Podcasts

Trabalho feminino e família na era viking

Trabalho feminino e família na era viking

Por Susan Abernethy

As mulheres desempenharam muitos papéis fundamentais na Escandinávia durante a Era Viking (oitavo ao décimo primeiro século). Suas posições variavam de escravo a fazendeiro e proprietário de terras, e suas tarefas variavam de fiação e tecelagem de tecidos, fabricação de roupas e cortinas, preservação, produção e cozimento de comida e bebida, cuidado de gado, trabalho nos campos, limpeza e lavanderia a aquecimento de camas. Pouco se sabe sobre as mulheres nas áreas urbanas, mas se fossem casadas com artesãos ou comerciantes, provavelmente ajudariam nos negócios do marido. As principais fontes de informação sobre as mulheres da Era Viking são a arqueologia, juntamente com as sagas escritas, poesia, runas e representações de mulheres na arte.

Preparando e servindo comida

Durante esta época histórica, as mulheres administravam todos os assuntos relacionados com o interior de casa, enquanto os homens se encarregavam de tudo fora da casa, embora as mulheres se aventurassem fora para tarefas relacionadas às suas funções internas. A evidência mais reveladora do trabalho das mulheres vem da preponderância de bens encontrados nas sepulturas. As mulheres eram enterradas com as ferramentas de limpeza e tecelagem, enquanto os homens eram enterrados com itens relacionados a guerras e lutas. As mulheres manteriam e administrariam fazendas enquanto os homens estivessem fora.

As mulheres eram responsáveis ​​pelas operações de laticínios. Durante os meses de verão, os vikings fizeram seu lar nas montanhas em um shieling, uma pequena casa. As vacas leiteiras e as ovelhas estariam juntas perto do shieling com um pastor, mas os outros animais estariam livres para vagar. As mulheres faziam a ordenha e criavam os laticínios que eram uma parte importante da dieta escandinava. Isso incluía manteiga fresca e uma manteiga de longa duração feita de creme de leite e altamente salgada. Eles também faziam um queijo macio com leite fermentado e azedo e uma forma de coalhada chamada skyr. Eles geralmente bebiam soro de leite puro ou fervido em vez do leite integral e transformavam o soro em leitelho.

As mulheres ajudavam na colheita e na produção do feno, como indica a presença de foices nas sepulturas. Nas famílias pobres, as mulheres trabalhariam nos campos durante a colheita. Em famílias mais ricas, servos ou escravos faziam parte do trabalho mais árduo ao ar livre. As mulheres coletavam bagas, musgos, ervas, algas, frutas silvestres e ovos de pássaros. As mulheres lavavam roupas, geralmente em riachos e também eram responsáveis ​​por tirar e buscar água para beber, cozinhar e tomar banho.

As mulheres eram responsáveis ​​pelo preparo e serviço das refeições. Normalmente havia duas refeições por dia; uma da manhã, cerca de oito ou nove, e uma à noite, após o trabalho dos homens terminar, por volta das sete ou oito. As refeições eram feitas na sala principal da casa. A comida era servida em tigelas de madeira e pratos carregados por criadas. Eles também encheram as canecas e chifres de beber. Se houvesse convidados, a dona da casa e suas filhas podem ter ajudado a servir.

Os alimentos que não exigiam cozimento incluíam queijos e skyr, carne salgada ou peixe cru seco. Carne e peixe cozidos, mingaus, mingau e pão eram alimentos básicos. Existem evidências de que a carne era assada no espeto ou assada em uma cova cheia de brasas e coberta com terra. Este sistema também era usado para assar pão e bolos de aveia e para fazer ensopados. A bebida principal era a cerveja. Vinho e hidromel eram importados de países mais ao sul.

Pano e Tecelagem

Uma tarefa que as mulheres realizavam durante todo o ano era a confecção de tecidos que seriam para as necessidades domésticas e também para exportação para a Noruega e a Inglaterra. O linho era feito, mas o tecido mais comum era a lã. Isso envolveu a tosquia de ovelhas ou cabras e, em seguida, a limpeza e classificação da lã. A lã era desengordurada e depois cardada com os dedos ou um pente para endireitá-la e separar as fibras. Em seguida, seria girado em uma roca e um fuso. A lã era puxada em um fio e depois enrolada, repetindo o processo até que tivessem o suficiente para um grande novelo de lã. O fio pode ou não ter sido tingido. O processo de girar pode ser feito nos braços, permitindo que as mulheres se sentem ou caminhem enquanto realizam a tarefa.

A tecelagem era feita em um tear vertical encostado a uma parede da casa e o padrão trabalhado de cima para baixo. O fio era passado de um lado para outro e depois batido com uma “espada” de madeira ou de osso de baleia. A largura padrão do tecido era provavelmente cerca de dois metros (cerca de um metro). O tecido mais valioso era feito de lã tingida, muitas vezes em listras ou um padrão. A cor mais popular era o vermelho da rose madder ou Rubia tinctorum, que cresce livremente na Islândia. Outras cores eram marrons avermelhados e violetas de certos líquenes e preto de lama do pântano permeada de ferro. Alguns corantes minerais também eram conhecidos.

