Notícia

Everton Football Club

Everton Football Club

Everton foi fundada em novembro de 1879, quando a Igreja de Santo Domingo realizou uma reunião no Queen's Head Hotel, Village Street. Eles já tinham um time de críquete, mas queriam encontrar outro esporte para o mês de inverno. O time de St. Domingo jogou no Stanley Park e venceu seu primeiro jogo, contra a Igreja de São Pedro, por 6-0. No ano seguinte, o clube foi renomeado para Everton F.C. após a área circundante.

Em 1880, Everton juntou-se à Lancashire Football Association, recentemente criada por John Lewis, o fundador do Blackburn Rovers. Everton ganhou a Copa do Liverpool em 1884.

Em 1884, John Houlding providenciou para que Everton jogasse em um terreno de sua propriedade em Anfield. Stands foram erguidos e o número de participantes chegou a 8.000 por jogo.

Em 2 de março de 1888, William McGregor circulou uma carta para Aston Villa, Blackburn Rovers, Bolton Wanderers, Preston North End e West Bromwich Albion, sugerindo que "dez ou doze dos clubes mais importantes da Inglaterra se combinam para organizar jogos em casa e fora de casa a cada temporada . "

John J. Bentley do Bolton Wanderers e Tom Mitchell do Blackburn Rovers responderam muito positivamente à sugestão. Eles sugeriram que outros clubes deveriam ser convidados para a reunião realizada em 23 de março de 1888. Isso incluía Everton, Accrington, Burnley, Derby County, Notts County, Stoke, Wolverhampton Wanderers e Old Carthusians deveriam ser convidados para a reunião.

No mês seguinte, a Liga de Futebol foi formada. Consistia em seis clubes de Lancashire (Everton, Preston North End, Accrington, Blackburn Rovers, Burnley e Bolton Wanderers) e seis de Midlands (Aston Villa, Derby County, Notts County, Stoke, West Bromwich Albion e Wolverhampton Wanderers). A principal razão pela qual o Sunderland foi excluído foi porque os outros clubes da liga se opuseram aos custos de viagem para o Nordeste. McGregor também queria restringir a liga a doze clubes. Portanto, os pedidos de Sheffield Wednesday, Nottingham Forest, Darwen e Bootle foram rejeitados.

A primeira temporada da Football League começou em setembro de 1888. Preston North End venceu o primeiro campeonato sem perder uma única partida e adquiriu o nome de "invencíveis". Everton terminou em 8º lugar. Eles se saíram muito melhor na temporada seguinte, terminando em segundo lugar, apenas dois pontos atrás de Preston, que foi mais uma vez campeão.

Em novembro de 1888, durante a primeira temporada da Liga de Futebol, o Sporting Chronicle descreveu como o jogador do Everton, Alec Dick "acertou outro nas costas em um ato de rufianismo". A vítima do ataque, Albert Moore, do condado de Notts, à direita, não ficou gravemente ferido. O jornal prosseguiu com a notícia: "Um ou dois membros do time do Everton jogaram muito duro com seus adversários, e gritos e gemidos foram frequentes durante a partida. Quando os times deixaram o campo, uma corrida foi feita pelos homens do Everton, que haviam levantado a ira dos espectadores e bastões foram usados. Dick foi escolhido, e foi atingido na cabeça com um bastão pesado, o sujeito covarde recebeu o golpe causando um ferimento grave na lateral da cabeça do homem de Everton. "

o Sporting Chronicle acrescentou: "Nosso próprio correspondente acrescenta que Dick jogou tudo menos um jogo cavalheiresco, enquanto sua linguagem era grosseira; mas mesmo esses defeitos não mereciam punição tão covarde e condigna como a administrada em Trent Bridge". Como resultado do incidente, Alec Dick foi suspenso pela Liga de Futebol pelo resto da temporada.

Everton ganhou o campeonato da Football League na temporada de 1890-91. As três estrelas principais da equipa eram os internacionais ingleses, Fred Geary, Edgar Chadwick e Alf Milward. Preston North End terminou em segundo lugar. Geary foi o artilheiro com 20 gols, seguido por Milward (12) e Chadwick (10).

Em 1891, John Houlding, o arrendatário do Anfield Stadium, comprou o terreno e propôs aumentar o aluguel de £ 100 para £ 250 por ano. Everton, que jogou em Anfield por sete anos, recusou-se a atender suas demandas e se mudou para Goodison Park. Houlding, agora estabeleceu um novo clube chamado Everton Athletic para jogar em Anfield. A Football Association recusou-se a aceitar o nome Everton Athletic e por isso foi alterado para Liverpool Football Club.

Na temporada de 1891-92, Everton fortaleceu a equipe com a compra de Bob Howarth e Jack Bell. Porém, eles só conseguiram terminar em 5º lugar para o Sunderland, o novo campeão.

Na temporada seguinte, o Everton terminou em 3º lugar. Eles também tiveram uma boa corrida na FA Cup batendo West Bromwich Albion (4-1), Nottingham Forest (4-2), Sheffield Wednesday (3-0), Preston North End (2-1) para chegar à final contra o Wolverhampton Wanderers. Capitaneado por Bob Howarth e assistido por 40.000 fãs no Fallowfield Ground, o Everton perdeu a final por 1-0.

Everton continuou a ter um bom desempenho na Primeira Divisão da Football League terminando em 2º (1894-95), 3º (1895-96), 7º (1896-97), 4º (1897-98) e 4º (1898-99). Everton também chegou à final da FA Cup de 1897. Uma multidão de 60.000 pessoas chegou ao Crystal Palace para assistir à final contra o Aston Villa. Charlie Athersmith marcou o gol de abertura, mas Everton rebateu com gols de Jack Bell e Richard Boyle. O Aston Villa continuou a dominar o jogo e acrescentou mais dois de George Wheldon e Jimmy Crabtree. Isso encerrou o placar e, portanto, o Aston Villa havia emulado o grande time do Preston North End, que conquistou a dobradinha da FA Cup e da Football League na temporada de 1888-89.

Walter Balmer assinou com o Everton e de acordo com Tony Matthews, o autor de Who's Who of Everton, ele era "um defensor atarracado" com um "tackle triturador". Ele jogou pelo clube em ambas as posições de lateral. O Everton foi uma equipe muito boa na época, terminando em 2º (1901-02), 3º (1903-04) e 2º (1904-05).

O Everton teve uma boa sequência na copa na temporada 1905-1906, derrotando Chesterfield Town (3-0), Bradford City (1-0), Sheffield Wednesday (4-3) e Liverpool (2-0). O Everton venceu o Newcastle United por 1-0 na final da FA Cup disputada no Crystal Palace.

