Notícia

Panzer II em serviço nos EUA

Panzer II em serviço nos EUA

Panzer II em serviço nos EUA

Aqui vemos um Panzer II em serviço nos EUA. Esta é a versão de guerra inicial do Panzer II - o ausf c ou ausf A, B ou C, todos os quais usavam este estilo de torre e tinham cinco rodas grandes.


Por que a Alemanha nazista confiou tanto no tanque Panzer II

O Panzerkampfwagen II foi projetado como um paliativo, mas acabou sendo produzido em massa e usado em muitas frentes.

Quando a Alemanha nazista começou a rearmar abertamente suas forças armadas no final dos anos 1930, ela introduziu o Panzerkampfwagen II - mais comumente conhecido como Panzer II - em grande parte como um paliativo enquanto tanques mais poderosos como o Panzer III e o Panzer IV estavam sendo desenvolvidos. No entanto, o Panzer II passou a se tornar um dos mais numerosos veículos blindados empregados nas divisões Panzer da Alemanha no início da guerra.

Seu desenvolvimento começou antes que a Alemanha tivesse aprendido valiosa experiência na guerra de tanques durante a Guerra Civil Espanhola (1946-39), e logo ficou claro que o Panzer II carecia da armadura para o campo de batalha moderno.

No entanto, mesmo quando o tanque leve foi introduzido pela primeira vez, o Panzer II foi amplamente considerado como um tanque do comandante de pelotão, ao mesmo tempo em que também foi empregado para fornecer suporte ao mais antiquado Panzer I. Apesar do fato de que o tanque era amplamente desarmado e blindado com a eclosão da guerra, ele realmente teve um desempenho admirável. Ele era movido por um motor a gasolina Mayback de 140 cavalos de potência e apresentava um novo sistema de suspensão que consistia em cinco grandes rodas de estrada independentes, o que proporcionava um passeio mais suave do que os tanques anteriores.

Embora pesasse dez toneladas e fosse muito mais pesado do que o Panzer I, era rápido e mais potente e podia atingir a velocidade máxima de 30 mph. Seu canhão principal era um canhão de 20 mm que era um canhão de aeronave convertido, enquanto uma metralhadora Maschinengewehr 34 de 7,92 mm (MG34) também foi montada coaxialmente com o canhão principal.

O que faltava em poder de fogo, compensava em número e velocidade, onde grupos de Panzer IIs podiam cercar unidades inimigas. Usado dessa forma, o Panzer II provou ser eficaz nas campanhas na Polônia, Dinamarca, Noruega e durante a Blitzkrieg nos Países Baixos e na França - em grande parte porque, fora a França, nenhuma dessas nações realmente tinha muito em termos de blindados força e careciam de armas anti-tanque adequadas. Um total de 955 Panzer IIs foram usados ​​na Batalha da França em maio de 1940, de acordo com quase metade de toda a força de tanques da Alemanha na época.

Mesmo em 1940, o Panzerkampfwagen II foi amplamente ultrapassado e mais tarde foi relegado a um papel mais de reconhecimento, onde foi usado com bons resultados. Ele passou a servir no Norte da África e até mesmo foi usado na Frente Oriental durante a invasão da União Soviética. O Panzer II permaneceu no serviço de linha de frente até 1943, quando foi empregado principalmente em funções de segurança interna em locais menos ativos.

A produção do tanque cessou completamente em 1944, mas o chassi Panzer II foi usado como base para outros veículos blindados alemães da era da Segunda Guerra Mundial, incluindo o canhão autopropelido Wespe e o caça-tanques Marder II.


Quando o M3, um design evolucionário baseado no M2A4, foi lançado em março de 1941, ele não era competitivo como tanque de guerra. Certamente não se comparava ao Mark IV alemão ou ao Cruzado britânico, muito menos ao T-34 soviético. No entanto, o M3 estava disponível em números suficientes para exportação e usado pelos britânicos, que o apelidaram de ‘‘ Stuart ’’ em homenagem ao herói da cavalaria confederado da Guerra Civil Americana. Armado com apenas um canhão de 37 mm e protegido por não mais do que cinco centímetros de blindagem, era rápido e ágil com uma tripulação de quatro homens. Alimentado por motores a gás ou a diesel, Stuarts podia atingir trinta e sete milhas por hora nas estradas. Na Normandia, o M3 não teve chance contra os blindados alemães, mas foi útil como suporte de infantaria e veículo de reconhecimento.

De 1941 a 1943, os Stuarts foram construídos em três variantes principais e vários modelos menores. A produção total do M3 foi de cerca de 13.600 tanques, dos quais 5.400 foram fornecidos para a Grã-Bretanha e 1.600 para a Rússia. Os petroleiros britânicos gostavam tanto do tipo que o apelidaram de ‘‘ Honey ’’, e não sem razão - era rápido, confiável, raramente lançava esteiras e provou ser razoavelmente fácil de manter.

O M5 era uma versão atualizada do M3, pesando 16,5 toneladas. Devido à necessidade de mais tanques de modelos já existentes, o primeiro de 6.800 M5s não foi entregue até novembro de 1942. O M5 se distinguia principalmente do M3 pela blindagem glacis inclinada e um compartimento do motor maior para acomodar dois Cadillac V-8s.


Estes são os membros do serviço mais condecorados da história dos EUA

Ao longo da história dos Estados Unidos, bravos homens e mulheres lutaram, sangraram e morreram por nosso país e pela liberdade. Todos aqueles que já serviram com honra merecem o maior respeito. No entanto, há momentos em que alguns se elevam acima da chamada do dever e desempenham seu serviço de uma forma que os torna lendas entre os heróis.

As medalhas e condecorações variam entre os períodos de tempo, bem como entre ramos das forças armadas, por isso é impossível dizer exatamente quem é o maioria decorado ou mais altamente membros do serviço decorados são com clareza absoluta. Na verdade, a única coisa mais difícil do que esses bravos homens é tentar compará-los.

No entanto, aqui está uma lista & # 8212 não em uma ordem específica & # 8212 destacando 12 dos membros do serviço militar mais condecorados da história dos EUA.

1. Sgt. Maj. Daniel J. Daly

Arquivos do Flickr / USMC & # 8212 Sgt. Maj. Daniel J. Daly, fotografado quando era sargento de artilharia.

O sargento-mor Daniel Joseph & # 8220Dan & # 8221 Daly de Nova York alistou-se no Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos em 10 de janeiro de 1899. Durante seu serviço, ele ganharia a Medalha de Honra duas vezes e foi recomendado para uma terceira & # 8212, todos de valor ações tomadas em ocasiões diferentes. Além de suas medalhas de honra, Daly também recebeu a Cruz da Marinha e a Estrela de Prata, bem como várias condecorações estrangeiras.

Sgt. O major Daly ganhou sua primeira medalha de honra por suas ações durante a rebelião dos boxeadores na China. Sua segunda medalha de honra veio depois que ele e seus homens estavam em reconhecimento no Haiti. Cruzando um rio à noite, eles foram alvejados por centenas de combatentes em três lados. Daly os colocou em segurança, sobreviveu à noite do tiroteio e liderou um ataque bem-sucedido contra o inimigo pela manhã. Em Belleau Wood, França, Daly conduziu os fuzileiros navais à ação ao tirar uma metralhadora sem auxílio de sua pistola e granadas de mão.

Diz-se que ele impulsionou seus companheiros fuzileiros navais ao gritar: & # 8220Vamos, seus filhos da puta, vocês querem viver para sempre? & # 8221

2. Gen Brig George L. Mabry Jr.

FLICKR / TCUNC76 & # 8211 Gen. George L. Mabry Jr., Exército dos EUA

George Lafayette Mabry Jr. frequentou o Presbyterian College na Carolina do Sul com uma bolsa de beisebol, enquanto também servia na escola & # 8217s Reserve Officer Training Corps. Embora tivesse sido escalado para jogar beisebol semiprofissional em 1940, ele aceitou uma comissão para servir como segundo-tenente. Ele foi designado para a recém-ativada 4a Divisão de Infantaria, que foi então enviada para a Inglaterra em janeiro de 1944.