Uma tecelagem ainda mais decorativa pode ser feita em teares menores. Faixas mais estreitas de tecido às vezes eram tecidas, as quais eram usadas para aparar as bordas das roupas e como tiaras. Eles foram criados por um método chamado “tecelagem de tabletes”. Os fios da urdidura eram passados ​​pelos cantos de uma pequena placa quadrada ou placa de osso. Exemplos deste tipo de tecelagem foram encontrados em túmulos e têm fios de prata e ouro tecidos neles. Algumas sagas mencionam essas tecelagens e fitas decorativas.

Objetos encontrados nos túmulos de mulheres nórdicas relacionados ao trabalho têxtil incluem rocas, fusos e pequenos teares, tecendo "espadas", pentes de lã e grandes agulhas de osso. Estojos de agulhas também foram encontrados junto com pinças e diferentes tamanhos de tesouras. Isso indica que as mulheres praticavam costura e bordado. Eles usaram lã, seda importada e fios de prata. A arte narrativa no trabalho com agulha também era uma prática habilidosa para as mulheres.

Roupas Femininas

Há uma consistência surpreendente no traje básico que as mulheres vikings usavam. Eles sempre usaram um grande par de broches ovais, com cerca de dez a doze centímetros de comprimento, que são conhecidos como “broches de tartaruga” devido à sua aparência. Eles eram usados ​​na área da clavícula e presos com elos de corrente de prata ou contas. Pendurado no broche da direita, correntes penduradas com outros itens, como chaves, uma faca, um pente, tesouras, agulhas e talvez uma bolsa. Pode ter havido um broche adicional no meio do peito. Sua forma variava entre quadrada ou trilobada, longa ou redonda.

As mulheres usavam uma camisa de linho junto à pele que pode ou não ter mangas. Também pode ter ou não pregas. Sobre a camisola de linho havia uma peça de roupa dupla pendurada em duas laçadas, presa por broches de tartaruga. Parece que essa vestimenta dupla foi enrolada sob os braços, uma da direita para a esquerda e a outra da esquerda para a direita. O material dessas vestimentas às vezes era lã e às vezes linho, com o material externo sempre de melhor qualidade do que o interno. Sobre todas essas vestes havia uma capa ou xale de lã fina que o terceiro broche segurava no lugar. Esses vestidos eram soltos ou amarrados com avental ou cinto com nós.

As mulheres vikings adoram joias, a julgar pelas evidências arqueológicas. Eles usavam os broches necessários junto com anéis de braço e dedo, anéis de pescoço e até anéis de dedo do pé. Esses anéis eram feitos de prata, ouro e às vezes azeviche. Os colares eram feitos de contas de vidro doméstico, bronze ou âmbar e alguns eram confeccionados com pedras semipreciosas importadas, como cristal, cornalina ou obsidiana. Os pingentes também eram populares.

Mulheres e Família

É mais provável que as meninas durante a Era Viking na sociedade escandinava não recebessem muito em termos de educação. Esperava-se que eles se casassem, tivessem filhos e administrassem a casa, o que ela poderia aprender com sua mãe. As “Sagas dos islandeses” registram um número considerável de casos em que as meninas se casaram com 12 anos ou no início da adolescência. As mulheres não viviam tanto quanto os homens devido aos caprichos do parto, então elas tinham que se casar cedo.

O fator de distinção para um homem entre uma esposa e suas concubinas era o preço da noiva que ele pagava pela esposa. Era uma prática normal a noiva receber um dote do pai e um presente do marido no dia seguinte ao casamento. Uma parte desses presentes foi mantida como sua propriedade. Uma cerimônia de casamento válida incluía beber "cerveja nupcial" diante de testemunhas e as testemunhas levando o homem para a cama da esposa. A esposa manteve seu nome e patronímico e seus laços com seus parentes nunca foram quebrados.

O principal dever da mulher era fornecer filhos, de preferência meninos. A manutenção de crianças pequenas ocuparia a maior parte do tempo de uma mulher. As crianças foram amamentadas por muito tempo. As mulheres também eram responsáveis ​​por cuidar e cuidar dos idosos e enfermos. Os homens vikings ricos tinham concubinas e relações com escravas e muitos filhos ilegítimos. O status dessas crianças nunca sofreu. Todos os filhos, legítimos e ilegítimos, geralmente eram criados em casa, embora alguns filhos do sexo masculino pudessem ser enviados para outra casa como filhos adotivos.

O adultério de uma esposa era um crime. De acordo com algumas leis provinciais dinamarquesas e suecas, o adultério da esposa deu ao marido o direito de matá-la e ao amante se eles fossem pegos em flagrante. Os homens geralmente tinham mais liberdade para cometer adultério. A evidência aponta para a poligamia sendo praticada por muitos condes e reis escandinavos.