Em abril de 1908, Everton contratou Bert Freeman do Woolwich Arsenal. Tony Matthews argumenta em Arsenal quem é quem que este foi "um dos grandes erros de transferência daqueles primeiros anos." Em sua primeira temporada no novo clube, ele marcou 38 gols, o que o tornou o artilheiro do campeonato. Freeman marcou incríveis 61 gols em 86 jogos antes de ser autorizado a se juntar ao Burnley em 1910.

Everton não ganhou o campeonato da Primeira Divisão novamente até a temporada 1914-15. Infelizmente, a Primeira Guerra Mundial acabou com a liga de futebol e esse excelente time foi desfeito.

Em março de 1925, Dixie Dean ingressou no Everton na Primeira Divisão por uma taxa de transferência de £ 3.000. Dean foi o artilheiro do Everton em sua primeira temporada completa com o clube (1925-26). No Quem é quem de Everton (2004) Tony Matthews o descreveu como: "Um futebol imortal, forte, arrojado com um poderoso chute de pé direito e excepcional habilidade de cabeceio, Dixie Dean foi, sem dúvida, um dos maiores centroavantes de sua época."

Ele sofreu um grave acidente de motocicleta em Holywell em 1926, no qual sofreu uma fratura no crânio e na mandíbula. Os médicos disseram a ele que ele não poderia jogar futebol novamente. Eles estavam particularmente preocupados com os perigos representados por cabecear a bola.

Dixie Dean ignorou esse conselho e foi mais uma vez o artilheiro do Everton na temporada 1926-27. Isso incluiu um grande número de gols de cabeça. Em fevereiro de 1927, Dean conquistou sua primeira internacionalização jogando pela Inglaterra contra o País de Gales. Dean marcou após 10 minutos e acrescentou um segundo antes do final do jogo. No mês seguinte, ele marcou mais dois contra a Escócia. Em maio de 1927, Dean marcou três gols contra a Bélgica e Luxemburgo. Em seus primeiros cinco jogos pela Inglaterra, ele marcou incríveis doze gols.

Dean estava em uma forma sensacional na temporada de 1927-28. Ele marcou sete hat-tricks naquela temporada e terminou com um recorde de 60 gols no campeonato em 39 jogos. O Everton conquistou o título da Primeira Divisão naquela temporada com 53 pontos, dois a mais que seu rival Huddersfield Town.

Dixie Dean também foi o artilheiro do Everton na temporada 1928-29. Ele repetiu esse feito em 1929-30, mas não conseguiu salvar Everton de ser rebaixado. Everton venceu facilmente o campeonato da Segunda Divisão na temporada 1930-31. Dean marcou em 12 jogos consecutivos do campeonato e mais uma vez foi o maior artilheiro do clube.

Everton ganhou o campeonato da Primeira Divisão em 1931-32. Dean marcou oito hat-tricks naquela temporada e, pela sétima temporada consecutiva, foi o artilheiro do Everton. Dean também marcou 28 gols na FA Cup pelo Everton, incluindo um na vitória do clube por 3 a 0 sobre o Manchester City na final da FA Cup em 1933.

Joe Mercer fez sua estreia pelo Everton em abril de 1933. A equipe na época incluía Dixie Dean, Cliff Britton, Ted Sager, Albert Geldard e Jack Jones.

Em dezembro de 1936, Everton assinou com Tommy Lawton por uma taxa de £ 6.500. Foi uma taxa recorde para um adolescente. Para encorajá-lo a assinar pelo clube, seu avô foi contratado como assistente de jardinagem em Goodison Park. Um dos atrativos do negócio era que Lawton agora tinha a oportunidade de jogar com Dixie Dean. Quando eles se encontraram pela primeira vez, Dean colocou o braço em volta de Lawton e disse: "Eu sei que você veio aqui para tomar o meu lugar. Tudo que eu puder fazer para ajudá-lo, farei. Prometo, qualquer coisa". Dean tinha trinta anos e depois de sofrer vários ferimentos graves, sabia que não lhe restava muito tempo no topo. Dean manteve sua promessa e passou muito tempo com Lawton no campo de treinamento. Gordon Watson, que jogou na ala esquerda para o Everton, mais tarde lembrou: "Lawton e Dean costumavam trabalhar juntos sob a arquibancada principal, Dean jogando uma grande bola de invólucro, recheada com papel molhado para torná-la tão pesada quanto uma bola de medicina" .

Seis semanas depois de ingressar no clube, Tommy Lawton foi contratado como titular para uma partida fora de casa contra o Wolverhampton Wanderers, enquanto Dixie Dean estava descansado antes da quinta rodada da FA Cup com o Tottenham Hotspur. Lawton achou difícil jogar contra o meio-campo da Inglaterra, Stan Cullis, no entanto, ele fez um gol a 15 minutos do final.

Everton empatou o empate da FA Cup com o Tottenham Hotspur 1-1 e foi decidido jogar Tommy Lawton ao lado de Dixie Dean no replay. No segundo minuto, Lawton marcou com um chute tremendo de fora da área. Dean se virou para Joe Mercer e disse: "Bem, então é isso. Essa é a canção do cisne. É o fim de tudo". Dean percebeu que não demoraria muito para que este jogador talentoso tomasse seu lugar na lateral.

Após vinte minutos, Albert Geldard deu o centro para Dean colocar 2-0. Dean acrescentou mais tarde um terceiro, mas Tottenham Hotspur marcou quatro para passar para a próxima rodada.

No jogo seguinte, o Everton venceu o Leeds United por 7-0, com Dean e Lawton marcando bons gols. No final da temporada de 1936-37, Dean marcou 24 gols em 36 jogos no campeonato, enquanto Lawton marcou três em dez.

John Jones, o jovem lateral do Everton, posteriormente argumentou que Dixie Dean era o principal treinador do clube: "Dixie era o chefe. Os jovens jogadores do Everton tinham que se manter em ordem, caso contrário, logo seriam pisados ​​... Era Dixie, junto com alguns zagueiros da Inglaterra, Charlie Gee e Tommy White, que comandavam o show. Ocasionalmente, eles convocavam uma reunião e diziam aos jovens o que fazer. Era o melhor método de treinamento Eu já experimentei. " Lawton concordou, mas afirmou que: "Tudo o que disseram foi certifique-se de passar para um homem com a mesma camisa."

No início da temporada 1937-38, Tommy Lawton jogou na ala direita e Dixie Dean na ala esquerda. O emparelhamento não funcionou e Everton não conseguiu vencer um jogo quando os dois homens jogaram juntos. Em 8 de setembro de 1937, Dean foi dispensado e Lawton o substituiu como atacante para jogar contra o Manchester City. Lawton marcou na vitória por 4-1 e Dean jogou apenas mais duas partidas pelo Everton antes de deixar o clube.