Embora o jovem capitão ainda não tivesse visto o combate neste momento, ele ainda corajosamente e sem vacilar liderou seus homens para a batalha, já que eles foram os primeiros a desembarcar em Utah Beach, na Normandia, em 6 de junho. Sua incrível liderança e bravura o guiaram por um campo minado alemão, onde ele matou pessoalmente vários soldados inimigos e capturou outros 20. Isso lhe rendeu o primeiro de muitos prêmios, a Cruz de Serviço Distinto.

Em 8 de setembro, Mabry guiou seus homens através da Linha Siegfried, ganhando-lhe a Estrela de Bronze. Em 18 de novembro, Mabry assumiu o comando do 2º Batalhão e, dois dias depois, liderou o ataque à Floresta de Hürtgen. Nessa luta, ele capturou nove soldados alemães e liderou seu batalhão para um terreno mais alto, onde eles foram capazes de estabelecer uma posição defensiva e imobilizar o inimigo. Mabry recebeu a Medalha de Honra por sua imensa coragem.

No final da década de 8217, Mabry ascendeu a tenente-coronel. Ele ganhou vários outros prêmios por coragem de combate, bem como um Coração Púrpura e a Ordem de Serviço Distinto concedida a ele pelo governo britânico. Mabry continuou sua carreira no exército após o fim da Segunda Guerra Mundial & # 8217, eventualmente aposentando-se como major-general em 1975. O general George L. Mabry Jr. morreu em seu estado natal, a Carolina do Sul, em 1990, aos 72 anos.

3. Major Audie Murphy

Exército dos EUA & # 8212 Major Audie Murphy, fotografado em Paris após receber a Chevalier légion d & # 8217honneur e Croix de guerre com Palm.

O soldado mais condecorado da Segunda Guerra Mundial, o Major Audie Murphy recebeu a Medalha de Honra, uma Cruz de Serviço Distinto, duas Estrelas de Prata, uma Legião de Mérito com Valor de Combate e duas Estrelas de Bronze com Valor de Combate. Suas condecorações estrangeiras incluíam o francês Forrager, Legion of Honor e Croix de Guerre com Palm e Silver Star e o belga Croix de Guerre com Palm. No final da Segunda Guerra Mundial, Murphy foi premiado com um total de 28 medalhas. Mesmo assim, apesar de todos os seus serviços distintos, Murphy foi originalmente negado o alistamento para o Corpo de Fuzileiros Navais por ser muito baixo.

O major Audie Murphy se alistou no Exército dos EUA em 1942 aos 17 anos. Em 26 de janeiro de 1945, o então segundo-tenente Murphy estava com a 3ª Divisão de Infantaria, em Holtzwihr, França, quando os homens foram atacados por seis tanques Panzer alemães e 250 soldados de infantaria. De acordo com sua citação sobre a Medalha de Honra, Murphy ordenou que o resto dos homens voltassem para a floresta enquanto ele permanecia sozinho atirando nas tropas e tanques alemães. Quando um caça-tanques de artilharia foi atingido e pegou fogo atrás dele, ele subiu no topo e usou a arma de artilharia calibre .50 para atirar no inimigo & # 8212 completamente exposto e com risco de explodir & # 8212 por uma hora, segurando-se o avanço alemão e matando 50 soldados nazistas. Ele foi ferido na perna.

Após seu tempo no Exército, Audie Murphy tornou-se ator, retratando-se em filmes de guerra como & # 8220To Hell and Back & # 8221, juntamente com papéis em filmes como & # 8220The Red Badge of Courage. & # 8221

4. Coronel Edward V. Rickenbacker

Força Aérea dos EUA & # 8212 Edward & # 8220Eddie & # 8221 Vernon Rickenbacker foi o americano & # 8220Ace of Aces & # 8221 na Primeira Guerra Mundial

An & # 8220Ace of Aces, & # 8221 Col. Edward & # 8220Eddie & # 8221 Vernon Rickenbacker era um piloto de carros de corrida quando se juntou ao Exército na Primeira Guerra Mundial. Devido ao seu histórico profissional, Rickenbacker era originalmente um piloto, mas logo foi transferido para o recém-criado Army Air Corps (que mais tarde se tornaria a Força Aérea). Recebedor da Medalha de Honra, Rickenbacker abateu 26 aeronaves inimigas em 9 meses. Ele também foi premiado com sete Cruzes de Serviço Distinto.

Além de seu excelente serviço como piloto de caça e o número impressionante de vitórias aéreas, foi um caso particular que rendeu ao coronel Rickenbacker sua medalha de honra. Em 25 de setembro de 1918, Rickenbacker estava sozinho em um vôo de patrulha voluntária sobre a França quando foi atacado por sete aviões alemães. Apesar de estar em desvantagem numérica, ele enfrentou todas as sete aeronaves inimigas e abateu duas delas. Ele também recebeu a medalha francesa Croix de Guerre por suas ações naquele dia.

5. Tenente-General Lewis & # 8220Chesty & # 8221 Puller

United States Marine Corps & # 8212 Lt. Gen. Lewis & # 8220Chesty & # 8221 Puller é o fuzileiro naval mais condecorado da história dos EUA.

Conhecido como o fuzileiro naval mais condecorado da história dos Estados Unidos, o tenente-general Lewis & # 8220Chesty & # 8221 Puller foi o mais durão possível e provou isso em todo o mundo durante seus 37 anos de serviço no Corpo de Fuzileiros Navais. Lutando em várias campanhas e guerras, ele ganhou a Cruz de Serviço Distinto, cinco Cruzes da Marinha e a Estrela de Prata.

O tenente-general Lewis & # 8220Chesty & # 8221 Puller se alistou no Corpo de Fuzileiros Navais em 1918, mas se formou no acampamento de treinamento de oficiais tarde demais para entrar na Primeira Guerra Mundial. Ele viu sua primeira luta no Haiti (primeira Cruz da Marinha), seguido pela Nicarágua (segunda cruz de marinha), e depois na Segunda Guerra Mundial (terceira e quarta cruz de marinha) e finalmente a Guerra da Coréia & # 8212, onde ganhou sua incomparável quinta cruz de marinha, estrela de prata e cruz de serviço distinto.

Um exemplo da verdadeira coragem do homem, & # 8220Chesty & # 8221 Puller foi durante sua estada na Coréia. Comandando o 1º Regimento de Fuzileiros Navais, ele e seus homens foram isolados e cercados por várias divisões inimigas. Chesty conduziu seus homens através dos soldados comunistas que os cercavam, eliminando sete divisões inimigas no total.

6. Contramestre e companheiro de primeira classe James Williams # 8217s

James Williams da Marinha dos EUA e # 8212 Boatswain e # 8217s, primeiro classe, fotografado antes de sua aposentadoria em 1967.

O contramestre e o imediato # 8217s James Williams é o alistado mais condecorado da orgulhosa história da Marinha dos Estados Unidos.

Como suboficial de primeira classe na Guerra do Vietnã, James Williams foi nomeado oficial de patrulha & # 8212, uma posição normalmente ocupada apenas por oficiais. Em 31 de outubro de 1966, Williams fez sua primeira patrulha com 10 homens no Barco de Patrulha do Rio (PRB) 105. Eles logo se depararam com dois Sampans inimigos. Ele perseguiu os barcos inimigos, mas depois de virar uma esquina no rio, descobriu que eles tinham ido direto para uma área de preparação do inimigo.

Durante três horas, o suboficial de primeira classe James Williams liderou seus homens em uma batalha em menor número à espera de reforços de helicóptero. Apesar das probabilidades, e graças à sua habilidade e bravura, Williams derrotou 65 barcos inimigos e eliminou 1.200 soldados inimigos sem perder um único homem sob seu comando.

Além de receber a Medalha de Honra por suas ações e bravura naquele dia, o contramestre e o imediato James Williams do # 8217s ganharam a Cruz da Marinha, a Estrela de Prata, duas Estrelas de Bronze e a Medalha da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais, tornando-o o mais condecorado alistado homem na história da Marinha dos EUA.

7. Coronel David H. Hackworth

Wikimedia Commons & # 8212 Col. David Hackworth fotografado em 1995.

