Notícia

Quantas pessoas Liu Pengli matou?

Quantas pessoas Liu Pengli matou?

Ele era um século 2 a.C. Príncipe Han. Ele é um dos primeiros serial killers atestado por fontes históricas. Minhas perguntas são: quantas pessoas ele matou, por que ele as matou e ele está descrito no Livro de Han?


De acordo com o livro de Han, são 100 mais alguns (百餘 人). A entrada completa é a seguinte e praticamente corresponde à descrição na Wikipedia:

濟 東 王 彭 離 立 二十 九年。 彭 離 驕 悍, 昏 莫 私 與其 奴 亡命 少年 數十 人 行 剽, 殺人 取 財物 以為 好。 所殺 發覺 者 百餘 人, 國 皆知 之, 莫敢 夜行。 者子 上書 告 言, 有司 請 誅, 武帝 弗忍, 廢 為 庶人, 徙 上 庸, 國 除, 為 大河 郡.

http://ctext.org/han-shu/wen-san-wang-zhuan

A tradução na Wikipedia é aceitável, portanto, reproduzirei aqui (com pequenas modificações para coincidir com o texto original, ênfase minha):

29 anos depois, ele era arrogante e cruel e saía em expedições de saqueadores com dezenas de escravos ou jovens que estavam se escondendo da lei, assassinando pessoas e confiscando seus pertences por puro esporte. As vítimas confirmadas excederam 100, e esses assassinatos eram conhecidos em todo o reino, então as pessoas tinham medo de sair de suas casas à noite. Por fim, o filho de uma de suas vítimas o acusou perante o imperador, e os oficiais do tribunal solicitaram que Liu Pengli fosse executado; no entanto, o imperador não suportou que seu sobrinho fosse morto e Liu Pengli foi feito plebeu e banido para o condado de Shangyong, sua soberania foi abolida e suas terras foram reclamadas como o comandante do Dahe.

Observe que ele não matou esse número sozinho; ele tinha escravos e capangas que o acompanhavam.


Dez principais assassinos em série horríveis da história

Relatos horríveis de assassinato há muito fascinam o público. Inúmeros contos populares, lendas e mitos foram formulados em torno do medo da morte pelo homem. Hoje, os assassinatos são mais frequentemente retratados em programas de televisão populares, onde as histórias podem ser exibidas para o público em todo o país.

Os verdadeiros programas de crime também oferecem histórias horríveis e baseadas em fatos que nos surpreendem a todos. Devido à cobertura da mídia de massa, muitos desses criminosos se tornam assassinos em série especificamente pela fama associada a eles.

Para aqueles que gostam de ouvir essas histórias de assassinato horripilantes, aqui estão 10 contos de assassinos em série da história antiga.


Shi Huangdi

Shi Huangdi (l.259-210 AC / r.221-210 AC, também conhecido como Qin Shi Huang, Qin Shih Huandi, Shi Huangti ou Shih Huan-ti) foi o primeiro imperador de uma China unificada. Shi Huangdi significa 'Primeiro Imperador' e é um título, não um nome próprio. A dinastia Qin (221-206 aC) que ele fundou (pronuncia-se 'Chin') deu seu nome à China.

Ele nasceu como Ying Zheng (também conhecido como Zhao Zheng) no Estado de Qin, filho de uma dançarina chamada Zhao Ji e o Rei Zhuangxiang de Qin. De acordo com o historiador Szuma Chien (Sima Qian, 145 / 35-86 AC), ele não era realmente filho de Zhuangxiang, pois sua mãe já estava grávida de Lu Buwei, o rico comerciante que trouxe Zhao Ji ao rei. Como Szuma Chien era hostil a Shi Huangdi (como quase todos os escritores posteriores o são), essa afirmação foi frequentemente contestada. Shi Huangdi é mais lembrado como o imperador que iniciou a construção da Grande Muralha da China e uma versão inicial do Grande Canal.

Propaganda

Subir ao poder

O jovem príncipe cresceu na corte de Qin e assumiu o trono aos 12 ou 13 anos após a morte de seu pai. Lu Buwei havia subido no tribunal para se tornar um ministro e foi feito regente até Ying Zheng atingir a maioridade. Novamente de acordo com Szuma Chien, Lu Buwei ficou preocupado que seu filho o reconhecesse como pai e assim perdesse o trono e, portanto, se distanciou de Zhao Ji e encorajou outra da corte, Lao Ai, a manter sua companhia em seu lugar.

Lao Ai se disfarçou como um eunuco do palácio e assim entrou e saiu da câmara da rainha sem suspeita. Eles tiveram dois filhos que foram mantidos em segredo de todos na corte, exceto Lu Buwei. Ocorreu a Lu que um desses filhos secretos poderia servir melhor como Rei de Qin, já que ele não teria mais que se preocupar em ser exposto como o pai do menino e, assim, organizou um golpe.

Propaganda

Em 238 AEC, quando o jovem rei estava fora da corte em viagens, Lao Ai usou o anel de sinete de Zhao Ji para mobilizar um segmento do exército em revolta. O rei enviou seu exército contra as forças de Lao Ai, derrotou-os e executou Lao sendo dilacerado. Ele então executou toda a família de Lao e colocou Zhao Ji em reclusão sob prisão domiciliar virtual. Lu Buwei suicidou-se por envenenamento. O rei Ying Zheng nomeou então seu associado Li Siu como primeiro-ministro e governou totalmente o estado de Qin.

Vitória sobre os Estados Combatentes

O Período dos Reinos Combatentes na China (c. 481-221 aC) foi uma época em que o governo central da Dinastia Zhou, localizado em Luoyang, não era mais capaz de administrar com eficácia. O país havia se dividido em sete estados separados, Chu, Han, Qi, Qin, Wei, Yan e Zhao, que lutavam continuamente entre si pela supremacia. Nenhum desses estados se sentiu confiante o suficiente para arrancar o Mandato do Céu (o princípio pelo qual um governante era legitimado) da Dinastia Zhou, pois nenhum foi capaz de obter vantagem sobre o outro.

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo semanal gratuito por e-mail!