Tommy Lawton se tornou o jogador mais jovem, 17 anos e 362 dias, a marcar em um derby de Merseyside quando o Everton jogou em Anfield em 2 de outubro de 1937. O Liverpool perdeu por 2-1. Foi a primeira vitória em Anfield desde 1931. Lawton também marcou contra o Leeds United, que fez o 5 em 8 jogos e o Everton começou a subir na tabela. Na segunda-feira após o jogo com o Leeds, Lawton irritou os jogadores mais experientes ao entrar no vestiário e dizer "bom dia, rapazes". Como resultado, Lawton foi jogado na banheira totalmente vestido.

Everton terminou em 14º lugar na temporada 1937-38, com Lawton terminando como o maior artilheiro do clube com 28 gols em 39 jogos do campeonato. Ele também foi o artilheiro de toda a Primeira Divisão. Esta foi uma conquista incrível para alguém que tinha apenas 18 anos.

Depois de marcar 38 gols em 180 jogos pelo Everton, Albert Geldard foi transferido para o Bolton Wanderers por £ 4.500 em julho de 1938. Tommy Lawton ficou muito chateado com a decisão de vender Geldard: "Ele foi o mais rápido em duas pernas em dez jardas. outros alas como Torry Gillick, Wally Boyes e Jimmy Caskie, mas Albert havia jogado pela Inglaterra apenas na temporada anterior, quando ele manteve Stan Matthews fora do time.

Everton venceu os primeiros quatro jogos da temporada 1938-39. O quinto jogo foi contra o Arsenal, atual campeão da liga, em Highbury. Após 15 minutos, Tommy Lawton passou para Alex Stevenson, que marcou de perto. Lawton fez o segundo aos 38 minutos. George Casey do Sunday Pictorial o descreveu como "outro gol maravilhoso" de Lawton.

No segundo tempo, Bryn Jones, marcou para o Arsenal de 30 jardas. No entanto, Everton manteve a liderança, embora Lawton tenha sofrido uma surra de Wilf Copping. Lawton constantemente vencia os defensores do Arsenal no ar e Copping o avisou que ele estava "pulando muito alto" e que teria que ser "rebaixado ao meu nível". Como Lawton mais tarde lembrou: "Com certeza, da próxima vez que nós dois formos cruzar, eu acabo no chão com sangue escorrendo do meu nariz. Wilf estava olhando para mim e disse 'Ah, te disse, Tom. Isso está pulando também Alto!' Meu nariz estava quebrado. Quando o Arsenal veio para o Everton, Copping quebrou meu nariz de novo! Ele estava duro, Wilf. Você sempre tinha algo para se lembrar dele quando jogava contra ele. "

Charlie Buchan no Daily Chronicle argumentou que Tommy Lawton foi o principal motivo da vitória do Everton por 2 a 1: "Lawton teve muito a ver com o sucesso. Ele venceu Joy pela bola no ar, manteve as alas em movimento e sempre foi perigoso na frente do gol."

Naquela temporada, o Everton conquistou o título da primeira divisão ao vencer o Wolverhampton Wanderers por quatro pontos. Tommy Lawton foi o melhor atirador do clube com 34 gols em 38 jogos. Pela segunda temporada consecutiva, Lawton foi o artilheiro da Primeira Divisão.

Everton melhorou muito após a chegada de Jack McGill e Dan Doyle do norte da fronteira, que resultou na vitória deles na Copa do Liverpool durante a temporada de 1883-84. Ao se mudar para um terreno fechado em Priory Road, no distrito de Anfield, em Liverpool, o proprietário, um senhor Cruitt, decidiu despejar o clube, devido aos seus torcedores muitas vezes agitados, que os levaram a se mudar para um campo em Anfield Road. Enquanto Everton desfrutava de sucesso contínuo em campo, John Houlding, ex-presidente do clube e mais tarde Lorde Prefeito de Liverpool, achava que o aluguel do terreno deveria ser aumentado em vista de seu sucesso. No entanto, o comitê de Everton rejeitou totalmente a sugestão. Um novo movimento resultou, para um terreno em Goodison Road. Floulding fez todos os esforços para manter o nome de Everton, mas com a maioria de seus jogadores mudando para o novo campo, ele foi forçado a mudar o nome para Liverpool Football Club. Liverpool, como Everton, teve muito sucesso durante a última década do século.

No decorrer do jogo, Dick of Everton, atingiu A. E. Moore nas costas, um ato de rufianismo que produziu um encontro verbal animado. Um ou dois integrantes do time do Everton jogaram duro com seus oponentes, e gritos e gemidos foram frequentes durante a partida. Dick foi escolhido e foi atingido na cabeça com uma vara pesada; o covarde recebeu o golpe que causou um ferimento grave na lateral da cabeça do homem de Everton. Os jogadores de futebol separaram-se na multidão animada, mas os robustos Holland e Frank Sugg forçaram o seu caminho para o resgate e Sugg conseguiu agarrar o homem que atingiu Dick. Ele, no entanto, escapou, embora os policiais tenham chegado rapidamente. Sugg, Holland e um ou dois outros protegeram Dick no pavilhão, onde seus ferimentos foram atendidos. Este aspecto drástico do futebol é novo para Nottingham, e é uma grande pena que os autores deste ultraje covarde não tenham sido protegidos e entregues à polícia. Temos a certeza que este será o sentimento de todas as pessoas respeitáveis ​​que têm no coração os interesses do futebol, do clube de Notts e da reputação da cidade.

Nosso próprio correspondente acrescenta que Dick jogava tudo, menos um jogo cavalheiresco, enquanto sua linguagem era grosseira; mas mesmo esses defeitos não mereciam punição tão covarde e condigna como a administrada em Trent Bridge pelos "cordeiros" de Nottingham sob a lei da turba.

Um futebol imortal, forte, arrojado com um poderoso chute de pé direito e excepcional habilidade de cabeceio, Dixie Dean foi, sem dúvida, um dos maiores centroavantes de sua época.

A razão (por que ele não gostava de ser chamado de Dixie) era que, na época, ele sentia que "Dixie" tinha conexões com problemas de cor relacionados aos estados do sul da América e, portanto, continha uma inferência de que ele era dessa origem, ou mestiça.


Everton Firsts

A história do Everton Football Club é muito mais do que os jogadores que enfeitaram o sagrado gramado de Goodison Park.

Everton é mais do que troféus no armário. Os Toffees têm sido inovadores constantes no mundo do futebol, lutando incessantemente para ser os melhores e os primeiros a realizar novos feitos, ao mesmo tempo que estabelecem novas normas. O lema Nil Satis Nisi Optimum ("Nada além do melhor é bom o suficiente") não poderia ser mais apropriado.

