Notícia

Kalk DD- 170 - História

Kalk DD- 170 - História

Kalk

(DD-170: dp. 1.060; 1. 314'5 "; b. 31'8"; dr. 9'2 "; s. 35 k .; epl. 101; a. 4 4", 2 1 pdrs. , 12 21 "tt .; cl. Wickes)

Kalk (DD-170), estabelecido como Rodgers em 4 de março de 1917, foi lançado em 21 de dezembro de 1918, pelo edifício Fore River Ship "Corp., Quincy, Massachusetts, patrocinado pela Sra. Flora Stanton Kalk, mãe do tenente Kalk. ; renomeado Kalk em 23 de dezembro de 1918; e comissionado em Boston em 29 de março de 1919, o Tenente Comandante NR Van der Veer no comando.

Depois de se livrar de Newport, Kalk partiu de Boston em 3 de maio para Newfoundland. Chegando a Trespassey em 5 de maio, ela navegou 3 dias depois para o meio do Atlântico para fornecer cobertura de resgate durante a noite pioneira do hidroavião da Marinha NC-4 de Newfoundland para os Açores de 16 a 17 de maio. Depois de retornar a Boston em 20 de maio, ela partiu para a Europa em 10 de julho, chegando a Brest, França, em 21 de julho. Seguindo via Inglaterra para Hamburgo, Alemanha, ela chegou em 27 de julho para iniciar um cruzeiro de 3 semanas pelo Mar Báltico, visitando os países bálticos e escandinavos nas operações da American Relief Administration. Ela retornou a Brest em 23 de agosto para servir como navio de expedição e escolta até sua partida para os Estados Unidos em 25 de janeiro de 1920.

Chegando a Boston em 12 de fevereiro, ela treinou reservas do 1º Distrito Naval e operou com o DesRon 3 ao longo da costa atlântica de Cape Cod a Charleston. Como resultado do Tratado Naval das Cinco Potências, que foi assinado na Conferência de Washington em 6 de fevereiro de 1922, Kalk partiu de Boston em 10 de maio para a Filadélfia, onde foi comissionada em 10 de julho e foi colocada na reserva.

Quando a guerra na Europa ameaçou a segurança de todo o mundo, Kalk voltou a trabalhar em 17 de junho de 1940, com o tenente T. P. Elliott no comando. Saindo da Filadélfia em 26 de julho, ela chegou a Charleston no dia 31 para o serviço da Patrulha de Neutralidade no Atlântico. KaZk foi um dos 50 excedentes (flautistas entregues à Grã-Bretanha em troca de bases estratégicas no Atlântico sob os termos do "Acordo de Destroyers for Bases" de 2 de setembro. Ela liberou Charleston em 7 de setembro e navegou via Hampton Roads e Newport para Halifax, NS , chegando em 18 de setembro. Kalk foi desativado em 23 de setembro e foi entregue aos britânicos no mesmo dia.

Comissionada na Marinha Real como HMS Hamilton, ela colidiu com o HMS Georgetown (anteriormente Maddox, DD-168) em St. John's Newfoundland, em 1º de outubro, enquanto a caminho da Inglaterra. Seguindo para St. John, New Brunswiek, para reparos, ela encalhou e sofreu muitos danos. Por causa de uma escassez de mão de obra britânica, ela foi tripulada por canadenses durante e após as operações de reparo, Iate em junho de 1941, ela comissionou na Marinha Real Canadense como lIMCS Hamilton.

Durante seu serviço ativo, ela permaneceu em águas norte-americanas, protegendo comboios de St. John's a Nova York. Em 2 de agosto de 1942, ela avistou e atacou um submarino alemão e, forçando-o a submergir, o pre. desabafou um ataque ao comboio. Desapegada para as operações em 11 de agosto de 1943, ela foi contratada pela HMCS Cornwallis em Annapolis, Nova Seotia. Excedente eliminado em 1º de abril de 1945, ela desativou em 8 de junho em Sydney, Nova Seotia. HMCS Hamilton partiu de Sydnev em 6 de julho a reboque para Baltimore, Maryland, onde foi sucateada pela Boston Iron & Metal Co.

Kalk (DD-254) foi renomeado como Rodyers (DD-254) (g.v.) 23 de dezembro de 1918.


Como USS Kalk [editar | editar fonte]

Nomeado em homenagem a Stanton Frederick Kalk, Kalk, estabelecido como Rodgers 4 de março de 1917, foi lançado em 21 de dezembro de 1918, pela Fore River Shipbuilding Corporation, Quincy, Massachusetts, patrocinado pela Sra. Flora Stanton Kalk, mãe do Tenente Kalk renomeado Kalk 23 de dezembro de 1918 e comissionado em Boston em 29 de março de 1919, o Tenente Comandante N. R. Van der Veer no comando.

Depois de se livrar de Newport, Kalk partiu de Boston em 3 de maio para a Terra Nova. Chegando a Trespassey em 5 de maio, ela navegou 3 dias depois para o meio do Atlântico para fornecer cobertura de resgate durante o voo pioneiro do hidroavião da Marinha NC-4 de Newfoundland para os Açores de 16 a 17 de maio. Depois de retornar a Boston em 20 de maio, ela partiu para a Europa em 10 de julho, chegando a Brest, França, em 21 de julho. Seguindo via Inglaterra para Hamburgo, Alemanha, ela chegou em 27 de julho para iniciar um cruzeiro de 3 semanas pelo Mar Báltico, visitando os países bálticos e escandinavos nas operações da American Relief Administration. Ela voltou a Brest em 23 de agosto para servir como navio de expedição e escolta até sua partida para os Estados Unidos em 25 de janeiro de 1920.