Cada estado lutou usando as mesmas táticas e estratégias que os outros e seus objetivos foram ainda mais dificultados pelos esforços do filósofo pacifista Mo Ti, um engenheiro capaz, que parece ter fornecido a cada estado os mesmos tipos de tecnologia a fim de neutralizar qualquer vantagem. Embora o estado de Qin tivesse um exército formidável, armas de ferro e carros de guerra, o rei Zheng não conseguiu fazer nenhum progresso significativo na vitória sobre os outros estados.

Um dos estadistas mais influentes em Qin foi o político Shang Yang (falecido em 338 aC), que desenvolveu e codificou a filosofia do legalismo e defendeu a guerra total. Antes das reformas de Shang, a guerra era considerada um jogo de habilidade e estratégia de um nobre, no qual se observava regras definidas que não podiam ser quebradas. Era uma prática comum permitir que uma força inimiga se mobilizasse no campo e até mesmo assumisse sua posição sem molestamento. Um general comandante não atacava não-combatentes e esperava-se que tratasse um inimigo derrotado com honra.

Propaganda

Na Batalha de Changping (260 aC), o Qin empregou a ideologia de Shang para derrotar o estado de Zhao, mas, depois disso, fez pouco progresso. O rei Zheng, fazendo uso total das filosofias de Shang Yang e liderando um exército de tamanho considerável, derrotou rapidamente os outros seis estados. Han caiu em 230 AC, Zhao em 228, Wei em 225, Chu, em 223, Yan em 222 e Qi em 221 AC. Zheng então uniu os estados sob seu governo único, reivindicou o Mandato do Céu da Dinastia Zhou e se autoproclamou Primeiro Imperador da China - 'Shi Huangdi', fundador da Dinastia Qin.

O Império Qin

Tendo consolidado seu império, ele voltou sua atenção para a administração e, com a ajuda de Li Siu, "resolveu basear a sociedade chinesa não, como até então, nos costumes e na autonomia local, mas na lei explícita e em um governo central poderoso" (Durant, 695). Inicialmente, esse governo serviu ao povo, pois as políticas de Shi Huangdi permitiam projetos de construção substanciais e prosperidade. Durant escreve:

[Ele] simplificou as cerimônias oficiais, emitiu uma moeda estatal, dividiu a maioria das propriedades feudais, preparou-se para a prosperidade da China estabelecendo a propriedade camponesa do solo e pavimentou o caminho para a unidade construindo grandes rodovias em todas as direções de sua capital ... Viajando disfarçado e desarmado, ele notou os abusos e desordens, e então deu ordens inequívocas para sua correção. Ele encorajou a ciência e desencorajou as cartas. (696)

De todas as maneiras, o início da Dinastia Qin trabalhou para melhorar a vida das pessoas. As paredes e fortificações que antes fechavam as fronteiras dos estados em guerra separados foram destruídas e a Grande Muralha foi iniciada a partir de suas ruínas, marcando a fronteira norte do império e protegendo a terra das tribos nômades saqueadoras. No sul, o Canal Lingqu foi construído para ajudar no transporte e no comércio. As armas dos estados derrotados foram derretidas e transformadas em obras de arte.

Propaganda

Essa época de paz e prosperidade, no entanto, durou pouco. Em 213 AC Li Siu, tendo se cansado de ouvir estudiosos confucionistas criticarem o regime comparando-o com as dinastias passadas de uma 'idade de ouro', escreveu: “Sugiro que as histórias oficiais, com exceção das Memórias de Qin, sejam todos queimados, e que aqueles que tentarem esconder [outras obras] sejam obrigados a levá-los às autoridades para serem queimados ”(Durant, 697). Embora a vida durante o Período dos Reinos Combatentes tenha sido difícil, deu origem às Cem Escolas de Pensamento, que compreendiam escritos como os de Confúcio, Mo Ti, Mencius, Teng Shih e Yang Zhu, entre muitos, muitos outros.

Mantendo a filosofia estrita do legalismo de Shang Yang como a política oficial do governo (que ele instituiu no início de seu reinado), Shi Huangti reescreveu os códigos legais, suprimiu a liberdade de expressão, queimou os livros e matou tudo isso recusou-se a cumprir. Este período de seu reinado é conhecido como a 'Queima de Livros e o Enterro de Filósofos'. Comentários de Durant:

Propaganda

O único resultado permanente foi emprestar um aroma de santidade à literatura proscrita e tornar Shi Huangti impopular entre os historiadores chineses. Por gerações, as pessoas expressaram seu julgamento sobre ele, sujando seu túmulo. (697)

Seu próprio filho, Fusu, criticou-o ao apontar que Shi Huangti tinha cópias em sua biblioteca particular dos mesmos livros que negava ao povo.

A morte de Shi Huangti e a queda de Qin

Shi Huangdi já havia sido alvo de tentativas de assassinato no passado, mas agora elas aumentaram. “Ele se sentou em seu trono com uma espada sobre os joelhos e não deixou ninguém saber em que quarto de seus muitos palácios ele iria dormir” (Durant, 697). Ele ficou obcecado pela morte e buscou elixires da imortalidade. Falhando nisso, ele começou a se prover de uma vida após a morte tão confortável e segura quanto a atual que ele estava vivendo.

Ele decretou a construção de um palácio como sua tumba e comissionou artesãos para criar um exército de mais de 8.000 guerreiros de terracota, totalmente armados, para protegê-lo do outro lado. A tumba era tão extravagante que se dizia ser uma visão do céu e, uma vez construída, foi enterrada e armadilhada para evitar saques.

Em 210 aC, Shi Huangdi morreu em uma viagem para encontrar o elixir da vida que lhe daria a imortalidade. Algumas fontes indicam que ele morreu envenenado após beber o que ele pensava ser o elixir. Li Siu manteve sua morte em segredo até que ele pudesse mudar a vontade do imperador para nomear seu filho jovem e flexível como herdeiro, a quem Li Siu pensou que poderia manipular. Ele mandou trazer o corpo de Shi Huangdi para a capital, escondido em uma caravana mercante de peixes mortos, a fim de esconder o cheiro do cadáver em decomposição, mudou o testamento e então anunciou a morte do Primeiro Imperador e a ascensão de seu filho, Hu -Hai, que assumiu o nome Qin Er Shi.