O divórcio era fácil e não tinha estigma para nenhuma das partes. Tanto o marido quanto a esposa podem declarar perante testemunhas sua reclamação e sua intenção de divórcio. A mulher geralmente voltava para sua família com seus pertences pessoais e seu dote. É claro que a mulher manteve seu dote para não ficar sem dinheiro após o divórcio.

As pedras rúnicas da Era Viking mostram que o sistema de parentesco era bilateral, o que significa que as mulheres podiam herdar propriedades tão bem quanto os homens. Os filhos geralmente tinham direitos mais fortes do que as irmãs, mas as filhas tinham precedência sobre os tios e avós. Mais importante ainda, as mulheres podiam herdar terras de seus filhos e filhas que morreram sem descendência. A importância de garantir a propriedade da família era mais importante do que manter o sistema de patriarcado.

Havia mulheres solteiras durante a Era Viking. Aqueles que não eram necessários em casa podiam contratar-se para fazer trabalhos como fazer e lavar roupas, limpar, assar e preparar cerveja. As viúvas gozavam de certa liberdade. Ela não estava mais em dívida com seu pai ou marido e pode ter herdado uma propriedade considerável, dando-lhe segurança econômica. As mulheres vikings mais notórias detinham o poder por meio de seus filhos e podiam manter um respeito considerável se tivessem dotes e propriedades lucrativas.

Existem alguns relatos de mulheres que tinham poder pessoal e riqueza. Há a história de Aud, o Profundo, que levou sua família para a Islândia e distribuiu terras entre eles como se ela fosse um chefe. Existem inscrições em pedras rúnicas que atestam as mulheres enlutadas que pagaram e ergueram as pedras comemorativas ou construíram caminhos e pontes em memória de seus entes queridos. Algumas dessas pedras foram erguidas em homenagem às mulheres. Alguns dos túmulos mais ricos são de mulheres, indicando grande respeito, especialmente por mulheres mais velhas. Bens sepulcrais enterrados com mulheres podem incluir pares de balanças representando uma boa gestão doméstica ou com as chaves de comida ou baús de tesouro indicando sua autoridade no lar.

As mulheres, ocasionalmente, participavam do processo para fazer leis chamadas de “coisas”, mas principalmente como companheiras dos homens. Eles desempenharam um papel fundamental na prática da medicina, usando ervas e dando conselhos transmitidos de geração em geração. As mulheres também eram praticantes de medicina mágica, usando amuletos e encantamentos.

Em resumo, bens fúnebres significam o tipo de trabalho relacionado às mulheres durante a Era Viking. Esses objetos indicam que as tarefas das mulheres estavam relacionadas ao preparo de alimentos e roupas. As mulheres eram responsáveis ​​por criar os filhos e cuidar dos idosos. Eles tinham a capacidade de se tornar mercadores, trabalhar ao ar livre na fazenda e fazer carpintaria e couro, além de praticar medicina. Os enterros indicam que as mulheres podem alcançar uma posição social elevada nas comunidades rurais. O suntuoso enterro de Oseberg mostra especialmente que as mulheres alcançaram poder, influência e riqueza. Mas essas mulheres eram a exceção.

A introdução do cristianismo na Escandinávia abriu a oportunidade para as mulheres viajarem em peregrinações aos confins do mundo conhecido. As pedras rúnicas e as evidências da saga deixam claro que as mulheres viajaram e ajudaram a colonizar a Islândia, a Groenlândia, a Escócia, as Ilhas Faroe e até a América do Norte. Há evidências claras de que as mulheres também acompanharam os homens em viagens de comércio e invasão, especialmente na Inglaterra. Enterros nos centros comerciais de Birka, Hedeby e outros sugerem que as mulheres se engajavam no comércio, na manufatura e no artesanato, sozinhas ou com seus maridos. É claro que as mulheres desempenharam um papel fundamental durante a Era Viking.

Leitura adicional:
Mulheres na Era Viking: por Judith Jesch,
Uma breve história dos vikings por Jonathan Clements,
Vida cotidiana na era Viking por Jacqueline Simpson,
Era Viking: Vida Diária Durante a Era Extraordinária dos Nórdicos por Kirsten Wolf

Susan Abernethy é a escritora deO escritor freelance de história e um contribuidor paraSantos, Irmãs e Vadias. Você pode seguir os dois sites no Facebook (http://www.facebook.com/thefreelancehistorywriter) e (http://www.facebook.com/saintssistersandsluts), bem como emAmantes da história medieval. Você também pode seguir Susan no Twitter@ SusanAbernethy2


Assista o vídeo: RENATO GARCIA MULHER? OLHA OS CAÇADORES DE LENDA NA VERSÃO FEMININA (Outubro 2021).