Chegando a Boston em 12 de fevereiro, ela treinou reservas do 1º Distrito Naval e operou com DesRon 3 ao longo da costa atlântica de Cape Cod a Charleston. Como resultado do Tratado Naval das Cinco Potências, que foi assinado na Conferência de Washington em 6 de fevereiro de 1922, Kalk partiu de Boston em 10 de maio para a Filadélfia, onde foi desativada em 10 de julho e foi colocada na reserva.

Quando a guerra na Europa ameaçou a segurança de todo o mundo, Kalk comissionada em 17 de junho de 1940, o tenente T. P. Elliott no comando partindo da Filadélfia em 26 de julho, ela chegou a Charleston no dia 31 para o serviço da Patrulha de Neutralidade no Atlântico. Kalk foi um dos 50 overage 4 pipers entregues à Grã-Bretanha em troca de bases estratégicas no Atlântico nos termos do "Acordo de Destroyers for Bases" de 2 de setembro. Ela limpou Charleston em 7 de setembro e viajou via Hampton Roads e Newport para Halifax, Nova Escócia, chegando em 18 de setembro. Kalk descomissionado em 23 de setembro e entregue aos britânicos no mesmo dia.


Mục lục

Được đặt lườn như là chiếc Rodgers vào ngày 4 tháng 3 năm 1917 tại xưởng tàu của hãng Fore River Shipbuilding Corporation ở Quincy, Massachusetts, nó được hạ thủy vào ngày 21 tháng 12 năm 1918, được đỡ đầu bởi bà Flora Stanton Kalk, mẹ Tr. Nó được đổi tên thành Kalk vào ngày 23 tháng 12 năm 1918, và được đưa ra hoạt động tại Boston vào ngày 29 tháng 3 năm 1919 dưới quyền chỉ huy của Hạm trưởng, Thiếu tá Hải quân N. R. Van der Veer.

USS Kalk Sửa đổi

Sau khi chạy thử máy ngoài khơi Newport, Kalk rời Boston vào ngày 3 tháng 5 đi Newfoundland. Đi đến vịnh Trespassey vào ngày 5 tháng 5, nó lên đường ba ngày sau đó để làm nhiệm vụ cột mốc dẫn đường choyến baía lịch sử vượt Đại Tây Dương của ca cân quores Azi Tây Dương cn n cn ca cn cing cn ng cn n cn cn cn cn ng ca cn cn ca Azia quores ngày 16 và 17 tháng 5. Quay trở về Boston vào ngày 20 tháng 5, nó lên đường đi cantou Châu Âu vào ngày 10 tháng 7, đi đến Brest, Pháp vào ngày 21 tháng 7. Tiếp tục đi ng qua An Hamburg , Đức, nó đến nơi vào ngày 27 tháng 7, bắt đầu chuyến đi kéo dài ba tuần tại biển Báltico, viếng thăm các quốc gia Báltico và Escandinávia trong kônhu khổ các hoạt động ca Ca. Nó quay trở về Brest vào ngày 23 tháng 8 để phục vụ như một tàu thông báo và hộ tống cho đến khi khởi hành quay trở về Hoa Kỳ vào ngày 25 tháng 1 năm 1920.

Về em Boston vào ngày 12 tháng 2, nó tham gia huấn luyện quân nhân dự bị thuộc Quân khu Hải quân 1 và hoạt động cùng Đội khu trục 3 dọc theo bờ biển Đại Tây Dương Cape Código Charleston. Theo những điều khoản của Hiệp ước Hải quân Washington được ký kết vào ngày 6 de 2 de novembro de 1922, Kalk rời Boston vào ngày 10 tháng 5 để đi Philadelphia, nơi nó được cho xuất biên chế vào ngày 10 tháng 7, và được đưa về lực lượng dự bị.

Khi chiến tranh lại nổ ra ở châu Âu đe dọa an ninh khắp thế giới, Kalk được cho nhập biên chế trở lại vào ngày 17 tháng 6 năm 1940 dưới quyền chỉ huy của Trung úy Hải quân T. P. Elliott. Nó rời Philadelphia vào ngày 26 tháng 7, đi đến Charleston vào ngày 31 tháng 7 để nhận nhiệm vụ Tuần tra Trung lập tại Đại Tây Dương. Theo Thỏa thuận đổi tàu khu trục lấy căn cứ giữa Hoa Kỳ và Anh Quốc vào ngày 2 tháng 9, Kalk nằm trong số 50 tàu khu trục cũ được chuyển cho Anh Quốc để đổi lấy quyền thuê lại trong 99 năm các căn cứ chiến lược tại vùng Tây Bán Cầu. Nó rời Charleston ngày 7 tháng 9, đi ngang qua Hampton Roads và Newport để đến Halifax, Nova Scotia, đến nơi vào ngày 18 tháng 9. Nó được cho xuất biên chế vào ngày 23 tháng 9 vùà đượcuà cyển Anngó .