O novo rei reinou mal por três anos e era famoso por matar mensageiros que lhe traziam más notícias (marcando seu único legado, a origem do ditado, 'Não mate o mensageiro'). Durante esse tempo, Li Siu foi executado e seu co-conspirador para elevar Qin Er Shi ao poder, Zhao Gao, forçou o jovem imperador a cometer suicídio.

Após este golpe, o sobrinho de Qin Er Shi assumiu o trono e executou Zhao Gao. Nesse ponto, com o governo em completa desordem e nenhum herdeiro competente ao trono, o país se rebelou e a dinastia Qin entrou em colapso. Seguiu-se um período de guerra civil, entre os estados de Chu e Han (conhecido como Contenção Chu-Han, 206-202 AEC), que foi resolvida em favor dos Han após a Batalha de Gaixia em 202 aC. Liu Bang (l. 256-195 AC) de Han então assumiu o trono com o nome de Imperador Gaozu e fundou a Dinastia Han, uma das maiores da história da China, que governaria de 202 AC a 220 DC e estabeleceria muitos dos ritos e tradições agora parte integrante da cultura chinesa.


Organização e Consolidação

Como a capital Ch'in foi arrasada por Hsiang Yü, Kao-tsu construiu uma nova capital em Ch'ang-an. Sua estrutura de estado era muito semelhante à de Ch'in. Havia, no entanto, uma diferença importante entre os dois. O governo Ch'in aboliu os antigos estados feudais e empregou funcionários do governo central nomeados em comandantes (chün,aproximadamente equivalente às províncias modernas, mas geralmente menores) e prefeituras (Hsien).

Durante as guerras que levaram à ascensão de Han, os generais se declararam reis dos estados feudais e Hsiang Yü enfeoffou outros. Kao-tsu foi forçado a reconhecer alguns desses reis para ganhar sua lealdade. O resultado dessas políticas anteriores foi que cerca de metade do império não era administrado pelo imperador por meio de seus comandantes e prefeituras, mas era governado por sete reis altamente autônomos. Ao longo de seu reinado, Kao-tsu dedicou a maior parte de sua atenção à eliminação desses governantes sobre os quais tinha pouco ou nenhum controle. Por volta de 196, todos os reis, exceto um, haviam sido mortos. O reino restante era pequeno e distante da capital, portanto não representava uma ameaça ao trono imperial.

No entanto, como uma das acusações freqüentemente feitas contra a dinastia Ch'in tinha sido sua tentativa de erradicar o feudalismo, Kao-tsu sentiu que algum tipo de compromisso era necessário. Conseqüentemente, na época de sua morte, nove de seus filhos e irmãos haviam sido enfeitiçados, e o princípio estabelecido que apenas os membros da família imperial, a casa de Liu, poderiam ser feitos reis. Mas após a "Rebelião dos Sete Reinos" em 154, os reinos foram reduzidos em tamanho e governados por funcionários enviados pelo governo central. Com efeito, embora não inteiramente no nome, o sistema administrativo Han era o mesmo do Ch'in.

No campo da política externa, o maior problema de Kao-tsu eram os Hsiung-nu, tribos nômades que invadiam os assentamentos da fronteira norte da China. No decorrer de uma das campanhas de Kao-tsu contra um rei rebelde chinês em 201, o rei juntou forças com os Hsiung-nu. Kao-tsu ficou sitiado por uma semana e mal conseguiu escapar.

Após essas batalhas, Kao-tsu seguiu uma política de paz com os Hsiung-nu. Em troca da promessa de não invadir a fronteira, Kao-tsu apresentou uma princesa chinesa ao governante Hsiung-nu como sua esposa, e os chineses faziam doações anuais aos guerreiros nômades. Com algumas exceções notáveis, incluindo ataques Hsiung-nu que os trouxeram à vista da capital em 166, a política de Kao-tsu foi efetivamente continuada por cerca de 60 anos.


A Revolução Cultural chega ao fim

Zhou agiu para estabilizar a China revivendo o sistema educacional e devolvendo ao poder vários ex-funcionários. Em 1972, porém, Mao sofreu um derrame no mesmo ano, Zhou soube que tinha câncer. Os dois líderes deram seu apoio a Deng Xiaoping (que havia sido expurgado durante a primeira fase da Revolução Cultural), um desenvolvimento que foi combatido pela mais radical Jiang e seus aliados, que ficaram conhecidos como a Gangue dos Quatro. Nos anos seguintes, a política chinesa oscilou entre os dois lados. Os radicais finalmente convenceram Mao a purgar Deng em abril de 1976, alguns meses após a morte de Zhou, mas depois que Mao morreu naquele setembro, uma coalizão civil, policial e militar expulsou o Gangue dos Quatro. Deng recuperou o poder em 1977 e manteria o controle sobre o governo chinês pelos próximos 20 anos.


Do creepypasta de Jeff, o Assassino de 2011, pode-se deduzir que Liu era protetor (ele tentou afastar os valentões primeiro, antes que puxassem as facas Ele assumiu a culpa pelo que Jeff fez a eles), atencioso com seu irmão (ele era o único a falar e dizer que o rosto de Jeff não parecia tão ruim, após um momento de silêncio compartilhado pela família), e ele era basicamente o único 'amigo' de Jeff quando eles se mudaram para o novo bairro.

O destino de Liu também nunca é dito abertamente. A história termina com Jeff dizendo a Liu para dormir, depois de estripar seus pais. Muitos fãs teorizaram que Liu sofreu o mesmo destino, alguns acham que Jeff realmente simplesmente deixou seu irmão adormecer e ir embora, e então uma terceira ideia é que Jeff poupou seu irmão no final, ou Liu viveu milagrosamente. O usuário do Deviantart, Vampirenote13, pegou a ideia da vida de Liu e transformou o personagem em outra coisa. Liu Woods tem cabelo castanho (supondo que a genética do cabelo castanho seja dominante, e Jeff na história tem cabelo castanho), olhos verdes e várias cicatrizes por ter vivido uma experiência horrível de seu irmão tentando estripá-lo, arrancando seus intestinos e tal . Ele tentou revidar e sufocar o irmão com um rosário até que quebrou.