Desde que se tornou um dos membros fundadores da liga de futebol em 1888, até os dias de hoje, quando anunciamos um novo serviço que permite aos torcedores comprar ingressos para os jogos por mensagem de texto, Everton sempre esteve na vanguarda de novas ideias.

Você sabia que fomos os primeiros a usar números nas costas, os primeiros a ter um estádio de futebol especialmente construído e os primeiros a fazer uma turnê no exterior?

Abaixo está uma extensa lista de alguns dos marcos importantes que o Everton Football Club conquistou desde o seu nascimento.


Kits de futebol históricos

Na maioria das cidades com dois grandes clubes de futebol, a lealdade tende a ser familiar. Não é assim em Liverpool, onde é comum que alguns membros da mesma família apoiem os tintos, enquanto outros ficam por trás dos blues. Os dois clubes estão de fato intimamente ligados. Everton foi fundado em 1878 por um grupo de rapazes que frequentavam a St Domingo's Church School que tocava em Stanley Park.

Uma pesquisa de David France indica que as cores originais do clube eram o azul e o branco com listras verticais, camisas de sarja, a mais antiga referência confirmada às listras verticais que até agora veio à tona. (O termo & quotstripes & quot geralmente se referia a aros horizontais na década de 1870).

Tendo rapidamente se estabelecido na cidade, o St Domingo's FC tornou-se Everton em novembro de 1879. Na época, era costume os jogadores que ingressassem jogar com as camisas de seus clubes anteriores (os jogadores tinham que trazer seu próprio uniforme nos amadores dias). Em vez de ter esses arranjos heterogêneos, o secretário tinha todas as camisas tingidas de preto e uma faixa escarlate de duas polegadas foi costurada. Mais detalhes, descobertos por Jonathon Russell apareceram em um relatório no Correio de Liverpool de 1º de outubro de 1881 no jogo de abertura da temporada contra a Liverpool Association: O novo traje do Everton consiste em camisa preta e calças e uma meia branca, com uma faixa carmesim pendurada transversalmente do ombro ao quadril, uma maquiagem que dá aos jogadores uma aparência elegante e profissional. Essa roupa fez com que a equipe fosse apelidada de & quotthe Black Watch & quot em homenagem ao famoso regimento do exército.

Não foi até 1901 que as agora famosas camisetas azuis reais foram adotadas. Os primeiros kits mostrados aqui foram verificados nos livros do clube na coleção de David France e enviados por Steve Flanagan.

Em 1880, Everton estava atraindo multidões de mais de 2.000 e em 1884 mudou-se para um terreno fechado em Priory Road. O proprietário logo se opôs ao número de torcedores barulhentos em suas terras e o clube mudou-se novamente para um novo terreno perto de Anfield Road. Em 1887, o Everton entrou na Copa da Inglaterra pela primeira vez e se envolveu em polêmicas sobre o pagamento de seus jogadores após uma série de jogos amargos contra o Bolton Wanderers. O Everton não apenas foi suspenso por um mês, como a Copa do Liverpool, que eles haviam conquistado recentemente, foi confiscada.

Em 1888, Everton foi convidado a ingressar na nova Liga de Futebol e em 1891 ganhou seu primeiro Campeonato da Liga. Esse sucesso levou seu senhorio a dobrar o aluguel anual da casa do clube em Anfield. Em vez de atender a essa demanda, o clube alugou um terreno baldio ao norte de Stanley Park conhecido como Mere Green Field. Em poucos meses, o primeiro estádio de futebol especialmente construído na Inglaterra foi construído no local que foi inaugurado por Lord Kinnaird e denominado Goodison Park. Nesse ínterim, um novo clube, o Liverpool FC, foi formado para jogar no agora vago Anfield. Ironicamente, o Liverpool apareceu por várias temporadas com um conjunto de camisas azuis / brancas de Cambridge que Everton havia deixado para trás.

Em 1893 e 1897, o Everton alcançou a final da FA Cup, mas não ganhou o troféu até 1906 e no ano seguinte foi derrotado como finalista mais uma vez. Em 1914-15, a última temporada antes da Liga ser suspensa durante a Primeira Guerra Mundial, o Everton conquistou o título da Liga pela segunda vez.

A primeira evidência de um brasão nas camisas de Everton vem de 1912-13 - um monograma em um escudo branco. Isso se tornou um recurso regular nos anos 20, embora tenha sido revertido.

Em 1925, Everton contratou o jovem Dixie Dean da Tranmere Rovers. Dean marcou 27 gols em tantos jogos pelo Rovers e em sua primeira temporada pelo Everton, ele marcou 32 gols em 38 jogos. Em 1927-28, Dean fez história ao marcar 60 gols em 39 partidas, um recorde que dificilmente será batido. O surpreendente é que George Camsell havia estabelecido o recorde na temporada anterior com 59 gols e com três jogos restantes, Dean ainda estava oito gols atrás de Camsell! A era do reitor é considerada a época de ouro do clube, embora tenha sofrido a humilhação de uma temporada na segunda divisão em 1930-31. Os & quotCaracteres & quot (batizados com o nome de um doce cozido com sabor de menta produzido na região) conquistaram o título da Liga em 1928 e 1932, a Copa da Inglaterra em 1933 e o quinto campeonato da Liga em 1939. Dean se aposentou em 1937, mas seu manto foi assumido por Tommy Lawton. Mais uma vez, a guerra interrompeu a carreira do clube e, quando o futebol recomeçou, Lawton estava jogando pelo Chelsea.

O Everton foi um dos primeiros clubes a introduzir uma listra em seus shorts em 1930, algo que se tornou uma marca registrada de suas roupas conservadoras até ser abandonado em 1966.

Um novo brasão oficial do Everton foi desenhado pelo secretário do clube, Theo Kelly em 1938. Seu projeto incluía & quotthe lock up & quot (um marco local erguido em 1787 como uma prisão de aldeia) com o lema do clube, Nil Satis, Nisi Optimum (Nada além do melhor é bom o suficiente) em um pergaminho abaixo. Isso apareceu nas gravatas do clube usadas pela primeira vez pelo presidente do conselho de Kelly e Everton, Sr. E. Green, no primeiro dia da temporada 1938/39, mas não apareceu nas camisas do time por outros 40 anos.

O período imediato do pós-guerra provou ser uma provação e em 1951 Everton foi rebaixado para a Divisão Dois. Embora eles tenham retornado à primeira divisão em 1954, o resto da década foi um período árido. A chegada de Harry Catterick como treinador em 1961 sinalizou um renascimento na sorte do clube. Depois de terminar na quarta posição em 1962, o clube foi campeão em 1963 e em 1966 conquistou a Copa da Inglaterra. Em 1968, os & quotToffees & quot foram derrotados na final da FA Cup, mas em 1970 o último grande time de Catterick, com Joe Royle, Howard Kendall e Alan Ball, venceu o campeonato da liga mais uma vez.

