Notícia

Havia alguma lei / tratado específico consagrando o Princípio de Distinção no século 18?

Havia alguma lei / tratado específico consagrando o Princípio de Distinção no século 18?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Hathaway e Shapiro (2017):

Em meados do século XVIII, os exércitos europeus reconheceram um "Princípio de Distinção", a doutrina central do direito humanitário moderno, que distingue entre soldados e civis e protege os últimos dos primeiros ...

O despovoamento radical de cidades e aldeias tão características das guerras dos séculos XVI e XVII cessou em meados do século XVIII, pois os habitantes não precisaram mais fugir de gangues de soldados indisciplinados que invadiram suas casas, estupraram as mulheres e morto por esporte.

O que estou um pouco intrigado, porém - e Hathaway e Shapiro não discutem - é se houve alguma lei / tratado específico que consagrou este Princípio de Distinção. Eles continuam discutindo tratados internacionais assinados no século 19, mas estou me perguntando como esse Princípio de Distinção foi eficaz no século 18. (Pesquisando brevemente no Google, não consegui encontrar muito sobre isso.)


O princípio de distinção e proteção de civis só é encontrado em alusões tênues em tratados (I), mas até certo ponto no tratamento escolar do direito internacional (II) e nas leis marciais nacionais (III). Mas não devemos pensar no reconhecimento do princípio da distinção de maneiras muito modernas (IV).


I. Alusões em tratados internacionais

Não há um reconhecimento claro de regras especiais para civis nos tratados internacionais importantes da época. Os tratados que põem fim à Guerra dos Trinta Anos e à Guerra da Sucessão Espanhola contêm apenas alusões a tais regras para casos especiais:

  • A Paz de Westfália 1648, art. XVII, 9 IPO = § 118 IPM (tradução em inglês de 1710, ibid.)

Quoties autem milites quavis ocasione aut quocunque tempore per aliorum territoria aut fines aliquis ducere velit, transitus huiusmodi instituatur eius, ad quem transeuntes milites pertinentes, sumptu atque adeo sine maleficio, damno et noxa eorum, quorum per territoria ducuntur, denique de conservacione pacis publicae Imperii constitutiones decernunt et ordinant.

E tão freqüentemente quanto qualquer um marche tropas através dos territórios do outro, esta passagem deve ser feita sob o comando daquele a quem as tropas pertencem, e isso sem sobrecarregar ou causar qualquer dano ou dano àqueles cujos países eles marcham através. Em uma palavra, tudo o que as Constituições Imperiais determinam e ordenam no tocante à Preservação da Paz Pública, deve ser estritamente observado.

Essa garantia de caminhada pacífica também ajuda a população desses territórios, mas o titular do direito é o príncipe desse território, ele está protegido.

  • A Paz de Utrecht 1712, art. XIX.

No entanto, no caso (o que Deus Todo-Poderoso proíbe), as dissensões que foram adormecidas devam a qualquer momento ser renovadas, entre suas ditas Majestades Reais, ou seus sucessores, e estourarem em guerra aberta, os navios, mercadorias e todos os efeitos , móveis e imóveis, em ambos os lados, que devem ser encontrados e permanecer nos portos, e nos domínios da parte contrária, não devem ser confiscados, ou qualquer sábio danificados; mas todo o espaço de meses fixos, a ser contado a partir do dia da ruptura, será permitido aos referidos súditos de cada uma de suas Majestades Reais, em que eles podem vender as coisas acima mencionadas, ou qualquer parte de seu efeito, ou leve-os e remova-os de lá para onde quiserem, sem qualquer molestação, e retire-se de lá eles mesmos.

Assim, os civis no território do inimigo são protegidos, mas não os que estavam em seu próprio território quando este foi conquistado. Isso também parece ser uma provisão especial para ambas as partes, não um reconhecimento de uma regra abrangente.