Billy e sua mãe ouviram gritos em sua casa ao lado e foram resgatar Liu depois que Jeff abandonou sua vítima. Ele quase morreu no hospital, mas superou. Foi quando uma enfermeira estava falando sobre o que seu irmão tinha feito a ele, referindo-se a Jeff como um monstro, que Liu a agarrou e apunhalou repetidamente até que ela morresse. Sua primeira vítima.

Ele fugiu do hospital para a casa, pegou apenas alguns pertences, queimou o resto e depois deixou o estado. Uma vez que ele tinha sangue nas mãos, Liu não podia mais voltar. Mas, apesar dos acontecimentos horríveis, Liu ainda se preocupa profundamente com seu irmão mais novo, e o perdoou no final porque ele experimentou em primeira mão a vontade de matar. Por outro lado, os assassinatos de Liu também podem ser influenciados por Sully, uma personalidade sociopata / psicopata de olhos escuros que ele desenvolveu depois da noite em que Jeff tentou matá-lo para lidar com os eventos traumáticos.

Sully afirma ter renegado Jeff como irmão e o odeia, mas mostra alguns sinais de que ainda pode se importar com Jeff de alguma forma. Sully teme Jeff às vezes, especialmente os eventos daquela noite. Ele é defensivo e infantil às vezes. Mesmo que aja mais velho do que isso, Sully afirma ter apenas sete anos, uma referência a quanto tempo se passou desde que sua personalidade se desenvolveu. Ele tem alguma consideração e sentimentos pelo próprio Liu, uma vez que eles compartilham um corpo e ele se abstém de matar qualquer pessoa de quem Liu se preocupa por "Não querer deixar Liu deprimido". Também se sabe que Sully apareceu na noite em que Jeff atacou Liu, ele é a personalidade assassina de Liu.


Liu Kang / Linha do tempo atual

Liu Kang é visto pela primeira vez interagindo com Raiden, enquanto ele se prepara para o primeiro Combate mortal torneio. Ele está ao lado de Raiden quando eles se aproximam de Johnny Cage, e fica especialmente chateado quando Johnny Cage mostra desrespeito a Raiden. Liu Kang aparece mais uma vez quando Raiden explica a situação do torneio Mortal Kombat para Sonya e Jax. Ele fica chocado quando descobre que Kung Lao entrou no torneio. Kung Lao perde para Scorpion e Liu Kang o ajuda a se levantar.

A primeira aparição de Liu Kang lutando é quando Ermac é revelado como "a última criação de Shao Kahn". Mesmo que Liu Kang nunca tenha lutado no torneio, Shang Tsung afirma que Liu Kang é o último guerreiro restante do Reino da Terra. Liu Kang derrota Ermac, e mais tarde é mostrado treinando com Raiden. Raiden recebe outra mensagem de seu futuro eu, e afirma que o "Ele deve vencer" deve ser Liu Kang. Depois que Raiden sai, Liu Kang é abordado por Kitana, que tenta matá-lo. Liu Kang consegue derrotá-la. Quando Kitana diz a Liu Kang para matá-la por seu fracasso em assassiná-lo, ele se recusa, afirmando que o encontro nunca aconteceu.

Liu Kang então enfrenta Scorpion e Quan Chi em uma batalha dois contra um, e derrota os dois. Ele então é levado a enfrentar Goro em Goro's Lair. Após derrotar Goro, Liu Kang retorna à Sala do Trono de Shang Tsung, onde enfrenta Shang Tsung. Depois de derrotar Shang Tsung, Liu Kang é considerado o salvador de Earthrealm, embora Raiden perceba que seu amuleto rachou ainda mais.

Uma cerimônia na Academia Wu Shi é realizada em homenagem à vitória de Liu Kang no torneio Mortal Kombat. Ao cair da noite, um Shang Tsung revitalizado e um exército de Tarkatans atacam a academia. Jax fica inconsciente e, quando acorda, Liu Kang está entre os guerreiros do Reino da Terra que lhe explicam a última situação junto com a captura de Sonya. Enquanto Johnny Cage, Jax e Raiden aparecem para continuar o novo torneio do Mortal Kombat, é revelado que Liu Kang junto com Kung Lao foram enviados para libertar seus mestres Shaolin.

Liu Kang mais tarde aparece com Raiden, Johnny Cage, Smoke e Kung Lao quando eles são abordados por Jade. É durante a conversa que Liu Kang fica sabendo da captura e prisão de Kitana. Após uma breve discussão com Raiden sobre o que fazer, Liu Kang e Kung Lao vão para a Torre para tentar encontrar Kitana. Lá eles descobrem que Kitana foi movida e repentinamente atacada por Sheeva e Noob Saibot. Liu Kang enfrenta Sheeva, enquanto Kung Lao enfrenta Noob Saibot e, eventualmente, Goro, que - depois de ser derrotado por Kung Lao - informa os dois que Kitana provavelmente foi executada no coliseu. Furioso, Liu Kang nocauteia Goro. Kung Lao, no entanto, acredita que Kitana ainda pode estar viva, e eles correm para o coliseu.

Ao descobrir que Kitana ainda está viva, Liu Kang vai libertar Kitana de sua prisão. Enquanto isso, Kung Lao dá um passo à frente e assume o papel de "ele deve vencer". Após Kung Lao derrotar Shang Tsung e Quan Chi em uma batalha dois contra um, e Kintaro logo depois, Shao Kahn mata Kung Lao quebrando seu pescoço, enfurecendo Raiden e Liu Kang. Enquanto Shao Kahn pergunta a Liu Kang quem ele pensa que Shao Kahn é, Liu Kang diz a ele que o Imperador é o assassino de seu melhor amigo Kung Lao. Shao Kahn então respondeu, "Eu sou Shao Kahn! Konqueror dos Mundos! Você não sentirá o sabor da vitória.". Liu Kang enfrenta, derrota e aparentemente mata Shao Kahn com um soco de fogo. Após a suposta morte de Shao Kahn, Liu Kang, Kitana e Raiden sofrem a perda de Kung Lao. Shao Kahn mais tarde é mostrado para sobreviver, alegando que ele não pode ser derrotado tão facilmente com o ferimento sendo curado por Quan Chi. Quan Chi mais tarde ressuscita a esposa morta de Shao Kahn, Sindel, na Terra, permitindo que Shao Kahn invada Earthrealm.