Um dos soldados mais condecorados dos últimos tempos, o coronel David Hackworth foi duro e rebelde desde criança. Depois de pagar a alguém para se passar por seu pai para que pudesse ingressar no Exército aos 15 anos, Hackworth se tornou o capitão mais jovem na Guerra da Coréia aos 20 anos. Foi seu serviço durante a Guerra do Vietnã que o destacou, até mesmo inspirando um dos personagens em o famoso filme de guerra & # 8220Apocalypse Now. & # 8221

Durante a Guerra da Coréia, Hackworth liderou um pelotão conhecido como Wolfhound Raiders. Durante a guerra, ele foi ferido em várias ocasiões, incluindo um tiro na cabeça, mas continuou lutando. Ele ganhou três Corações Púrpuras durante a Guerra da Coréia. Ele então serviu na Guerra do Vietnã, comandando um batalhão da 101ª Divisão Aerotransportada. Hackworth e seus helicópteros Huey e o coronel rapidamente brilharam como um herói na guerra, arriscando sua vida vez após vez em missões ousadas. Ao final da Guerra do Vietnã, Hackworth eliminou 2.500 soldados inimigos enquanto perdia apenas 25 homens sob seu próprio comando.

Em seus 26 anos de serviço no Exército dos EUA, o coronel David Hackworth recebeu duas Cruzes de Serviço Distinto, 10 Estrelas de Prata, 8 Estrelas de Bronze e 8 Corações Púrpuras. O general Hal Moore o descreveu como & # 8220o Patton do Vietnã. & # 8221

8. Tenente-general James F. Hollingsworth

U.S. Army / Military Times & # 8212 Tenente-General James Hollingsworth fotografados de uniforme.

O Tenente General James Hollingsworth começou sua carreira militar no Exército dos EUA como segundo-tenente após se formar na Texas A & # 038M University. Ele serviu na Segunda Guerra Mundial, na Guerra da Coréia e na Guerra do Vietnã, além de se tornar comandante do Exército dos EUA no Alasca. Ao longo de seu serviço no Exército, o tenente-general Hollingsworth foi premiado com três Cruzes de Serviço Distinto, quatro Medalhas de Serviço Distinto, quatro Estrelas de Prata, quatro Estrelas de Bronze, três Legião de Mérito, três Cruzes Voadoras Distintas, a Medalha de Soldados e seis Corações Púrpuras, junto com 38 medalhas aéreas.

O lendário soldado ingressou no Exército em 1940 e serviu no exterior durante a Segunda Guerra Mundial, participando de sete grandes campanhas do Norte da África até a ocupação de Berlim. Durante a Guerra do Vietnã, ele ficou conhecido por seu indicativo de rádio: “Danger 79er”. Em 1972, ele foi o comandante que liderou a vitória na Batalha de An Loc, uma batalha de 66 dias e uma grande vitória para o Vietnã do Sul.

Uma estátua de bronze foi erguida do tenente-general James Hollingsworth na Texas A & # 038M University, que ele brincou ser um metro mais alta do que a estátua do general Patton & # 8217 em West Point.

9. Tenente-general Thomas H. Tackaberry

Exército dos EUA / Wikimedia Commons e # 8212 Tenente-General Thomas Tackaberry, fotografado durante os anos 1970.

Um dos oficiais mais condecorados de todos os tempos a servir no Exército dos EUA foi o tenente-general Thomas Tackaberry. Ele se alistou no Exército em 1942, quando os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial. Mais tarde, ele serviu na Guerra da Coréia e na Guerra do Vietnã. Após seu serviço de combate em três guerras estrangeiras, Tackaberry tornou-se comandante da lendária 82ª Divisão Aerotransportada e Fort Bragg.

Sua coragem, bravura e liderança eram conhecidas no Exército, e suas medalhas refletiam isso. O tenente-general Thomas Tackaberry foi premiado com três Distinguished Service Crosses, a Distinguished Service Medal, a Soldier & # 8217s Medal, o Purple Heart, três Bronze Stars, três Legion of Merits, cinco Silver Stars, a Distinguished Flying Cross e 52 medalhas aéreas .

Um de seus filhos, Brig. O general Burt Tackaberry, disse dele, & # 8220Ele nunca falou sobre seus prêmios. Ele era muito humilde. Ele sabia o que havia alcançado, mas não disse nada a respeito. & # 8221 Ele acrescentou: & # 8220Ele era um soldado & # 8217s soldado. & # 8221

10. Brig. Gen. John T. Corley

Exército dos EUA / Wikimedia Commons & # 8212 Brigadeiro-General John Corley foi pessoalmente escolhido para comandar pelo General Douglas MacArthur.

O Brigadeiro-General John Corley foi um dos oficiais mais condecorados a servir no Exército dos EUA e ganhou sua reputação por sua liderança de combate e por suas contribuições para o treinamento tático. Servindo na Segunda Guerra Mundial e na Guerra da Coréia, Brig. O general Corley era conhecido por liderar continuamente na linha de frente, colocando sua vida em risco para salvar aqueles que estavam sob seu comando.

Graduando-se na Academia Militar dos Estados Unidos em West Point em 1938, Corley começou sua carreira no Exército como segundo-tenente. Seu serviço de combate começou quando os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial. Lutando com & # 8212 e depois comandando & # 8212 a 1ª Divisão de Infantaria, Corley rapidamente subiu na hierarquia de Major para Tenente-Coronel. Ele lutou nos desembarques no Norte da África e na Invasão da Normandia no Dia D. No final da Segunda Guerra Mundial, ele participou dos Julgamentos de Nuremburg antes de retornar a West Point como instrutor tático. Quando a Guerra da Coréia estourou, Corley foi pessoalmente selecionado para comandar pelo General Douglas MacArthur.

Aposentando-se do Exército como Brigadeiro-General, John Corley teve um número impressionante de medalhas em seu nome. Ele recebeu duas Cruzes de Serviço Distinto, a Medalha Soldier & # 8217s, o Coração Púrpura, duas Emblemas de Infantaria de Combate, duas Legião de Méritos, a guia Ranger, quatro Estrelas de Bronze e oito Estrelas de Prata. Ele foi postumamente introduzido no Ranger Hall of Fame.

11. Vice-almirante John D. Bulkeley

U.S. Navy / Wikimedia Commons & # 8212 Vice-almirante John Bulkeley, um dos oficiais navais mais condecorados da história militar dos EUA.

Um dos oficiais navais mais condecorados da história dos Estados Unidos e um dos verdadeiros heróis da Segunda Guerra Mundial foi o vice-almirante John Bulkeley. Graduando-se na Academia Naval dos EUA em 1933, Bulkeley já era um marinheiro experiente quando estourou a Segunda Guerra Mundial. Seus repetidos atos de coragem e liderança em alguns dos piores momentos da guerra, junto com seu serviço posteriormente na Guerra da Coréia, renderam-lhe várias distinções, incluindo a Medalha de Honra.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o então tenente Bulkeley estava no comando de um Esquadrão de Torpedeiros quando realizou com sucesso o resgate ousado do general Douglas MacArthur e do presidente filipino Quezon das Filipinas, evacuando-os para um local seguro. Dois anos depois, no Dia D, Bulkeley foi fundamental na Invasão da Normandia. Ele liderou o esquadrão de torpedeiros que abriu caminho para a praia de Utah, parando os E-boats nazistas e resgatando marinheiros feridos. Ele serviria durante a Segunda Guerra Mundial e a Guerra da Coréia.

Por todo o seu heroísmo e serviço, o vice-almirante John Bulkeley recebeu a Medalha de Honra, duas Cruzes de Distinção em Serviço, duas Estrelas de Prata, duas Corações Púrpuras, duas Legião de Mérito, três medalhas de Distinção em Serviço da Marinha, a Cruz da Marinha e a Croix de Guerre .

Fonte: Wikimedia Commons
O Sargento de Pelotão Jorge Otero-Barreto foi o soldado mais condecorado da Guerra do Vietnã.

12. Jorge A Otero Barreto

Jorge A Otero Barreto foi o soldado mais condecorado do Vietnã e durante seu serviço ganhou o apelido de “Rambo porto-riquenho”.

