Podcasts

Atitudes dos comerciantes em relação ao trabalho na Barcelona do final da Idade Média

Atitudes dos comerciantes em relação ao trabalho na Barcelona do final da Idade Média

Atitudes dos comerciantes em relação ao trabalho na Barcelona do final da Idade Média: organização do espaço de trabalho, distribuição de tempo e escopo de investimentos

Por Jaume Aurell

Journal of Medieval History, Vol. 27 (2001)

Resumo: O debate sobre a atitude em relação ao trabalho dos mercadores medievais e renascentistas tem sido um dos mais intensos da historiografia do século XX. Surgido a partir da publicação das obras clássicas do sociólogo Max Weber, o debate entrou no campo da historiografia propriamente dita após o surgimento dos artigos de Werner Sombart e Henri Pirenne.

Nas décadas de 1950 e 1960, as obras de Yves Renouard e Armando Sapori centraram a discussão sobre o desenvolvimento de uma cultura especificamente mercantil na Itália da Idade Média e do Renascimento. Nesse contexto historiográfico, o artigo a seguir é uma tentativa de abordar, por meio de fontes originais, a figura do comerciante na Barcelona do final da Idade Média. Essas fontes são inventários, testamentos e contratos de casamento, por meio dos quais é oferecida uma análise tridimensional da cultura profissional de tal comerciante; o conceito de espaço profissional; a organização do tempo; e os rumos de seus investimentos comerciais e patrimoniais.

O resultado desta análise é uma tentativa de reinterpretar a decadência de Barcelona no final do século XV através da noção de trabalho dos comerciários, tentando assim fundir a consideração das questões económicas e culturais. É também uma proposta de modelo de análise das categorias profissionais, que tantas vezes foram deixadas de lado por causa da preponderância de questões mais tradicionais como as concernentes à sociedade, à economia ou à política.


Assista o vídeo: Mágica, ensino e ciência: que relação é essa? (Dezembro 2021).