Em contraste, o clube não teve nenhum sucesso na década de 1970, enquanto seu arquirrival Liverpool teve um sucesso incomparável nas competições nacionais e europeias.

Em 1972, em uma concessão à moda, as iniciais do clube foram bordadas nas camisas dos times em um roteiro típico da época. Estes foram substituídos em 1976 por maiúsculas planas e horizontais.

Em 1978, o brasão de Theo Kelly finalmente enfeitou as camisas de Everton. O design básico foi mantido desde então, embora os detalhes tenham sido modificados ao longo do tempo. Por exemplo, a Umbro introduziu uma nova versão para 1982-83, última temporada de seu contrato com o clube.

Le Coq Sportif substituiu a Umbro como fornecedor do kit de Everton em 1983 com um design agora considerado um clássico que apresentava listras estreitas de sombra e uma coleira marcante. A empresa francesa também redesenhou o brasão do clube. O status icônico deste time foi estabelecido quando o ex-jogador Howard Kendall, nomeado técnico em 1981, levou o time a vencer a FA Cup em 1984.

Em 1985, Everton venceu a Liga e a Taça das Taças Europeias e foi derrotado como finalista da Taça de Inglaterra. Finalistas da FA Cup novamente em 1986, os Blues ganharam a Liga novamente em 1987.

A Umbro voltou à moda em 1986 após as camisas impopulares do Le Coq Sportif com cangas brancas, mas o design do brasão da empresa francesa foi mantido até 1991, quando um design um pouco mais tradicional foi introduzido.

Tendo sido eclipsado pelo Liverpool por tanto tempo, os torcedores agora tinham grandes expectativas, mas foi somente em 1995 que o Everton ganhou outro troféu, a FA Cup, com Joe Royle agora comandando o time.

Para a primeira temporada do novo milênio, uma nova versão do brasão do clube foi introduzida.

Embora o clube não tenha conquistado nenhum troféu importante desde então, eles se mantiveram consistentes no meio da tabela na primeira divisão, chegando mais perto em 2009, quando foram finalistas da FA Cup.

Em maio de 2013, uma nova versão simplificada do brasão do clube foi lançada para ser mais fácil de reproduzir, mas foi mal recebida pelos torcedores. Depois que 22.000 assinaturas foram coletadas em uma petição de protesto, o clube emitiu um pedido de desculpas e prometeu consultar um substituto a ser apresentado em 2014-15. Cerca de 20.000 apoiadores participaram do processo com a esmagadora maioria votando na & quot versão A & quot, que restaurou toda a iconografia do design de Theo Kelly de 1938, mas com um visual adequadamente moderno.

Outra reviravolta foi adicionada à história do brasão quando foi revelado que seria usado em uma tira da Umbro, representando o retorno desta marca inglesa icônica ao futebol de alto nível depois que a Nike a vendeu em um exemplo vergonhoso de despojamento de ativos. A nova tira foi inspirada no kit de 1924 de Everton.

Fontes

  • (a) Site oficial do Everton
  • (b) Cores do clube (Bob Bickerton)
  • (c) Heróis do esporte
  • (d) Foco no Futebol
  • (e) Cem anos de glória do Goodison (Ken Rogers 1992)
  • (f) Association of Football Statisticians - fornecido por Pete Wyatt
  • (g) Steve Flanagan
  • (h) Phil Parker
  • (i) David King
  • (j) John Flood
  • (k) Palácio de Imagens de Pete
  • (l) bluekipper.com - um excelente site de fãs com uma coleção superlativa de fotos de times desde 1881. Altamente recomendado.
  • (m) Playfair Football Annual 1948-49, fornecido por Alexander Howells
  • (n) Simon Monks
  • (o) efchistory.co.uk é outro local histórico com outra excelente coleção de fotos da equipe fornecida por David France.
  • (p) Dr Everton's Magnificent Obsession (David France & amp David Prentice 2008) ISBN 978 1905 266 791.
  • (q) Arquivo do British Film Institute (Youtube)
  • (r) Keith Ellis (HFK Research Associate)
  • (s) Christopher Worrall
  • (t) David França
  • (u) Willie Kay
  • (v) Jonathon Russell
  • (w) George Chilvers
  • (x) Athletic News (8 de maio de 1893) enviado por Kingsley (Wrexham FC)

Fotografia cortesia de Blue Kipper.com (c) Coleção David France. Os emblemas são propriedade do Everton FC.

Veja também The David France Collection, agora preservada para a posteridade e online.


Everton Football Club - História

- obrigado por assistir nos últimos meses

- tem sido estranho e, no final das contas, muito decepcionante, não é?

- ainda assim, estamos no início do projeto de Carlo e esperamos que a próxima temporada nos leve mais adiante no caminho para a glória!

- vejo você em agosto!

- COYB!

Novas Seções

- aqui está um lembrete das adições mais recentes ao site:

- quem comandou o Everton mais vezes?
- quem foi o capitão da equipe em cada uma de nossas temporadas?
- quem tem sido o capitão do nosso clube em cada temporada?
- encontre todas as respostas na nova seção 'Capitães do Everton'!

- quem era o número 23 do Everton em 2005/06?
- quantos jogadores de campo vestiram a camisa 13 para nós ?!
- qual é o maior número já ostentado por um jogador do Everton?
- todas as suas perguntas sobre números de esquadrão agora podem ser respondidas com a ajuda da nova 'seção Números de esquadrão'!

- quais 11 jogadores do Everton começaram mais jogos juntos?
- e consecutivamente?
- quais dois jogadores começaram mais vezes juntos para nós?
- e quanto à Santíssima Trindade? Ou a equipe vencedora da FA Cup de 1995? Ou Dean e Lawton? Quantas vezes juntos?
- dê uma olhada na nova seção 'Linhas de Partida Frequentes / Consecutivas / Memoráveis' - ela tem de tudo!

- qual foi a nossa formação inicial mais antiga? E o mais novo?
- quais temporadas foram nossas mais velhas e mais novas? Quais gerentes foram com os jovens e quem foram com os velhos codgers ?!
- está tudo aqui na nova seção 'Média de idades iniciais'!

- qual jogador do Everton fez mais jogos substitutos em uma única temporada ?!
- em todas as competições e apenas na Liga?
- a nova seção 'Mais sub-aplicativos em uma temporada' tem as respostas!

- Qual substituto do Everton marcou mais gols para nós?
- que sub adversário marcou mais golos contra nós?
- a nova seção 'Metas por suplentes' informará você!

- Os jogadores de críquete de teste têm um pequeno número em sua camisa ou boné
- mostra onde eles se encaixam em termos da cronologia histórica de seu país
- agora você pode ver o número que cada jogador do Everton usaria!
- dê uma olhada na seção 'Jogadores do Everton numerados cronologicamente'!

