Artigos

Dirigível e submarino na imaginação medieval

Dirigível e submarino na imaginação medieval

Dirigível e submarino na imaginação medieval

Por Aby Warburg

Originalmente publicado como "Luftschiff und Tauchboot in der mittelalterlichen Vorstellungswelt", Illustrierte Rundschau, No.52 (1913)

Traduzido em A renovação das contribuições da antiguidade pagã para a história cultural do Renascimento europeu, por Aby Warburg (traduzido por David Britt) (Getty Research Institute, 1999)

Trecho: Estas duas tapeçarias da Borgonha retratam a vida de Alexandre, o Grande. Um mostra as façanhas de sua juventude; o outro, seus feitos fabulosos como o conquistador do mundo. Duas cenas deste último são reproduzidas aqui. O rei é visto voando alto, para espanto dos espectadores, em uma gaiola de metal puxada por quatro grifos; nas proximidades, o vemos mergulhado no mar em uma banheira de vidro. Nós o reconhecemos novamente, por seu rosto e sua coroa, ao ser recebido após seu pouso. À direita, ele reaparece com armadura completa, vencendo monstros terríveis nas profundezas de uma floresta virgem.

Essas imagens - que são tão ingênuas, aos nossos olhos, como uma página de algum enorme livro de contos de fadas - foram então consideradas pela sociedade educada da Europa Ocidental como uma história precisa e bem documentada. Corresponde precisamente aos fatos dados no Romance de Alexandre, um texto grego, repleto de acréscimos fantásticos, que por muito tempo preservou a memória de Alexandre no Oriente e no Ocidente, por meio de incontáveis ​​manuscritos em cerca de vinte e quatro línguas.


Assista o vídeo: Segundos Fatais - O dirigivel Hindenburg (Novembro 2021).