II. Opiniões escolares

Os mais importantes estudiosos do direito internacional dos séculos 17 e 18 Hugo Grotius (1583-1645) e Emer de Vattel (1714-1767) concordou amplamente que os súditos civis do inimigo são inimigos. Grotius diz que é lícito matar, mas é justo e louvável poupá-los tanto quanto possível. De Vattel vincula a legalidade do assassinato à necessidade militar, que normalmente não é concedida a civis, mas vê a isenção de maus-tratos apenas como um ato de misericórdia. Ambos excluem os homens que podem ser feitos para soldados desses benefícios. Nenhum deles menciona quaisquer tratados sobre o assunto, enquanto ambos fornecem antiguidades e de Vattel também exemplos modernos em todo o seu trabalho.

Eu me concentro aqui em matar civis por causa da extensão desta resposta. Outros comportamentos e prisioneiros de guerra dariam pelo menos a mesma quantidade de material.

Hugo Grotius: De jure belli ac pacis. 1625

(Tradução para o inglês: The Rights of War and Peace, editado e com uma introdução por Richard Tuck, da edição de Jean Barbeyrac (Indianapolis: Liberty Fund, 2005))

Após explicação detalhada de que "lícito" não significa que seja justo ou recomendado, ele chega à conclusão de que qualquer um dos súditos do inimigo pode ser morto legalmente.

livro III, capítulo IV, n. III. Portanto, neste Sentido, é lícito a um Inimigo ferir outro, tanto em pessoa como nos bens, não apenas para aquele que faz Guerra por justa causa, e o faz dentro dos limites que são prescritos pela Lei da Natureza, como nós temos saida no início deste livro, mas em ambos os lados, e sem distinção; de modo que ele não pode ser punido como um assassino ou um ladrão, embora ele seja levado para o domínio de outro príncipe, nem pode qualquer outro fazer guerra contra ele apenas por causa disso. E, neste sentido, devemos levar Sallust, Pelas Leis da Guerra todas as coisas são lícitas ao Conquistador.

livro III, capítulo IV, n. VI. Mas este Direito de Licença é de grande extensão, pois atinge não apenas aqueles que estão realmente armados e os súditos do Príncipe engajados na guerra, mas também todos aqueles que residem em seus territórios; [...] E, sem dúvida, Estranhos, que entram no país de um inimigo depois que uma guerra é proclamada e iniciada, estão sujeitos a serem tratados como inimigos.

Mas ele também diz que deve-se "moderar" a matança na guerra. Mesmo que seja lícito, não é, de forma alguma, justo.

livro III, capítulo X, n. I. 1. Devo agora refletir, e tirar daqueles que fazem a guerra quase todos os direitos que posso parecer ter concedido a eles; que ainda na realidade eu não tenho. Pois quando eu comecei a explicar esta Parte do Direito das Nações, eu então declarei, que muitas coisas são ditas como sendo de direito e lícitas, porque escapam da punição, e em parte porque os tribunais de justiça lhes deram sua autoridade, embora eles são contrários às Regras, seja da Justiça propriamente dita, seja de outras Vertudes, ou pelo menos aqueles, que se abstêm de tais Coisas, agem de maneira mais honesta e mais louvável na Opinião dos Homens de Bem.

livro III, capítulo XI, n. IX. 1. Tendo estes Princípios gerais estabelecidos, não será difícil inferir Regras mais específicas. A Idade da Ternura deve desculpar a Criança, e seu Sexo a Mulher, (diz Sêneca, em seus livros contra a raiva). […]

livro III, capítulo XI, n. IX 4. Valerius Maximus chama o Comportamento de Munatius Flaccus contra Mulheres e Crianças de Crueldade bárbara e indigna de menção; Diodoro nos diz que os cartagineses, em Selinus, mataram velhos, mulheres e crianças, sem qualquer forma de compaixão. E em outro lugar ele chama esse ato de crueldade selvagem. Latinus Pacatus estilizado Mulheres, Um Sexo que as Guerras poupam. E o mesmo fez Statius of Old Men.