- quem gerencia mais vezes contra Everton?
- quem mais administrou clubes contra nos?!
- bem, há uma nova seção 'Gerentes de oposição' que contará tudo o que você precisa saber!

- a seção 'Gols nas partidas mais consecutivas' foi atualizada!
- agora inclui detalhes de quais jogadores do Everton marcaram nos jogos mais sucessivos em casa e fora de casa também!

- quem foi o último jogador do Everton a jogar 50 ou mais jogos em uma temporada?
- quem jogou mais jogos em uma temporada ?!
- a nova seção '50 ou mais aparições em uma temporada 'dirá a você!

- por outro lado, quais jogadores conseguiram apenas 1 jogo pelo clube ?!
- descubra na nova seção Just One Appearance!

- usamos 39 jogadores diferentes em 2017/18 em todas as competições e 15 deles marcaram um gol
- isso é muito ?! como isso se compara a outras temporadas?
- descubra na nova seção 'Número de jogadores usados ​​e artilheiros - temporada a temporada'!

- quem foi o último jogador do Everton a participar de todos os jogos da temporada ?!
- dê uma olhada na nova seção Presentes Sempre para descobrir!

- e com que frequência completamos "duplas" da Liga sobre nossos oponentes no passado?
- alternativamente, quantas vezes temos recebido um duplo ?!
- agora você pode descobrir na nova seção de duplas da liga a favor e contra

- ever wondered which Everton player has been substituted the most times?!
- well, now you can find out - have a look at the new Subbed Off section for full, fascinating details!

- Richarlison was the last Everton player to score on his debut
- who else has managed that feat for the club?!
- have a look at the new Scored on Their Debut section to find out!

- Wayne Rooney has long departed, of course, but who else has had 2 separate spells at the club?!
- the new Two or More Spells at Everton section will tell you!

- Jordan Pickford looks like he'll be our keeper for some years to come
- but who else has appeared for us between the sticks in the past?!
- the new Goalkeepers section has all the details!

- and don't forget there's also a new History In Short section too!
- you can see at a glance how many times we've finished in each position in the League
- and where exactly we've been knocked out of the various cup competitions
- have a peek!

You are free to copy any of the contents of this website provided that the use is not for commercial purposes
or for financial gain and that proper acknowledgement is given to Everton Results. Todos os direitos reservados.


Everton History | St Domingo?s

Steeped in fascinating history, Everton?s roots originate with St Domingo?s Methodist Church. Located on Breckfield Road North, between St. Domingo Vale and St. Domingo Grove.

In 1877 Rev. Benjamin Swift Chambers was appointed Minister of St. Domingo Chapel and created a cricket team for the youngsters in the area. Cricket was only played in the summer months, so there was room for another sport as the weather began to get colder. In 1878 the football club St Domingo F.C was formed, they played their first match at home against Everton Church Club and won 1-0.

Over time, the club became very popular, with many people who did not attend the chapel asking to join the team. It was decided that the name of the club should be changed and in November 1879 a meeting was held at the Queen?s Head Hotel, near Ye Anciente Everton Toffee House, to decide what it should be changed to. After much discussion, they came to the agreement that the team should be called Everton Football Club, after the surrounding area.

Everton originally played on an open pitch in the southeast corner of the newly laid out Stanley Park, the same site for the once proposed new Liverpool stadium. The first official match under the name Everton F.C. took place on December 20, 1879 against St. Peters they won 6?0.


Everton Mishmash - The history of Everton Football Club In One Image

Другие тоже интересуются этим изделием. Сейчас это изделие находится в корзине у следующего числа людей: 14.

Расчетная дата доставки определяется исходя из даты покупки, местоположения покупателя и продавца, времени обработки заказа и перевозчика. В силу других факторов (например, оформления заказа в выходные или праздничные дни) товар может быть доставлен позже. Указанная дата является лишь приблизительной, но мы надеемся, что вы получите товар как можно раньше.

"The best Everton thing I've ever got!"
"This will replace the TV as the central point of our house"
"Buy one for every room in the house"

Introducing 'The history of Everton Football Club In One Image'

After six months, 30,000 suggestions and 750 hours of illustrating hours…the Everton Mishmash is complete!

We commissioned illustrator Alex Bennett to work with Everton fans across our platform to illustrate all their favourite, treasured moments into one design.

From derby days to cup triumphs, to when Muhammad Ali shadow boxed with Everton fans in Hyde Park – we used all our platforms to invite Evertonians to provide their favourite Everton moments. Thank you to everyone who get involved with suggestions, or by sharing the fan project.

The end result can be viewed here: https://vimeo.com/288582356

NEW: The Everton Mishmash print has been updated! The new 2nd edition version of the Everton Mishmash, available from 12th November 2020 includes Carlo Ancelotti, Calvert-Lewin, James Rodriguez, Duncan Ferguson as manager (swinging the ball boy!) and a handful of other moments and banners.

WHAT IS THE MATERIAL TYPE AND SIZE?
This illustration is printed on high quality 170gsm silk.

DOES THE PRINT COME FRAMED?
No. The Everton Mishmash does not arrive framed. You can find recommended frame options over on GrandOldTeam.com

HOW WILL MY ORDER BE SENT?
We package orders in a durable cardboard tube, securely wrapped and packaged.

HOW LONG WILL MY ORDER TAKE?
We typically dispatch orders with Royal Mail within 1-3 working days.


Liverpool are quick to shout about their penalty shoot-out exploits in Europe, yet Everton were the first club to win a shoot-out in Europe.

Everton drew 2-2 with Borussia Monchengladbach before prevailing 4-3 on penalties.

Significant penalty shoot-outs include a 4-3 victory over Chelsea, a heart-breaking 2-4 defeat to ACF Fiorentina and a 4-2 victory over Manchester United in the FA Cup Semi-Final in 2009.


History of Everton Football Club to be explored by two specially appointed scholars

Two researchers will delve into the history of Everton and its Everton in the Community charity with their findings forming part of a new book about the football club.

Jake Lawton and Emily Liles were awarded scholarships to take on the year-long project after being picked from more than 130 applicants around the world.

Everton teamed up with Liverpool Hope University to offer the scholarships, which will lead to a Master of Research (MRes) degree for the chosen participants.

Everton Heritage Society was also involved in the competitive selection process to find the scholars, who will have fees amounting to £5,200 covered along with reasonable research expenses. The scholarships, starting this month, will be overseen by Hope&aposs associate professor Bryce Evans, a specialist in modern history.

Jake&aposs MRes theme will be &aposThe History of Everton FC, the People’s Club,&apos exploring Everton’s early pioneering of international football tours and their wider social impact.