Liu Kang acompanha Raiden para ver os Deuses Anciões. Eles tentam convencer os Elder Gods a parar Shao Kahn, mas os Elder Gods se recusam a intervir. Pouco depois de retornarem ao Reino da Terra, eles encontram quase todos os guerreiros do Reino da Terra mortos e Nightwolf se sacrificando para matar a Rainha Sindel. Liu Kang corre para o lado de Kitana, que está mortalmente ferida, pois ela acaba morrendo por causa dos ferimentos, enquanto segura a mão de Liu Kang. Liu Kang está visivelmente chateado com Raiden após a morte dos guerreiros do Reino da Terra. Após a última sugestão de Raiden de pedir ajuda a Quan Chi, Liu Kang acredita que Raiden ficou louco e se recusa a ir com ele para o Netherrealm.

Quando Raiden retorna do Netherrealm e revela a Liu Kang que "Ele deve vencer" na verdade se refere a Shao Kahn, Liu Kang se recusa a deixar Shao Kahn vencer. Ele luta com Raiden, mas é derrotado. Pouco depois, Shao Kahn entra no Reino da Terra, e Liu Kang mais uma vez tenta impedi-lo. Mais uma vez, Raiden o proíbe de fazer isso, enviando parafusos de eletricidade na frente dele. Enfurecido, Liu Kang dá um soco feroz em Raiden, que se defende com uma rajada de raio. A combinação da eletricidade de Raiden e o próprio fogo de Liu Kang queimam gravemente o corpo de Liu Kang, causando-lhe ferimentos fatais. Um Raiden horrorizado implora ao ferido mortalmente Liu Kang que o perdoe. As palavras finais ditas por Liu Kang são para Raiden: "Você. Nos matou. Todos." antes que ele feche os olhos e prossiga.

Após a derrota final de Shao Kahn nas mãos de Raiden e dos Deuses Anciões, o corpo de Liu Kang é levado por Raiden, Sonya e Johnny Cage.

Mortal Kombat X (série de quadrinhos)

Liu Kang é apresentado brevemente no flashback de Hanzo Hasashi sobre o torneio de Shang Tsung, lutando contra Escorpião e Quan Chi ao mesmo tempo.

Mais tarde, é revelado que um templo foi erguido em homenagem ao guerreiro caído, chamado de Templo Kang Shaolin, e é lá que os monges protegem o Kamidogu do Reino do Caos para Raiden.

O revenant de Liu Kang aparece em Netherrealm ao lado de seu irmão Shaolin caído Kung Lao e a princesa morta-viva Kitana, questionando Quan Chi sobre seu próximo curso de ação após a falha de Havik em entregar o amuleto de Shinnok para eles. No final das contas, é decidido usar o mais novo acólito D'Vorah de Shinnok para esperar por um momento oportuno para reivindicar o amuleto para libertar o Deus Ancião caído.

Mortal Kombat X

A primeira aparição de Liu Kang no modo de história cronologicamente ocorre no flashback de Raiden de vinte e cinco anos antes, durante o tempo em que ele e Kung Lao estavam vivos antes do torneio de Shao Kahn em Outworld. Depois que a Academia Wu Shi foi invadida, vários monges foram sequestrados por Baraka e sua horda Tarkatan. Liu Kang parte com Raiden e Kung Lao para libertar os monges. O trio eventualmente descobre os monges sendo carregados em um navio sob o comando de D'Vorah. Ele envolve a Tarkatan Horde ao lado de Kung Lao, enquanto Raiden lida com Baraka e D'Vorah. Depois de derrotar seus inimigos, eles procedem para libertar os monges no primeiro navio. Raiden então diz a Liu Kang que ele deve retornar para o torneio, deixando Liu Kang e Kung Lao para procurar e libertar os monges restantes no segundo navio que já partiu. Liu Kang promete a Raiden que não irá falhar, ao que Raiden responde que sabe com um sorriso.

No presente, Liu Kang é visto pela primeira vez no Netherrealm, agora um revenant morto-vivo servo de Quan Chi. Ele junto com as versões revenantes mortos-vivos de Kung Lao, Kitana e Sindel cavalgam para a fortaleza de Quan Chi para aguardar a chegada de D'Vorah com o amuleto de Shinnok. Ao se aproximarem da fortaleza, Quan Chi e companhia são emboscados pelas Forças Especiais lideradas por Jax e Kenshi junto com a ajuda de Sareena. Enquanto os outros revenants estão lutando contra as Forças Especiais, Liu Kang luta para escapar e escolta Quan Chi para um local seguro. Quando eles chegam à fortaleza, eles são seguidos por Jax, que pretende levar Quan Chi de volta ao Reino da Terra. Liu Kang tenta impedir Jax, expressando seu desdém por ele ter se juntado a Raiden novamente. Jax responde que Raiden fez o seu melhor e que salvou Earthrealm, mas Liu Kang retruca que Raiden o assassinou e roubou tudo dele. Os dois lutam e Liu Kang é derrotado, resultando na captura de Quan Chi.

Liu Kang mais tarde aparece junto com Kung Lao, Kitana, Sindel e Smoke on Earthrealm depois que Shinnok é libertado. Ele junto com os outros revenants juram lealdade a ele. Liu Kang então informa Shinnok da presença humana no Netherrealm, mas Shinnok não se preocupa e diz que eles serão neutralizados mais tarde. Liu Kang e os outros revenants então acompanham Shinnok e D'Vorah, junto com o prisioneiro Johnny Cage, ao Templo do Céu, onde Shinnok ataca Bo 'Rai Cho com seu amuleto. Raiden logo chega para parar Shinnok apenas para ser cercado pelos revenants. Liu Kang pergunta se eles podem matar Raiden, mas Shinnok ordena que eles o deixem viver para que ele possa selar Raiden. Enquanto Shinnok parte para os Jinsei, Liu Kang, junto com os outros revenants, provoca Raiden antes que este comece a enfrentá-los. Raiden derrota Sindel, Kitana e Smoke com eletricidade, então derrota Kung Lao no kombat. Ele é então confrontado por Liu Kang. Antes de sua luta, Raiden tenta alcançar seu ex-aluno, dizendo-lhe que este não é o seu destino. Liu Kang responde sarcasticamente perguntando a Raiden se ele ainda tem visões do futuro. Ele então lembra Raiden de sua morte nas mãos do último. Raiden afirma que foi um acidente, mas Liu Kang agradece Raiden por "libertá-lo" e declara que ajudará Shinnok a derrotar os Deuses Anciões. Os dois lutam e Liu Kang é derrotado por seu antigo mentor.