Nullis violabilis armis

Turba Senes

Homens idosos devem ser protegidos da violência.

livro III, capítulo XI, n. X. 1. O que dissemos (de mulheres e crianças) pode ser geralmente dito de todos os homens, cujo modo de vida é totalmente contrário às armas. […]

livro III, capítulo XI, n. X. 2. Eles também têm justamente este mesmo privilégio, como os sacerdotes, que abraçaram uma espécie de vida semelhante, como monges, e irmãos leigos, isto é, penitentes, a quem os Cânones Eclesiásticos, de acordo com a Equidade natural, teriam poupados igualmente como padres. A estes podemos, com justiça, adicionar aqueles que se aplicam ao Estudo das Ciências e Artes benéficas para a Humanidade.

livro III, capítulo XI, n. XI. Ao lado deles, os Cânones privilegiam os Agricultores. […]

livro III, capítulo XI, n. XII. Ao lado deles, o Cânon inclui os comerciantes, o que não deve ser entendido apenas por aqueles que peregrinam por algum tempo no país do inimigo, mas também aqueles que são súditos naturais e perpétuos, porque o modo de vida que usam é totalmente contrário à guerra : E sob esta Denominação estão compreendidos todos os Tipos de Mecanismos e Comerciantes, cujo Interesse imediato os torna mais inclinados à Paz do que à Guerra.

Emer de Vattel: Le droit des gens. 1758

(Tradução em inglês: The Law of Nations: Or, Principles of the Law of Nature Applied to the Conduct and Affairs of Nations and Sovereigns. 6ª ed. 1844. Philadelphia: T. & J. W. Johnson (edição de 1797 com comentários posteriores de de Vattel))

De Vattel em princípio, dá às partes de uma guerra o direito de fazer qualquer coisa que considerem necessário para enfraquecer o inimigo.

capítulo VII, § 138. Visto que o objetivo de uma guerra justa é reprimir a injustiça e a violência, e obrigar à força aquele que é surdo à voz da justiça, temos o direito de praticar, contra o inimigo, todo medida que é necessária para enfraquecê-lo e impedi-lo de nos restabelecer e apoiar sua injustiça: e podemos escolher os métodos mais eficazes e mais bem calculados para alterar a visão final III, desde que não sejam de uma tipo odioso, nem injustificável em si, e proibido pela lei de nat

Mas esse também é o limite do lícito. E nunca é necessário matar diretamente (a maioria) dos civis. Mas se um general vê uma vantagem em triturá-los mal, ele pode fazê-lo. Ele vê que isso raramente foi visto como necessário na última vez. § 147 é também o texto citado pela fonte do OP.

capítulo VIII, § 145. Mulheres, crianças, velhos fracos e enfermos são descritos como inimigos (§§ 70-72); e temos certos direitos sobre eles, na medida em que pertencem à nação com a qual estamos em guerra, e como, entre nação e nação, todos os direitos e pretensões afetam o corpo da sociedade, juntamente com todos os seus membros (Livro II § § 81, 82-344). Mas esses são inimigos que não oferecem resistência; e, conseqüentemente, não temos o direito de maltratar suas pessoas, ou usar de qualquer violência contra eles, muito menos tirar suas vidas (§ 140). Esta é uma máxima tão plausível de justiça e humanidade, que atualmente todas as nações, no mínimo civilizadas, concordam com ela. Sim, às vezes. o soldado furioso e incontrolável leva sua brutalidade a ponto de violar a castidade feminina, ou massacrar mulheres, crianças e velhos, os oficiais lamentam esses excessos: eles envidam seus maiores esforços para detê-los; e um general prudente e humano até os pune sempre que pode. Mas, se as mulheres desejam ser totalmente poupadas, devem limitar-se às ocupações peculiares a seu próprio sexo, e não se intrometer nas dos homens, pegando em armas. Conseqüentemente, a lei militar dos Swit-zers, que proíbe o soldado de maltratar mulheres, excede aquelas mulheres que cometeram qualquer ato de hostilidade.

§ 146. O mesmo pode ser Baill dos ministros públicos da religião, dos homens de letras e. outras pessoas cujo modo de vida está muito distante do militarismo: - não que essas pessoas, nem mesmo os ministros do altar, sejam, necessariamente e em virtude de suas funções, investidos de qualquer caráter de inviolabilidade, ou que o direito civil possa conferem-no a respeito do inimigo: mas, como não usam a força nem a violência para se opor a ele, não lhe dão o direito de usá-la contra eles. Entre os antigos romanos, os sacerdotes carregavam armas: o próprio Júlio César era o pontífice soberano: - e, entre os cristãos, não era raro ver prelados, bispos e cardeais curvarem suas armaduras e assumirem o comando de exércitos. Desde o momento em que o fizeram, eles se sujeitaram ao destino comum dos militares. Enquanto desferiam seus golpes no campo de batalha, eles não reivindicaram, é de se presumir, inviolabilidade.