The 23-year-old history graduate, who achieved a first class honours degree in Edinburgh, previously looked into the significance of football for prisoners of war during his studies. He also examined the spread of interest in professional football across the globe and discovered Everton had been an early team to undertake a foreign footballing tour in 1905.

Jake, who is originally from County Durham and has also worked with the Holocaust Educational Trust since 2013, said: “The more I delved into the subject, the more I realised there was an absence of material on the tours’ wider significance."

Aware of evidence that a particular tour of South America by Everton in 1909 was used as a means to challenge prejudice, Jake added: “It’s amazing to see an Everton director - a Mr E.A.Bainbridge - articulating these thoughts at a time you might not necessarily expect that to happen. It’s just one fascinating insight into the club’s rich history and I can’t wait to uncover more.”

Meanwhile 27-year-old Emily&aposs research will focus on &aposThe History of Everton in the Community: Football at the Service of Humanity,&apos exploring the charity’s mental health provision across different age groups alongside its work to tackle homelessness and food poverty during the last 32 years.

A first class sports journalism graduate, Emily has already worked on football and Everton related projects during her Staffordshire degree and beyond.

Originally from Dudley, she&aposs also a Rugby Football Union communications manager and has previously worked in media and communications teams at Aston Villa Football Club, The Football Association and the Everton women’s team.

She recalls an opportunity to witness the work of Everton in the Community while on a placement with Everton during her degree as something that made a deep impression on her though.

Emily said: “I remember sitting in on an Everton in the Community ‘Pass on the Memories’ session at Goodison Park - a gathering for dementia patients and their families.

"A different Everton player from every decade since the 1950s, including the late Tony McNamara, Graeme Sharp and then first team player Steven Naismith, told stories for the participants in the hope that it might jog the memory of an older patient to the point where they’d say ‘hey, I remember that..’ The impact on the guests was phenomenal. & quot

She added: “When it comes to community engagement in football, everyone looks to Everton as the leaders. No matter how busy it gets on the football or commercial side of things, community engagement should still be at the forefront of everything a club does. That’s what Everton in the Community is all about."

As well as producing a dissertation of around 30,000 words, Jake and Emily will write a 6,000-word chapter as part of the scholarship to be published in a new book exploring Everton’s social history and its impact on the wider community.

Professor Denise Barrett-Baxendale, chief executive officer at Everton and Hope&aposs current visiting professor in sport at the service of humanity, said: “Both Emily and Jake submitted research proposals that not only embrace the social impact of Everton and Everton in the Community across our illustrious history, but that also have resonance with the work that we are doing now – from strengthening our international links with one of the first clubs in South America to take our name, Everton de Vina Del Mar to our charity’s plans for The People’s Place, a new mental health facility close to Goodison Park.

“It&aposs by investigating the untold stories of our history that we can gain new perspectives on where we are now. We look forward to working with Jake and Emily and learning more about what they will discover.”

For more information about other Liverpool Hope University opportunities, and its virtual open day on October 24, visit the website here.


Everton Football Club - History

Human nature will cause some to blur the distinction between football, the one true religion, and other religions that may be more widely recognized as such. Thus, it is no surprise that many have wondered over the years whether Everton drew its support more from the Catholic or Protestant side of the City of Liverpool. And once you ask this question, it follows that the other lot must therefore support Liverpool FC. Errado!

Everton Football Club started life as St Domingo's Boys Club: cricket in the summer, and football in the winter. Despite the distinctly Latin flavour of the name, St Domingo's was a Methodist church in the Everton district of Liverpool. The football club was what might now be termed an outreach programme for the strapping youths of that parish. In this respect, Everton shared an initial religious connection with many of the other new clubs that were to form the Football League back in 1888.

Sam Johnstone of the Football Research Unit at Liverpool University says those speculating on the origins of the Liverpool-Everton, Protestant-Catholic thing are talking nonsense. "Both clubs were founded by the same people (essentially the wealthy, protestant middle classes of 19th-century Liverpool) from the same church (St Domingo's, a protestant church)," he says.

"The story of Liverpool's formation is familiar to all. Everton were formed in 1878, team falls out with John Houlding (the guy who owns Anfield), Houlding forms Liverpool FC in 1892, the rest we know about. What is more interesting is the involvement of the Masons. The guys who formed LFC and EFC were wealthy, middle class, protestant, businessmen and, importantly, pillars of the political and religious establishment (Houlding went on to become Lord Mayor of Liverpool). Freemasonry attracted these very people (for many reasons) and it is known that Houlding and his friend W Barclay were in the Lodge.

"And, of course, this was repeated nationwide. For those teams that didn't come specifically from the Catholic church (Glasgow Celtic), it was likely that the factory and mill owners were involved in charitable organisations, religion and politics (all masonic activities). It is no coincidence that the meeting that led to the formation of the FA took place in a pub called the Freemason's Tavern. Or am I just a conspiracy theorist?"

Whatever religious connection there might have been originally, it seems to have faded fast as the popular appeal of football grew and the name changed within a year to Everton Football Club. None of the early characters involved in establishing the club appeared to have expressed any religious position regarding the club, apart from a mild objection that early meetings were held in the public rooms of Houlding's Queens Head Hotel — within smelling distance of the evil alcohol that would have been anathema to the teetotal Methodists of St Domingo's.

There appears to be little real evidence to suggest any strong relationship between support of Everton and adherence to either the Catholic or Protestant faiths. Parental family ties appear to have been much stronger, with many current Evertonians citing fathers or grandfathers (of either religion) who were true blue, through and through.

On an individual basis, it must have been comforting for some to draw a parallel between allegiance to the club, and faith in God. But on a larger perspective, it seems that many families united by their religious origins include both true blues and other misguided souls who are seduced by the red devils from hell, aka Liverpool FC.

The possibility of a religious connection may be relatively recent and purely accidental. Through the 1950s, the Everton team took on a distinctly Irish flavour, with the likes of Peter Farrell and Tommy Eglington becoming big crowd favourites. This brought about a significant influx of Irish fans, and may have been responsible for suggesting a Catholic flavour. Prior to this, there may have been a majority of Orangemen with a history of family support for the club from the early part of the century. Either way, it probably matters very little today, to all except a few zealots and fundamentalists.

Other subtle clues help only to cloud the issue, such as an indefinable link (in the minds of some supporters) between Everton and Glasgow Celtic, rather than Glasgow Rangers — the Bears being more readily tied with Liverpool FC.

