos e canadenses então fecham a lacuna, mas são incapazes de recuperar qualquer terreno ocupado pelos alemães. Os britânicos então se retiraram para uma segunda linha de defesa, deixando Ypres nas mãos dos Aliados, mas virtualmente cercado. As baixas na segunda batalha de Ypres totalizam 58.000 aliados e 38.000 alemães.

              25 de abril de 1915 - Tropas aliadas desembarcam na Península de Gallipoli em uma tentativa de desbloquear o Estreito de Dardanelos perto de Constantinopla (atual Istambul, Turquia) para reabrir o acesso à Rússia através do Mar Negro. O desembarque ocorre após uma tentativa fracassada dos navios de guerra britânicos e franceses de forçar seu caminho através do estreito estreito. As 70.000 tropas de desembarque incluem 15.000 australianos e neozelandeses. A península é fortemente defendida por tropas turcas, fornecidas e treinadas por alemães. Em duas semanas, surge um impasse, à medida que os Aliados não conseguem atingir nenhum dos seus objetivos e os turcos começam uma série de ataques dispendiosos na tentativa de expulsar os Aliados.

              1 ° de maio de 1915 - U-boats alemães afundam seu primeiro navio mercante americano, o petroleiro Gulflight, no Mar Mediterrâneo, perto da Sicília.

              2 de maio de 1915 - Na Frente Oriental, uma ofensiva austro-alemã combinada começa contra o 3º Exército Russo em Tarnow e Gorlice na Galícia. O ataque é precedido por um bombardeio massivo de artilharia com mais de 700.000 projéteis. Isso quebra as defesas dos russos enfraquecidos, que agora sofrem com a escassez de projéteis de artilharia e rifles. Em dois dias, os austro-alemães rompem as linhas e os russos iniciam uma retirada desorganizada.

              Lusitania Sunk

              7 de maio de 1915 - Um U-boat alemão torpedeia o navio de passageiros britânico Lusitania ao largo da costa irlandesa. Ele afunda em 18 minutos, afogando 1.201 pessoas, incluindo 128 americanos. O presidente Woodrow Wilson posteriormente envia quatro protestos diplomáticos à Alemanha.

              9 de maio de 1915 - Após seis dias de bombardeio de artilharia por mais de mil canhões franceses, o 10º Exército francês ataca as linhas de defesa alemãs no Artois, avançando em direção a Vimy Ridge. Os franceses alcançaram seu objetivo inicial, mas não conseguiram capitalizar a estreita brecha que criaram nas linhas alemãs. No dia seguinte, os alemães contra-atacam e empurram os franceses.

              9 de maio de 1915 - Complementando a ofensiva francesa em Vimy, as tropas britânicas e indianas lançam seu segundo ataque contra os alemães ao redor da Neuve Chapelle no Artois. No entanto, sem apoio de artilharia suficiente para enfraquecer as defesas da linha de frente alemã, os soldados que avançavam são dizimados pelo fogo de metralhadora alemã. O ataque é cancelado no dia seguinte com 11.000 vítimas.

              15 de maio de 1915 - British and Indian troops launch another attack against Germans in the Artois, this time at Festubert, north of Neuve Chapelle. The attack is preceded by a 60-hour artillery bombardment. But the troops advance just 1,000 yards while suffering 16,000 casualties.

              May 23, 1915 - Italy enters the war on the side of the Allies by declaring war on Austria-Hungary. The Italians then launch offensives along the 400-mile common border between Austria and Italy. The better equipped Austrians take advantage of the mountainous terrain to establish strong defensive positions all along the border. The Italians then focus their attacks on the mountain passes at Trentino and the valley of the Isonzo River.

              May 31, 1915 - The first aerial bombing of London occurs as German Zeppelins kill 28 persons.

              June 12, 1915 - After pausing to regroup, Austro-German troops resume their offensive in Galicia on the Eastern Front. Within five days, they break through the Russian lines and push the Russian 3rd and 8th Armies further eastward. Russian casualties soon surpass 400,000.

              June 16, 1915 - The French 10th Army launches its second attempt to seize Vimy Ridge from the Germans in the Artois. This time the troops encounter an intensive artillery bombardment from the improved defenses of the German 6th Army. The French achieve their initial objective, but then succumb to a German counter-attack, just as they did in the first attempt at Vimy. The French call off the Vimy offensive with 100,000 casualties. The Germans suffer 60,000.

              June 23, 1915 - The First Battle of Isonzo begins as Italian troops attack Austrian defenses. Initial gains by the Italians are soon repulsed by the Austrians with heavy casualties for both sides. Three additional battles are fought through the end of 1915 with similar results, totaling 230,000 casualties for the Italians and 165,000 for the Austrians.

              July 1, 1915 - Russia creates a Central War Industries Committee to oversee production and address a severe shortage of artillery shells and rifles on the Front. Russian soldiers in the field without rifles can only get them from fellow soldiers after they are killed or wounded.

              July 9, 1915 - In Africa, the German Southwest Africa colony (present day Namibia) is taken by the Allies following 11 months of fighting between the Germans and South African and Rhodesian troops loyal to the British.

              July 13, 1915 - On the Eastern Front, the next phase of the combined Austro-German offensive against the Russians begins in northern Poland, with the Austro-Germans advancing toward Warsaw. The Russian Army now gets weaker by the day due to chronic supply shortages and declining morale. Once again, the Russians retreat, and also order a total civilian evacuation of Poland. This results in great hardship for the people as they leave their homes and head eastward, clogging the roads and hampering the movement of Russian troops.

