Podcasts

Reis, guerras e ovos de pato: interpretações da poesia na saga de Egil

Reis, guerras e ovos de pato: interpretações da poesia na saga de Egil

Reis, guerras e ovos de pato: interpretações da poesia na saga de Egil

Por James C. Daughton

Anais da Sétima Conferência Anual MadRush (2016)

Resumo: Este artigo examina a função e as implicações culturais da poesia em Saga de Egil, uma saga islandesa escrita por volta do século XIII DC. O personagem-título, Egil Skallagrimson, é um guerreiro renomado e obstinado rebelde, mas talvez sua característica mais singular seja seu dom para a elaboração de poesia - um talento refletido nos quase sessenta conjuntos de seus versos que aparecem em todo o texto em prosa. Obviamente, esses poemas permitem que o leitor entre na psique de Egil, mas também cumprem o propósito mais profundo de iluminar os valores e experiências dos islandeses medievais. Egil eterniza a herança que compartilha com seus conterrâneos, explora (e explora) o lugar do poeta na sociedade viking e dá voz aos temas universais da amizade, morte e velhice. Seu versículo nos leva a ver a Idade da Saga não como uma época de lendas, mas como uma época tão autêntica quanto a nossa.

Introdução: Embora Saga de Egil é memorável o suficiente por seu derramamento de sangue, rixas e cenas comicamente nojentas de salão de hidromel, a única característica que o distingue mais distintamente das outras sagas islandesas é o uso extensivo de poesia. Mais de 60 conjuntos de versos apimentam a prosa desta obra - algumas afirmações heróicas, outras tocantes a epitáfios e uma tão habilmente elaborada que salva seu orador da morte. A razão para esses poemas aparecerem no texto é bastante óbvia: Egil Skallagrimsson, o guerreiro do século X e herói da saga, também era um poeta, e a maioria dos poemas da saga são dele. Sua função dentro da saga, entretanto, é menos clara.

Formalmente, eles dão vida à saga de uma maneira que seus equivalentes em prosa não conseguiam, permitindo que o leitor se conecte mais plenamente com Egil e seu legado simplesmente dizendo-os em voz alta; contudo, o tempo todo, um significado muito mais profundo habita na própria vida respirada. Ao analisar esse significado, descobrimos que esses poemas refletem a aura grandiosa de Egil, como homem e herói da saga, mas também que transcendem esta única obra e lançam luz sobre os valores e experiências importantes para o povo islandês, bem como motivos arraigados em seu subconsciente cultural desde antes da Islândia ser descoberta.


Assista o vídeo: O Nascimento de um patinho... (Outubro 2021).