HMS Hamilton Sửa đổi

Nó được cho nhập biên chế cùng Hải quân Hoàng gia Anh như là chiếc HMS Hamilton, vốn là một địa danh chung cho cả Anh lẫn Hoa Kỳ. Vào ngày 1 tháng 10, trên đường đi cantou Anh, nó mắc tai nạn va chạm với tàu chị em Georgetown, nguyên là chiếc Maddox tại St. John's, Terra Nova. Đi đến Saint John, New Brunswick để sửa chữa, nó lại bị mắc cạn và bị hư hại đáng kể. Faça phía Anh bị thiếu hụt nhân sự, con tàu được vận hành bởi một thủy thủ đoàn người Canadá trong khi sửa chữa và sau đó. Hamilton được cải biến để tối ưu cho nhiệm vụ hộ tống và chống tàu ngầm bằng cách tháo dỡ ba trong số các khẩu pháo 4 in (100 mm) / calibre 50 ban đầu cùng một dàn ống lng trong benging nặng bên trên, lấy chỗ cho việc trang bị dàn súng cối chống tàu ngầm Ouriço cũng như tăng lượng mìn sâu mang theo. [2]

HMCS Hamilton Sửa đổi

Vào cuối tháng 6 năm 1941, nó được cho nhập biên chế cùng Hải quân Hoàng gia Canadá như là chiếc HMCS Hamilton, phù hợp với thông lệ đặt tên của Canadá vốn đặt tên tàu khu trục theo tên các con sông tại Canadá: [3] cantando Hamilton tại Labrador. Trong suốt quãng đời phục vụ còn lại, nó ở lại khu vực Bắc Đại Tây Dương, bảo vệ các đoàn tàu vận tải đi lại giữa St. John's và Nova York. Vào ngày 2 tháng 8 năm 1942, nó phát hiện và tấn công một tàu ngầm U-boat Đức, buộc đối phương phải lặn xuống và ngăn chặn thành công ý định tấn công ý định tấn tn Cng Phải lặn xuống và ngăn chặn thành công ý định tấn tn Cng ý định tấn công ý định tấn công. Bị đánh giá không còn phù hợp cho hoạt động ở tuyến đầu, từ ngày 11 de maio de 1943, nó trở thành tàu tiếp liệu cho HMCS Cornwallis tại Annapolis, Nova Scotia. Được xem là dư thừa vào ngày 1 de 4 de novembro de 1945, nó được cho ngừng hoạt động vào ngày 8 de 6 tại Sydney, Nova Scotia. HMCS Hamilton được kéo rờ khỏi Sydney vào ngày 6 tháng 7 để đi Baltimore, Maryland, nơi nó được dự định bán cho hãng Boston Iron & amp Metal Company để tháo dỡ, nhưng bị đắm trên đường đi.


USS Kalk (ii) (DD 611)

Desativado em 3 de maio de 1946.
Stricken 1 de junho de 1968.
Afundado como um alvo na costa da Flórida em 20 de março de 1969.

Comandos listados para USS Kalk (ii) (DD 611)

Observe que ainda estamos trabalhando nesta seção.

ComandanteA partir dePara
1T / Cdr. Charles Tod Singleton, Jr., USN17 de outubro de 194226 de agosto de 1943
2T / Lt.Cdr. Harold Douglas Fuller, USN26 de agosto de 194311 de novembro de 1944
3Charles Anthony Marinke, USN11 de novembro de 19443 de maio de 1946

Você pode ajudar a melhorar nossa seção de comandos
Clique aqui para enviar eventos / comentários / atualizações para esta embarcação.
Por favor, use isto se você detectar erros ou quiser melhorar esta página de navios.

Eventos notáveis ​​envolvendo Kalk (ii) incluem:

31 de maio de 1943
O USS Iowa (Capt. J.L. McCrea, USN) partiu de Gravesend Bay para Casco Bay, Maine. Ela foi acompanhada por USS Hobby (Cdr. E. Blake, USN), USS Kalk (Cdr. C.T. Singleton, Jr., USN) e USS Gillespie (Cdr. C.C. Clement, USN).

2 de janeiro de 1944
O USS Iowa (Capitão J.L. McCrea, USN) partiu de Hampton Roads, Virgínia, para a Zona do Canal do Panamá. Iowa segue para o Pacífico.

A passagem foi feita em conjunto com o navio irmão USS New Jersey (Capt. C.F. Holden, USN). Os navios de guerra foram escoltados por ComDesDiv 38 USS Welles (Cdr. DM Coffee, USN), USS Gillespie (Cdr. JS Fahy, USN), USS Hobby (Cdr. GW Pressy, USN) e USS Kalk (Lt.Cdr. HD Fuller, USN).

Para as posições diárias do USS Iowa durante esta passagem, consulte o mapa abaixo.

Links de mídia


Kalk DD- 170 - História

Última versão da regra final adotada apresentada no Código Administrativo da Flórida (FAC):

Data efetiva: 7/11/2016
Notas de história: Autoridade de Regulamentação 409.919 FS. Lei implementada 409.906, 409.908, 409.913 FS. History & # 8211New 8-31-76, Alterado 1-1-77, 10-16-77, 7-7-81, 4-12-83, 1-12-84, 7-2-84, 7-1- 85, Anteriormente 10C-7.49, Alterado 7-19-88, 6-4-92, 5-11-93, Anteriormente 10C-7.049, Alterado 11-27-95, 10-4-01, 1-23-05, 7-11-16.
Referências nesta versão: Ref-07010 Florida Medicaid Intermediate Care Facility para pessoas com deficiência intelectual Política de cobertura de serviços
Ref-07011 Plano de Revisão de Utilização (UR) do Centro de Cuidados Intermediários para Pessoas com Deficiência Intelectual (ICF / IID)
História desta regra desde 6 de janeiro de 2006
Perceber /
Adotado
Seção Descrição EU IRIA Publicar
Encontro
Final
59G-4.170
Serviço de assistência intermediária para pessoas com deficiência intelectual 17691847 Eficaz:
07/11/2016
Mudar
59G-4.170
Instituição de cuidados intermediários para serviços com deficiência de desenvolvimento, ICF / DD 17583692 5/27/2016
Vol. 42/104
Audição
59G-4.170
Instituição de cuidados intermediários para serviços com deficiência de desenvolvimento, ICF / DD 17529178 5/12/2016
Vol. 42/93
Proposto
59G-4.170
O objetivo da alteração à Regra 59G-4.170, Código Administrativo da Flórida, é incorporar por referência a Política de Cobertura de Serviços de Assistência Intermediária da Florida Medicaid, _____, e revisar o título da regra. 17166689 2/16/2016
Vol. 42/31
Desenvolvimento
59G-4.170
O objetivo da alteração da Regra 59G-4.170 é incorporar por referência a Política de Cobertura de Serviços de Assistência Intermediária da Florida Medicaid, _____. A política de cobertura incorporada especificará a elegibilidade do destinatário. 16627660 10/15/2015
Vol. 41/201
Reunião pública
59G-4.170
A Agência está agendando uma reunião pública com o propósito de discutir a existente Instalação de Cuidados Intermediários Medicaid da Flórida para outubro de 2003.
Quinta-feira, 31 de outubro de 2013, das 10h00 às 11h00
Agency for Health Care Administration, 2727 Mahan Drive, Building.
13715914 10/23/2013
Vol. 39/207
Final
59G-4.170
Instituição de cuidados intermediários para serviços com deficiência de desenvolvimento, ICF / DD 1847479 Eficaz:
01/23/2005