              August 1, 1915 - The Fokker Scourge begins over the Western Front as German pilots achieve air supremacy using the highly effective Fokker monoplane featuring a synchronized machine-gun that fires bullets through the spinning propeller. Although the technology was pioneered by French pilot Roland Garros, the Germans copied and improved the synchronized gun idea after capturing his plane. The Fokker Scourge will last nearly a year, until Allied aerial technology catches up.

              August 5, 1915 - Warsaw is taken by Austro-Germans troops. This ends a century of Russian control of the city. After taking Warsaw, the Austro-Germans move on to capture Ivangorod, Kovno, Brest-Litovsk, Bialystok, Grodno, and Vilna. By the end of September, Russian troops are driven out of Poland and Galicia, back to the original lines from which they had begun the war in 1914. For the time being, the battered Russian Army has effectively been eliminated as an offensive threat on the Eastern Front, freeing the Germans to focus more effort on the Western Front.

              August 6, 1915 - Hoping to break the stalemate at Gallipoli, British renew the offensive. An additional 20,000 troops are landed but their attack is hampered by poor communications and logistical problems. The Turks, led by Mustafa Kemal, respond by rushing in two divisions and the British offensive fails.

              September 5, 1915 - Russian Czar Nicholas II takes personal command of the Russian Army, hoping to rally his faltering troops. Losses to the Czar's army from the Austro-German offensives in Galicia and Poland include over 1,400,000 casualties and 750,000 captured. Russia is also weakened economically by the loss of Poland's industrial and agricultural output. Additionally, the ongoing mass exodus of Russian troops and civilians from Poland, called the Great Retreat, spurs dangerous political and social unrest in Russia, undermining the rule of the Czar and his Imperial government.

              September 6, 1915 - Bulgaria enters the war on Germany's side with an eye toward invading neighboring Serbia. Thus far in the war, Austria-Hungary has tried, but failed, three times to conquer Serbia in retaliation for the assassination of Archduke Ferdinand. Now, the Austrians, aided by Germany and Bulgaria, plan to try again. With the addition of Bulgaria, Germany now has three allies in the war including Austria-Hungary and Turkey. This alliance is called the Central Powers due to their geographic location, primarily in central Europe.

              September 18, 1915 - The Germans announce an end to their first U-Boat campaign, begun in February, which had targeted ships around the British Isles. This comes in response to increasing protests from the United States following American civilian deaths at sea. The U-Boats are then sent by the Germans to wreak havoc in the Mediterranean Sea, away from American shipping lanes in the Atlantic.

              September 25, 1915 - On the Western Front, the British use poison gas for the first time as they launch an attack against the German 6th Army in the Artois. Chlorine gas is released from over 5,000 cylinders, creating a poisonous cloud that drifts toward the Germans, opening a gap in their front line. The British advance and quickly seize their objective, the town of Loos, but then fail to capitalize on the four-mile-wide breach in the German lines. The Germans regroup and when the British resume the attack the next day they are mowed down in the hundreds by well-placed German machine-gunners. In all, the British suffer 50,000 casualties during the Loos offensive. British Army Commander John French is then sacked, replaced by Douglas Haig.

              September 25, 1915 - The French 2nd Army in Champagne attacks the weakest part of the German lines, creating a six-mile-wide breach that is three miles deep. The German 3rd Army then rushes in reinforcements, regroups its defense lines and plugs the gap. Facing strong resistance, the French break off the attack.

              September 26, 1915 - The French launch their third attempt to seize Vimy Ridge from the Germans in Artois, and this time they secure the ridge.

              September 26-28, 1915 - In the Middle East, a British victory occurs at the Battle of Kut al-Amara in Mesopotamia as they defeat the Turks. The resounding victory spurs an ambitious move by the British to venture onward to quickly capture Baghdad. However, that attempt fails and the troops return to Kut-al-Amara and dig in.

              October 6, 1915 - The invasion of Serbia begins as Austro-German troops attack from the north. Five days later, the Bulgarians attack from the east. The outnumbered Serbs have their poorly supplied troops stretched too thinly to defend both fronts. Belgrade then falls to the Germans and the Bulgarians capture Kumanova, severing the country's north-south rail line. This leaves the overwhelmed Serbian troops no option other than to retreat westward through the mountains into Albania.

              December 5, 1915 - Hoping to overcome their earlier defeat at Kut al-Amara in Mesopotamia, Turkish troops lay siege to the town, surrounding the British garrison there, cutting them off completely.

              December 19, 1915 - The Allies begin an orderly evacuation of the Gallipoli Peninsula. This comes after months of stalemate in which Turkish troops contained all breakthrough attempts while inflicting 250,000 casualties. The British Navy successfully evacuates 83,000 survivors by sea as the Turks watch without firing a shot, glad to see them leave.


              British Land in Persian Gulf


              German Defensive Positions


              Praying Over Russian Wounded


              Czar Nicholas at the Front

              Copyright & copy 2009 The History Place & # 153 Todos os direitos reservados

              Termos de uso: Casa particular / escola não comercial, não reutilização da Internet somente é permitida de qualquer texto, gráficos, fotos, clipes de áudio, outros arquivos eletrônicos ou materiais do The History Place.


              Fokker V.4

              o Fokker V.4 was a prototype German fighter aircraft of World War I. Inspired by the successful Sopwith Triplane, Anthony Fokker chose to create a triplane fighter. Reinhold Platz was responsible for the design. The V.4 looked very much like the later Dr.I, but is easily recognized by the lack of interplane struts. All three wings were cantilever and the lower two wings had the same span. The rudder was balanced, but the ailerons and elevators lacked horn balances.

              In the past, this aircraft was given the V.3 designation in error. Aero Historian Peter M. Grosz finally corrected the error while researching Fokker fighter developments.

              The V.4 was eventually fitted with V.5 wings and sent to Austria-Hungary for evaluation.