Depois que Cassie Cage, Jacqueline Briggs, Takeda Takahashi e Kung Jin chegam ao Templo do Céu, eles ouvem Liu Kang, D'Vorah, Kitana e Sindel discutindo os planos de Shinnok para conquistar o Reino da Terra e invadir os Céus. Liu Kang parte com Kung Lao e Smoke para encontrar uma maneira de acessar o portal de Raiden para os céus. Ele então volta com Kung Lao e Smoke após Cassie derrotar Sindel e Kitana. Takeda e Jacqui seguraram Liu Kang e seus companheiros mortos-vivos por tempo suficiente para que Cassie derrotasse Shinnok. Após Shinnok ser derrotado e Jinsei restaurado, Liu Kang recua para o Netherrealm com os outros revenants.

Na cena pós-crédito, Liu Kang e Kitana são agora os governantes do Netherrealm. Ele e Kitana são ameaçados por Raiden, que os lança a cabeça decepada, mas ainda viva de Shinnok. Raiden, que se corrompeu após limpar Jinsei, declara que não ficará mais parado e simplesmente defenderá Earthrealm, e continua afirmando que qualquer um que ameaçar Earthrealm sofrerá "destinos piores que a morte". Raiden então sai, deixando Liu Kang e Kitana encarando a cabeça de Shinnok.

Mortal Kombat 11

Parte 1: Mortal Kombat 11

Nesse ponto, Liu Kang havia sido corrompido pela influência de Shinnok e planejava invadir Earthrealm. Raiden e as Forças Especiais lançam um ataque preventivo no Templo do Osso para parar o ataque. Enquanto Raiden luta contra os demônios de Netherrealm fora do templo, as Forças Especiais se infiltram no templo para destruí-lo. Enquanto assistia Raiden lutar, Liu Kang imediatamente percebe que ele é a distração e tenta parar as Forças Especiais, mas ele e os outros falham e o Templo do Osso é destruído. Acreditando que tudo está perdido, Liu Kang e Kitana renunciam ao seu destino, antes que Kronika chegue. Ele questiona quem ela é, e ela simplesmente restaura o templo, fazendo com que os revenants ajudem em seus planos.

Graças às anomalias temporais dela, o Liu Kang mais jovem antes de sua morte é trazido para a linha do tempo presente ao lado de seus amigos e inimigos. Apesar de ouvir o que sua contraparte moderna se tornou, ele ainda confia em Raiden e se alia aos guerreiros de Earthrealm. Antes de retornar ao reino da terra com Raiden e Kung Lao, Liu Kang se despede de Kitana com ele se curvando a ela e a princesa o abraçando. Liu Kang e Kung Lao finalmente chegam ao templo Shaolin onde a Gruta do Dragão Wu Shi está localizada para impedir que as forças de Kronika roubem o Jinsei que ela procura. Enquanto eles escapam com sucesso das armadilhas no Calabouço da Armadilha Shaolin, eles são encontrados pela versão anterior do Escorpião e derrotam ele e Jade.

Eles então entram na gruta para ver Geras levando o Jinsei. Kung Lao expressa medo de que eles colidam com seus próprios revenantes, o que se torna verdade quando o revenant Liu Kang e Kung Lao chegam para impedi-los. Os revenants zombam de seus eus mais jovens por confiarem em Raiden, já que ele era o responsável por suas mortes, mas Liu Kang defende Raiden. O revenant Liu Kang desafia seu eu mais jovem, comentando sobre o quão cego ele era no passado. The younger Liu Kang overwhelms his revenant counterpart, commenting on how deluded he has become in the future just as Kung Lao defeats his revenant counterpart. They then confront Geras and defeat him, but Kronika halts and reverts time to collect the Jinsei.

After all of Earthrealm’s bases has been compromised alongside the death of the Elder Gods, and both Kotal and Jade are captured, the Shirai-Ryu’s Fire Garden is the only surviving base left and Raiden is the sole surviving God who learned that both Shinnok and Cetrion’s true loyalty are only towards their mother, Kronika, Liu Kang asks Raiden to send him and Kung Lao to rejoin Kitana in Outworld and rescues both Jade and Kotal from Shao Kahn, while also redeeming Tarkatans’ fate on behalf of Sheeva. Despite Shao Kahn crippling Kotal, Liu Kang and Kung Lao happily watch as Kitana puts an end of Shao Kahn’s terror by her own hands and Kotal makes her the Kahn of Outworld.

He eventually clashes with Raiden when the latter starts using Shinnok's amulet to power himself into executing a redeemed past Scorpion, whom he believed Kronika sent him, while Liu Kang stands for Scorpion’s true redemption since it was the latter’s late-present human-self who sent him. In the midst of the battle, the thunder god relents and tells a confused Liu Kang that he has realized that Kronika has been manipulating them to fight. Raiden explains that in every timeline, he and Liu Kang would fight with Liu Kang dying in every one. After the revelation, Raiden heals Scorpion and refuses to be the goddess' puppet while Liu Kang is pleased with this declaration. However, Kronika appears and kidnaps the younger Kang so that his revenant counterpart can absorb his soul to fight Raiden once more, killing him.

The revenant attacks Raiden who defeats him in a lengthy battle but rather than kill the evil counterpart like the latter expected, Raiden merges himself and past Liu Kang's previously deceased body with the revenant Kang, transforming them into Fire God Liu Kang, with past Liu Kang's consciousness prevailing, having also absorbed his revenant counterpart's memories.