De acordo com a lei da Flórida, os endereços de e-mail são registros públicos. Se você não deseja que seu endereço de e-mail seja divulgado em resposta a uma solicitação de registro público, não envie correio eletrônico para esta entidade. Em vez disso, entre em contato com este escritório por telefone ou por escrito.


Condições de Trabalho da Revolução Industrial

As condições de trabalho da Revolução Industrial foram extremamente perigosas por muitos motivos, nomeadamente a tecnologia subdesenvolvida, que era susceptível de quebrar e até incêndios, e a falta de protocolo de segurança. Mas era perigoso, principalmente por razões econômicas: os proprietários não estavam sob regulamentação e não tinham um motivo financeiro para proteger seus trabalhadores.

Com a invenção das máquinas movidas a vapor, veio a Revolução Industrial, um período em que houve um boom na produção em massa de produtos. Tudo começou por volta de 1760 na Inglaterra e foi caracterizado por uma mudança na população das áreas rurais para os centros urbanos. Comerciantes qualificados não eram mais necessários & # 8211 os proprietários de fábricas queriam mão de obra barata e operar as máquinas não exigia muita habilidade. Por isso, muitas vezes contratavam mulheres e crianças, que trabalhavam com metade do salário dos homens. Não havia regulamentos para tornar o local de trabalho um lugar mais agradável e as pessoas eram facilmente substituíveis, razão pela qual os proprietários das fábricas não se importaram.


Para habilitar o registro de depuração do VMM, siga estas etapas:

Crie uma pasta chamada "C: Vmmlogs."

Abra uma janela elevada do Windows PowerShell no servidor VMM ou computador host e execute os seguintes comandos. (O segundo comando pode envolver em sua tela.)

Este comando exclui todas as definições existentes do rastreio. Você pode ignorar com segurança qualquer erro "Conjunto de coletores de dados não encontrado" que receber.

logman criar rastreamento VMM -v mmddhhmm -o $ env: SystemDrive VMMlogs VMMLog_ $ env: computername.ETL -cnf 01:00:00 -p Microsoft-VirtualMachineManager-Debug -nb 10 250 -bs 16 -max 512

Inicie o rastreamento digitando o seguinte comando na janela elevada do Windows PowerShell:

Assim que reproduzir o problema, interrompa o rastreamento digitando o seguinte comando:

Observação Você pode encontrar o arquivo ETL em C: vmmlogs.

Para converter o rastreamento, digite o seguinte comando:

Netsh trace convert & ltnome do arquivo& gt

Nota Neste comando, o marcador de posição & ltnome do arquivo& gt representa o nome do ETL que você encontrou na etapa 5. O arquivo de rastreamento convertido terá um nome no formato & ltnome do arquivo& gt.txt.


O Novo Testamento

Autógrafos

45-95 DC O Novo Testamento foi escrito em grego. As Epístolas Paulinas, o Evangelho de Marcos, o Evangelho de Lucas e o livro de Atos são todos datados de 45-63 DC. O Evangelho de João e o Apocalipse podem ter sido escritos até 95 DC.

Manuscritos

Existem mais de 5.600 no início Manuscritos Gregos do Novo Testamento que ainda existem. Os manuscritos mais antigos foram escritos em papiro e os manuscritos posteriores foram escritos em couro chamado pergaminho.

  • 125 DC O manuscrito do Novo Testamento que data mais próximo ao autógrafo original foi copiado por volta de 125 DC, dentro de 35 anos do original. É designado & quotpág. 52& quot e contém uma pequena porção de João 18. (O & quotp& quot significa papiro.)
  • 200 d.C. Bodmer pág. 66 um manuscrito de papiro que contém uma grande parte do Evangelho de João.
  • 200 d.C. Papiro Bíblico Chester Beatty, pág. 46 contém as epístolas paulinas e hebreus.
  • 225 d.C. Bodmer Papyrus pág. 75 contém os Evangelhos de Lucas e João.
  • 250-300 A.D. Papiro Bíblico Chester Beatty, pág. 45 contém porções dos quatro Evangelhos e Atos.
  • 350 d.C. Codex Sinaiticus contém todo o Novo Testamento e quase todo o Antigo Testamento em grego. Foi descoberto por um estudioso alemão Tisendorf em 1856 em um mosteiro ortodoxo no Monte Sinai.
  • 350 d.C. Codex Vaticanus: é um Novo Testamento quase completo. Foi catalogado como estando na Biblioteca do Vaticano desde 1475.

Traduções

Primeiras traduções do Novo Testamento pode dar uma visão importante dos manuscritos gregos subjacentes dos quais foram traduzidos.