The religious division between the two Glasgow rivals is a very real factor that bears no comparison on Merseyside, where the two clubs grew from the same root. However, this last factor is immortalized in the words of one Goodison anthem that had its origin in the 1960s, when the historic internecine rivalry between Shankly's Liverpool and Catterick's Everton reached new heights: Oh we hate Bill Shankly, and we hate St John
But most of all, we hate Big Ron
And we'll hang the Kopites one by one
On the banks of the Royal Blue Mersey
So to hell with Liverpool and Rangers too
We'll drown them all in the Mersey
And we'll fight, fight, fight with all our might
For the lads in the Royal Blue Jersey.

Conspiracy theorists will suggest that his thread underlies the incomprehensible treatment (directed at Glasgow Rangers) handed down to Everton's Nineties cult-hero, Duncan Ferguson, by a Scottish hierarchy steeped in religious bigotry that has no place in football. However, as far as Everton FC are concerned, the links with the two Glasgow clubs seem relatively evenly balanced.

The record books show that transfers of players from both the Glasgow clubs have occurred consistently since the earliest years of EFC. And recent ties, such as the loans of Ian Durrant and Duncan Ferguson from Rangers in 1994, and Dave Watson's Testimonial against Rangers in 1997-98 — contrasted with Neville Southall's testimonial opponents Celtic a couple of years earlier — must demonstrate that no such preferential or religious connection exists in practice. The mix continued with ex-Rangers manager, Walter Smith, bringing in ex-Celtic midfielder John Collins. Richard Gough and Paul Gascoigne both played for Rangers David Moyes and Alan Stubbs both played for Celtic.

An echo of sectarian divisions can still be heard in football, so try not to confuse the two teams (as Michael Howard did at the beginning of his career). Liverpool are the Catholic team and play in red at Anfield. Mention Xabi Alonso, maybe with knowing raised eyebrows don't mention Michael Owen except with a knowing sneer. Everton are the Protestant team and play in blue at Goodison Park. Mention Dixie Dean, not Wayne Rooney.

We received a number of letters sent to the ignorant journalist at O guardião:

You refer to Liverpool FC as the Catholic team and Everton FC as protestant. Where did you get that from?

Today the sectarian divide between the teams no longer exists except as a memory. But when it did exist Everton was always seen as the catholic team and Liverpool as the protestant team.

The origins of Everton's catholic support lie in the late 19th century when Dr Baxter, a prominent Catholic doctor and a leading light in the catholic community, joined the Everton board. He brought with him the thousands of Irish Catholic families from the Scotland Road area who duly became Everton supporters, despite Everton's origins as a Methodist team (the old St Domingo's).

The Catholic dimension was maintained in various ways at Everton, not least in the 1950s when the core of the Everton team hailed from the Republic of Ireland.

This is what led the Labour MP for Walton, the late Eric Heffer, to explain in his biography Never a Yes Man that he was obliged to lean towards Everton because as the catholic team it was closer to his own High Anglicanism than the more orange-tinged Protestantism of Liverpool FC.

I came from a large Catholic family and was educated at Catholic schools. Support for Everton was instilled in me by family and school alike (including via the priests and Christian Brothers). Indeed when I first started attending games (and was taken to both grounds) I observed that while nuns took charitable collections at the Gwladys Street, it was Salvation Army members who did this at the Kop.

The two most recent examples of the divide I personally witnessed were:

● At a derby game in 1986 when Everton supporters were allocated a third of the kop. I was at the very edge of the Everton section and was greeted by Liverpool supporters holding up banners and placards and waving them at us. The legend on these placards was "Ulster says no" – the protestant slogan at the time of the Anglo-Irish Agreement. Amongst the Everton supporters there were more than a few Irish tricolours waved back at the protesting Liverpool fans

● At Dave Watson's testimonial match (late 1990s), Everton versus Rangers, a huge mob of Rangers fans stormed up Goodison Road attacking Everton fans and screaming at them "fenian bastards".

I would like to stress that I regard the sectarian divide as a bad thing and I am glad that it has faded so much from the scene in football. You should take note of that yourself – the religious division between the teams no longer exists in any meaningful sense and it is wrong to suggest, as you do in the article, that it does. I have long since ceased to be a catholic myself, though I remain a devout Evertonian.

However, since you do mention it in your article you ought to have gotten it right in the interests of historical accuracy.

I would be grateful to hear your views on this. Perhaps you have information that I don't have and my understanding of the history of the teams is and always has been wrong (though that will not cause me to change my allegiance today. ).

Regards, from an ex-catholic but forever an Evertonian.

Mark Hoskisson (20 October 2004)

in your attempts to offer advice on how to negotiate the minutiae of Liverpool culture (http://politics.guardian.co.uk/comment/story/0,9115,1331351,00.html) you will have, uniquely in my memory, managed to equally offend both Catholics and Protestants, Evertonians and Liverpudlians.

To paraphrase a popular Goodison chant (a chant shared with Catholic Celtic fans, incidentally), "if you knew yer 'istory" you would know full well that both Everton and Liverpool owe their existence to the efforts of socially reformist Methodists during the late 19th century. Therefore, if we were to be purists about this, then the only people eligible to support either team would be temperant non-conformists, with an active concern for the plight of the needy.

My own predominantly Catholic family has always been split between red and blue. Likewise, there are plenty of big Protestant families who are similarly divided in their support for the two clubs. One of the reasons that Everton and Liverpool have, mercifully, been able to maintain a relatively healthy, and for the most part friendly, rivalry is precisely because – unlike Glasgow – our footballing allegiances are in no way rooted in divisive sectarian religious differences.

No doubt, in order to add an extra dimension to their fandom, fans on both sides have from time to time sought to claim a religious divide. Such bigoted behaviour is not only unwelcome to the vast majority of scouse football fans, but also historically and culturally groundless.

Personally, I'm now free of Rome's clutches, although residual sense of guilt and neurosis alas remains, much of which I channel into my often agonised following of EFC. For future reference, I would offer you the same advice as I would Boris Johnson - do your research.

You could do worse than to start here

Steve Rooney (20 October 2004)

ps: Which denomination do you imagine erstwhile lifelong Evertonian Wayne Rooney belongs to?

PLEASE Please please correct the uncorroborated statement in your article claiming that Liverpool and Everton have religious allegiances. They don't, either deliberate, historical or accidental. Fim da história.

Merseyside Derbies have been famously trouble free due to the fact that there are no common divides between the 2 clubs, not geographic, social religious. There isn't even a division by family with hardened Evertonian families having reds amongst them and vice versa.

One of my first memories of going to Everton as a youth in the early '70s was the chant of "Celtic/Rangers, Celtic/Rangers", where you chanted the name of the Glasgow team that you supported (ie, declaring your religion), and it was always a 50:50 split. I understand the same happened at Anfield.

To my knowledge, there is no evidence whatsoever for the statement you made, and you should retract it. It might seem a minor point, but for the uneducated it starts a myth. Liverpool might have its faults but mindless religious bigotry attached to its two great football teams isn't one of them.