With his new godly powers and the knowledge about the Hourglass and Kronika's plan, Liu Kang is able to combat her forces and her time manipulating abilities. The armies of Earthrealm and Outworld begin their assault on Kronika's Keep with Liu Kang's new abilities wiping out several legions to get through. Once inside however, Kronika reverses time sending Liu Kang's allies back to Kharon's Ship, forcing Liu Kang to battle the revenant counterparts of his friends alone. Liu Kang eventually defeats the revenant Kitana, Kung Lao, and Jade. Then Liu Kang battles Cetrion and defeats her. Kronika then reverses time for the final time to the Prehistoric Age.

Their battle has sent them to the dawn of time itself. Fortunately, Liu Kang has maneged to defeat her, using his fire to turn her to glass and destroy her body, including her crown. Raiden is separated from him leaving Liu Kang a God and the latter a mortal. During his conversation with Raiden, the former Thunder God bestows the title of protector of Earthrealm and the keeper of time to Liu Kang. When Liu Kang describes the task as hard to carry alone, Raiden suggests to advise him as long as he lives. Liu Kang agrees, and they began to reshape the sands of time.

Parte 2: Rescaldo

As the new Keeper of Time, Liu Kang attempts to create a new history along with Raiden using the Hourglass, but was stopped by the sudden arrival of Shang Tsung, Fujin, and the human Nightwolf. They warned that using the Hourglass without Kronika's crown would eventually shatter it, which proved correct when Liu Kang used it to see the outcome of what would come next. He sent the three back in time, right when the past Kitana would free Kotal Kahn and become the Kahn of Outworld. The Fire God was aware that Shang Tsung would eventually get the crown and win, seizing control of the Hourglass, betraying and using those around him as pawns in his chess game, until he would give his checkmate. He would wait until Shang's victory to happen to stop his plans, choosing to sacrifice all of his friends' lives for the greater good of giving them a more peaceful and better future in a new timeline he would create.

Meanwhile, the Revenant Liu Kang uses an amulet to bind the trio when they land in the Netherrealm, and order his minions to take them as hostages in Shinnok's Bone Temple. He later appears at the final chapter, ready to confront Raiden, before his legs are broken due to Shao Kahn making such damage to his past self. 

The past version of Liu Kang is not kidnapped by Kronika in this timeline, but is nonetheless present when Raiden almost becomes Dark Raiden one more time, and ferry to Kronika's Isle in the same ship where Kitana, Kung Lao, Jade and Kotal Kahn are. When said ferry is ambushed by Shao Kahn's forces, Liu Kang faces Shao Kahn, and is defeated. When his and Kitana's body are dropped by the Outworld duo, Liu Kang, despite his injures, tries to reach his hand to Kitana's, but right when the two are close to handholding, Shao Kahn steps on Liu Kang's hand. Though not seen at first, Shao Kahn later cripples Liu Kang's legs, rendering his present, Revenant self incapable of avenging himself against Raiden, making them both paraplegic.

Fire God Liu Kang reappears in the climax of the last chapter, repeating the words Shang Tsung called out to him at the start ("Cease, before you doom us all.") to prevent to sorcerer from taking Kronika's role. It is revealed he allowed Shang Tsung to progress as he did for the latter to claim the crown, at the cost of losing his friends, but vow to the sorcerer that his friends will live again in his New Era instead of the sorcerer's. The player can then choose whether they use or fight Fire God Liu Kang.

If the player picked Shang Tsung, the sorcerer defeats Liu Kang, and chokes him as he mocks Liu Kang about his failure. Shang Tsung then consumes his soul, leaving behind his dried corpse.

If the player picked Liu Kang, he pulls out temporal energy from the Hourglass, and blasts it on Shang Tsung. As the sorcerer's body slowly dissolves into dusts of sand, Liu Kang reaches out to him, picking up Kronika's Crown and molding a New Era. After the transition, a White Lotus temple is shown, it's Shaolin monks training vigorously. In a room, a Great Kung Lao is seen shaping his statue (said statue is the same one Kung Jin steals in Mortal Kombat X's Story Mode). Fire God Liu Kang then appears in front of him, startling the young monk. When Liu Kang mentions that he is a God, the Great Kung Lao becomes embarassed by his response and humbly greets him, with Liu Kang noting that the Great Kung Lao is humble, unlike his reincarnation. After riddling the Great Kung Lao with said response, Liu Kang claims that is time to make him train, since he is the Fire God's Chosen Warrior.


Comic Books

Comics Published by Malibu

Liu Kang is the main protagonist of the Malibu Comics series. His story is mostly intact (he being an Order of Light monk out to restore the tournament to their righteous owners), though in the comics he is not the chosen one to defeat Goro, the role instead falls on a character created exclusively for the comics: the twin monk brothers Sing and Sang, which are capable of fusing their bodies and minds into one being, Siang. Liu Kang steps as the only hope for the Temples of Light after Siang is brutally murdered by Goro. Another changed aspect is that he works in Chicago as an architect, having left the Order of Light before the events of the first series.

The following series Battlewave states Liu Kang won the first tournament, which happened after Blood & Thunder ended and is never shown in any comic, after defeating Goro. He returns to his normal life, but suffers from constant attacks by an unknown force of ninjas and later receives help from Johnny Cage's bodyguard Bo when Goro ambushes him in an office building. Eventually he decides to travel to Outworld, realizing that he cannot avoid Mortal Kombat.

Liu Kang is never shown interacting with Kitana, thus their relation is never brought up or developed, instead choosing to pair her with Kung Lao. His friendship with Kung Lao is also greatly overlooked, only becoming friends during the Blood & Thunder series when Kung Lao saved a near death Liu Kang after Kano backstabbed him.


Liu Bang&rsquos Powerful Queen Lv Zhi and Her Governance

In Emperor Liu Bang's late years, he loved a beautiful concubine, the Lady Qi, very much, and planned to nominate her as queen, and her son as the crown prince.

But the current queen, his wife Lv Zhi, was a very smart and ambitious woman.

Lv married to Liu Bang at a very young age and had experienced almost everything with him, from a poverty peasant to the emperor of a big empire.

Therefore, Lv was familiar with nearly all of the important generals and officials of the Empire Han and was very influential among them.