  • 180 DC As primeiras traduções do Novo Testamento do grego para as versões latina, siríaca e copta começaram por volta de 180 DC.
  • 195 DC O nome da primeira tradução do Antigo e do Novo Testamentos em latim foi denominado Latim antigo, ambos os Testamentos tendo sido traduzidos do grego. Partes de Latim antigo foram encontrados em citações do pai da igreja Tertuliano, que viveu por volta de 160-220 DC no norte da África e escreveu tratados sobre teologia.
  • 300 d.C. O antigo siríaco foi uma tradução do Novo Testamento do grego para o siríaco.
  • 300 d.C. As versões coptas: O copta era falado em quatro dialetos no Egito. A Bíblia foi traduzida para cada um desses quatro dialetos.
  • 380 DC A Vulgata Latina foi traduzido por São Jerônimo. Ele traduziu para o latim o Antigo Testamento do hebraico e o Novo Testamento do grego. A Vulgata Latina se tornou a Bíblia da Igreja Ocidental até a Reforma Protestante em 1500 & # 39s. Continua a ser a tradução oficial da Igreja Católica Romana até hoje. A Reforma Protestante viu um aumento nas traduções da Bíblia para as línguas comuns do povo.
  • Outras traduções iniciais da Bíblia foram em armênio, georgiano e etíope, eslavo e gótico.
  • 1380 A.D. o primeira tradução em inglês da Bíblia foi de John Wycliffe. Ele traduziu a Bíblia para o inglês da Vulgata latina. Esta foi uma tradução de uma tradução e não uma tradução do original hebraico e grego. Wycliffe foi forçado a traduzir da Vulgata latina porque não sabia hebraico ou grego.

O Advento da Imprensa

A impressão ajudou muito na transmissão dos textos bíblicos.

  • 1456 A.D. Gutenberg produziu a primeira Bíblia impressa em latim. A impressão revolucionou a forma como os livros eram feitos. De agora em diante, os livros poderiam ser publicados em grande número e a um custo menor.
  • 1514 DC O Novo Testamento grego foi impresso pela primeira vez por Erasmus. Ele baseou seu Novo Testamento grego em apenas cinco manuscritos gregos, o mais antigo dos quais datava apenas do século XII. Com pequenas revisões, o Novo Testamento grego de Erasmus e # 39 passou a ser conhecido como o Textus Receptus ou o & quottextos recebidos. & quot
  • 1522 A. D. Bíblia Poliglota foi publicado. O Antigo Testamento era em hebraico, aramaico, grego e latim e o Novo Testamento em latim e grego. Erasmus usou o Poliglota para revisar edições posteriores de seu Novo Testamento. Tyndale fez uso do Poliglota em sua tradução do Antigo Testamento para o inglês, que ele não completou porque foi martirizado em 1534.
  • 1611 A.D. o King James Version em inglês do hebraico e grego originais. Os tradutores do King James do Novo Testamento usaram o Textus Receptus como base para suas traduções.
  • 1968 A.D. o United Bible Societies 4ª Edição do Novo Testamento Grego. Este Novo Testamento grego fez uso do mais antigo Manuscritos gregos que datam de 175 DC. Este foi o grego Texto do Novo Testamento do qual a NASV e a NIV foram traduzidas.
  • 1971 A.D. o Nova Versão Padrão Americana (NASV) foi publicado. Ele faz uso da riqueza de manuscritos hebraicos e gregos muito mais antigos, agora disponíveis, que não estavam disponíveis na época da tradução da KJV. Sua formulação e estrutura de frase seguem de perto o grego em mais de um estilo palavra por palavra.
  • 1983 A.D. o Nova Versão Internacional (NIV) foi publicado. Ele também fez uso da evidência do manuscrito mais antigo. É mais uma tradução "pensada para o pensamento" e de leitura mais fácil do que a NASV.
    • Como um exemplo do contraste entre as traduções palavra por palavra e pensamento por pensamento, observe abaixo a tradução da palavra grega & quothagios-sagrado & quot
      NASV Hebreus 9:25. & quot. o sumo sacerdote entra o lugar sagrado ano após ano com sangue que não é seu. & quot
      NIV Hebreus 9:25. & quot. o sumo sacerdote entra o lugar santíssimo todos os anos com sangue que não é seu. & quot
    • A NIV fornece informações "compreendidas" sobre o Dia da Expiação, ou seja, que os deveres do sumo sacerdote ocorriam no compartimento do templo conhecido especificamente como Lugar santíssimo. Observe que a NASV simplesmente diz & quotoly place & quot refletindo a tradução mais literal de & quothagios. & Quot

    A integridade da evidência do manuscrito

    Tal como acontece com qualquer livro antigo transmitido através de uma série de manuscritos manuscritos, surge naturalmente a questão de quão confiantes podemos ter de que temos algo semelhante ao autógrafo. Vejamos agora quais evidências temos da integridade dos manuscritos do Novo Testamento. Vejamos o número de manuscritos e quão próximos eles datam dos autógrafos da Bíblia, em comparação com outros escritos antigos de idade semelhante.