De acordo com a American Legion, Otero-Barreto foi voluntário para cinco viagens no Vietnã, durante as quais completou com sucesso 350 combates e missões aéreas. Ele foi ferido cinco vezes durante a guerra e voltou para casa com mais de 40 honras militares, incluindo três Estrelas de Prata, cinco Corações Púrpuras, cinco Estrelas de Bronze, cinco Medalhas Aéreas e quatro Medalhas de Comenda do Exército.

O serviço militar de Otero-Barreto e # 8217 tem sido recontado uma e outra vez, não apenas por causa da tremenda ferocidade contra o inimigo, mas por sua compaixão igualmente medida por seu pelotão e a disposição de sacrificar sua própria vida por eles.

Durante suas cinco viagens ao Vietnã entre 1961 e 1970, Otero-Barreto primeiro como assessor das tropas vietnamitas, relata a Associação de Oficiais Militares da América.

& # 8220Ele serviu em uma variedade de unidades ao longo de sua carreira, incluindo a 101ª Divisão Aerotransportada, a 25ª Divisão de Infantaria & # 8216Tropic Lightning, & # 8217 a 82ª Divisão Aerotransportada e a 173ª Divisão Aerotransportada de Combate, observa o documentário Brave Lords, que narra a experiência porto-riquenha no Vietnã, & # 8221 os detalhes do site MOAA.

Como relata o Military Times, o veterano recebeu o prêmio pelo conjunto de sua obra da National Puerto Rican Coalition em 2006. Em 2011, ele foi eleito o cidadão do ano em sua cidade natal e também viu casas e museus de veteranos com o seu nome.

Veteranos de apoio

Forneça comida e suprimentos para veteranos no site The Veterans de graça! & rarr


25 fatos sobre o tanque Panther, você os conhece todos?

Panther Ausf. Tanques D, 1943. O modelo D pode ser mais bem reconhecido pela cúpula em forma de tambor. Via Wikipedia / Bundesarchiv

1) Mais de 6.000 Panteras foram construídas pelos alemães, mas, mais surpreendentemente, 9 foram construídas pelo Exército Britânico em 1945-1946.

2) O nome completo era Panzerkampfwagen V Panther e tinha a designação de inventário de munições de Sd.Kfz. 171. Mas em 27 de fevereiro de 1944, Hitler ordenou que o numeral romano & # 8220V & # 8221 fosse excluído da designação.

3) O Panther foi o terceiro veículo de combate blindado alemão mais produzido, depois do canhão de assalto / caça-tanques Sturmgeschütz III com 9.408 unidades e do tanque Panzer IV com 8.298 unidades

4) Havia 3 versões principais do Panther, versões D, A e G, cada nova versão incorporando melhorias significativas. Havia também as versões de observador de artilharia, recuperação e comandante.

5) O tanque foi projetado para pesar 30 toneladas, mas Hitler exigiu uma armadura extra e um canhão mais pesado, portanto, acabou pesando quase 50 toneladas.

6) Os modelos posteriores tinham uma velocidade máxima de 46km / h, quase tão rápida quanto o Tiger e um pouco mais rápido que o tanque Sherman.

Tanques panteras da Divisão Großdeutschland avançam na área de Iaşi, Romênia em 1944, via Wikipedia / Bundesarchiv

7) O tanque Panther usa o mesmo motor muito parecido com o do Tiger Tank, com vida média de 1.500 horas.

8) Com um tanque cheio de 720 litros (190 galões), um Panther poderia dirigir entre 97 e 130 km na estrada ou 64 a 84 km em cross country. Em comparação, um tanque Sherman poderia dirigir até 193 km com 660 litros de combustível.

9) O tanque Panther entrou em serviço DEPOIS do tanque Tiger, o Panther sendo usado pela primeira vez em combate em julho de 1943 em Kursk, onde o Tiger foi usado pela primeira vez em Leningrado em dezembro de 1942.

Tanque pantera com camuflagem de arbusto no norte da França, 1944 via Wikipedia / Bundesarchiv

10) Hitler encomendou um Panther II que apresentaria mais armadura, mas a mesma arma, um protótipo do qual foi capturado pelos americanos. O projeto foi cancelado discretamente em meados de 1943.

11) O projeto Panther II levou ao Jagdpanther, o Panzerjäger V Panther que usou o famoso canhão de 88 mm, dos quais 418 foram construídos durante a guerra.

12) Os tanques Panther foram usados ​​pelos russos até que quebraram, sendo muito complicados e, portanto, difíceis de consertar.

13) O exército francês usou mais de 50 tanques Panther de 1945 até 1950 em seu 503e Régiment de Chars de Combat.

14) O Panther tinha um canhão principal de 7,5 cm que podia carregar 40 cartuchos de munição anti-tanque e 39 cartuchos de alto explosivo. Ele também tinha duas metralhadoras MG 34 com 5100 cartuchos de munição.

Uma tripulação Pantera, via Wikipedia / Bundesarchiv

15) O Panther tinha uma tripulação de 5 comandantes, motorista, artilheiro, carregador, radioman / metralhador.

14) Shermans, embora fossem cerca de 15 toneladas mais leves do que os Panthers, tinham pior mobilidade cross country devido às suas trilhas mais estreitas

16) A partir de 1943, as torres Panther foram montadas em fortificações fixas, algumas eram modelos normais de produção, mas a maioria foi feita especificamente para a tarefa, com armadura de teto adicional para suportar fogo de artilharia.

17) Quando 184 Panteras foram implantados pela primeira vez durante a batalha por Kursk, eles reivindicaram 267 tanques destruídos, mas após 5 dias de combate havia apenas 10 Panteras restantes na linha de frente.

18) Em seu pico em setembro de 1944, havia 552 Panteras operacionais na frente oriental de um total de 728.

19) O último relatório operacional datado de 15 de março de 1945 lista 361 operacionais de 740 tanques Panther.

20) Pelo menos 2 Panteras foram capturados pela resistência polonesa nos primeiros dias do levante de Warshaw, eles foram imobilizados após vários dias devido à falta de combustível e baterias e foram incendiados.

Pantera disfarçada de Destruidor de Tanques M10

21) Durante a Batalha de Bulge, os alemães usaram 400 tanques Panther, 5 dos quais foram disfarçados para se parecerem com os destróieres de tanques M10 americanos, soldando placas adicionais, aplicando tinta de camuflagem e marcações no estilo americano.

22) Após a Batalha de Bulge e por causa dos Tanques Panther, apenas 76 mm M4 Shermans armados com armas foram enviados para a Europa para o restante da guerra.

23) Em fevereiro de 1945, oito divisões Panzer com um total de 271 Panteras foram transferidas do oeste para o front oriental. Apenas cinco batalhões de Panteras permaneceram no oeste

24) Um dos principais comandantes dos Panteras alemães foi o SS-Oberscharführer Ernst Barkmann do 2º Regimento SS-Panzer & # 8220Das Reich & # 8221. No final da guerra, ele teve cerca de 80 abates de tanques reclamados.

25) Pensa-se que existem 5 Panteras sobreviventes em ordem, dois dos quais foram construídos pelo Exército Britânico. Existem muito mais Panteras não corredores em museus, como monumentos ou nas mãos de colecionadores particulares.


Lista de tanques alemães na segunda guerra mundial

Como o tanque nunca foi planejado para ser usado em combate real, ele foi atormentado por deficiências de armas e armaduras durante toda a sua vida. Foram feitas tentativas de melhorar o design, mas com pouco sucesso. A participação do Panzer I & # 8217 na Guerra Civil Espanhola, entretanto, forneceu informações vitais aos militares alemães sobre a guerra de tanques moderna.