§ 147. Antigamente, qualquer pessoa capaz de portar armas tornava-se soldado quando sua nação estava em guerra e, especialmente, quando era atacada. Grotius, no entanto, produz exemplos de várias nações e comandantes eminentes que pouparam o campesinato em consideração à utilidade imediata de seus trabalhos. Atualmente, a guerra é travada por tropas regulares: o povo, os camponeses, os cidadãos não participam dela e geralmente não têm nada a temer da espada do inimigo. Desde que os habitantes se submetam àquele que é dono da pátria, paguem as contribuições impostas e se abstenham de todas as hostilidades, vivem em perfeita segurança como se fossem amigos: continuam mesmo na posse do que lhes pertence: o povo do campo venham livremente ao acampamento para vender suas provisões e sejam protegidos, tanto quanto possível, das calamidades da guerra. Um costume louvável; verdadeiramente dignos daquelas nações que se valorizam pela sua humanidade, e vantajosos até mesmo para o inimigo que age com moderação. Protegendo os habitantes desarmados, mantendo os soldados sob estrita disciplina e preservando o país, um general consegue uma subsistência fácil para seu exército e evita muitos males e perigos. Se ele tem alguma razão para desconfiar do campesinato e dos habitantes das cidades, ele tem o direito de desarmá-los e exigir deles reféns: e aqueles que desejam evitar as calamidades da guerra devem se submeter às leis que o inimigo pensa apropriado para impor a eles.

§ 148. Mas todos os inimigos assim subjugados ou desarmados, a quem os princípios da humanidade o obrigam a poupar, - todas as pessoas pertencentes à parte oposta, (mesmo as mulheres e crianças), ele pode legalmente proteger e fazer prisioneiros, seja com a fim de impedi-los de pegar em armas novamente, ou com o propósito de enfraquecer o inimigo (§ 138), ou, finalmente, na esperança de que, ao colocar em seu poder alguma mulher ou criança por quem o soberano tenha afeto, ele pode induzi-lo a aderir a condições equitativas de paz, com o objetivo de redimir essas promessas valiosas. Atualmente, de fato, este último expediente raramente é posto em prática pelas nações polidas da Europa: mulheres e crianças são permitidas a gozar de perfeita segurança e têm permissão para se retirarem onde quiserem. Mas essa moderação, essa polidez, embora indubitavelmente louvável, não é em si absolutamente obrigatória; e se um general achar conveniente substituí-lo, não pode ser acusado com justiça de violar as leis da guerra. Ele tem a liberdade de adotar tais medidas a esse respeito, se julgar mais conducentes ao sucesso de seus negócios. Se sem razão, e por mero capricho, ele se refazer para satisfazer as mulheres com essa liberdade, ele será taxado de aspereza e brutalidade, - ele será censurado por não se conformar a um costume estabelecido pela humanidade: mas ele pode ter boas razões -filhos por desconsiderar, neste particular, as regras da polidez, e mesmo as sugestões de piedade. Se houver esperança de reduzir pela fome um lugar forte, do qual é muito importante ganhar posse, as bocas inúteis não podem sair. E nisso não há nada que não seja autorizado pelas leis da guerra. Alguns grandes homens, entretanto, têm, em ocasiões desta natureza, levado sua compaixão ao ponto de adiar seus interesses aos movimentos da humanidade. Já mencionamos, em outro lugar, como Henrique, o Grande, agiu durante o cerco de Paris. A um exemplo tão nobre, acrescentemos o de Tito no cerco de Jerusalém: a princípio, ele estava inclinado a empurrar de volta para a cidade um grande número de miseráveis ​​famintos, que saíam dela; mas ele não pôde resistir à compaixão que tal visão despertou nele; e ele permitiu que os sentimentos de humanidade e generosidade prevalecessem sobre as máximas da guerra.