    1. Tácito, o historiador romano, escreveu seu Anais da Roma Imperial por volta de 116 DC. Apenas um manuscrito de seu trabalho permanece. Foi copiado por volta de 850 d.C.
    2. Josefo, um historiador judeu, escreveu A guerra judaica logo após 70 d.C., há nove manuscritos em grego que datam de 1000-1200 d.C. e uma tradução latina de cerca de 400 d.C.
    3. Homer & # 39s Ilíada foi escrito por volta de 800 a.C. Era tão importante para os gregos antigos quanto a Bíblia era para os hebreus. Existem mais de 650 manuscritos restantes, mas eles datam de 200 a 300 DC, que é mais de mil anos depois que a Ilíada foi escrita.
    4. Os autógrafos do Antigo Testamento foram escritos 1450-400 aC.
      1. Os Manuscritos do Mar Morto datam de 200 a.C. a 70 A. D e data dentro de 300 anos a partir de quando o último livro do Antigo Testamento foi escrito.
      2. Duas traduções gregas quase completas da LXX do Antigo Testamento datam de cerca de 350 A. D.
      3. O mais antigo Antigo Testamento hebraico completo data de cerca de 950 A. D.
      4. Gênesis-Deuteronômio foram escritos mais de 1200 anos antes dos Manuscritos do Mar Morto.

      O Codex Vaticanus é uma tradução grega quase completa do Antigo Testamento datando de cerca de 350 DC O Aleppo Codex é o mais antigo manuscrito completo do Velho Testamento em hebraico e foi copiado por volta de 950 DC. Os Manuscritos do Mar Morto datam de 200-300 anos do último livro de o antigo Testamento. No entanto, uma vez que os cinco livros de Moisés foram escritos por volta de 1450-1400 a.C. os Manuscritos do Mar Morto ainda aparecem quase 1200 anos depois que os primeiros livros do Antigo Testamento foram escritos.

      1. Existem 5.664 manuscritos gregos, alguns datando de 125 A. D. e um Novo Testamento completo que data de 350 A. D.
      2. 8.000 a 10.000 manuscritos da Vulgata Latina.
      3. 8.000 manuscritos em etíope, copta, eslavo, siríaco e armênio.
      4. Além disso, o Novo Testamento completo pode ser reproduzido a partir das citações feitas pelos pais da igreja primitiva em suas cartas e sermões.

      Autoria e datação dos livros do Novo Testamento

      Os céticos e estudiosos cristãos liberais procuram datar os livros do Novo Testamento como escritos do final do primeiro século ou do início do segundo século. Eles afirmam que esses livros não foram escritos por testemunhas oculares, mas sim por fontes de segunda ou terceira mão. Isso permitiu o desenvolvimento do que eles consideram mitos a respeito de Jesus. Por exemplo, eles negariam que Jesus realmente predisse a destruição de Jerusalém. Em vez disso, eles argumentariam que escritores cristãos posteriores "colocaram essas palavras em sua boca".

      1. Muitos dos livros do Novo Testamento afirmam ter sido escritos por testemunhas oculares.
        1. O Evangelho de João afirma ter sido escrito pelo discípulo do Senhor. Pesquisas arqueológicas recentes confirmaram a existência do Tanque de Betesda e que ele tinha cinco pórticos, conforme descrito em João 5: 2. Esta referência correta a um detalhe incidental dá credibilidade à afirmação de que o Evangelho de João foi escrito por João que, como uma testemunha ocular, conhecia Jerusalém antes de ser destruída em 70 A. D.
        2. Paulo assinou suas epístolas com suas próprias mãos. Ele estava escrevendo para igrejas que o conheciam. Essas igrejas foram capazes de autenticar que essas epístolas vieram de suas mãos (Gálatas 6:11). Clemente, um associado de Paulo, escreveu à Igreja de Corinto em 97 A. D. instando-os a dar atenção à epístola que Paulo lhes havia enviado.

        Os pais da igreja dão testemunho de manuscritos ainda mais antigos do Novo Testamento

        Os primeiros manuscritos que temos das principais partes do Novo Testamento são pág. 45, pág. 46, pág. 66 e pág. 75, e eles datam de 175-250 A. D. Os pais da igreja primitiva (97-180 DC) dão testemunho de manuscritos ainda mais antigos do Novo Testamento, citando todos os livros do Novo Testamento, exceto um. Eles também estão em posição de autenticar esses livros, escritos pelos apóstolos ou seus associados próximos, de livros posteriores, como o evangelho de Tomé, que alegou ter sido escrito pelos apóstolos, mas não o foram.

        1. Clemente (30-100 d.C.) escreveu uma epístola à Igreja de Corinto por volta de 97 d.C. Ele os lembrou de dar atenção à epístola que Paulo havia escrito para eles anos antes. Lembre-se disso Clement trabalhou com Paul (Filipenses 4: 3). Ele citou os seguintes livros do Novo Testamento: Lucas, Atos, Romanos, 1 Coríntios, Efésios, Tito, 1 e 2 Pedro, Hebreus e Tiago.
        2. Os pais apostólicos Inácio (30-107 DC), Policarpo (65-155 DC) e Papias (70-155 DC) citam versículos de todos os livros do Novo Testamento, exceto 2 e 3 João. Assim, eles autenticaram quase todo o Novo Testamento. Tanto Inácio quanto Policarpo foram discípulos do apóstolo João.
        3. Justin Martyr, (110-165 DC), citou versículos dos seguintes 13 livros do Novo Testamento: Mateus, Marcos, Lucas, João, Atos, Romanos, 1 Coríntios, Gálatas, 2 Tessalonicenses, Hebreus, 1 e 2 Pedro, e Revelação.
        4. Irineu, (120-202 d.C.), escreveu uma obra em cinco volumes Contra heresias no qual,
          1. Ele citou todos os livros do Novo Testamento, exceto 3 João.
          2. Ele citou os livros do Novo Testamento mais de 1.200 vezes.

          Como o cânon do Novo Testamento foi determinado?

          A Igreja Primitiva tinha três critérios para determinar quais livros deveriam ser incluídos ou excluídos do Cânon do Novo Testamento.