Panzerkampfwagen I

Panzerkampfwagen I Ausf. Um em exibição no Deutsches Panzermuseum Munster, Alemanha
Modelo Tanque leve
Lugar de origem Alemanha
História de serviço
Em serviço 1934�
Usado por Alemanha nazista, Bulgária, República da China, Hungria, Espanha
Guerras Guerra Civil Espanhola, Segunda Guerra Mundial, Segunda Guerra Sino-Japonesa
História de produção
Projetado 1934
Fabricante Henschel, MAN, Krupp, Daimler
Produzido 1934�
Número construído 833
Especificações
Peso 5,4 toneladas
Comprimento 4,02 m
Largura 2,06 m
Altura 1,72 m
Equipe técnica 2 Comandante e Motorista
armaduras Entre 7 e 13 mm
Primário
armamento
Duas metralhadoras MG13 de 7,92 mm
Motor Motor Krupp M 305 a gasolina de quatro cilindros refrigerado a ar.
60 PS (59 HP, 44 kW)
Potência / peso 11,1 PS / t
Suspensão Suspensão de mola de lâmina um quarto elíptica.
Operacional
faixa
200 km em estrada 175 km fora de estrada.
Velocidade 50 km / h na estrada 37 km / h fora da estrada.

2. Panzer II, O Panzer II foi colocado em produção porque a construção de tanques médios, mais tarde conhecidos como Panzer III e IV, estava atrasada. O Panzer II foi projetado para & # 8220 preencher a lacuna & # 8221 até que o III e IV pudessem entrar em produção total. Junto com o Panzer I, o II constituiu a maior parte das forças blindadas alemãs durante a invasão da Polônia e da França.

Panzerkampfwagen II

Modelo Tanque leve
Lugar de origem Alemanha nazista
História de serviço
Em serviço 1936�
Guerras Guerra Civil Espanhola, Segunda Guerra Mundial
História de produção
Projetado 1934
Produzido 1935�
Número construído 1.856 (excluindo conversões)
Especificações
Peso 7,2 toneladas
Comprimento 4,8 m (15 pés 9 pol.)
Largura 2,2 m (7 pés 3 pol.)
Altura 2,0 m (6 pés 7 pol.)
Equipe técnica 3 (comandante / atirador, motorista, carregador)
Primário
armamento
1 e # 215 2 cm KwK 30 Ausf.A & # 8211f
1 e # 215 2 cm KwK 38 Ausf.J & # 8211L
Secundário
armamento
1 e # 215 7,92 mm Maschinengewehr 34
Motor Gasolina 6 cilindros Maybach HL
140 hp (105 kW)
Potência / peso 15 cv / tonelada
Suspensão folha de primavera
Operacional
faixa
200 km (120 mi)
Velocidade 40 km / h (25 mph)


3. Panzer III, o Panzer III pretendia ser o núcleo médio principal da força blindada alemã quando foi projetado durante o período entre guerras. Embora tenha sido originalmente projetado para lutar contra outros tanques, seus canhões de 37 mm e 50 mm posteriores não conseguiam acompanhar o ritmo dos tanques soviéticos T-34 e KV. Em 1941, o Panzer III era o tanque alemão mais numeroso, mas no final de 1943 foi amplamente substituído por versões posteriores do Panzer IV e do Panther.

Panzerkampfwagen III

Panzer III Ausf. H
Modelo Tanque médio
Lugar de origem Alemanha nazista
História de serviço
Em serviço 1939�
Usado por Alemanha nazista
Romênia
Hungria
Estado Independente da Croácia
Turquia
Noruega
Guerras Segunda Guerra Mundial
História de produção
Designer Daimler-Benz
Projetado 1935-1937
Fabricante Daimler-Benz
Produzido 1939�
Número construído 5.774 (excluindo StuG III)
Especificações
Peso 23,0 toneladas (25,4 toneladas curtas)
Comprimento 6,41 m (21,0 pés)
Largura 2,90 m (9,5 pés)
Altura 2,5 m (8,2 pés)
Equipe técnica 5 (comandante, artilheiro, carregador, motorista, operador de rádio / metralhadora de arco)
armaduras 5 e # 821170 mm (0,20 e # 82112,8 pol.)
Primário
armamento
1 e # 215 3,7 cm KwK 36 Ausf. A-F
1 e # 215 5 cm KwK 38 Ausf. F-J
1 e # 215 5 cm KwK 39 Ausf. J & # 185-M
1 e # 215 7,5 cm KwK 37 Ausf. N
Secundário
armamento
2-3 e # 215 7,92 mm Maschinengewehr 34
Motor 12 cilindros Maybach HL 120 TRM
300 PS (296 hp, 220 kW)
Potência / peso 12 hp / t
Suspensão Suspensão com barra de torção
Operacional
faixa
155 km (96 mi)
Velocidade 40 km / h (25 mph) na estrada, 20 km / h (12 mph) fora da estrada


4. Panzer IV, O Panzer IV foi o carro-chefe da força de tanques alemã durante a Segunda Guerra Mundial. Ele viu o combate em todos os cinemas e foi o único tanque alemão a permanecer em produção durante toda a guerra.

O Panzer IV foi originalmente planejado para ser um tanque de apoio. Assim, ele foi armado com um obuseiro de 75 mm destinado principalmente a disparar projéteis de alto explosivo em apoio a outros tanques ou infantaria. Em meados de 1942, foi rearmado com um canhão de duplo propósito de 75 mm, que poderia derrotar a maioria dos tanques soviéticos. Na segunda metade da guerra, cerca de metade de todos os tanques alemães eram Panzer IVs.


A série Turan

Antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial, o Exército Húngaro estava interessado em adquirir tanques de design ainda mais avançado. Inicialmente, um grande interesse foi demonstrado pelo tanque sueco Lago, mas devido ao seu desenvolvimento atrasado, ele teve que ser abandonado. The Hungarians tried to approach their German allies during 1939, but without success. The Italians proposed their M11/39 tanks, but to the Hungarians, it was obvious that this was an outdated design. The Italian M13/40 was a more promising design, but it was not to be available for some time, so another solution was needed.

Front view of the Turan tank. The first version was armed with a rather weak 40 mm gun. Fonte: Pinterest

One solution was to negotiate with the Czechoslovak Škoda company (now in German hands). After some negotiations and German approval, the Hungarian army chose to use the T-21 (or the T-22, the sources are conflicting) prototype as a basis for a new tank. However, some changes were made by the Hungarians, such as having an enlarged turret with three crew members, adding a new 260 hp domestically produced engine and using a 40 mm gun, as this caliber ammunition was already in production. The new vehicle was designated the 40M Turan, inspired by the old prehistoric tribes of Hungary. Production began in August 1941, being carried out by MAVAG, Ganz, MVG and Manfred Weisz. The production orders were changed several times due to war demands and, by 1944, some 279 were built.

While the Turan was the most modern Hungarian tank with its 40 mm gun, it was outdated by the standards of 1941. For this reason, in May 1941, development of a new 75 mm tank gun was underway, but due to lack of industrial capacity, it was only ready in May 1943. Once ready for production, this vehicle was designated simply as Turan II. While over 300 were ordered, only around 180 were built by 1944.

The Turan II is easily identified by its larger caliber gun. Source: Wikimedia Commons

The last attempts to increase the Turan firepower were made by installing a long barrel version of the 7.5 cm gun. While a single prototype was built, due to problems with the gun development, no serial production was possible. Another prototype version built using the Turan chassis was a command version with improved radio equipment and a fake wooden main gun but, beside the prototype, no other vehicle was built.

The Turan III could have provided the Hungarians with a tank with much stronger firepower than any other domestically produced armored vehicle. Source: https://www.themodellingnews.com/2018/04/the-up-armoured-turan-iii-and-protze.html#more

Due to the Turan’s obsolescence and witnessing the use of the German StuG III assault gun, the Hungarian Army requested that a similar vehicle be developed. This vehicle would be built using the Turran chassis and armed with a 7.5 cm anti-tank gun (44M Zrinyi I) or a 10.5 cm howitzer (43M Zrinyi II). The Zrinyi was named after Nikolaus Graf Zrinyi, famous for fighting against the Turks during the 16th century. While the anti-tank version was not adopted for service, the assault version would be built in a small number (around 72) and would see extensive action against the Soviets.

There was also a proposal influenced by the German Marder series to build a similar vehicle. For this purpose, the Turan chassis was to be armed with an anti-tank gun. While six prototypes were to be built, there is no proof that this was ever implemented.