After a long time of struggling, with Lv&rsquos smart strategies and the assistance of those powerful officials, she kept her queen&rsquos title and her son stayed as the crown prince.

mv2.jpg/v1/fill/w_180,h_116,al_c,q_80,usm_0.66_1.00_0.01,blur_2/IMG_7748.jpg" />

Imperial Jade Seal of Queen Lv Zhi &mdash Shaanxi History Museum (Photo by Dongmaiying)

After Emperor Liu Bang passed away, Lv became the empress dowager and her son the next emperor. She was still sad and angry about her husband had planned to replace her with that Lady Qi.

So Lv shaved that Lady Qi&rsquos hair, cut her limbs, and let her crawl in silt to death. She also imprisoned nearly all of Liu Bang&rsquos other concubines and murdered their sons.

After Lv&rsquos son passed away at a young age, she supported two other puppet emperors and reigned the empire well, which made her the first Empress with paramount centralized power in the history of China.

After Lv Zhi departed, nobles and officials chose Liu Bang&rsquos other son that was mature and smart and supported him as the fifth emperor of the Han Dynasty.

mv2.jpg/v1/fill/w_180,h_120,al_c,q_80,usm_0.66_1.00_0.01,blur_2/IMG_3940.jpg" />

Copper Belt Hook Inlaid with Gold and Silver, Unearthed from Mausoleum of Liu Qi (188 BC &mdash 141 BC), The Grandson of Liu Bang and The 6th Emperor of the Han Dynasty &mdash Hanyangling Museum (Photo by Dongmaiying)


Chu-Han War and Hongmen Banquet

In 209 BC, Liu Bang held high the banner of the rebellion against the tyranny of the Qin Dynasty. After about two-year warfare, the Qin Dynasty was overthrown. At that time, Xiang Yu, the director of another rebellion group, was very angry to hear that Liu had captured Xianyang ahead of him. For the next four years, Xiang and Liu waged a war to vie for the throne, namely Chu-Han War. The war ended with the victory of Liu Bang.

During the Chu-Han War, at a time when the military force of Xiang Yu had the advantage over that of Liu Bang, the Hongmen Banquet was a pivotal event. One day, Xiang Yu invited Liu Bang to a banquet with the purpose of killing Liu. However, during the meal, Xiang became pretty arrogant at Liu&rsquos modest and flattering words. This caused him to hesitate in carrying out his plan to kill Liu. Liu with the assistance and protection of Zhang Liang, Xiang Bo and Fan Kuai, took this opportunity to escape from the military base of Xiang Yu.

Credited with his ability to both adopt his subordinate&rsquos good advice as well as the political acumen to unite other anti-Xiang Yu forces, he eventually won the war. Xiang Yu, well-known as the King of Western Chu, committed suicide by cutting his throat with a sword beside Wujiang River.


Why Do New Disease Outbreaks Always Seem to Start in China?

The Asian Flu in 1956 killed between one and four million people worldwide. SARS in 2002 infected 8,098 and killed 774 in seventeen counties. H7N9 emerged ten years later to strike at least 1,223 people and kill four out of every ten of them. Now, the milder, yet more infectious COVID-19 has sickened more than 70,000 across the globe, resulting in 1,771 deaths.

All of these outbreaks originated in China, but why? Why is China such a hotspot for novel diseases?

"It’s not a big mystery why this is happening… lots of concentrated population, with intimate contact with lots of species of animals that are potential reservoirs, and they don’t have great hygiene required. It’s a recipe for spitting out these kinds of viruses," Dr. Steven Novella recently opined on an episode of the Skeptics' Guide to the Universe.

South Central China is a noted "mixing vessel" for viruses, Dr. Peter Daszak, President of EcoHealth Alliance, told PBS in 2016. There's lots of livestock farming, particularly poultry and pigs, with limited sanitation and lax oversight. Farmers often bring their livestock to "wet markets" where they can come into contact with all sorts of exotic animals. The various birds, mammals, and reptiles host viruses that can jump species and rapidly mutate, even potentially infecting humans. Experts are pretty sure this is precisely what happened with the current COVID-19 coronavirus, which is why, on January 30th, China issued a temporary ban on the trade of wild animals.

There are also cultural reasons why China plays host to large outbreaks.

"Many Chinese people, even city dwellers, insist that freshly slaughtered poultry is tastier and more healthful than refrigerated or frozen meat," journalist Melinda Liu wrote for Smithsonian in 2017. "The public’s taste for freshly killed meat, and the conditions at live markets, create ample opportunity for humans to come in contact with these new mutations."

Moreover, when stricken with an illness, many Chinese first seek out traditional Chinese medicine (TCM), where practitioners regularly misdiagnose symptoms, then offer acupuncture or ineffective herbal or animal-based remedies as treatments. This drastically increases death rates during outbreaks and allows infected individuals to return to the public where they can infect more people. Widely viewed TCM posts in China have already misleadingly promoted an unproven liquid composed of honeysuckle, Chinese skullcap, and weeping forsythia as a treatment for COVID-19.

China is also notorious for its misinformation, secrecy, and censorship, which raises the chances that new diseases will fester and spread. Back in early January, Chinese government officials told the public that the new infection's spread had been effectively halted. This was not true. At the same time, the authoritarian regime bullied health experts who attempted to sound alarm. The young doctor Li Wenliang attempted to warn others about the new coronavirus. He was 'rewarded' with a threatening reprimand by police. Li subsequently caught COVID-19 and succumbed to the disease the first week of February.

There are some hopeful signs that China is doing away with some of the secrecy that hampered global responses to prior outbreaks. The government is sharing much more data than in past outbreaks, and Chinese scientists are publishing a great many papers accessible to the global community. Still, it remains to be seen how – or if – the country will institute policies meant to prevent future ones. Permanently banning the sale of live animals at public markets, instituting and enforcing food safety regulations, and discouraging the use of traditional Chinese medicine are options that should all be on the table.

Without countrywide action, it's a near certainty that China's 1.4 billion citizens will once again be exposed to novel and dangerous infectious diseases.


Assista o vídeo: Mortal Kombat Legends Battle for the Realms - Cyrax and Sektor Get Ripped Apart! (Dezembro 2021).