          1. Primeiro, os livros devem ter autoridade apostólica- isto é, eles devem ter sido escritos pelo próprios apóstolos, que foram testemunhas oculares do que escreveram, ou por associados dos apóstolos.
          2. Em segundo lugar, havia o critério de conformidade com o que foi chamado de "regra da fé". Em outras palavras, o documento era congruente com a tradição cristã básica que a igreja reconheceu como normativa.
          3. Terceiro, havia o critério de saber se um documento tinha desfrutado aceitação e uso contínuos pela igreja em geral.
          4. O evangelho de Tomé não está incluído no Cânon do Novo Testamento pelas seguintes razões.
            1. O evangelho de Tomé falha no teste de Autoridade apostólica. Nenhum dos primeiros pais da igreja, de Clemente a Irineu, jamais citou o evangelho de Tomé. Isso indica que eles não sabiam disso ou que o rejeitaram como espúrio. Em ambos os casos, os pais da igreja primitiva falham em apoiar o evangelho de Tomé e afirmam ter sido escrito pelo apóstolo. Acredita-se que tenha sido escrito por volta de 140 d.C. Não há evidência para apoiar sua alegação de ter sido escrito pelo próprio apóstolo Tomé.
            2. O evangelho de Thomas falha para se conformar com a regra de fé. Ele pretende conter 114 & quotprovérbios secretos& quot de Jesus. Alguns deles são muito semelhantes aos ditos de Jesus registrados nos Quatro Evangelhos. Por exemplo, o evangelho de Tomé cita Jesus dizendo: & quotUma cidade construída sobre um Alto colina não pode ser escondida. & quot Este é o mesmo que o Evangelho de Mateus, exceto que Alto Está adicionado. Mas Tomé afirma que Jesus disse: “Madeira rachada estou lá. Levante uma pedra e você me encontrará lá. & Quot Esse conceito é panteísta. Thomas termina com a seguinte afirmação que nega a salvação das mulheres, a menos que sejam de alguma forma transformadas em homens. "Que Maria se afaste de nós, porque as mulheres não são dignas de vida." macho, para que ela também se torne um espírito vivo, semelhante a vocês, machos. Pois toda mulher que se faz homem entrará no Reino dos céus. & quot
            3. O evangelho de Tomé falha no teste de uso contínuo e aceitação. A falta de evidência do manuscrito mais a falha dos pais da igreja primitiva em citá-lo ou reconhecê-lo mostra que não foi usado ou aceito na Igreja primitiva. Apenas dois manuscritos são conhecidos desse "evangelho". Até 1945, apenas uma única cópia da tradução do século V em copta havia sido encontrada. Então, em 1945, um manuscrito grego do Evangelho de Tomé foi encontrado em Nag Hammadi, no Egito. Isso se compara muito mal aos milhares de manuscritos que autenticam o Quatro Evangelhos.

            Palavras-chave

            Por mais de três décadas, a avaliação de tecnologia de saúde (HTA) cresceu rapidamente nas economias desenvolvidas e emergentes em todo o mundo. Examinando o desenvolvimento da ATS em diferentes países, a “história natural” da ATS passa por três fases: surgimento, consolidação e expansão.

            Com base nas experiências desses países, identificamos fatores que facilitam ou atrasam o progresso da ATS. À medida que os países passam por essas fases de desenvolvimento da ATS, a justificativa para a ATS (por quê?) Se torna mais nítida, a definição do escopo e da amplitude da ATS (o quê?) Mais clara e ampla, os métodos e modelos organizacionais da ATS (como?) mais complexas, e as estratégias de tradução do conhecimento (KT) (e então o quê?) mais refinadas. A Tabela 1 resume a história natural da HTA.

            Tabela 1. A “História Natural” da HTA


            Liechtenstein, o país que é tão pequeno que continua sendo invadido por seu vizinho maior

            A DECADE ago, a tiny country was invaded in the dead of night by one of the most peace loving nations on earth. It just keeps happening.

            When Halo 4 Took Over Liechtenstein.

            When Halo 4 Took Over Liechtenstein

            The border sign at the Liechtenstein frontier, which isn’t always paid attention to seemingly. Picture: aslu/ullstein build via Getty Images) Source:Supplied

            WITH allies like these, who needs enemies?

            It was 10 years ago this month that the tiny Alpine nation of Liechtenstein was invaded by its nearest neighbour and apparent protector.

            Yet, all was not as it seemed.

            In the dead of night, 170 Swiss troops crossed the border and marched towards the country’s capital. The way eased somewhat by the fact Liechtenstein has no border guards and hasn’t had an army since 1868.

            If you𠆝 have picked a country to start a war, famously neutral Switzerland would not be it.

            Indeed, Switzerland’s invasion was entirely accidental. It appears that Liechtenstein is so small that the peace loving country forget where it was. Nonetheless, it’s a mistake the Swiss keep making — 2007 was not the first time Switzerland have crossed their neighbour’s border. On other occasions they’ve even bombed them.

            Liechtenstein, the world’s fourth smallest country, is nestled in the Alps. Picture: Ulrich Baumgarrten via Getty Images. Source:Supplied

            Far from being angry at the unauthorised push into their territory, though, the response from the Liechtenstein Government is somewhat stoic. “These things happen”, said the Government.

            That Liechtenstein even exists as a sovereign nation is remarkable.

            It came into being 1718, purely as a way for the wealthy Liechtenstein family of Vienna to attain power and status in the Holy Roman Empire.

            So dismissive were the Liechtensteins of their tiny kingdom, perched on the river Rhine, it took a century for them to even pay it a visit. The Royal family only took up permanent residence in 1938. Yet somehow, while countries and empires — including the Holy Roman one — have slipped away, plucky Liechtenstein, remains.