Zrinyi I anti-tank version. Fonte: Pinterest The Zrinyi II close support version was built in small series and used in combat. Source: Wikimedia Commons


10 Most Powerful Tanks From World War II

Tanks have won wars in World War I and II. The history of tanks dates back to WWI when the tanks were crude to counter the problems of trench warfare. By World War II, tanks took the spotlight and became powerful. Many of the tanks during World War II were powerful, heavy and deadly. Soviets, Germans & Americans were among the countries to develop some of the most powerful tanks during World War 2. Other countries were Japan, UK, France, Italy, Czechoslovakia, and Poland were other countries in the race to develop combatant and powerful tanks. Which are the ten most powerful tanks of that era?

Check out the list of ten most powerful tanks from World War II that are dangerous, deadly and scary:

10. Comet Tank, United Kingdom

The British Comet tank was one of the most powerful cruiser tanks of WWII. It was an ambitious project to mount the incredibly powerful 17 pounder cannon on the earlier Cromwell tank. The design phase of the tank took-off in 1943 and came into service by 1944. It fought the closing battles of the Second World War. The tank’s powerful gun was enough to take out the Panther easily and Tiger at some point. The penetration power of the gun (77 mm HV) mounted on the tank was similar in power to the Panther tanks. The Comet tanks had good fighting records against other tanks. It was the most respected British tanks of WWII. It continued to serve the nation after the war until 1958.

9. KV-1, Soviet Union

The Kliment Voroshilov (KV) tanks were a series of Soviet heavy tanks. These tank series derive their name from Soviet defense commissar and politician Kliment Voroshilov. They were used by the Red Army during WWII. They were known for their heavy armor protection and were effective during the earlier phases of the German invasion of Soviet Union. A single KV-1 with some infantry support was enough to tackle large German formations during the war. Until the Germans developed a better gun to tackle the KV-1, these heavy tanks were invulnerable to any German weapons except the 8.8 cm Flak gun. These tanks were expensive than the T-34 tanks and the T-34s performed better. The production of KV-1s was stopped later in the war.

8. Panzer IV, Germany

The Panzer IV was an in-service German medium tank from WWII. Due to their continuous production and mass built, they were extensively used throughout the war by the Germans. Somewhere around 8,500 units were built. It was the only tank to remain in continuous production all through the war. Throughout the war, the design of Panzer IV upgraded extensively to become more powerful and counter new threats. It was part of the German forces in all combat theaters. Panzer IV became the most widely exported tanks of Germany. The tank was part of German corps during the Invasion of Poland on 1 September 1939. It was also active during 1941–1945 on the Eastern Front and 1944-45 on the Western Front. It is a powerful 75 mm anti-tank design is known as 7.5 cm Pak 40 L/46 led to countering Soviet T-34 and KV-1.

7. IS-2, Soviet Union

IS-2 was a Soviet heavy tank that was a successor of the KV-series of tanks. The IS-2 was put to service on April 1944 during the final stages of Battle of Berlin. It had the powerful 122 mm HE shell which was powerful enough to bring down buildings and turrets. Their explosive power was enough to blow off an enemy tank turret though it couldn’t penetrate the armor. They were good enough to destroy Panthers and Tigers which made them irreplaceable. The IS-2s were used to destroy entrenchments and bunkers with their heavy high-explosive shell. In early 1944, the IS-2 first saw action in Ukraine when it destroyed 41 Tigers and Elephants against only 8 tanks lost. While the German heavy tanks could easily knock out the IS-2 but they had no real answers to the 122mm armament which easily defeated them.

6. M26 Pershing, USA

The American M26 Pershing was a heavy/medium tank used during the final months of WWII. The tank gets its name after General of the Armies John J. Pershing, who led the American Expeditionary Force in Europe in World War I. During the Invasion of Germany, these tanks were used by the United States Army. Their ability and power were not known to the world until the Korean War began. It outmatched the T-34-85 in terms of firepower and protection during the Korean War. It was withdrawn later in 1951 from the Korean War due to hilly and muddy terrain. R. P. Hunnicutt, an American historian, and researcher of armored fighting vehicles ranks M26 Pershing ahead of Tiger I but behind the German Panther medium tank at number two spot.

5. Panther Tank, Germany

Panther Tank was a medium tank of Germany during World War II. On the Eastern and Western Fronts in Europe from mid-1943 to its end in 1945, these tanks were in use. The Panther was a replacement for Panzer III and IV to counter the Soviet T-34s. Due to its excellent firepower and protection, these tanks were considered as one of the best tanks of WWII. Though the Panther had the same engine as Tiger I, they had a better frontal hull armor, better penetrating gun and were light and fast through the terrains than the Tigers. Their only vulnerability was the weaker side armor. Similar to other German tanks, the Panther Tanks were over-engineered.

4. M4 Sherman, USA

M4 Sherman is a medium tank which is named after the American Civil War General William Tecumseh Sherman by the British. The American tank became even more powerful after modification for the United Kingdom and some Commonwealth and Allied armies. The modified version was known as Sherman Firefly or the Sherman Firefly M4A1 which is fitted with a modified turret and 17 pounder gun that could punch through a Tiger II. The M4 was the most widely used medium tank by the United States and Western Allies during the Second World War. These tanks were fast-moving because of its aircraft rotary engine. They were known for their reliability, cheap production cost and availability in great numbers. There were many variants of M4 Sherman and their power increased as the war progressed.

3. T-34-85, Soviet Union

T-34 was one of the finest tanks during World War II. In 1941, during an encounter, the German general Paul Ludwig Ewald von Kleist called it “the finest tank in the world”. The tank has been often credited as the most efficient, effective and influential tank design of the period. The Soviet medium tank had a profound and lasting effect on the field of tank design. With its incredible firepower, mobility, protection, and ruggedness, the T-34 became the most superior tanks of World War II. Later in the war, T-34’s armor and armament were surpassed, but the T-34-85 variant became the next big thing.

The improved version of T-34 proved a great deal for the Red Army. The T-34-85 had great armor and mobility. Due to its excellent armory, firepower, and accuracy, the production of these tanks crossed over 20,000. The tank was so influential that even Germany started to make an altered version of T-34 known as T-34 747(r).

2. Tiger, Germany

The power of Tiger I could be understood from an event that occurred during World War II in April 1943 when a Tiger I was captured by the Soviet. The Soviets used Tiger I to test fire with their tank – T-34. Their T-34 couldn’t penetrate the front of the heavy tank at all and the side could be penetrated only from a close range. An 85 mm anti-aircraft gun, the 52-K was able to do the job. The 52-K’s derivatives were used for the tank. Even the 52-K was able to penetrate the tank only from a distance of 600-800 meters. This distance was not enough as a Tiger could easily kill the T-34 from a distance of 1,500 to 2,000 meters.

The beast of a tank could easily take one-on-one with any tanks. The tough tank could take on other tanks with high accuracy and damage potential. It became one of the most feared tanks of WWII. There are several disadvantages of the tank such as their unreliability, difficulty to maintain and repair and construction time.

1. Tiger II, Germany

Tiger II, known as “King Tiger” among Allied troops was the most powerful tank during World War II. The powerful gun and heavy armor made the tank as a superior opponent to almost all Allied and Soviet tanks in a one-on-one confrontation. Though the tank had some disadvantages like mobility, reliability, and speed, it managed to supplement the Tiger I later in the war. The heavy tank of Germany was issued to the heavy tank battalions of the Army and the Waffen-SS. Tiger II was first deployed into combat with 503rd Heavy Panzer Battalion on 11 July 1944 during the Allied Invasion of Normandy.


Panzer II in US Service - History

German Military Personnel That Served in WWII

Last Name Beginning With (H)

For information on any of the names listed below, submit your request to [email protected]

For information about this Research Database, click here.

For information about the World War II History Center, click here.