III. Leis marciais nacionais

Rei Gustav II Adolf da Suécia (1611-1632) reformou o exército sueco. Entre outras coisas, ele decretou uma lei marcial e "Artikelbrief" (as normas para os soldados mercenários) regulando o comportamento dos soldados (impressão alemã de 1632). Esta lei foi (de acordo com a Wikipedia alemã) junto com seu modelo o modelo Articulsbrief dos Estados Gerais da Holanda para muitas outras leis marciais na Alemanha e na Inglaterra.

Nesta lei havia algumas normas protegendo os civis:

  • tit. XVI, § 69: proíbe o estupro com pena de morte.

  • tit. XVIII, § 77: proíbe incêndio criminoso ("Feuer anlegen") na cidade e na vila, esp. igrejas, hospitais, escolas e moinhos; quebrar de uma casa útil militar; para destruir equipamentos agrícolas. A sentença é a morte.

  • tit. XVIII, § 78: permite incêndio criminoso ("Feuer einwerfen") apenas em ordem clara. Suspeito que a diferença do § 77 é que "Feuer einwerfen" está no contexto de uma batalha à distância, enquanto "Feuer anlegen" está em uma área conquistada. A pena é prisão ou morte de acordo com a desvantagem militar.

  • tit. XVIII, §§ 79, 80: proíbe roubo e furto. A sentença é a morte ou respectivamente executando o desafio. Isto é principalmente para um abastecimento bem ordenado do exército, já que no § 81 a sentença de morte é governada separadamente por não entregar mercadorias roubadas do território inimigo no campo. A requisição também era uma forma normal de alimentar o exército naquela época.

  • tit. XIX, § 83: proíbe saquear igrejas e hospitais de cidades e aldeias conquistadas sem ordem extra. A violação é sentenciada como roubo.

  • tit. XIX §§ 84, 85, 86: proíbe a pilhagem antes que o inimigo seja completamente derrotado. A sentença é até a morte, dependendo das circunstâncias.

Mas essas normas tinham uma natureza dupla: por um lado, protegiam os civis de soldados gananciosos ou impensados, por outro, protegiam a disciplina militar para que o objetivo militar não fosse sabotado pelos interesses egoístas de sodiers individuais. Além disso, a misericórdia para com os civis tinha uma importância militar, pois as terras conquistadas tinham que alimentar o exército. O primata dos interesses militares pode ser visto observando que quase todos esses comportamentos são permitidos em uma ordem clara.

Apenas a proibição do estupro tem um objetivo claramente humanitário e moral (a prostituição também era proibida, tit. XVI, § 70).

Essas normas vigoraram durante a Guerra dos Trinta Anos, conhecida por sua crueldade com os civis. Na verdade, o exército sueco foi mais disciplinado com a população no início, mas isso cessou com o tempo [Wikipedia alemã]. Whaley [Das Heilige Römische Reich Deutscher Nation, 2014, Bd. I, p. 769 (original em inglês)] vê uma tendência geral para mais civis mortos em 1634/35, quando a posição para as negociações deveria ser melhorada, então na década de 1620.

4. Resumo

A tendência de distinção entre civis e soldados no século XVIII foi fundada não em tratados internacionais para humanizar a guerra, mas no desejo de poupar os civis - se possível militarmente - já no século XVII. Os civis continuaram sendo inimigos, mas com a mudança na natureza das guerras (guerras de gabinete), não era mais militar e político útil atacá-los. Mas essa necessidade militar permaneceu o princípio essencial. Só enquanto não era necessário atacar civis eram poupados. Essa não era apenas a prática, mas a opinião comum sobre o direito internacional.

Isso distingue o "princípio de distinção" nos dias de hoje do princípio moderno. Hoje, as necessidades da guerra não são (oficialmente) razão suficiente para matar civis. A prática pode ser diferente, mas também o é o direito internacional aceito.


Assista o vídeo: Rewolucja przemysłowa a przemiany życia codziennego w XIX wieku (Pode 2022).