            The world’s sixth smallest sovereign state, just one twentieth the size of the Australian Capital Territory and with a mere 38,000 residents, lies sandwiched between rural corners of Switzerland and Austria.

            Liechtenstein lies between Switzerland and Austria. Picture: Google Maps. Source:Supplied

            But it punches above its weight as tax haven with the second highest gross domestic product in the world.

            It is also the world’s number one producer of false teeth.

            From the early 20th century, the country has looked towards Switzerland, not as its aggressor but as its protector.

            “There are no guarded borders between Liechtenstein and Switzerland and you do not have to show your passport,” Donat B࿌hel, curator at the Liechtenstein National Museum told news.com.au.

            The Swiss Franc has been the currency since 1924 and Swiss immigration officials conduct any border checks that are needed.

            “Switzerland safeguards the interests of Liechtenstein’s citizens, so if I travelled to Australia and lost my passport, I would have to go to the Swiss embassy,” said Mr B࿌hel,

            The Liechtenstein royal family, including monarch Prince Hans-Adam II (far right) on the country’s national day in August 2016. The Liechtenstein royals have only lived in their own country for less than a century. Picture:API/Gamma-Rapho via Getty Images. Source:Supplied

            The two countries are undoubtedly close. But, on the night of 28 February and 1 March 2007, Switzerland got a little too close.

            “The incident happened just before midnight. The 170 soldiers were recruits who were on a nightly training march from a base which lies very close to Liechtenstein,” said Mr B࿌hel.

            Between the base and the Liechtenstein village of Balzers there was no border fence, just fields and forests.

            “The weather was bad during the night the soldiers lost their way and entered Liechtenstein,” he said.

            When the soldiers, guns strapped to their backs, eventually realised they had effectively declared war on a country, even one with no military, they hot footed it back to Switzerland.

            The country’s capital city of Vaduz is one of the smallest in the world. Source:Supplied

            The next day, in what must have been an uncomfortable phone call to the Liechtenstein Government, Switzerland confessed they𠆝 invaded.

            Which Liechtenstein, all things considered, took surprisingly well.

            Marks Amman, an interior ministry spokesman, said nobody in Liechtenstein had actually noticed.

            “No problem, these things happen.”

            Mr B࿌hel summed up the mood at the time. “People laughed about it and then forgot it as Swiss soldiers more than once had crossed the border.”

            That’s right Switzerland really does keep unintentionally invading Liechtenstein seemingly unaware the country exists at all.

            Vaduz Castle, home of the Prince of Liechtenstein and his family. Picture: Peter Klaunzer via Bloomberg News Source:Supplied

            In 1968, the Swiss army actually lobbed grenades at the Liechtenstein skiing resort of Malburn in a live fire exercise gone wrong.

            And on more than one occasion, while practising their flamethrower skills, the military have started forest fires in the country next door.

            “Thankfully nobody was hurt,” said Mr B࿌hel.

            Then there was the whole embarrassing incident with the watchtower.

            The Switzerland — Liechtenstein is, admittedly, hardly the world’s most obvious. Picture: Google Maps. Source:Supplied

            “In 1992, five soldiers went on a training mission to (the town of) Triesenberg which is up the mountains and further away from the frontier,” he said.

            “The soldiers erected a post in a house to supervise planes in the Rhine valley,” said Mr B࿌hel.

            𠇋ut someone hadn’t realised Triesenberg is not located in Switzerland but in Liechtenstein.

            “Neighbours of the couple whose house was occupied by the Swiss soldiers informed the mayor, who called the police”.

            By the time the cops arrived the soldiers had realised that, like Dorothy in the Wizard of Oz, they weren’t in Kansas anymore, and made a dash for the border.

            Just to make things really awkward, the incident coincided with the visit to the capital of Vaduz of a senior member of the Swiss Government who had to be informed of his country’s unwanted watchtower.

            Perversely, Liechtenstein has now been invaded so many times, it actually invited a fake invasion to happen in 2012. Complete with armoured tanks, soldiers and explosions, Sony staged a war as a publicity stunt to launch a games system.

            This fake invasion in 2012 was planned. The real invasions of 207 and 1992 were not. Picture: Getty Images. Source:Supplied

            Perhaps the reason Liechtenstein is so chilled by its big neighbour’s repeated ignorance of their shared border is because, when it has really mattered, being close to Switzerland has been a boon.

            In 1938, Austria, up to that point the home of the Liechtenstein family, was annexed by Nazi Germany.

            The same fate could well have befallen Liechtenstein were it not for the fact it had begun to forge links with Switzerland.

            “These close ties saved Liechtenstein during Second World War since Hitler decided that he would annex Liechtenstein together with Switzerland,” said Mr B࿌hel.

            “Thanks to the Allied victory, that never happened.”

            Today, Liechtenstein and Switzerland coexist quiet peacefully — invasions, grenade attacks and forest fires excepted of course.

            Liechtenstein students go to Swiss universities, the football team is in the Swiss league and Liechtensteiners can use its Swiss hospitals.

            If you guys could stick to your side of the border, that would be so cool. Cheers. Picture: aslu/ullstein build via Getty Images. Source:Supplied

            The neighbourly way Switzerland solved the diplomatic crisis with the small nation next door was summed up in 2007 by renowned Swiss writer Peter Stamm in the International Herald Tribune.

            “Invading Liechtenstein was admittedly a foolish thing to do, but at least the Swiss Army has shown it knows how to bring a failed military action to a happy conclusion.

            “You just turn around and sneak back home as quickly and quietly as you can before anybody notices.

            𠇊nd the next day you call on the head of the foreign territory and offer a formal apology.”


            Assista o vídeo: Me Robó Mi Vida Capitulo 77 Completo (Dezembro 2021).