Haack, Werner Harko 310 (310th Higher Artillery Command), 310th Artillery Division z.b.v. 651

Haarde, Johann 383rd Infantry Division 651

Haase, Konrad 302nd Infantry Division, 164th Infantry Demonstration Division 651

Habenicht, Rudolf 463rd Replacement Division, Field Replacement Division C 651

Haccius, Ernst 46th Infantry Division 650

Hackbath, Hans-Georg I Gruppe, Jagdgeschwader 1 353

Hackl, Anton II Gruppe, Jagdgeschwader 26 353

Hackler, Heinrich II Gruppe, Jagdgeschwader 77 353

Haeckel, Ernst 158th Reserve Division, 16th Infantry Division, 16th Volksgrenadier Division, 650

Haeckel, Ernst 471st Replacement Division 651

Haehling, Kurt 73rd Infantry Division, 126th Infantry Division 650

Haehling, Kurt 294th Infantry Division, 8th Luftwaffe Field Division 651

Haehnle, Hermann 367th Infantry Division 651

Haenicke, Siegfried 61st Infantry Division 650

Hafner Colonel, 338th Infantry Division, 716th Infantry Division 651

Haft 1st SS Panzer Division 534

Hagemann, Wolf 336th Infantry Division, 541st Grenadier Division, 541st Volksgrenadier 651

Division, 612th Special Purposes Division

Hager, Josef 716th Infantry Division 384

Hager, Victor III Gruppe, Jagdgeschwader 26 28

Hahm, Walter 260th Infantry Division 650

Hahm, Walter 389th Infantry Division 651

Hahn, Eugen 5th Jager Division 651

Hahne, Hans 197th Infantry Division 650

Haizmann, Richard 9th Flak Division 651

Halder, Franz General Staff 266 272 286 371 384 415 601

Hamann, Adolf 383rd Infantry Division 651

Hameister, Friedrich Luftwaffe 353

Hammer, Ernst 75th Infantry Division, 190th Infantry Division 241 650

Hamperl, Josef German Army 522

Hansen, Christian Sixteenth Army X Corps 120 286

Hansen, Eric LIV Corps 325

Hansen, Max Kampfgruppe Hansen 1st SS Panzergrenadier Regiment, 1st SS Panzer Div. 250 482 534 557

Hansen, Ottomar 121st Infantry Division 650

Hardegan, Reinhard U-123 253 453

Hargesheimer, Alfred 4th Company, 2nd SS Panzer Regiment, 2nd SS Panzer Division "Das Reich" 107

Harmel, Heinz 10th SS Panzer Division 255 482

Harnisch, Siegfried German Army 482

Harpe, Josef Army Group North Ukraine 527

Harrendorf, Hermann 96th Infantry Division 650

Harteneck, Gustav 72nd Infantry Division 650

Hartigs, Hans 4th Staffel, Jagdgeschwader 26 59

Hartlieb gennant Walsporn, Max 601st Landesschutzen Division (601st Special Purposes Division) 651

Hartmann, Hans 1st Marine Division 650

Hartmann, Otto 7th Infantry Division 650

Hartmann, Walter 87th Infantry Division 650

Hartmann, Walter 390th Field Training Division, 407th Replacement Division 651

Hartmann, Werner 2nd Marine Division 650

Hass, Siegfried 170th Infantry Division 650

Hasse, Wilhelm 30th Infantry Division 650

Hassenstein, Erich 45th Volksgrenadier Division 650

Hauck, Friedrich Wilhelm 305th Infantry Division 651

Hauffe, Arthur XIII Corps XXV Corps XXXVIII Panzer Corps 46th Infantry Division 527 650

Haus, Georg 17th Infantry Division, 50th Infantry Division 126 650

Hauser, Wolfgang 464th Replacement Division 651

Hauser, Wolfgang-Rudiger 41st Infantry Army 650

Hausser, Paul SS General, Seventh Army II SS Panzer Corps 167 315 403 446 664 650 651

Haverkamp, Wilhelm 711th Infantry Division 651

Hayn, Friedrich LXXXIV Corps 384

Hecht, Max 4th Flak Division, 14th Flak Division 651

Heckmanns, Hans-Juergen 28th Flak Division 651

Heidemeyer, Hans 8th Luftwaffe Field Division 651

Heidkaemper, Otto 464th Field Training Division 651

Heidrich, Reinhard SS General, Head of the Einsatzgruppen 177

Heidrich, Richard 1st Fallschirmjager Division 158

Heidrich, Richard 1st Parachute Division, 7th Air Division 651

Heike, Wolf-Dietrich 14th SS Freiwilligen Division "Galizien" 527

Heilmann, Ludwig 5th Fallschirmjager Division 557

Heilmann, "King" Ludwig 5th Parachute Division 651

Heim, Ferdinand XLVIII Panzer Corps 371

Heimann, Heinrich 1st SS Sturmgeschutze Battalion, 1st SS Panzer Division 281 315

Hein, Willi 5th SS Panzer Division 294

Heine, Siegfried 137th Infantry Division 650

Heinke Kampfgruppe Heinke 255

Heinlein, Georg 291st Infantry Division 651

Heinrichs, Conrad-Oskar 89th Infantry Division, 290th Infantry Division 286 650

Heinrici, Eberhard 1st Staffel, Jagdgeschwader 26 28

Heinrici, Gotthard 16th Infantry Division German Army, Berlin 538 650 765

Heintz, Joachim 984th Grenadier Regiment, 275th Infantry Division 487

Heitz, Walter VIII Corps 241

Heistermann von Ziehlberg, Gustav 28th Jager Division 651

Helbig, Jochen Luftwaffe, 4th Staffel - Lehrgeschwader 1 736

Held, Karl 147th Replacement Division 650

Held, Alfred Luftwaffe, Jagdgeschwader 77 736

Hellmich, Heinz 243rd Infantry Division 384

Helmann, Willi Jagdgeschwader 54 353

Hell, Ernst-Eberhard 15th Infantry Division, 269th Infantry Division 650

Hell, Ernst Eberhardt VII Corps, Sixth Army 56

Heller, Erich 2nd SS Panzer Division 557

Hellmich, Heinz 141st Replacement Division, 141st Reserve Division, 650

Hellmich, Heinz 23rd Infantry Division 177

Hengen, Fritz 331st Infantry Division 651

Henke Kampfgruppe Henke, Hermann Goring Training Regiment 255 482

Henke, Carl 290th Infantry Division 120 650

Henke, Gerhard 30th Infantry Division, 290th Infantry Division 650

Henke, Gerhard 11th Luftwaffe Field Division 651

Henke, Hellmuth Panzer Lehr Division 557

Henneberg 4th Company, 26th Panzer Regiment, 26th Panzer Division 439

Henrici, Waldemar 258th Infantry Division, 443rd Landesschutzen Division, 555th Infantry 650 651

Henze, Albert 30th Infantry Division, 19th Luftwaffe Field Division, 21st Luftwaffe Field 650 651

Herbert, Theodor 15th Flak Division, 20th Flak Division 651

Hermann Master Sergeant, 9th Anti-aircraft Regiment (Motorized) 595

Hermann Colonel, 93rd Infantry Division 650

Hermann, Alfred 263rd Infantry Division 650

Hermann, Harry 6th Parachute Division, 9th Parachute Division 651

Hermann, Paul 264th Infantry Division 650

Hermes, Walter 192nd Regiment, 21st Panzer Division 384

Hernekamp, Karl 12th Infantry Division, 32nd Infantry Division 286 650

Hernekampf, Kurt (Karl?) 210th Infantry Division (Coastal Defense) 650

Herr, Traugott LXXVI Panzerkorps 158

Herrlein, Friedrich 71st Infantry Division 650

Herrmann, Hajo Luftwaffe 765

Hertenstein, Rolf 5th Company, 4th Panzer Regiment, 13th Panzer Division 2nd Panzer Division 218 332 477

Panzer Division Muncheberg 477

Herzog, Kurt XXXVIII Corps 355

Herzog, Kurt 291st Infantry Division 651

Hesse, Max 7th Flak Division 651

Heucke, Werner Corps Detachment E, 251st Infantry Division 650

Heuhner, Werner 416th Infantry Division 651

Heun, Wilhelm 83rd Infantry Division 650

Heun, Wilhelm Infantry Division Schageter (1st RAD Division) 651

Heunert, Iwan 58th Infantry Division 650

Heusinger, Adolf German Army 503

Heuttmann, Adolf 405th Landesschutzen Division 651

Heuttner, Hans 167th Infantry Division 650

Hewelke, Georg 339th Infantry Division 651

Heyda, Korvetten-Kapitaen U-434 291

Heydrich, Reinhard German Intelligence 311 489 538

Heye, Helmuth Admiral Hipper 274

Heyne, Walter 6th Infantry Division, 82nd Infantry Division 650

Hielscher, Edgar 208th Infantry Division 650

Hielscher, Rudolf 258th Infantry Division 650

Hiepe, Hellmuth 413th Replacement Division 651

Hildebrandt, Hans-Georg 715th Infantry Division 651

Hilpert, Karl Army Group Courland 650

Hilpert, Karl Sixteenth Army Army Group North 4

Himer, Kurt 46th Infantry Division, 216th Infantry Division 650

Himmler, Heinrich Replacement Army 650

Himmler, Heinrich Head of the SS 55 177 246 557 765

Hinghofer, Walter 342nd Infantry Division, 717th Infantry Division (Static) 651

Hintz, Johannes 4th Flak Division 651

Hinz 4th Company, 26th Panzer Regiment, 26th Panzer Division 439

Hippel, Ferdinand 34th Infantry Army 650

Hippler, Bruno 329th Infantry Division 651

Hirt, Rudolf 15th Infantry Division 650

Hitter, Alfons 106th Infantry Division, 206th Infantry Division 650

Hitzfeld, Otto 11th Army 200

Hitzfeld, Otto 102nd Infantry Division 650

Hochbaum, Friedrich 34th Infantry Division 650

Hocker, Erich 719th Infantry Division 651

Hocker, Hans-Kurt 17th Luftwaffe Field Division 651

Hoecker, Hans-Kurt 167th Volksgrenadier Division, 258th Infantry Division, 59th Infantry Division 650

Hoefer, Rudolf Fortress Division Stettin 651

Hoefl, Hugo 206th Infantry Division, 39th Infantry Division 650

Hoehne, Gustav 8th Jager Division 651

Hoenmanns, Erich Luftwaffe 736

Hoepner, Erich XVI Corps, Sixth Army 263

Hofbauer, Franz 3rd Company, 72nd Fusilier Battalion 294

Hoffman Colonel, 44th Infantry Division 650

Hoffman, Fritz Luftwaffe 353

Hoffman, Gerhard 1st Flak Division, 4th Flak Division, 9th Flak Division, 15th Flak Division, 651

Hoffman, Heinrich 5th Flotilla T-28 384

Hoffman, Helmuth 62nd Infantry Division 650

Hoffman Kurt 715th Infantry Division, 465th Replacement Division, 384th Infantry Division 651

Hoffman, Paul 147th Reserve Division 650

Hoffman, Paul 342nd Infantry Division, 382nd Field Training Division, 717th Infantry Division 651

Hoffman-Schoenborn Colonel/Major General, 18th Volksgrenadier Division 650

Hoffmeister, Edmund 7th Infantry Division 650

Hoffmeister, Edmund 383rd Infantry Division 651

Hofman, Erich 93rd Infantry Division, 207th Security Division 650

Hofman, Friedrich 9th Infantry Division, 126th Infantry Division, 160th Reserve Division 650

Hofmann, Erich 560th Grenadier Division 651

Hofmann, Rudolf Fifteenth Army 384

Hofmann, Wilhelm Luftwaffe 353

Hohenberg, Werner Jagdgeschwader 2 353

Hohn, Hermann 72nd Infantry Division 294 650

Hohne, Gustav Group Hohne 286

Hohne, Otto Luftwaffe, III KG 54 736

Hollidt, Karl Adolf Sixth Army, XVII Corps, 50th Infantry Division, 52nd Infantry Division 241294 650

Hollweg, Carl 16th Marine Division 650

Holm, Norbert 304th Infantry Division, 357th Infantry Division 651

Holste, Rudolf 4th Cavalry Division 651

Holz, Gunther Tank Destroyer Battalion, 12th Volksgrenadier Division 557

Holzer Der Fuhrer Regiment, 2nd SS Panzer Division 258

Hoppe, Harry 126th Infantry Division, 278th Infantry Division 286 650

Hoppe, Richard German Army 432

Horn, Max 203rd Security Division, 203rd Infantry Division, 214th Infantry Division 355 650

Horn, Max 719th Infantry Division 651

Horster, Hermann Erwin Rommel's personal doctor 540

Hossbach, Friedrich Fourth Army 126

Hossback, Friedrich 31st Infantry Division, 82nd Infantry Division 650

Hoth, Hermann Fourth Panzer Army 371 446

Hrdlicka, Karl 1st Staffel, Jagdgeschwader 2 353

Hube, Hans General, First Panzer Army 294

Hube, Hans Valentin 16th Panzer Division 241

Hube,, Hans Valentin 16th Infantry Division 650

Huebner, Rudolf Infantry Division "Doberitz", 303rd Infantry Division 651

Huehner, Werner 61st Infantry Division 650

Huenten, Maximilian 39th Infantry Division 650

Huether, Gerhard 553rd Grenadier Division 651

Huettner, Hans 167th Volksgrenadier Division 650

Huettner, Hans 703rd Infantry Division 651

Hufenbach, Helmuth 562nd Volksgrenadier Division 651

Huffmann, Helmuth 277th Infantry Division 650

Huffmeier, Friedrich Scharnhorst Fortress Commander, Channel Islands ("Division Kanada") 122 373


Conclusão

So there are many complex and varying accounts by historians. Personally, I am somewhat skeptical that we will ever know the whole truth and believe the battle will remain the “stuff of legends.” One thing, however, is very clear: the advance of theFourth Panzer Army was slowed dramatically due to the Panzer Corps’ failure to take Prochorovka on 12 July, regardless of both the number of tanks possessed by the Germans or Soviets and the misuse of German panzer reserves.

When Hitler abandoned Operation Citadel on 13 July, the Germans’ last opportunity to influence events on a strategic level in the East was lost.

A Tiger tank of the SS division “Das Reich” in action – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Operation Citadel, soldiers of Waffen-SS division “Das Reich” in front of a Tiger tank. – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 German Soldiers in front of a destroyed Russian Pz.Kpfw. KW-1A – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Soviet Union – “Operation Citadel” – fighting in the area Belgorod-Orel – Waffen SS Division “Das Reich”, crew during a stop in front of their Panzer III – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Soldados Waffen SS conversando com um comandante do Panzer Mk VI Tiger. – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Belgorod – Self-propelled guns (Stugs), Panzer Mk III and Mk IV tanks are assembling and getting ready for operation Citadel – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Near Pokrovka, German Motorcycle troops take cover near their vehicles – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Generalmajor v. Hünersdorff at operation Citadel – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Perto de Pokrovka, tropas motorizadas alemãs à esquerda e um canhão FLAK leve (20 mm) montado na metade do trilho à direita. – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Vehicles advancing during operation Citadel – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 FLAK Vierling gun firing during operation Citadel – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 German Soldiers on a Panzer Mk VI Tiger with turret number 123 – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Looking down the barrel of a Panzer MK VI Tiger tank during operation Citadel – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Operation Citadel, a Panzer Mk VI Tiger is being towed by an 18-ton FAMO – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Two Panzer Mk VI Tiger tanks, a destroyed vehicle and a German on a horse – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Operation Citadel, Panzer MK III with turret number 943 and in the foreground a Panzer MK II with turret number 914 – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Perto de Pokrovka, um grupo de obuseiros de campo de luz montados no chassi do Panzer Mk II, conhecido como Wespe ou Sd.Kfz. 124 em um campo próximo à linha de frente. – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 New shells are being loaded on a Panzer Mk VI Tiger – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Loading of new shells in a Panzer Mk VI Tiger tank – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Panzerjäger Marder III Ausf. H (Sd. Kfz. 138) – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Tiger 123, 1st Company sPzabt.503 – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Waffen SS soldiers in their vehicles, a Stug(?) and an armored half-track – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Waffen SS soldiers on a Stug, followed by two Panzer MK VI Tiger tanks drive to the startline of operation Citadel – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 Operação Citadel um Marder III 7,62cm Pak no chassi de um Czech 38 (t). – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0 South of Orel, Panzer Mk VI Tiger tanks attack, in the background a building burns – By Bundesarchiv – CC BY-SA 3.0


Assista o vídeo: PzKpfw II (Novembro 2021).